amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 14 de Março, 2008

Realidade

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

O desejo que foi
                  A saudade que é!
                  Fim da esperança
                  Lembranças
                  Do sonho que parecia tão perto
                  Mas extrapolou as fronteiras
                  Da razão
                  Perdeu-se nos distantes
                  E inconstantes
                  Labirintos da emoção
                  Verdadeiros desertos
                  De indiferença e incompreensão
                  Eis a síntese de uma realidade
                  De uma história
                  Como outra qualquer
                  O desejo que foi
                  A saudade que é!

                  Walter Pereira Pimentel

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

O AMOR NÃO MANDA AVISO

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

O AMOR não manda aviso…

  Simplesmente porque ele já existe

  plenamente e absoluto em nosso coração….

  O que acontece numa relação

  é que projetamos este sentimento

  que alimentado por outro coração

  faz do mundo um paraíso….

  Aí ele é alimentado pela PAIXÃO…

  

  O nosso maior sonho é encontrar

  alguém para este amor compartilhar…

  Alguém que realmente saiba amar…

  

  Amar é querer bem!

  É Iluminar o outro com a SUA luz…

  É perfumar com o SEU perfume…

  É dar alegria com a SUA alegria…

  É ser mágica com o SEU talento…

  É ser humana com a SUA condição….

  Ninguém pode me fazer chorar

  se o meu coração não deixar…

  Assim meu amigo amado
  deixa seu coração inundar de amor

  e, com esta fortuna

  você pode ser o maior DOADOR…..

Penhah Castro

Posted in poesia | Leave a Comment »

O VÉU

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Translúcido véu que recobre a alma,
      inspirando os temores e as dores.
      Quem pode rompê-lo ?

      O corpo anseia carícias,
      a mente ressende vontades,
      Ah! A razão e seus zelos!

      Qual bolsa gestacional,
      imersa nos líquidos amnióticos,
      prestes a eclodir…

      Ah! O véu que recobre mentes,
      tornando as auroras e poentes,
      impedindo o home de sentir.

  Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Preciso do seu amor

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

jogo o papel no cesto
novamente
nada é tão certo
quanto o sorriso
que nos maltrata

passo os dias catando
palavras no ar
zumbidos intermináveis
moscas que passam
zombando dos poetas

o carteiro entregou
cartas devolvidas
nunca recebidas
nunca enviadas
na caixinha do correio da vizinha

fecho os olhos para imaginar
um corpo sensual
uma pele de cigana
mas a dor refaz o sofrimento
mãos que buscam fantasmas

preciso do seu amor
amor tão perfumado
flor roxa perdida no mato
o dia se vai
e o poema morre cedo

Carlos Assis

Posted in poesia | 1 Comment »

PORTUGAL QUE NÃO VI

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Ó Portugal

de relva florida,

 de infindos parreirais,

para nós outros és história,

é um pecado na minha vida

não ter te conhecido,

oh linda Portugal!

Imagino que lá tem mais estrelas,

que o seu luar tem mais encanto,

ao som de lindos fados…

sinto falta do que não conheci

e que me apaixonei,

sou para ti um amor unilateral,

No silêncio do castelo medieval

sombras da tua história…

crias em mim mil fantasias,

Portugal tu és beleza

tudo em ti é encanto

és um sonho de um enamorado

Vivo num mundo de fantasia,

a sonhar ao som do fado,

fonte santa da poesia

poesia… poesia…

em ti tudo

é poesia.

 

Tarcísio Ribeiro Costa

Posted in poesia | Leave a Comment »

QUADRAS AO GOSTO POPULAR II

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Há quem me queira pelas costas
            e há quem me queira bem.
            Mas se as ditas estão expostas,
            palmadinhas não dou a ninguém.

            Sou muito eu e assim está certo,
            dos outros não me intrometo.
            Mas acaso vir-te aqui por perto,
            meus ensinamentos prometo.

            Nada sei que outros o não saibam,
            pois tudo o que aprendi foi na rua.
            E se na minha mão só uns caibam,
            amigos não se abrem com gazua.

            Podes estar deveras contra mim,
            mostrar-me até teus argumentos.
            Mas se acaso, não sabes de ti,
            de que te servem os pensamentos?

            Já vi por aí muitos doutores,
            com licenciamentos e sabedoria.
            Melhor ficariam como trovadores,
            a cantar para outra freguesia.

            Nunca desejei mal a ninguém,
            mesmo quando ofendido.
            Só sei que muitos ficam aquém,
            do que pelos outros é pretendido.

            E há ainda aqueles que, da verdade,
            julgam-se sumamente hereditários.
            Mas quando os vejo fazerem alarde,
            mais não são que rufias ordinários.

            Mais vale só, que mal acompanhado,
            lá diz o nosso velho adágio.
            Eu gosto de ter meus amigos ao lado,
            esse é o meu maior apanágio.

            Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

VIDA

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Ah, vida que me chama

      nesta manhã de brando sol!

      Meus pés tocam o fresco orvalho,

      canta bem-vindo o rouxinol!

      

      Esse seu cheiro de barro,

      trazido do riacho corrente,

      desperta na alma o menino,

      que corre feliz e contente!

      

      Ah, vida que me chama

      nesses caminhos esquecidos,

      para que eu a veja balançar os coqueiros

      perdidos!

      

      Olhar a chuva beijar no poente

      a relva salpicada de flores…

      A vida dançando além arco-íris e você

      coberta de cores!

      

      Ah, vida que me chama e eu vou,

      tomar o seu vento no rosto,

      sentir, de seu beijo, o gosto,

      das suas mãos, a acolhida!

      

      Além do seu cantar lá no rio,

      olhar a sua tarde no cio,

      no dia quase vencido…

      

      Ah, vida que me chama ! Já estou indo,

      espiar seu dia lindo

      ou pensa que terei fugido?

      

      Em suas areias brancas faço desenhos

      da lua em seu céu estrelado…

      Dos sonhos que solto em sua brisa,

      sobre os capins perfumados…

      

      Ah, vida que me chama!

      Acha mesmo que não vou?

      Na canoa que desce o rio,

      nas asas de um condor?

      

       Engana-se!

      Sou cara de pau!

      Menino traquino e feliz…

      

      Nem precisa me convidar mais

      uma vez!

      Vou correndo ao seu encontro…

      Receber o seu colo de madrugada,

      com estrelas esparramadas!

      

      Eu a quero sem pensar!

      Abraçá-la com amor,

      de você me banhar,

      em seu rio, em seu mar!

      

      Até o dia em que se despedir de mim,

      sobre um céu que contigo duetei

      ou em sua mansa cama de alecrim,

      com certeza dormi, em suas asas voei!

      

      

      ®José Geraldo Martinez

Posted in poesia | Leave a Comment »

A DONA DA SUA INFELICIDADE

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

 Não tem um dia que eu não pense em você,
      não tem uma noite que antes de adormecer
      eu não relembre a nossa trajetória.
      Eu sempre recordo da nossa história
      e o que mais me faz sofrer
      é ter certeza, é já saber
      que ela não foi única, não foi original,
       não foi a primeira, a última, nem a principal.
      Hoje você deve vagar por aí
      cheio de novos sonhos que não são palpáveis
      e deve achar que eles serão estáveis.
      Seus sonhos nunca se concretizarão,
      você nunca será dono de um coração
      pois eles passam pela sua mão
      e depois você os detona sem razão.
      Imagino que por detrás dessa sua insensibilidade,
      que gera uma imensa crueldade,
      deve existir também sofrimento.
      Imagino que você deve ter momentos
      em que sua psique encontra-se tão atormentada
      que você cai numa brutal cilada
      e compreende que sua vida emocional não vale nada.
      Nunca se esqueça, porém,
      que quem traça nossos caminhos não é ninguém,
      somos nós mesmo que os construímos
      e por eles vamos seguindo,
      portanto a dona da sua infelicidade
      é a sua própria vontade.

Silvana Duboc

Posted in poesia | Leave a Comment »

Dependente

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Acaricio aquele rosto, barba por fazer

        Corpo saciado, respiração se acalmando…

        Um pouco antes tentei retroceder

        Mas, hipnotizada, a ele fui me entregando.

        Procura-me sempre com a certeza

        De quem domina minha vontade…

        Um só toque e a chama fica acesa

        Meu desejo se consome à sua majestade.

        Esqueço as horas, a força foge de mim

        Troco o sol pela lua, o dever pela cama

        O corpo insiste na palavra “sim”

        Mas a razão depois grita e reclama.

        Nem sei se evitá-lo vai adiantar

        E passar meus dias dizendo-lhe “não”

        Se o olhar dele sorrateiramente continuar

        Corrompendo o meu fraco coração.

        

        Marise Ribeiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

ETERNO AMOR

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Ah! esse alucinado amor de arrebol

que chega com as cores da primavera

esquentando a pele com os raios de sol

tão preciosos inundando uma doce quimera

 
Chega como um conto de fadas expresso
nas melhores intenções de querermos ser
apenas felizes por poucos instantes
nos braços de um bem querer

 
Tem o sabor dos melhores vinhos
daqueles curtidos em tonéis de carvalho
que fazem despertar o desejo dos amantes
de recolherem na boca as gotas de orvalho

 
Traz em seu bojo as nostálgicas brincadeiras
de um tempo de infância quando o reinado
era simplesmente o das mil maravilhas
perdidas no tempo, deixadas no passado

 
Um amor assim, que chega com a brisa
e sopra suave aos ouvidos, tal um realejo
que traz os recados dos enamorados
cheios de vontade de trocar um beijo

 
Um amor que acrescenta e enobrece,
que afaga a alma e aquece o sentimento
que traz a paz e a certeza inabalável
de que neste chão haverá sedimento

 
Amor idealizado e até  mesmo esquecido,
de como é tão bom amar e ser amado
Pisado nas poças d`água com pés descalços
respingando no ar a doçura do apaixonado

 
As trocas de juras eternas se concretizam
entre os abraços apertados e mil carícias
nem mais a vida nem a morte irá separá-los
viverão eternos em seu santuário de primícias

“O amor não tem idade, nem preconceitos contra qualquer criatura que tenha passado ou não a vida em brancas nuvens e após tantos anos vividos, deseje ardentemente se apaixonar de novo…é só abrir as janelas da alma
e as portas do coração.”

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Voce ..tudo que eu queria

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Quanta coisa eu pensava que sabia
sobre o amor e o amar
e ainda nao conhecia
somente com voce vi, senti que existia

Cada dia, em mim descobria
o quanto do amor que sentia
algo nobre, novo… vivia
a cada instante, momento, a cada dia

o carinho do toque de sua mão macia
da forma como me via, ouvia
e voce no seu todo respondia
com um amor todo em puras caricias

hoje eu vivo, respiro, me alimento
de voce,seja em pensamento,
seja em nossos ardorosos momentos
no eeu colo, no seu alento e aconchego

Meu amor no seu confia
se entrega com paz e alegria
satisfaz tudo que ele anseia…
Viver com voce pelo resto dos meus dias
Joe ‘A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Amor, te digo esta palavra mil vezes repetida
                  Ao acaso sem pensa-la, como um soluço

                  Amor, te digo esta palabra que se faz vazia
                  A força de nomea-la,  nao sei o que significa.

                  Amor, porque hei de pronuncia-la  sintindo esta agonía
                  Se nao me diz nada nada, a digo por rotina.

                  Amor, que enfebrecida magia ardendo em tuas pupilas
                  Me arranca essa palavra, se já nao sei dize-la

                  Amor, porque hei de pronuncia-la  sintindo esta agonía
                  Se nao me diz nada nada,
                  a digo por rotina.
                  Amor…
                  Luis Eduardo Aute

Posted in poesia | Leave a Comment »

Puro amor

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Por tí siento deseo,
pero lo que sobresale
no es la pasión, no son las ganas
pero sí el carinho, afecto y amor.

Eres tan especial para mí!
es algo que no imaginaba que existiera,
me pensaba que sabía amar
pero solamente ahora el amor descubrí.

Como es diferente de los amores de antes!
es algo maduro, con sabor definido,
es más que deseo, es una ansia
que viene de dentro de mí.

Contigo no hago el amor,
simplemente nos amamos.
Nuestra mirada flirtea
con mucho cariño y afecto,

que nos causa orgasmos en el alma.
Es algo indecible, muy allá del Ser,
del tener o de cualquier sentir,
es amor, puro amor, lo que siento en mí.

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

DOCES CEREJAS

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

Nunca imaginei um sim tão fulminante.

      O meu nem deixou que eu  raciocinasse,

      a razão cegou, a emoção tomou conta.

      E me deixei levar pelas tuas mãos,

      até onde a imaginação alcança

      e a sedução enlaça forte.

      Agora meus dias são diferentes,

      como se não andasse mais sózinha,

      mas com uma sensação deliciosa

      de estar bem acompanhada.

      Nem quero racionalizar,

      pensando nos complicadores,

      siquer quero ter expectativas

      se vai dar certo ou não.

      Só sei que quero viver

      com toda intensidade este agora,

      este presente que se descortina.

      Às vezes até me belisco,

      pra ver se não estou

      sonhando acordada….

      Mas enfim…talvez nós dois

      estivéssemos precisando

      destes instantes mágicos,

      de redescobertas,

      de sentir um frio no estomago e

      uma fogueira acendendo o coração.

      Fazia tanto tempo que não me sentia assim,

      que até já havia esquecido como era

      esta sensação e sentimento

      em expansão…

      para onde? não importa…

      importa que agora é,

      agora está,

      espero poder dizer

      agora estamos,

      Já que não te conheço tanto assim,

      mas já te sinto tão próximo.

      E mais uma vez o acaso

      chegando em cores vibrantes

      trazendo as cores do arco-íris

      ao alcance dos nossos dedos.

      Quiçá as suas cores não esmaeçam,

      passado o primeiro ruflar dos tambores..

      Mas o que importa isso???

      Se as cores desmaiarem

      antes da próxima estação,

      pelo menos teremos aproveitado

      o caliente sol de verão,

      em beijos e carícias,

      em um paraíso de primícias,

      que são para a alma e o coração,

      só beleza e delícias…

      E que as doces cerejas, ainda congeladas,

      derretam-se integralmente,

      quando saboreadas à mesa,

      em compartilhada ternura e beleza.

 Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

OUTONO

Posted by amizadepoesia em Março 14, 2008

a chuva de outono

alaga a terra de

outono   terra

de água de

outono

 

as mãos de outono

da terra cavam

água   vida

de outono

na terra

 

lágrimas de outono

na terra lavram

água   terra

no rosto

da vida.

 

josé félix

Posted in poesia | Leave a Comment »