amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 1 de Março, 2008

DESEJOS

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

DESEJOS
PARA ESSE NOVO DIA!
Paciência
para as dificuldades
Tolerância
para as diferenças
Benevolência
para os equívocos
Misericórdia
para os erros
Perdão
para as ofensas
Prudência
para as ilusões
Equilíbrio
para os desejos
Sensatez
para as escolhas
Sensibilidade
para os olhos
Delicadeza
para as palavras
Discernimento
para os ouvidos
Resignação
para a escassez
Responsabilidade
para a fartura
Coragem
para as provas

para as conquistas
Amor
para todas as ocasiões

TENHA UM ÓTIMO DIA!

Anúncios

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Bom dia

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Não guarde mágoas, guarde lembranças;
Não chore lembranças, recorde alegrias;
Não viva do passado, aproveite o presente;
Não fuja do agora, prepare o amanhã;
Você pode, e deve, escolher o roteiro de sua vida;
Apague o que já passou e não retorna mais;
Refaça o seu acervo de lembranças:
As más, relegue ao esquecimento;
Às boas, dê ainda mais brilho;
Faça a dieta da alegria:
Um sorriso à cada manhã;
Um agradecimento ao final do dia.

Posted in poesia | Leave a Comment »

DOS PÁSSAROS

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Pássaros não me deixam desde o amanhecer
  Me procuram com seu canto pois são livres
  Eu os recebo, fechada nesta casa, ao alvorecer
  E eles cantam enquanto há luz, livres
  

  Se calam quando a noite urge

  Mas se sais pelo campo

  Encontras as corujas

  Ao luar e um espectro surge

  Com seus rostinhos brancos

  Por que despertam medo?

  Será por mera lenda

  Beleza é o que vejo

  À noite estão calados os pássaros

  Dormem e isso desperta em meu ego

  A sensação de domínio, instantes raros,

  O mundo silente e minhas vozes a bradar

  É quando mais me desespero

  

  E quero ouvir de outros pontos do planeta

  Os cantos de pássaros sonhados

  Como se fosse parte de uma lenda

  Mistérios desejados

  E minhas vozes bradam

  Noite adentro, escancaram

  Um doce versejar…

  

Malu Otero

Posted in poesia | Leave a Comment »

POETA PASSARINHO

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Poeta és um passarinho

   entoando um canto de dor,

  que mais parece um hino,

  devotado ao puro amor.

  Quando em êxtase versejas,

  com as tuas asas de sonhos,

  Em verdade tu apenas gorjeias,

  teus sonhares mais tristonhos.

  E as lágrimas que descem,

  travestidas de ricas rimas,

  são águas que desfalecem,

  carregando todas as cismas.

  Que de paixão teu peito arde,

  nas noites de muita tristeza.

  Teus pássaros vindos da tarde,

  escondem de tua alma a beleza.

  E vagas pelas ruas da tua cidade,

  com os bolsos repletos de ilusões.

  Nenhum amor tivestes de verdade,

  a te aquecer do frio nas estações.

  Só te resta o consolo da poesia,

  essência de amor que nunca termina.

  Um doce pássaro que a todos contagia.

  Em sua mais alta magia, seduz e fascina.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

PÁSSAROS

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Pássaros noturnos em minha cama,
  aninham-se em meu travesseiro
  e deixam por lá, gotas de orvalho
  misturadas à raios de luar.
  

  Talvez por isso eu acorde

  vazio de angustias

  e com a sensação de que o dia

  vai ser de procuras

  e ainda que haja o desencanto

  ele não será dolorido, nem tanto,

  e a poesia que eu tenho

  há de permanecer pelo ar. 

  Pássaros, madrugadores que são,

  cantam hinos ao novo dia

  e comovidos anunciam

  que estarão sempre presentes

  aconteça o que acontecer.

  

  Talvez por isso, predadores

  permaneçam afastados, impotentes

  de semear vazios de entranhas,

  indiferenças estranhas,

  e, principalmente, secura de versos,

  pois se alimentam da estiagem de quando

  o poeta não consegue chorar.

  

  Pássaros viajantes

  cruzam o céu minha cidade,

  em suas penas, mensagens,

  do amor que eu trago preservado,

  lado esquerdo do peito,

  na realidade, poemas,

  inventário dos meus momentos

  coisas que eu nem sei se vão te interessar.

NALDOVELHO

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tarde sem sol

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Aqui estou olhando para o horizonte
enquanto o vento acaricia docemente meus cabelos.
As vezes penso que a vida é isso…
Tristeza, desilusão, decepção
Mas quando penso assim meu coração
me diz sempre que não!

Que a tristeza, a desilusão e a decepção
São reflexos do meu conceito, julgamento e
acima de tudo de esperar que os outros
tenham essa ou aquela atitude.
Reflexos da minha teimosia em esquecer que
cada um é um….
Cada um é ou não….
É, vai deixar, ou passar a SER….
E quando somos esquecemos o que SOMOS…
De onde VIEMOS e tampouco sabemos para ONDE VAMOS…

A vida tem dessas.
E quando agente menos espera
o fruto de nossa desculpa para não
assumir de vez que somos responsáveis
por tudo que cativamos arrasta o tapete
e ai CAÍMOS NA REAL.
Talvez seja por isso que a ilusão é doce, tenra, meiga… e só dói quando caímos na real.
Na realidade esquecemos que viver é isso!
Simplesmente isso. gostar, amar, querer
ser responsável…..tolerante e compreensível.
E quando somos tudo isso
A tristeza cai fora de nosso real e passa a ser
personagem constante de alguns momentos de nosso passado….
Para lembrar, agir e tentar hoje e sempre
ACERTAR .

Débora Acácio

Posted in poesia | Leave a Comment »

O TEMPO DE NOSSO TEMPO

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Enfrentemos a realidade o tempo
                corre fácil como se dado ao vento
                cada um com seu trabalho, dispor
                não tem, para dedicar-se ao amor.

                Mas no fim o que vale é o alento
                sem esforço, ou vil contratempo.
                que nos faça aqui mui contrapor,
                ante o que está, ao nosso dispor.

                Somos filhos do ferro e da pedra,
                está pois, em nós, tudo que gera,
                sermos desta ou doutra maneira.

                Hoje, mais que nunca, pertinente
                não basta, se for, inconsequente,
                ao gerir a minha forma altaneira.

                Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

NOSSO TANGO

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Nosso tango é paixão, sentimento,
      num bailado denso passional,
      rosas vermelhas lançadas no vento,
      em ritmo caliente e imortal.

      Nosso amor é um tango rasgado,
      é o sangue pulsando no coração.
      é mistura do sacro e pecado,
      dois corpos colados, lava de vulcão.

      Desfilamos esta nossa tragédia,
      dramatizando os nossos desejos,
      O amar queimando, nada de médias.

      Olhos penetrantes, doces ensejos,
      nossa lascivia a correr sem rédeas,
      parando apenas em nosso beijos. 

     Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

NAS AREIAS DA PRAIA DO TEMPO

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Nestas areias da praia  tempo,
      o mar apagou as minhas pegadas,
      que lá haviam ficado marcadas,
      qual uma trilha de meus sentimentos.

      Minhas pegadas, assim apagadas,
      qual fossem nuvens dispersas no vento,
      levaram, junto com elas, momentos…
      Cruzes fincadas à beira da estrada!

      Dos meus rastros, n’areia moldados
      restaram fragmentos de digitais,
      nos grãos d’areia, pois, eternizados

      Que a maré da saudade nos traz
      como sussurros d’um tênue passado
      que a memória não esquece jamais

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Israelenses e palestinos

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Sao todos irmãos
são todos filhos de Abrahao
Quando a paz vai tomar seus corações???
Por toda uma longa historia
marcada de guerras e paixões
tanto sofrimentos por tanto tempo
desgarrados, dispersados
da terra prometida expatriados
pelo mundo afora humilhados
pelo nazismo perseguidos, humilhados
torturados, e muitos dizimados
A terra prometida, a terra santa
todos voltaram, divididos
E hoje, vivem passionalmente. inimigos
Uns tratam os outros como filhos bastardos
ou injustiçados, deserdados
Creio que todos desejam a paz, a prosperidade
em toda região da terra Santa
Nao agem conforme seus proprios interesses
São sujeitos aos interesses, do oriente ao ocidente
da economia da industria das armas da morte
A Intolerancia é a mãe da violencia
A violencia é mae da vingança
que mata os sonhos, a esperança…
Nao podem lar a roupa suja,
dentro de suas proprias casas?
afinal todos tem suas culpas e razões
porque nao sentar na mesas da razão
Com Amor no coração
receber e conceder perdões
Com amor, com humildade vir a compreensão
E viver fraternalmente, afinal são todos irmãos
Todos ansiando paz e amor no coração
sem conflitos, tormentas ou sofrimentos
causou, vem causando tanta dor a seu povo
O Poder é do povo, para o povo
Para o bem de todos voces
Que a Terra Santa, seja o santuario do Amor
da Fe, da Esperança, da Paz…
Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Como será?

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

A rosa murchou
  No pé da roseira
  Quando você foi
  Pra sempre foi
  
  A vida perdeu
  A razão de ser
  Sem saber
  O que fazer
  
  Com a vida
  Com a roseira
  Tento entender
  O que vai acontecer
  
  Com a roseira
  Eu sei
  Outra rosa
  Vai nascer
  
  Com a vida
  Não sei
  Se resistirei
  Ou morrerei
  
  Sem seu amor
  Não sei
  O que será
  Será
  
  Pode nascer
  Outra rosa
  Mas, igual
  Não mais
  
  Pode nascer
  Outro amor
  Mas o seu
  Não morrerá
  
  Viver é uma surpresa
  Que se renova
  A cada despertar
  
  Espero acordar
  Pra ver
  O que será
  
  Como será?
  Será!
  ABittar

Posted in poesia | Leave a Comment »

Cem Anos Atrás

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

 Ah como eu gostaria de ter aportado

      Aterrissado caído do bico da cegonha

      Ou chegado a este mundo

      Num balão de qualquer cor!

      

      Quisera que isto tivesse acontecido

      Cem anos atrás porque hoje eu saberia

      Qual seria a melhor forma de chegar!

      

      Tornaria ao mundo poderosa vitoriosa

      Luminosa cintilante irradiante como Astréia

      Plena de cores e matizes

      Semelhantes a conchas de abalone!

      

      Viveria intensamente sem pensar em agradar

      Ou desagradar esta ou àquela pessoa

      Não diria sim a tudo e a todos

      Não me encolheria de medo

      Ao enfrentar olhos dominadores

      Enfrentaria o mundo pelos meus direitos!

      

      Meu amor seria passional e sem limites

      Eu amaria o homem que mais me quisesse amar

      Porém um dia a vida clamaria por seus direitos legais!

      

      Só assim então eu lembraria que ela tudo me ofereceu

      Todavia imatura orgulhosa irreverente

      Apenas lhe sorri… E nada aceitei…!

      

      Hoje queria ver um alguém chegar

      De outro lugar e me encontrar

      Não submissa nem poderosa ou vitoriosa…

      

      Mas sim a mulher sensata e carinhosa

      Que a vida ensinou a ser alguém

      E a compartilhar o amor

       Com o amor que se quer bem!

      

      Hoje eu veria a vida com olhos diferentes

      Viveria em paz e suavemente

      Pois o amor que cresce lentamente

      Transcende o espaço e o tempo

      Que ainda resta à nossa frente…!

 Iracema Zanetti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor em silencio.

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Quisera dizer-te
      o que meu coração sente,
      mas ao notar sua presença
      minha alma emudece.
      Quisera expressar
      o que se encerra em meu peito,
      mas ao querer expressa-lo,
      se fecha em silencio.

      Como dizer que te amo,
      como dizer o quanto te quero,
      se quando esta junto a mim
      meu corpo estremece.
      Como gostaria de lhe contar
      como me sinto por dentro.

      Quando sinto seu olhar
      fixo no meu
      quisera dizer-te
      com ele o que
      nao posso em palavras.

      Minha alma tímida
      se sente triste
      por nao dizer lhe
      o que sinto em simples palavras.

      Mas o que eu sinto
      é muito grande,
      e dentro de meu coração
      o sentimento está muito bem
      trancado,
      como numa caixa forte
      com seu cadeado.

      Se algum dia
      o descobrir
       e tavez neste dia me deixe falar.

      Sente uma grande amizade por mim,
      diferente do que sinto em mim..
      Me sinto… morrer.  

      Loly Carmona

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amar-te

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Amar-te…  É mais que uma expressão…
É mais do que viver apenas… É religião.
Sentir vibrar a alma como um címbalo…
Ter o coração entregue em tuas mãos…
 
É viver… Querendo-te em mil loucuras…
Ter-te toda hora e querer-te sempre mais…
Meu… Tão meu… Tão lindo… Tão intenso!
Sentir tua respiração aportar no meu cais…
 
Amar-te… É o ontem, o hoje… O amanhã.
É sentir a vida jorrar em todos os poros…
Deslizando por meu corpo como um céu…
É repetir em teu ouvido… Que te adoro!…
 
Amar-te… Vai muito além deste mundo,
Vai às profundezas do ser e do sentir…
Na voz emudecida do desesperado beijo.
E pouco importar o que estará por vir!…
 
Amar-te… É a mais bela das demências,
Viagem pelo astral só de ida, sem volta!
É oferecer-te meu corpo como alimento…
E não ver mais nada além daquela porta!
 
Amar-te, é a doença que não quero curar!
É a agonia gostosa que me ateia fogo!
É a lágrima…  E o sorriso contagiante…
O querer mais, porque sempre é pouco!
 
Amar-te… É deixar-me enclausurar…
Nos teus abraços doces e amorosos…
Os dois, num grito surdo e apaixonado.
É mirar-me em teus olhos bondosos!
 
Amar-te… É toda a minha história…
É toda a minha existência agora…
Meu caminho de luz… Minha aurora!
Meu mais rico tesouro… Minha glória!
 
Amar-te… É tomar posse do universo,
É acreditar que tudo iremos vencer…
Unidos por esta força interior e divina!
Amar-te é, a cada dia, morrer e renascer!

Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

O FOGO DA PAIXÃO

Posted by amizadepoesia em Março 1, 2008

Sou  borboleta que invade a tua sala.
      Sou  borboleta que te pousa na mão.
      Sou a centelha, que na lareira estala,
      o amor, eu sou, em eterna crepitação.

      Sou o teu altar, sou o toque no teu corpo,
      sou o sussurro te chamando de meu bem,
      sou o desejo, que à tua porta já vem,
      eu sou a paixão, atracando no teu porto.

      Sou o teu aquecedor, nas noites mais frias,
      sou o teu refrigério, nas noites de verão.
       Sou a tua  realidade, as fantasias…

      Eu sou a chama que aquece teu coração,
      eu sou o teu conto de fadas, a tua magia,
      Muito prazer! Meu nome é senhora paixão. 
     
  Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »