amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 16 de Março, 2008

MULHER

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Flor que se doa com amor,
mulher guerreira  e com fibra,
 ousada, genitora e protetora…
 
José Ernesto Ferraresso

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

MULHER

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Há uma fonte sagrada

no ventre da mulher,

semente abençoada!

 

Anna Peralva

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mulher

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Mulher,ser supremo,
que a todos conduz,
com heroismo e amor!

Arneyde T. Marcheschi

Posted in poesia | Leave a Comment »

Súplica

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

        Ouça -me  amor…

        Te quero de novo junto a mim…

        Te querer é o meu viver!

        Te adoro, te amo, te venero…

        Volte vida minha!

        Venha de novo em meus braços sonhar,

        ou viver mais uma realidade!

        Nosso amor tem

        que sobreviver a tudo e a todos…

        Te quero junto amim…

        Te desejo como sempre!

        Teus beijos ainda queimam

        em meus lábios!

        Teu querer será sempre lembrado!

        Meu querer te aguarda…

        Meus braços te esperam…

        Volte, venha me amar de novo!

        Não me deixes a suplicar em vão…

        Volte, vida minha!

  Gena Maria

Posted in poesia | Leave a Comment »

Uma pintura…

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Numa velha tela eu pintei…
  Com fino pincel de pêlo de camelo
  Cada traço eu colocava o sentimento que
  em minha alma brotava.

  Pintei um canto do céu, com nuvens de gazes
  Soltas brilhantes ao sol
  Lindo pássaro voando tranqüilo
  Planando pelo azul do céu
   Asas a cruzar à procura do ninho.
    Levada pela saudosa lembrança
  No meu coração palpitou a esperança.
  A cada pincelada
  Nova fantasia eu criava
  Sempre sonhando à medida que eu pintava.

  Enxugo o pranto, o meu vôo amanso
  Quando sinto o teu olhar que me procura
  Tua mão na minha.
  O teu beijo na minha face.

  No céu se descortina, do passado, o quadro aberto
  Névoa  de lágrimas coberto
  Aos meus olhos saudosos aparece
   A tua grande esperança
  De amor eterno que juramos
  Minh’alma nesse enlevo aspira
  O doce amor dos primeiros anos.

  Mas a tarde foi chegando
  Alma aquecida, parte em busca de outros
  caminhos
  Sonhando com o conforto do carinho.
  Olhando aquela pintura
  Ave linda que no momento de enlevo
  Me transportou pelos antigos caminhos
  Meu coração se compadece…
  Rasgo a linda pintura
  Soprando ao vento os pedaços
  Dando assim liberdade a ave que eu havia
  aprisionado.

  Nelim Monti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Somente por amor

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Hoje,  agora quando aqui
            nao te vejo ao meu lado
            sinto um grande vazio
            que falta que voce me faz

            nada me agrada, nada me satisfaz
            mesmo nos falando,
            por telefone ou via virtual
            sem voce junto a mim, nada é igual

            Seu olhar, seu toque, sua presença
            mais que preciso, necessito
            de voce junto a mim
            é uma saudade tão forte, tao grande

            que não há como medir, nem consolar
            essa distancia tão grande está a nos provar
            e tanto nos judiar, alem do caminho
            que temos que trilhar, quanto de nós enfrentar

            O quanto abandonar, o quanto recomeçar
            o quanto magoar, o quanto contrariar
            no entanto sabemos o quanto nos amamos
            para tudo isso, por nova vida e esperanças, enfrentar

            Joe’A

Posted in poesia | 1 Comment »

Bom dia

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

      “Amor quando é verdadeiro e sublime…
      Não acaba não morre, não se apaga…
      Toma-nos para sempre… Por inteiro…
      Faz morada no coração e na alma”!
      Mary Trujillo

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Colheita de sensações.

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Proponha-me um insulto a razão.
Devasse a noite,
Até que a denúncia do dia
Mostre todo nosso delito.
E o tanto de prazer
No qual fizemos o deleite,
Surja como um reflexo de luar.
Invadindo a intimidade da aurora.
Um contra-senso afrontando a manhã,
Descarregando o intento das pretensões.
Paixão e jugo!
Possessivo intervalo.
Que se extingue entre nossos lábios.
Vindima do êxtase.
O brilho da chama e sua sensação
Onde se oculta o sorriso de um amanhecer.
 
Gerson F. Filho.

Posted in poesia | Leave a Comment »

O Anjo da Misericórdia

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Quando em teus olhos
      de repente, se fizer noite,
      e a insuportável dor
      da grave doença
      que te consome lentamente,
      por encanto, cessar…
      Essa é a tua hora!

      Segura nas mãos
      do Anjo da Misericórdia
      e vai cavalgando, sem medo,
      nas asas do vento,
      sentindo a leveza
      de tua alma iluminada,
      agora liberta
      das dores do mundo.

