amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 13 de Janeiro, 2008

Seguir ou seguir

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Vestido rasgado,

uns trapos jogados..

Seriam sonhos

em preto e branco

ou

alguém não se amando

por se encontrar em nacos?

 

Interessante essa vida!

Por ora

tem aparência de partida,

de repente

uma fada toca

e se torna fluídica!

 

Aquele

horizonte sombrio

do nada se expande,

trazendo brilho, sentido.

 

 Digo por mim,

do conhecimento,

só cheguei na espuma,

tendo um oceano inteiro

para perceber, distinguir.

Completamente solta

pude escolher.

Não demorou,

vi-me diante da escolha

de seguir ou seguir.

 

Não é à toa

que estando com as amarras frouxas,

o barco tende a partir

e é quando aprendemos, à força,

a discernir..

 

Vida..

tuas alegrias são tão poucas,

que não podemos nos demorar a reagir!

Aprendi a mudar logo de roupa

antes que me reste novamente a escolha

de seguir ou seguir!

rivkahcohen

Posted in poesia | Leave a Comment »

Se te perder

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Eu nunca sofri por nada que perdi nesta vida
simplesmente aceitava , tolerava o que para ela estava traçada
a perda de bens, a material… a perda de amigos, a emocional
a perda de amores… a sentimental

encarava que se comigo não ficava
era por que nao me amava…
podia sofrer, sofrer para esquecer
e passava…a dor… com o esquecimento…

e nunca tive receio de nada arriscar…nada perder
mas ultimamente, passei a ter receios, depois que conheci
amei voce…a simples perspectiva…me fez estremecer
e senti, que o unico medo que tive…e tenho… nesta vida..
é o medo de perder voce…

Joe’A
 

Posted in poesia | Leave a Comment »

Se Eu Tivesse Um Coração assim…

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

 Se eu tivesse um coração
      que não sofresse ante a desilusão…
      Um coração que fosse assim…
      Tão facilmente asserenado…
      Se conformasse em não ser amado
      e desistisse de buscar o amor…

      Se eu tivesse um coração assim:
      Tão devoluto, de ilusão sentida,
      Imune à dor da solidão sofrida
      e ainda sorrisse até da própria dor….

      Ah! se eu tivesse um coração assim…
      talvez passasse ilesa pela vida…
      Mas, se eu tivesse um coração assim
      tenho certeza que de tão desprovida
      e sem sentido… sem sentir a vida
      eu já teria chegado ao fim!

      Ah! Quero meu próprio coração, assim:
      feito a vela tensa de uma embarcação
      estremecendo ao sabor do vento,
      tal qual oscila o meu coração
      quando invadido por tal sentimento
      e o espírito cheio de emoção
      faz do amor um barco a sotavento!

      E, se o destino me reserva à frente
      o barlavento da desilusão
      Digo a mim mesma:
      -Vale mais a vida,
      quando se leva dentro alguma dor…
      Um coração eivado de ferida,
      à um coração vazio de amor!

      Eme Paiva

Posted in poesia | Leave a Comment »

LA VIEJA DE LOS POMBOS

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Calles estrechas, de esquinas asimétricas,
                  Allá va la vieja andrajosa, catando comida
                  Del suelo que le resta; hileras simétricas,
                  De un rostro aún lindo, siendo que sin vida.

                  Y todos los días la misma, atroz ladina;
                  Habla de un pasado ya olvidado, sino
                  Inquietante, burlesco; se dice aquí reina,
                  Joelhos en el suelo buscando codea de pan.

                  Las ropas, son puros harapos de tejidos
                  Y, el sudor, es tan horripilante como catinga;
                  Que le importa eso, de pies carcomidos.

                  Corre Lisboa acá y allá; da pan a los pombos;
                  En cuanto allí soletra, antiquísima, cantico,
                  Bien en el medio dunas cualquieras escombros.  

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

La mujer que deseo

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

..Deseo una mujer
que me tenga  exclusivo para ella

que no me permita  pensar

ni ver a  otra, que  ella

que me enseñe 

todos los caminos

y señales

de  su cuerpo y  de su alma

Deseo solamente  dedicarme 

 amar

a esa mujer

Joe’

Posted in poesia | Leave a Comment »

Juntos…Jamais

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

E agora nao posso
      deixar de pensar…
      em cada palavra
      que me fez voar…

      e agora nao posso
      deixar de pensar,
      em cada olhar
      disposto a sonhar…

      Nao consigo me livrar,
      deste forte desejo, que 
      por um sol, que com tanto calor
      terminou por derreter

      É muito duro despertar,
      por saber que nunca mais a verei.
      E meu amor, se irá com o vento,
      como queria…
      e será feliz, irei sem voce,
      e nunca mais estarei
      junto a voce… 

Nenina   

Posted in poesia | Leave a Comment »

Guardo

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Guardo
  No fundo
  Do meu olhar
  Em algum lugar
  Do meu cérebro
  Sua imagem
  
  Não sei
  Onde
  E quando
  Vi
  Só sei
  Que vi
  
  E nunca mais
  Esqueci
  ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

Entrega

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Há dias, em que fico pensando

                        Numa ansiedade quase louca

                        Se o que desejo, é ficar te esperando

                        Ou ir ao teu encontro e beijar-te a boca

                        
                        Indecisão… Não sei se vou, não sei se fico,

                        Só sei que a vontade de te ver é imensa

                        E aí, começa a razão a interferir como um castigo

                        Me induzindo a meditar se essa ânsia compensa

                        Não seria melhor aguardar com tranquilidade

                        Que a hora aconteça, sem me precipitar e sem correr?

                        Sei que os momentos virão, independente da minha vontade,

                        Mas, como disse o poeta, quem sabe, faz a hora, não espera acontecer!

                        
                        E como resistir ao apelo do corpo e do coração

                        Que trava uma luta feroz com a razão, em meu interior

                        Apelo que quer insensatez, loucura e paixão

                        E entrega absoluta a esse tresloucado amor?

                        
                        Às favas então a calmaria e a sensatez

                        Quero mais é sair correndo numa velocidade de cometa

                        Me entregar inteira e sôfregamente a você, de vez

                        E saciar esse desejo que a cada dia, mais aumenta!

Sônia Maria Grillo (Baby®)

Posted in poesia | Leave a Comment »

Chantagista do Amor

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Sim… chantagista do amor… é o que ele é!…
    Faz chantagem virá a mesa, chora por meu amor
    e sempre ganha o que ele quer!…
    Eu sempre boba no amor, como toda mulher…
    Diz adeus… jura não mais voltar…
    Me arrenpendo…
    Também choro e que nada… ele ali está!…
    Promete não ter ciúme, faz mil queixumes…
    Nem percebo o seu jogo…
    Embriagada com seu charme e seu perfume!…
    Chantagista do amor… é o que ele é!…
    Mais um dia que amanhece, sua cisma
    me condena… ele desaparece…
    Pinto e bordo, juro dessa vez não voltar!
    Sua voz macia, diz me amar como uma prece…
    Afinal o que ele quer?…
    Chantagista do amor, é o que ele é!…
    Ah… meu chantagista… moleque dengoso
    e teimoso… aqui estou aos seus pés!…
    Já perdida com o seu carinho e o seu beijo…
    Chantagista do amor é o que você é!…
    © Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

CANÇÃO AO AMOR

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Como uma rapariguinha, que necessitasse
                    De colo, assim és tu, meu mais doce amor.
                    E, se de mais alguma coisa, eu precisasse,
                    Bastar-me-ia passar por ti, e sentir teu olor.

                    Nada haveria já, que tanto me encantasse,
                    Como saber-te jamais, privada desse calor.
                    E, como aqui, algo, por fim. se realizasse,
                    Seria, simplesmente, a voz do nosso ardor.

                    Ah, minha mulher, tão amada. purificada!
                    Estarei eu alguma vez pronto para ser teu?
                    Saberemos, numa só alma, tê-la unificada?

                    Tua voz acalma-me, quando em desvario.
                    Mas se não fosses tu, hoje nada seria meu.
                    Não cabe aqui sequer, um pequeno desvio.

                    Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

As pessoas

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

As pessoas
Precisam saber quando
Mas não sabem
Os homens só são homens
Na boca das mulheres

As pessoas
Distorcem a mente,pertubam o futuro
O corpo esquecido,fruto do passado
A dor de uma existência vazia flutua
Lenço colorido no vento

As pessoas
Com seus olhos de papel
Caminham em rios de silêncio
Dividem beijos profanos
Ao sabor amargo da noite

As pessoas
Convivem com o não
Se perderem o amor
Não sabem o que fazer
Acham que vão morrer

As pessoas
Ouvem o cantar da natureza
Mas não despertam
Andam nas cidades
Entre ratos e baratas

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

A Noite é nossa

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Ah amor, enfim, aqui os dois,
      Na dança gostosa, moleca…
      Felizes, embalados pelo ritmo,
      Olho no olho, levados da breca…
      
      Até a noite acabar e o sol raiar.
      Telepaticamente conversando…
      Dancemos, assim… juntinhos…
      A festa só está começando…
      
      Com jeitinho, enlaço seu pescoço,
      Seu rosto no meu coladinho…
      Vamos os dois curtindo o sonho…
      Sugados beijos e muito carinho…
      
      Hum… seus olhos feiticeiros,
      Invadem, arreliam todo meu ser,
      Corpos mais e mais perto, inebriados.
      No rodopio do desejo e do prazer…
      
      O salão é nosso, a pista é nossa …
      Passos deslizam compassados….
      Frenesi, êxtase, giramos os dois,
       Loucos, completamente apaixonados!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

PÉROLA PRECIOSA

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Tu és a pérola mais preciosa
      – de um brilho e beleza sem par-
      encharcada em perfume de rosas,
      a reinar na imensidão do mar.

      Na tua concha , assim protegida,
      teu brilho emanas serenamente.
      Nos caminhos e atalhos da vida,
      ou nos labirintos de tua mente.

      Se a concha, forçada, se abriu,
      revelando o teu brilho interior,
      qual arco-íris no céu de anil

      foi por que, em ti, sentiste o amor,
      florando no peito, primaveril,
      trazendo à luz a pérola-flor.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

NAVEGO COM ASAS DE BORBOLETAS

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

Navego em meu galeão,
      de asas de borboletas,
      buscando minha paixão
      e as ilusões desfeitas.

      Sou da nave capitão!
      -tempestades me sujeitam-
      Navego em meu galeão
      de asas de borboletas.

      Em busca da atracação,
      em uma praia perfeita,
      liberto minha emoção.
      Nas asas das borboletas,
      navego em meu galeão

    
solto minha emoç/ão

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

A LOCOMOTIVA DO AMOR

Posted by amizadepoesia em Janeiro 13, 2008

A locomotiva do amor
      vem chegando na estação
      trazendo o sonho viajor.
      A locomotiva do amor.
      traz dentro de si o olor,
      de uma rosa aberta em flor,
      perfumando o coração.
      A locomotiva do amor
      vem chegando na estação.

 Jorge Linhaça

Posted in poesia | 1 Comment »