amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 7 de Agosto, 2007

Inconstâncias

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Se a equação deixa dizimas,
a raiz quadrada não é exata .
Em tese, tudo se justifica,
mesmo que não se encontre a solução.
Cobranças não são heranças,
mas, mudam a tradição,
inconstancias nesta vida,
só as sentidas
dentro do coração.
Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | 2 Comments »

VOZ DA VIDA!

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Sem lamentos.
Não posso ser fiel a você,
ferindo a razão do meu ser.
No teu caminho,
tenho dupla jornada,
que me leva a sonhar, sem limites.
Imputo-me o desafio múltiplo
das escolhas mutáveis das cores.
Do passado,
não guardo os rascunhos amassados;
no presente,
vibro com o perfume que evapora,
e, do futuro, faço uma fantasia,
em que a espera brinca
com o além da imaginação.
Não posso ser fiel a você,
ou a um principio,se, meio a tudo,
procuro afastar-me do fim, lógico,
e tão insano quanto o meu amar,
que nasceu, cedendo a ti o direito
de, livre, partir, sem pedir
volta pra mim.?
Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

A vida é um desenrolar de momentos

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

A vida é um desenrolar de momentos
que se sucedem dando-nos a ilusão de um espiral sem fim.
Escraviza a alma tanto sofrimento
no próprio alheamento que a faz assim.
Até que sem aviso tudo se transforma
e se esgota, em si mesmo, o pensamento…
Emerge, então, o silencio como norma
para que surja, finalmente, o entendimento.

Cill

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Quem Sou eu …

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Sou  arvore frondosa,
abrigo em minha sombra
meus entes queridos.
Julgam-me forte, sentem-se protegidos…      

Não percebem que minha força
está na minha fé !
Nem sabem como dependo deles 
para estar de pé .

A verdade é clara, simples, uma só!
Essa  super mulher que é mãe, que é avó,
é também frágil, é digna de dó,
quando o equilíbrio se esvai…

Não verga… É segura como o aço,  
porque tem a envolvê-la muitos braços…
Mas, se um deles, por infeliciade faltar,
a arvore frondosa cai…

Gildina Roriz

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quem sou eu?

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Uma mulher que viveu
todas as alegrias e desventuras!
Conquistou e perdeu amores,
ganhou filhos e foi privada de um deles.
Riu e chorou….viu o amanhecer e o entardecer,
falou e ouviu,….enfim,viveu!

Não preciso saber muito mais de mim
A sinceridade de minhas palavras(e versos)dizem tudo!
Falar sobre mim mesma é muito difícil,
pois eu acho que não me conheço bem.
Sei de algumas virtudes que tenho e de muitos defeitos.
Mas falar deles ou é cabotinismo ou masoquismo.
Ademais,não saberia quais aspectos abordar do meu ego.
Realmente não sei o que lhes dizer a meu respeito.

Creio que meus mortos
fazem o que sou
Pessoas idas,fatos,lugares
traduzem o meu jeito.
Enfim…………..sou o que morreu em mim
e mesmo assim,me quero viva,
alimento o sonho,a dor,o amor
E até a solidão!

Ciducha

Posted in poesia | Leave a Comment »

QUEM EU SOU..

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Sou uma passageira…
Embarco e desembarco sem
realmente saber qual é o instante
que realmente sou eu mesma…
Sou sonho…
A matéria é empréstimo e perece,
o sonho é eterno e permanece…
Decidi fazer do que é real, uma
ilusão e, da minha ilusão a minha mais
verdadeira realidade…
Seria como tingir a água de azul,
Por instantes desejar que minhas mãos
sejam flores e poder sentir o beijo
do beija-flor…
Já que conheço o ruido de um tiro,
me nego a aceitá-lo, prefiro ouvir
o que converam as árvores…
Outro dia diziam elas, que as estrelas
são as flores que bordam o céu…
Imaginação, loucura, ilusão…
Prefiro assim…

Naidaterra

Posted in poesia | Leave a Comment »

INDEFINIDO

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Nem tudo o que penso ser , eu sou,
Sou às vezes um ser indefinido,
Um ser complexo, não compreendido,
Sou pessoa? Sou objeto, não sei o que sou.
So sei que sou apenas um ser,
Um ser que não se define nunca,
Um ser que não admite ser o que é,
Aquilo que é; Aquilo que
representa ser,
Tudo para mim é um ponto de interrogação,
Tudo para mim não passa de ilusão,
Uma ilusão não alcançável,
Um místério, uma escuridão,
Afinal, interrogo a todo instante :
Quem eu sou?”
José Ernesto Ferraresso

Posted in poesia | Leave a Comment »

COMO DIZER O QUE PENSO?

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Como amar-te, só por te imaginar?. como dizer
      O que penso, se te penso e tu não estás comigo?…
      Sentir o sabor de tua boca, o suor de tua pele?.
      Quando virás, de além mar, para fazermos sentido?

      Como a saudade aqui, a esperança farta, o calor
      De teu corpo, se aí, onde estás, fazes da lonjura
      A minha ternura? Como o sortilégio. como nós,
      Se o espaço que nos separa é a minha loucura?

      Não! Não posso mais, viver sem ti. sentir o cheiro
      De teus cabelos, da lavanda que te perfuma mulher!
      Como fazer-te carinho? . como amar-te p’la manhã?…
      Se tu és meu destino, virás. virás um dia qualquer!

      Ah, e o teu sorriso, já alguém falou aqui do teu sorriso?…
      De como ele me enternece, de como ele me carece?…
      Como partir sem o ver na despedida?. como?. como?…
      Se o teu semblante me diz distância e tudo perece?

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

ABSTRACTO

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Escandaliza-me toda a fome, assim as guerras,
A prostituição infantil e o trabalho de menores;
Confesso que não entendo a agrura das terras,
Com que os homens partilham seus rumores.

Porque me sinto sozinho, rodeado de pessoas;
Porque tudo tem de ser tão abstracto – impudente,
Num mundo em decadência, cantando loas
Às bestas do terrorismo, numa vociferação doente.

Aqui, meus amigos, não há céu, acima deste rio,
Aqui reina a sem vergonha de uns quantos gentios,
Que se apoderaram das leis deste reino vil e frio.

Porém quando lhes digo de agnóstico meu parecer,
Ofendem-se, os senhores doutores, têm calafrios
E a enorme tendência em desconversar e ofender.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

HOY COMO AYER

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Aún no estoy preparado para perderte!
            Es que la luna todavía encierra en sí la belleza de la madrugada
            Y el rocío, que cae de las hojas,
            Es mi llanto, en las aguas el marullo,
            Que vierte sin sentido de destino o llegada.

            Aún no estoy preparado para perderte!
            Pués los campos encierran en sí los brazos de los hombres,
            Los brazos que me gustaría tener un día si la poesía
            Se me escapase de las manos, como ampollas de sangre,
            Vistiendo mis dedos delicados y refinados.

            Aún no estoy preparado para perderte!
            Pués todos los sueños són aquí posíbles y tú, aún que
            Tímida, vienes con ellos, para enlouquecer los sentidos,
            Con tu vientre amigo y deseado,
            Por los hombres pobres de la aldéa que ellos guardan con cuidado.

            Aún no estoy preparado para perderte!
            Y a la luz mortecina del candelabro veo tu sombra en el espejo,
            Corriendo arriba y abajo, como que buscando algo
            Que hubieses perdido y no le encontrases el sentido.
            Pero ¿que hacer de mí, si soy aquel que te habla de amor?

            Aún no estoy preparado para perderte!
            Ah! quién diera aquí, todas las aves mirando al futuro,
            Sobresaliendoles las ganas de un querer irreversíble,
            La misma voluntad férrea que tengo a cada instante mío
            Que hago nuestro por  amarnos.

            Aún no estoy preparado para perderte!

            Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

PARECER

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Agnóstico por condición, anarquista
      Por resolución, he aquí quién os dice
      De la vida, lo que en vosotros se contradice,
      Subyaciente hecho de un comodista.

      Filosofía es nada, ya la teología castra.
      Mejor es la poesía y la distinguida música,
      Cuando le escuchamos la acústica,
      Y ella nos dice en tono severo: – basta!.

      No quiero nada, porque nada ansío.
      Lo que doy de mí no es de nadie más.
      Ando por la vida sin norte y sin miedo.

      Si tengo, no digo que tengo. Si doy,
      No digo que doy. No sea que fuere de alguien
      Un día, que sea yo cuando no estoy.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

TODAVÍA NO ESTOY PREPARADO PARA PERDERTE

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Pueden llevarselo todo, hasta la propia vida,
      Porque sin tí soy nada y nada deseo…
      Oh alma impura! ¿que hiceste de la divina
      Cosecha, que el amor te trajo con deleite?!

      No como, no duermo, mi pensamiento
      Está contigo y siento que desfallezco aquí,
      Sin saber siquiera qué me trae el aliento,
      Porque no te tengo ya junto a mí.

      Sí! Erré! ¿pero quién no? en fin!…
      Y yo, que quería cuidar de nuestras ansias,
      me vi solo en este desierto sin fin.

      ¿Que hago ahora de mí?, nada importa!…
      Se fueron las batallas y las militancias,
      Sobrandome la clausura o una puerta.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTÁ EN TUS MANOS

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Por un triz se pierde, por un triz se gana,
      Ya dice el dictado y la gente, que, dolor tan grande,
      Enfrenta el esconjuro y la trama inópia del brazo,
      Cual infortunio o sagitado en forma de diseño.

      Pero, si quereis registro en la historia haced hazañas,
      Como aquella que irguió reyes por la vil ensaña.
      Y haz de tí un ser doble sin qualquer estorbo
      No te olvides sin embargo de llevar a serio el problema.

      Y enfrenta con coraje y resolución tu conducta.
      Embarca en la Nave de la esperanza tu regia voluntad.
      E tedrás así junto a tí a tu propio cambio.

      Verás entonces que, al final de todo, eres un Hombre,
      Hijo mío, con sabiduría y gallarda libertad,
      Que harán de tí, mi joven,  un ejemplo a seguir

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quero dizer-te que te amo

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Desde os rumores do mundo
desde minha pele, ao mais profundo
ao mais profundo do meu ser
desde este inutil ogulho

e do silencio que habita em mim
desde estas ganas minhas de viver
quero dizer que te amo
quero dizer-te que és meu
que nao no troco por ninguem
que por ter-te delirio

Quero dizer-te que te amo
porque és tão igual a mim
quando por nda discutimos
e logo de fechas em ti

Da pior das minhas falhas
do erro que por ele paguei
de um telefonema do meio
de minhas ganas de vencer
da felicidade que sinto
e desta febre minha por ti
desde que me ensinas-te a sorrir
quero dizer=te que te amo
quero dizer-te: estou aqui(estou aqui)
ainda que me afaste de teu lado
atás da janela de um taxi

Devo dizer-te que te amo
porque és minha unica verdade(minha unica verdade)
nao me soltes de tua mao
ainda que possamos terminar
desde o branco do papel
desde minha fragilidade
desde minha carta que te falo
de minha sinceridade
quero dizer-te que te amo
quero dizer-te que es meu(que es meu)
que nao te troco por ninguem,
que por ter-te, delirio

quero dizer-te que te amo
quero dizer-te: estou aqui(estou aqui)
ainda que me afaste de teu lado
atras da janela de um taxi

Quero dizer-te que te amo
quero dizer-te que (és meu), (que tu és meu)
que nao te troco por ninguem
porque és como eu, porque
quero dizer-te que te amo
te amo.
Tradução:Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor transcendental

Posted by amizadepoesia em Agosto 7, 2007

Yo tengo el viento, tengo el sol, yo tengo el mar
yo tengo la naturalez ,
y toda su pujante belleza

Yo veo ,oigo y hablo
Yo temgo vida en todos los sentidos
Pueden aprisionarme y puedo perder
el viento, el sol y el mar,
asi como no poder apreciar
toda la belleza de la Naturaleza

Pueden mutilarme
y yo perder los sentidos
de oir, el habla ,el tacto

y no poder ver.

Pueden sacarme la vida
mi corazón dejará de latir …dejaré de respirar
y no perteneceré más a este mundo

Mas núnca , núnca , ninguno me va poder
podar, controlar o matar,mis pensamientos
Ellos pertencen, a mi esencia, a mi alma, a mi Ser…
Mi amor es eterno, ninguno me podrá impedir núnca …
Amarte …
(c)Joe’A,

Posted in poesia | Leave a Comment »