      Ouve as trombetas dos anjos,
      anunciando tua chegada,
      e o Pai, ao fundo,
      de braços abertos, à esperar por ti.

      Vai em paz!…

 Simone Borba Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

A DROGA SEM ENGANOS

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

O enganado é corrompido,

      vive iludido,

      perde tudo, por nada,

      condenar a si à morte,

      diluir a beleza vital

      em um lento e triste funeral,

      ve na loucura, um cortejo de amigos,

      à distãncia, afastando-se

      com corações dilacerados,

      sem carregarem nos ombros

      a culpa de verem um amigo

      por prazer sofrer,

      ao não crer no poder

      de dizer: “Não às drogas.

      Eu quero viver!”

      Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | 1 Comment »

ENGANADO PELA DROGA

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

   Por caminhos, tortuosos, sobre-humanos, passei,

      Andei à míngua, e dolorosamente, pão mastiguei,

      Pois que me faltavam os dentes, que a malquista

      Droga, me hei levado, para longe, de toda a vista.

      

      Muitas vezes pedi socorro baixinho, me entreguei,

      Ao dia a dia, feito cegueira; meus punhos aí cerrei

      Contra toda esta maldição, contra todo alquimista,

      Que na mão punha o saco que perto de mim dista.

      

      Dormi ao relento, se dormir fosse então já possível,

      Pois que a falta se sobrepunha a tudo, e consumia,

      O pouco alento que aí me sobrava, ainda discutível.

      

      E como não podia deixar de ser a Overdose surgiu,

      Por mais de uma vez, e a auto inflação me distraia;

      Eis que, não podendo nada contra mim, me mentiu.

      

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

É POSSÍVEL VIVER FELIZ

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Procuro em ti toda a esperança que perdi
      em tempos, não muito longínquos; e amo
      como nunca amei nem mais amar resolvi,
      não foras tu, essa, por quem eu proclamo

      Tende cuidado co vossos filhos pois eu vi
      o que a droga pode fazer; então reclamo,
      como sinal de alerta, pelo muito que vivi,
      o que agora em voz bem alta subtil clamo

      Se a minha voz fosse longe, até mais não,
      diria, a estes pobres desgraçados, o amor
      que é necessário para se sair desta prisão

      Depois eu tive a sorte de ter a quem amar
      mostrando-me o excelso caminho, o calor
      que é preciso ter, pra nova vida encontrar

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

VIVER EM PAZ CONTIGO

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Num supus, no dia em que te vi,
      que tu serias, presença em mim.
      Nem que minha vida aí ausente,
      me tornasse, novamente gente.

      Nada tive, nada nem quem aqui
      mostrasse caminho indo-me daí
      para outro lugar; pois, presente,
      passado e futuro, é um repente,

      Bem pode fugir, de nossas mãos
      se não estamos certos, do trilho,
      a seguir é como dormir em vãos

      Onde o frio, nos consome alma,
      corpo e demais; eis, o caminho,
      seremos gente, de muita calma.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

JANELA FECHADA

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Não perdôo a traição, hoje você dorme fora.

            Pode dar meia volta, indo logo embora.

            Você não tem jeito não, pior que caipora.*

            Me deixa na mão, sempre a qualquer hora.

            Não abro a janela, não insista, não adianta.

            Vê se te manca e pára de me fazer de anta.

            Não acredito quando dizes que sou uma santa,

            que devo te perdoar, que o amor tudo suplanta.

            Não tem nada não, na mesma moeda eu pago

            e nem vou precisar tomar nenhum trago.

            Voasse vai ver, é pior que dor de lumbago,

            vais sentir na cabeça um peso meio vago.

            Já estou farta desta estória de apaixonado.

            Você vai pro bar, bebe muito, fica chumbado.

            Beija toda mulherada, fica bobo, abestalhado,

            depois esconde a cueca,  jogando aqui no telhado.

            E não me venhas mais com o teu lenga-lenga,

            vamos acabar de vez por todas, esta pendenga,

            pega aqui as tuas coisas e some seu molenga,

            que não te quero mais, procura outra quenga. 
  Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

SOLITÁRIO

Posted by amizadepoesia em Março 16, 2008

Solitário vives nas profundezas,
buscando quem sabe uma paixão.
Passas muito tempo em incertezas,
que dilaceram teu pobre coração.

Há tempos deixei de buscar entender
porque ages assim, tão estranho.
Pregas com ardor o bem querer,
mas ages sob um ímpeto tamanho.

Chegas de repente e me chamas
depois somes por dias e dias.
A quem pensa que tu enganas,
agindo assim, cheio de elegias.

Na vida tudo passa na fugacidade.
E todo anseio que não se cultiva
morre, desagrega sem piedade.
Se queres amar, ser amado, cativa!

Se desejas viver teus sonhos,
faças do diálogo uma oração,
assim terás cotidianos risonhos,
recheados de sutil emoção.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »