amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 11 de Maio, 2007

MUNDO MARAVILHOSO

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Nada se parece à beleza que o mundo tem,
Vivificante ele nos transporta para além de
Tudo, dá-nos os rios, as árvores e também
O azul profundo do céu e as aves, como se

A Terra acaba-se amanhã e nada restasse
Para contar para depois. Quão bela ela se
Mostra, e mesmo que mais nada prestasse
Ficariam os amados, para nos mostrar que

Vale a pena viver, neste pequeno vitral.
Os namorados sabem bem do que eu falo,
Quando passeiam na rua como um casal,

Que respeita o que os rodeia e lhes cerca,
Por entre árvores, de intervalo a intervalo,
Como se isto fosse tudo uma porta aberta.

Jorge Humberto

Anúncios

Posted in poesia | 1 Comment »

HOMENS HONRADOS

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Há um estoicismo, em todo o homem,
Quando este se depara ante a ditadura,
São como monstros que o consomem
Mas que ele enfrenta com toda a lisura.

Não lhe aplaquem a miséria – se este
Vive nela – nem apelem ao seu cinismo,
Não há nada pior que viver a pena deste,
Quando ele é votado ao ostracismo.

Contra o focinho da palavra ele se agita,
Não há algozes que o prendam aqui,
É como ao longe a voz quando grita.

Mas o que os outros não sabem ainda,
É que lá no fundo ele tem orgulho de si,
Na sua sorte ou na vida quando finda.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

É preciso sorrir!

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Ah… Sorriso débil… sorriso falso…
      Vai rindo… rindo alto… gargalhando
      Do nefasto dia… da sombria noite…
      Não ouças tua ode soluçando…

      
      Sorri… porque a vida passa…

      Não ouças coração… nada… nada!

      É preciso deter a dor… a lágrima…
      Fazer sorrir a platéia, a arquibancada!
      
      Há beleza em tudo, até na tempestade…
      Na trovoada… no raio que arrasa…
      É preciso sorrir… sorrir… sorrir!
      Vestir a fantasia… seguir nessa farsa…
      
      Pisa a maldita tristeza… do teu ser!
      Que crime maior… ela já te fez!…
      Vai sorrindo… a aurora já chega…

      Ninguém ira notar… a tua palidez…
      
      Tranca o soluço na garganta…

      Prende o maldito entre os dentes…

      Não digas… não contes… não confies…

      Pois que a traição… é cruel serpente!
      
      Vai!… sorri… sorri… – Sorri!!!

      É preciso matar… quem te está a matar…

      Quem roubou tua esperança… teu melhor…
      Isso… assim… faz teu coração sangrar!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Desejo

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Partilhamos do mesmo espaço,
ouvimos a mesma canção.
No tempo, somos sementes,
brotando a cada estação.
Conquistando, vamos amando,
ensinando e aprendendo a lição.
Se a vida tudo transforma,
e do trigo fazemos o pão,
façamos da nossa amizade
uma eterna emoção,
do amor, a perfeição,
das alegrias, a certeza,
da verdade, a Paz
do meu, e teu coração.

Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Com o seu amor

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Desejo seu colo

coberto pela lua

ou com a luz do Sol

sentindo seu calor..

acariciando meu corpo com ardor

para jamais esquecer

o amor que sinto em…e por voce

em qualquer lugar ou tempo desejando te ver

para sentir a doçura de seus afetos
do seu amor feito em carinho
que vem do fundo do seu ser

amor consciente…cultivado

que desabrocha em flor

que me envolve em fragancia

que me dá motivação…me dá vida

e é a minha vida…razão do meu ser

desde o principio até o final dos tempos

amando voce

 Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Jamáli e a flor

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Jamáli aguardava na esquina da cidade, olhando ao redor.
Seu olhar foi atraído por uma solitária flor que crescera na calha de uma antiga casa próxima.
Pos-se a imaginar o que teria
levado aquela flor a crescer em um lugar ermo e inóspito, como fôra ela parar ali e florescer.
Talvez o vento tivesse soprado a semente, ou algum pássaro ou inseto a tivessem levado para lá presa a alguma parte de seu corpo.
O que lhe chamou a atenção porém, foi o fato de , em um mínimo de terra, de solo fértil ela haver conseguido brotar apesar das intempéries comuns.
Pensou no ser humano, que também nas condições mais adversas, apegando-se aos seus sonhos e vontades, consegue florescer nos lugares mais improváveis, nas mentes brilhantes que brotam de ambientes sem estímulo aparente,
nos que saem de ambientes adversos e se tornam exemplos para todos nós. Jamáli saiu dali absorto em seus pensamentos e grato por mais uma lição aprendida das coisas simples.
E você? Por onde andam as suas raízes, em que solo elas estão entranhadas?

Tenham um bom dia!
Jorge Linhaça

Posted in AMIGOS, poesia | Leave a Comment »

O HOMEM NO MADEIRO

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

O HOMEM NO MADEIRO AFIXADO DE MANEIRA CRUEL…
O HOMEM NO MADEIRO
OLHAR FIXO A FITAR O CÉU

SUAS MÃOS DILACERAS POR CRAVOS TORTURANTES
SÃO AS MESMAS QUE SE ESTENDEM PARA O HOMEM

SEU LADO TRESPASSADO PELA LANÇA DO ALGOZ
É O MESMO QUE SE ABRE EM ABRAÇO PARA NÓS

SEUS PÉS FERIDOS COM O SANGUE A ESCORRER
SÃO OS QUE INDICAM O CAMINHO A PERCORRER

O HOMEM NO MADEIRO JAMAIS MORREU…
RESSURRECTO, SALVAÇÃO NOS CONCEDEU

O HOMEM NO MADEIRO …
O MADEIRO DE CADA HOMEM…

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

ENTRE ESCOMBROS

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Virá o dia em que o homem sairá à rua,
Propondo-se a lutar pelos seus direitos,
Não haverá sangue nem a alma irá nua,
E todos se dignificarão sem preconceitos.

O bom carácter, trazido de outros tempos,
Vingará acima de tudo, a verdade reinará,
E sem despotismos fugazes e outros alentos,
Será a sua própria vida quem sobrevirá.

E neste reinado de paz, haverá crianças,
A brincar sem medos de sobreavisos,
Com as mãos sujas de subtis esperanças:

Pedrinhas de contar, que elas jogarão ao ar,
Para as apanhar à maneira de guizos:
Cuidado, daqui em diante, proibido brincar!

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Deixe estar

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Já vi
Você
Já ouvi
Você
Já falei
Com você

Mas, isso
Foi há tanto tempo
Que lembrar
Nem lembro mais

Há um abismo
De incompreensão
A nos separar

Você fica
Na sua
Eu fico
Na minha

A vida segue
O tempo passa
E o abismo
Aumenta

Tal qual
A pedra atirada
A palavra falada
Não volta

Não dá ré
Deixa ficar
Como está
É melhor assim

Você não liga
E eu não telefono
O amor, foi bom
Enquanto durou

Apenas tente entender
O amor também acaba
E o nosso acabou
Vamos deixar
O tempo passar
A vida seguir

Você vai ver
Um dia ainda
Vamos sorrir

Deixa estar
Nada é por acaso
Deixa estar

Sempre é
O que tem que ser.
Deixa estar.
ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

Não diga

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Não diga
Nunca não
Não
A essas mulheres maravilhosas
Que sofrem tanto
Na maternidade

Quando o filho nasce
Fica dividida
O filho precisa dela
Para sobreviver
O marido
Tem medo de a perder

Não diga
Nunca não
A quem tem
Tanto amor
No coração

A quem sempre
Estás do seu lado
Em qualquer situação

Mãe onde estiver
Saiba que eu te amo
Mesmo não sabendo
Muito bem demonstrar

Eu te amo
Demorei mas consegui
Dizer o que eu queria te falar

ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

A cautela

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

A cautela
Nos aconselha
De que tudo
Já foi escrito

Eu penso
Que é verdade
Mas, penso também

Que tudo
Que foi escrito
Pode ser reescrito

De um outro jeito
De uma outra forma
Não será novo
O tema

Mas será novo
O poema
Porque um poema
Não se repete

ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

Vem

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Vem
Paixão
Coisa boa
Vem
Fazer-me
Feliz
Vem faz de mim
Seu aprendiz
E me diz
Como é amar
Amar de verdade
Sem maldade
Ou ruindade
Amar pra só se ser feliz
Vem e diz
Como é que é que se faz
Pra se amar pra sempre
E sempre é até nunca mais
Nos separarmos
Nunca mais nos deixarmos de amar
Vem
Paixão
Coisa boa
Vem fazer bater
Mais rápido o meu coração
Que anda devagar
Quase parando
Vem
Mas vem logo
De uma vez
Vem
ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

Vendo e ouvindo estrelas

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Sonhar e ver estrelas,
conversar com elas,
seja como for,
isso é o que chamo
a idealização do amor

Já disse Bilac o Poeta

“…pois só quem ama pode ter ouvido,
capaz de ouvir e de entender estrelas.”

São assim os poetas,
sempre o amor exaltando
capazes de bradar
que estão enxergando,
com seus olhares faiscando,
conseguindo ver
estrelas e até cometas,

e não cometa você o desatino
de, esquecendo a fantasia,
tentar esquecê-las,
pois o coração só bate,
tal como um vibrante sino,
toda vez que se consegue
sentir o amor que se sente,
na companhia de estrelas…

Gui Oliva

Posted in poesia | Leave a Comment »

A Magia está em você

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Se a desilusão atingir sua alma,

Devastando seus sonhos e

ofuscando novas possibilidades,

Pense na infinidade de caminhos que podem

se abrir para você

Em apenas um dia, uma hora, um minuto…

Se a frustração acariciar friamente sua face,

fazendo-te cair diante dos obstáculos,

Olhe para trás e veja o quanto você já caminhou e o quanto

cresceu colhendo em cada trilha

Amigos sinceros, amores, experiências inesquecíveis…

Se as palavras de insulto e humilhação

agredirem a sua integridade,

lembre-se de que elas são frutos putrefatos da maldade e
da inveja,

Vire-se e continue a caminhar

sem dar ouvidos aos fracos de alma que as pronunciam:

Um dia eles entenderão porque são completamente sós…

Se a preocupação com encargos do dia-a-dia tomar sua

mente e enfraquecer o seu corpo,

despertando o nervosismo e o estresse…

Olhe o horizonte e tente descobrir as saídas para os

problemas ao invés de lamentar

E achar que eles são piores do

Que realmente são…

Se o vazio e a insegurança

Invadirem o seu peito,

Suba em uma cadeira,

abra os braços,

feche os olhos e repita para si mesmo

“Eu posso voar…”

Você é capaz de tudo desde que

Acredite em si mesmo.

Se a solidão sussurrar em seus ouvidos palavras

melancólicas,

não se esqueça de que em cada dia,

em cada instante,

você conhece pessoas novas e que uma delas,

no futuro,

será o grande amor da sua vida,

Aquela pessoa que te fará acreditar

Em noites iluminadas,

Que estará sempre ao seu lado e

Juntos vocês terão muito a aprender…

Se a tristeza insistir em te acompanhar,

saiba enxergar a felicidade nas pequenas coisas da vida,

numa conversa com os amigos,

na brincadeira com o cachorro,

ou no jogo de damas com seu avô…

Rotina é uma palavra que não existe,

Pois cada dia traz consigo pequenas

Surpresas

e cada pequeno gesto

Guarda uma imensa felicidade…

E depois de tudo isso,

Olhe para si mesmo e veja o quão especial você é…

Imagine o quanto pode fazer pelo mundo

E pelas pessoas,

Valorize as suas qualidades e tente

corrigir seus defeitos
(o que é realmente difícil)

e saiba

O quanto é privilegiado por poder caminhar,

Cair e aprender com os erros,

Por ser capaz de escrever uma história única,

Como nenhuma outra…

Pense nisso…

Ouse sonhar, pois os sonhadores vêem o amanhã.

Ouse fazer um desejo,

Pois desejar abre caminhos para a esperança

E ela é o que nos mantém vivos.

Ouse buscar as coisas que ninguém mais pode ver.

Não tenha medo de ver o que os outros não podem.

Acredite em seu coração e em sua própria bondade,

pois,

Ao fazê-lo, outros acreditarão nisso também.

Acredite na magia,

pois a vida é cheia dela, mas,

Acima de tudo, acredite em si mesmo…

Porque dentro de você reside toda a magia da esperança,
Do amor e dos sonhos de amanhã.
(AD)

Posted in poesia | Leave a Comment »

Por que escrevo?

Posted by amizadepoesia em Maio 11, 2007

Por que escrevo? – Escrevo por terapia,
          Por melancolia… escrevo por alegria…
          Escrevo por simpatia… por antipatia…
          Quando o coração é pura taquicardia…

          Escrever é meu ópio, minha heroína,
          Tempero a vida com minha poesia…
          Tenho ao alcance das mãos os sonhos.
          Repudio, dos idiotas, a mentira e ironia…

          Escrevo, escrevo, escrevo; como escrevo!
          E meu céu, faço mais lindo… mais azul…
          Minha alma livre, voa num cavalo alazão…
          Sobre mares… planícies… de norte a sul…

          Escrevo… e lavo meu peito do amor
          Idiota, que nada valia e está desfeito…
          Conto do meu amor proibido, delicioso,
          Que chegou para ficar em meu leito…

          Por que escrevo? – Escuto o vento…
          As estrelas cantam mil melodias…
          A Terra em rotação fala da sua energia
          E encanta a poeta… e a sua poesia…

          Escrevo porque gosto da vida…
          Porque a morte me deixa vazia…
          Porque amo os amigos demais…
          Porque odeio do inimigo a covardia…

          Escrevo porque sou uma visionária…
          Acredito que nem tudo é ódio, patifaria.
          Sei que o amor vence tudo, cura feridas,
          Assim sendo, continuarei com minha poesia…
          © Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »