amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 29 de Janeiro, 2008

Por Favor

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Faça só o que você quiser!
Mas tudo o que fizer,
faça com amor!

Eme Paiva

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quem é?

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Quem é esta senhora comportada?
            Tenho notado, é sempre tão calada.
            Mas todos apregoam ser o dono,
            batem no peito, estão sempre a frisar,
            que junto a eles é o seu lugar,
            porém a vejo sempre no abandono.
            
            Ela me disse que isso está certo,
            que todos sempre a temos por perto,
            e cada humano que vive no mundo,
            exerce sobre ela o seu mandato,
            mas alguns dizem que ela não é fato,
             fingem não notar que ela está junto.
            
            Às vezes é bonita e elegante!
            Não sendo filha de nenhum rompante,
            traz no seu gene a marca de nascença,
            que renega a todos poder contestar,
            que ela tem cativo, ali, o seu lugar,
            e nesse caso nunca há desavença.
            
            Porém, às vezes, nasce de repente,
            de mãe cruel, assaz impertinente,
            que a joga na vida de um cidadão,
            sem que ele queira a ela se apegar,
            e tudo faz pra dela se apartar,
            mas perde essa batalha pra razão.
            
            Ás vezes é motivo de alegria,
            se a ela não ofertarmos rebeldia,
            mas quantas vezes se transforma em dor!
            A negação é o que mais nos merece,
            juntamos nossas mãos em rica prece,
            mas é difícil ela perder o horror.
            
            Talvez ainda não saibam de quem falo,
            mas ela existe e eu não me calo,
            por mais que doa a quem me ouvir falar!
            Nem sempre amei a todas que eu tive,
            algumas delas eu até contive,
            mas sempre emergem e vem nos perturbar.
            
            A minha, agora, chama-se: Tristeza,
            que na poesia mostra-se nobreza
            mas nos meus dias, só faz castigar!
            E é tão difícil concordar com isso!
            Pois sempre fui adepta do riso,
            entristecer não está a me cativar.
            
            Porém ela não vai me permitir,
            negar essa evidência do sentir.
            Ela é o que chamo de fatalidade,
            gostando ou não, jamais é controversa,
            quase sempre se expõe na conversa.
            O nome dessa dama é:  VERDADE!
             
    Tere Penhabe

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sons de Vayu

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Vozes que guiam,
instrumentos que se misturam,
vidas que terminam
e voltam incessantes.

Sombras que revelam a verdade,
o povo, a tradição.
O universo que existe,
dentro de sua canção

Ritmo misterioso,
emblema de rostos diversos
moldados na areia da pequena ilha.
Ilha das descobertas

Desejos que calam as ilusões,
calor humano sem presença física.
Mar de maldições.
Luzes como mímicas.

Flautas misteriosas, fogo que arde
sem nunca ter sido aceso.
Idéias engenhosas, mas
não há saída desse doce aconchego

Enfim, o centro da terra.
Centro da mente.
Centro dos “descentros”.

Homem centrado
das incertezas da vida.
Vayu, morte e vida,
vida da morte!

 Andréa Borba Pinheiro

Posted in poesia | 1 Comment »

Sou o homem que a ama

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Não apresse a agua do rio
O hidrogênio não se separará do oxigênio
Não apresse o vento da montanha
O destino não cantará por nós
Apenas um poema falará do nosso amor

Em tudo excedo por você
Seja na alegria das palavras
Seja nas lágrimas
Sinto-me na porta do delírio
Peito cheio de sentimentos

Não apresse as gotas da chuva
O dilúvio não cobriu Atlantis
Não apresse os passos dos lobos
A fome do desejo não vai acabar
Estenda o tapete do prazer no chão

Quando olho para você
Não existe mais ninguém no mundo
Tempo lento
Segundos  param nos relógios
Um eclipse irá reinar

Não apresse o luar
O vinho vem ao copo
Não apresse a cidade
Amanhã o carnaval vai chegar
E todos os corações do mundo irão sorrir

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

PARA O AMOR VIVER

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Para o amor viver,
                                
                                e nunca se arrepender
                                
                                e em carinhos se perder,
                                
                                fazendo do resto esquecer
                                
                                é um amor maravilhoso e completo,
                                
                                delicioso esse afeto
                                
                                deixando o coração de amor repleto…
                                
                                assim…realmente perplexo
                                
                                Deixo teu corpo alucinado,
                                
                                extasiado
                                
                                sempre que é por mim acariciado,
                                
                                amado
                                
                                e totalmente beijado…
                                
                                enlevado…
                                
                                Em cada carícia, em cada gesto,
                                
                                não importa o resto
                                
                                esse amor está manifesto…
                                
                                sem nenhum protesto
                                
                                Teus desejos sempre satisfeitos,
                                
                                sem defeitos
                                
                                pelos meus carinhos perfeitos…
                                
                                amores bem feitos
                                
                                Com muito amor, conseguimos
                                
                                prosseguimos
                                
                                esse prazer que sentimos…
                                
                                e consentimos
                                
                                Na certeza de satisfazer o desejo teu,
                                
                                bem como você me prometeu
                                
                                sei que satisfarás também o meu…
                                
                                doce amor você me deu
                                
                                O amor deixa teus olhos brilhantes…
                                
                                radiantes
                                
                                E no brilho de teus olhos apaixonados,
                                
                                enamorados
                                
                                percebo em teus sentimentos
                                
                                nenhum arrependimento
                                
                                que o amor acabou com teus lamentos…
                                
                                antes então sofrimento
                                
                                Nesse amor feito com tesão e paixão,
                                
                                tirando-me da solidão
                                
                                vou dando nova vida ao teu lindo coração…
                                
                                doçura de emoção
                                
                                Estamos vivendo o amor,
                                
                                com todo nosso vigor
                                
                                e o vivemos, seja como for…
                                
                                momentos de grande furor
                                
                                Com muito carinho e felicidade,
                                
                                não fugindo à realidade
                                
                                em carícias plenas de suavidade,
                                
                                com toda docilidade,
                                
                                vivemos este amor em total liberdade…
                                
                                buscando a felicidade
                                
                                E nestes carinhos frementes,
                                
                                loucuras decorrentes
                                
                                amamo-nos, simplesmente…
                                
                                não minto, não mentes
                                
                                Sorrir… cantar… é o que querias,
                                
                                alegrias
                                
                                e sem meu amor não poderias…
                                
                                vida vazia
                                
                                Quero ensinar-te do amor o caminho…
                                
                                de mansinho
                                
                                E da felicidade, com alegria e muito carinho,
                                
                                em busca de um novo caminho
                                
                                mergulhando na total imensidão
                                
                                esquecendo a solidão
                                
                                da voragem de nossa paixão…
                                
                                amor com tesão!
                                

Marcial Salaverry / Claudete Silveira

Posted in poesia | Leave a Comment »

Meu mais lindo sonho

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Ontem sonhei que sonhava
      e em meu sonho voce me amava
      quando despertei sonhei que me falava
      e sonhei que ja nao sonhava

      Estranho sonho!!! sonhar que me amava
      quando na realidade ja nao era nada
      mas quando sonhei, sonhei que nao ia
      sonhei que era um sonho
      e sonhava esperançoso
      de que algum dia, nao em sonhos
      regressarias do nada

      sonhei por fim que despertava
      e quando olhei para o céu
      eu vi que ali me esperavas
      e o amor por fim triunfava

      sonhei…por fim despertei
      somente hoje por fim desperto
      mas… voce segue sendo
      o mais lindo dos meus sonhos 

      Marlen 

Posted in poesia | Leave a Comment »

JOVENS PESCADORES

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Barcos partem para o mar revolto,
                  Não se vê vivalma, junto ao porto,
                  E, perto à janela, uma jovem reza,
                  Pra que o noivo, venha depressa.

                  Na fresta a chuva deixa o estertor,
                  E sentindo frio busca um cobertor,
                  Ficando ali parada, a astuta maré,
                  Que, por vezes, chega ao rodapé,

                  Tão jovem que ela é e tão sofrida,
                  Mas, este, é o único trabalho aqui
                  Luta árdua, pra constituir sua vida.

                  Por muitos sustos já passou, por
                  Quantos mais não sabe, mas, ali,
                  Não se entregará, ao dúctil amor.

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

IMAGINE

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Imagine aqui um mundo igual para todos
  Onde imperasse o gentil, de bons modos
  E, as palavras paz e amizade, o exemplo
  A seguir, a construção isenta dum templo 

  Não um templo religioso tan pouco pagão
  Onde todos fossem entregar seu coração
  Mas algo erigido co a alegria de um povo
  A construção duradoira dum mundo novo

  Imagine que todos tivessem aqui comida
  E a medicina, necessária, à subsistência
  Quer para o velho, o menino e a rapariga

  Imagine que não haveria aqui politiquices
  Que todos se regessem pela consciência
  Que se falasse direito sem vil ordinarices.

  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

HOLOCAUSTO.. O QUE SE SEGUE

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Não há nada que explique o Holocausto
                  A extinção de várias raças sem piedade
                  Milhões de pessoas vãs por um infausto
                  Homem seguindo de perto sua maldade.

                  Até onde, pode chegar senil demagogia
                  E a propaganda, aqui, bem orquestrada
                  Pois se morre nos braços a democracia
                  Então, oh, amigos, não resta mais nada.

                  Começaram por tirar tudo, mais sagrado
                  Ao homem: a família e os descendestes
                  No fim roubaram-lhes o ouro dos dentes

                  Valas comuns, de fuzil bem embriagado
                  Co corpos que não podiam ser de gente
                  Ao povo mostrou, o nazismo – demente.

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Do fundo do coração

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

De manhã
Quando faço o caminho para o serviço
Penso
Quem será este homem
Sobre meus pés

Queria uma discussão pacífica
E filosófica
Mas o que sinto
É vazio e amargura
O poeta não é ninguém

Tenho uma blusa com capuz
Escondo o rosto
Ando
O mundo ao redor
Tudo acontece

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Cuidar para amar…

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

No maltrates  a quien gusta de ti
      Ama a quién te ama
      Cuida bien a quién  amas
      Debes dar cariño y cuidar
      a quien  esta contigo

      Debes cuidar de su amor ,
       para  mantenerlo
      Porque no existe un buen querer,
      que no viva sin recibir amor
      Pués  el amor se cultiva con amor,
       para florecer

       La pasión  sin  calor, es como una débil llama
      que se apaga en las águas del  desamor
      Así  como el  amor sin  cuidados,
       sin la debida atención
      apaga al verdadero cariño.

      Todo cambia, todo pasa
      inclusive el  amor sin motivación
      Amar es  principalmente dar
      Y para ser siempre amado,
       debes  siempre amar…

      Sin  amor, el corazón muere de inanición
      y sin los fuegos de la pasión,
        y  las caricias,
      se apagan las llamas de la pasión
      Sin el  calor no perfuma la flor
      Y sin   cuidados  nada perdura

      El amor va unido con   las caricias
       y el afecto
      Y el beso, es para el cariño 
      El abrazo, para el cuidado
      La atracción, para el deseo
      Y la pasión necesita atracción 
      Y la atencion,  es para el respeto
      El cuidado es para  el cultivo
      El sol para el calor
      Y la felicidad reina, cuando hay   reciprocidad
      Hay que dar para perpetuar
      Y recibir para florecer

      Pués el amor se dá  unicamente
        de corazón a corazón !!!

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Como dizer-te que te amo.

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Como dizer-te que te amo com palavras
simples, claras e convincentes, que não
deixem dúvida alguma.

Como dizer-te que te amo, quando
meus olhos não sabem ver-te de outra
maneira, mais que amorosamente.

Como dizer-te que te amo, se sabes
que não sou capaz de ferir-te, nem demonstrar
minha perturbação diante de teu silêncio culpável.

Como dizer-te que te amo, adivinhes
que meu futuro não posso vislumbrar-lo sem ti
e meus passos são quase um eco dos teus.

Como dizer-te que te amo, quando sei
que sou prisioneiro de tuas promessas
e teus braços, de teu olhar e de teu sorriso.

Como dizer-te que te amo
quando minha vida faz muitos anos
consiste em formar parte com  a tua
para sempre e por sempre.

Como dizer-te que te amo,
se constas que o simples
pensamento de perder-te
me tira a respiração.

Como dizer-te que te amo,
sem fazer-te prisioneira deste
sentimento e que minha força
reside em amarte como o faço.

Como dizer-te que te amo mais que a mim mesmo
que foste que pôs ese formoso sentimento
em meu peito, o qual sempre florecerá em meu
coração.

Sobra dizer-te que te amo porque…

Tu és minha lua e meu sol
o ar que respiro, parte de minha alma,
e o mais que agradeço a Deus.

Como dizer-te que te amo…

Quando tu és tudo que sou!

 bebo

Posted in poesia | Leave a Comment »

BONECA DE PANO

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Boneca de pano
                gingando num cabaré…
                Poderia ser bonequinha de louça.
                Tão moça; mas não é!…
                Poderia ser bonequinha de louça,
                Tão moça; mas não é!…

Um dia, alguém a chamou de boneca
                e ela, sendo mulher, acreditou…
                O tempo foi-se passando e ela se desmanchando…
                Hoje, quem olha pra ela não diz quem é.
                Em vez de boneca de louça,
                hoje é boneca de pano
                de um sombrio cabaré…

Boneca de pano
                gingando num cabaré…
                Poderia ser bonequinha de louça.
                Tão moça; mas não é!…
                Poderia ser bonequinha de louça,
                Tão moça; mas não é!…

Em vez de boneca de louca,
                hoje é boneca de pano
                de um sombrio cabaré…

Assis Valente

Posted in poesia | Leave a Comment »

AOS SEM NOME

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Na mais indecorosa subsistência, sem nome
                    Nem identidade, selectivas ruas desta cidade,
                    É que o pobre andrajoso vai matando a fome
                    Sem nem sequer saber mais, qual sua idade.

                    De alguém foram filhos, doutros seu cognome,
                    Mas a vida madrasta, que bem cedo os invade,
                    Não lhes deixou riquezas, tão pouco pronome,
                    Para todos nós, não passam de uma raridade.

                    É vê-los nas lixeiras, procurando o que comer,
                    Empurrando carrinhos, cheiinhos de papelão,
                    Para vender, a um facínora sedento.qualquer.

                    E é com as míseras moedas, no bolso puído,
                    Que eles vão comprar a deleitosa côdea de pão,
                    Sem se ouvir desta gente, um único gemido.

                    Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A VIDA ESPERA POR NÓS

Posted by amizadepoesia em Janeiro 29, 2008

Acaso, amor, nossas vidas, já vivemos,
      Enaltecendo-a e a nós, co nosso amor,
      Pra que dela contritos a consideremos,
      Sem ao menos tecer-lhe grande louvor.

      A teu lado, sempre estarei, o sabemos,
      Não tenhas, por isso, qualquer estertor,
      Sejamos um e o outro, o que devemos,
      Resplandecendo e amando com fervor.

      Para o bem e para o mal estarei contigo,
      Pois que disso, nunca duvides, jamais.
      Que o que for teu, na alma, será comigo.

      E se agora temes, pela injustiça da vida,
      Segurar-te-ei nas mãos, em sonoros ais,
      Que tua alma liberta, jovem, perseguida.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »