amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 6 de Maio, 2007

RIMANDO AMOR

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Amor sonhador
amor velador
amor zunidor
amor sedutor
amor calor
amor vapor
amor eretor
amor fervor
amor furor
amor suador
amor tremor
amor licor
amor sabor
Amor, aaaahhh amor….

Jorge Linhaça

Anúncios

Posted in poesia | 745 Comments »

ENCANTOS DO AMOR

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Encanto….diz tudo,
Nessa tela, sinto-o diariamente
Cada palavra, gesto, carinho,
Amanhece  nem  sinto..
Nada mais me separara de ti, recordo…
Todas as emoções vividas, com alegria
O sublime verbo amar, hoje
Sei conjugar
Diante dos nossos momentos vividos
O sol brilhou  para nós como arco íris
Atenuando a minha  solidão
Meu coração aqueceu
O desânimo desapareceu…hoje só
Risos e alegria

Marly Meneghetti

Posted in poesia | 3 Comments »

V I S Õ E S

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Só quero te amar,
dançar pra ti,
te seduzir
sentir teus olhos
cobiçosos de alegria
alegorias em tuas secas horas
onde passas o tempo
atento só a rememorar vida
já tão amarelecida

Só quero te alegrar
cantar pra ti,
te encantar
mentir que sou feliz
atriz pedinte de alimentos
apenas alentos para a solidão
solitária, solta a agitar
tentar assustar as horas
empalidecidas

Como eu queria ver você menino
Pequenino clamar felicidade
A imortalidade em chamas
Brasas em peraltice
A sorrir, pular e a viver
E dizer que ao longe
Onde mora o frio
há um fio tênue a te esperar

Soninha Ferraresi Porto

Posted in poesia | Leave a Comment »

O VOAR DA BORBOLETA..

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Abro as mãos e te liberto,
voas livre pelos jardins.
buscas flores solitárias,
solidárias flores perfumadas,
onde pousas a tremer as asas
e fecundas almas
com teu voar.

Quantas flores visitas, borboleta,
quantas sentem o teu leve pouso?
Encontrei-te lagarta ainda,
teci-te um casulo de versos
criaste asas coloridas
e te despediste de mim.

Me visitas esporadicamente,
vens em pétalas de flores,
em forma de bilhetes,
escritos com a tinta da emoção.

Voa borboleta voa,
executa o teu mister,
viaja mundos, dia após dia,
viaja nas asas da fantasia,
boa viagem, amiga poesia.
.Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

WAR

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Oh! Meu povo
Todo dia acordo
Meus olhos cheios de lágrimas
Sonho com mortos

A guerra se aproxima
Em passos cíclopes
Não há nada que a impeça
Fábricas produzem a morte

Som de botas marchando
Sobre o sangue coagulado
Nas calçadas os cachorros
Parecem satisfeitos

Vejo mísseis que passam
Luzes riscam a noite
Salvas de canhões antiaéreos ressoam
Crianças encolhidas embaixo da cama

Os homens se armam de ódio
As leis apoiam a matança
E as ordens do Grande Irmão
Ecoam em todos os rádios

Vibram as mãos dos esqueletos
Ossos estralam podres
Nos sacos de pvc
Sete palmos abaixo da grama

Belzebus dançam
Ao redor de uma fogueira
E se pintam
De preto ,vermelho,branco e azul

Oh! Meu povo
Todo dia acordo
Meus olhos cheios de lágrimas
Sonho com mortos

Bombas sibilantes caem
Os prédios explodem
Ruas em chamas
Cheiro de carne e fogo

Seja onde for
A bandeira listrada dos assassinos
Sobre os miseráveis
Se agita e impera!

carlos assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

A mulher que desejo

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

..Desejo uma mulher
que me faça exclusivo para ela

que nao me deixar pensar

nem ver outra que nao ela

que me ensine

todos os caminhos

e sinais

do seu corpo e de sua alma

Desejo apenas me dedicar

e amar

essa mulher

Joe’

Posted in poesia | Leave a Comment »

Coração valente

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

O caminho do amor
é ponteado de felicidade e dor
a felicidade de viver seu grande amor
a dor de magoar ou ser magoado por quem ama ou já amou

Assim é o amor
atropela sentidos e sentimentos
em sua frente , nada é impedimento
seja de onde vier, ou de quem for

Para saciar o coração
não há consideração
nem perdão
Persegue seu amor com obstinação

Haja ou não substancias da razão
Com as armas da paixão
Intuição… sensação e emoção
O mais está fora de questão

E o amor, intrépido, valente
completamente inconseqüente
busca seu amor somente
Com Fé, persistente,…lutando…esse amor morre ou vence.

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Poesia que palpita

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Cuando poesías componemos
La pena es empuñada por el alma
alimentada por las tintas del corazón
En los colores de los sentimientos y de las sensaciones

Las letras se combinan en versos
Y rimas a los sonidos del corazón
No son apenas textos
En indiferentes papeles asentados

Son sentimientos que resucitan
Aquella celulosa moldeada en hoja
No es mas una simple hoja de papel
Pues en el late un corazón en poesía

Al leernos, nos sentimos, por fuerza de la pulsación
En el contenida, letras como sentidos,
rimas y versos como sentimientos
Poesía que palpita, como un corazón
Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Linhas Partidas

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Existem palavras que deixam marcas
Algumas até arrancam pedaços
Sou uma péssima poesia
Destas estórias que não terminam
Pessoas que se cruzam por acaso
Depois partem com o verão
Andorinhas barulhentas

Dunas andarilhas
Sem métrificação ou rimas
Cavalos marinhos
Um nome está em todo lugar
Pertence ao universo dos espinhos
Amor eterno útero vazio
Conteúdo de toda inspiração

Nunca se sabe
Quando nascem os fantasmas
No instante que surgem
Formigas que perseguem na cozinha
Restos de bolo de aniversário
Em infindáveis noites chuvosas
Olhos inchados

A gente procura algo
Dentro dos espelhos
Alguma coisa especial
Que identifique o que somos
Mãos pintadas de tinta
Desenhos do passado
Runas que desaparecem

Sou uma péssima poesia
Destas que a mente
Não consegue conter
Linhas partidas
Versos que traem
Impiedosamente o espírito
Grãos que a terra calou

carlos assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

O QUE HÁ SE DER JÁ É

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

O que há de em mim arder, arde-me
O que há de me afagar, afaga-me
O que há de embebedar, embriaga-me
O que há de me socorrer, socorre-me

O que há de fazer mudar, muda-me
O que há de me alegrar, alegra-me
O que há de ser entregue, entrega-me
O que há de aprofundar, aprofunda-me

O que há de entristecer, entristece-me
O que há de me apaixonar, apaixona-me
O que há de me aquecer, aquece-me

O que há de me emocionar, emociona-me
O que há de me estremecer, estremece-me
mas…
A quem hei de amar, és tu, eternamente

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sua Voz

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

Essa sua voz que fala dengosa
E que arrepia minha pele…
Que pede com tanta ternura…
Não me deixe jamais!…
Essa voz linda que canta aos
Meus ouvidos… as mais
Ternas canções
De amor e fala do
Desejo… do sonho…
Da alegria de sermos um só!
Meus desejos se derramam,
Vestem-se de fantasias
E correm ao seu encontro…
Num misto de alegria e loucura,
desejo, paixão… aventura!
Então esquecidos do mundo,
Nos entregamos completamente…
Com a força de um temporal
E a mansidão de um rio…
Mais uma vez ouço sua doce voz,
Agora exausta, falar de amor…
E nesse momento, sinto
que estar no céu é possível!…
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

MORTE POR INANIÇÃO

Posted by amizadepoesia em Maio 6, 2007

A fome, não se nega, aos seus objectivos.
Crianças morrem de inanição todos os dias.
E ficam para trás todos e quaisquer sentidos,
Que sem empatia sobrevivem de hipocrisias.

Pobres crianças sem terra nem lar, comendo
O que apanham, aqui e acolá, do pisado chão,
E ouço-as ao longe carpindo misérias, remoendo
Um bocado de trigo ou uma côdea de pão.

Os abutres esperam por elas, definhando
Aos poucos, na terra que não tem mais lavra,
E mesmo que quisesse não teria palavra,

Para contar o que ante meus olhos desfilando
Mostra-me o quão cruel é esta mísera situação,
Com centenas de crianças jazendo no chão.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »