amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 17 de Março, 2008

Um pouco de Você

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

pessoas falam coisas erradas
nas horas mais inapropriadas
mas qual o momento conviniente
para se falar sobre o amor

porém tenho de dizer algo
uma revelação
palavras profundas
uma a uma ordenadas

a voz não esta nos livros
a voz não esta nas gargantas
a voz esta em liberdade
no vento e na chuva

caminho no caminhar
perto do limiar do espelho
ouvindo os cochichos das estrelas
e os zumbidos dos insetos

escuridão tudo condena
escuridão tudo encobre
sejam os rangidos do móveis
sejam os grunidos do animais

o medo alimenta o pavor
o pavor nutre o pânico
o pânico conduz a  insanidade
a insanidade produz poesia

a mesa parece grande
o papel quase some
mas os versos crescem
ondas do mar chegando na praia

um pouco de grafite
um pouco de inspiração
um pouco de não sei o que
um pouco de você

o sentimento algo pesado
deixa o andar lento
prega os pés no chão
aposenta as asas

as letras se espremem
linhas cheias
estrofes gordas
a mente uma cortina

escuridão tudo condena
escuridão tudo encobre
sejam gritos
sejam gemidos

o final não tem graça
pois foi pensado
algumas horas atrás
nas tintas claras da imaginação

pessoas falam coisas erradas
nas horas mais inapropriadas
mas qual o momento conviniente
para se falar de amor

carlos assis

Anúncios

Posted in poesia | 1 Comment »

Sombras da Manhã

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

acontece
quando amanhece
agua que desce
talvez o amor não interesse
o corpo não aquece
vê se esquece
o mundo enlouquece
quando amanhece
e nada florece
agua que desce
talvez o amor não interesse
o corpo não aquece
acontece
quando amanhece
e nada florece
vê se esquece

carlos assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

QUANDO EU MORRER

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Quando eu morrer não me levem flores
nem tenham pena de mim nem chorem
apenas quero partir, sem dever favores
e que todas as flores, por mim ali corem

E, na minha despedida, aja muitas cores
enfeitando as roupas dos que socorrem
minha urna descendo à terra sem dores
dos que cantam, dançam, e logo correm

à comida disposta na mesa mais ao lado
E o espaço do meu sepulcro está aberto
com o melhor dos vinhos encomendado

E assim partirei, sem destino já marcado
pois que vou da densa noite, ao coberto
para onde me leva o Universo agraciado

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

O TEMPO E O VENTO

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Os dias correm pálidos.
No céu as nuvens, a luz embaça.
Vem vento…com tuas mudanças.
Sem por favor atrapalhar o tempo,
no seu caminhar .

Sei que em teu sopro pedaços de vida hás de me trazer
noutra parte, muito de mim, hás de pra longe levar.
Mas sopra, sopra por favor.
Cuida apenas por onde vens…

Vem devagarzinho, traz contigo o claro da luz,
e leva pra lá as brumas.
Sopra um pouco de alegria e
empurra as tristezas para bem longe.

Vem vento… mas vem cantando do teu meigo jeitinho
de mãos dadas com o tempo…
lentamente!
E quando mais forte quiseres soprar, não te esqueças;
Não te vejo, mas te sinto!

Aurea Abensur

Posted in poesia | Leave a Comment »

Somente seu, amor meu.

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Não vejo a hora de novamente
me encontrar com voce
te abraçar, beijar.. te ver
como é bom estar no seu abraço

Sentir seu corpo colado ao meu
com tanto carinho
com tanto sentimento
coisa que somente sinto com voce

Sua presença alimenta minha alma
dá viço a todos meus sentidos
traz paz para meu coração
acalma a minha solidão

Completa todos os anseios
de minha saudade
embeleza as minhas paisagens
vejo coisas que sem voce nao via

Teu cheiro invade todo meu ser
qualquer que seja o perfume
se submetem ao seu, seu cheiro
Uma fragrancia que me contagia

Teu toque me submete
aos teus anseios
nao me canso de te fazer carinho
de te apertar no peito de mansinho

Ao olhar nos seus olhos
minha alma se derrama na sua…
se declara, completamente apaixonada
sou seu, somente seu, amor meu.

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

A meu amor

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

 A meu amor
    
      Poderá partisse a lua

      Poderá o mar fazer-se gelo

      Poderão rugir as montanhas

      e ficar negro o firmamento

      Poderão soprar furacões

      e chover dias inteiros

      Poderá o sol ficar negro

      e partisse o céu ao meio

      e poderão crucificar-me

      com cravos os pés e mãos

      mas nunca impedirão

      que diga a meu amor!!!

      te amo !!! 

    

robert1  

Posted in poesia | Leave a Comment »

Se ela for embora

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Menina
  Em teus olhos não ficarei
  Porque meu coração ficou magnético
  E o teu sentimento era sintético
  
  Menina
  Nosso desejo secreto
  Estava escrito no muro de concreto
  Que nos separava
  
  Menina
  Teu colo é meu abrigo antiaéreo
  Meu abraço é feito de ar
  Nosso amor é frágil, mas etéreo
  
  Menina
  Minhas palavras calaram
  E nós nos esqueceremos
  Como mortos num caixão

    
  Andre Luis Aquino

Posted in poesia | Leave a Comment »

Você é como vento?

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Algumas pessoas são como o vento
  Não são só um lamento
  Dos humores do tempo
  
  Por serem feitas de ar
  Não admitem nenhum obstáculo
  Impedindo-as de entrar
  
  Então elas acham um jeito
  Em estado de alma saem do peito
  Penetrando pelas frestas

    
  Andre Luis Aquino

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sonhos

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Os sonhos são doces arroubos da alma!
        O peso de sonhar,  é bem que acalma.
        Alguns, eu sei… (Deus!) como são cruéis!
        Nascendo inocentes, tão inofensivos.
        Ninguém há de prever os seus perigos,
        Sem desejar, nos levam aos bordéis.
        
        A socorrer a dor de tantas chagas,
        Vemos que conseguimos meras pragas,
        E o que foi bom então já não é mais…
        O sonho em pesadelo se tornou.
        Ao acordar vê-se o pranto que jorrou,
        Que até se pensa não sonhar jamais!
        
        Mas não sonhar iguala-se a morrer.
        Então vamos sonhando sem querer.
        Juntando os cacos do sonho passado,
        Porque o futuro vai ser quase igual,
        E apesar disso jamais é banal,
        Parece que acabou de ser gerado.
        
        Sonhos são andrajos d’um pobre menino,
        Que quase sempre é estranho no ninho,
        Ao qual,  todos chamamos: Pensamento!
        Que nunca é castigo nem tormento,
        Mas é melhor andar sempre sozinho.
        
        Nos sonhos, não desisto de investir.
        Mas quando penso que ganhei, perdi.
        E dá trabalho começar do zero,
        Tecer todas as fibras de outro sonho,
        Que não pareça ao mundo, tão bisonho,
        É como procurar o que eu não quero…
        
        E encontrar bem antes do esperado!
        Sem que o terreno esteja preparado.
        Não compra o morto quem não tem canastra!
        Viver é um jogo insano e delicioso!
        Mas pra viver, o sonho é precioso,
        Ainda que sempre me falte uma carta!
        

        Tere Penhabe

Posted in poesia | Leave a Comment »

O OLHO DO COMPUTADOR

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Já não se ouve uma boa música
livros não lêem, nem se discute
uma noticia tomada por pudica
eis quem venha aqui, perscrute

O que vai mal, nesta vida lúdica
que, saia à rua, o povo ausculte
perceba aí, o porque, da rústica
indiferença, que a todos, incute

O teatro morre, fenece, isolado
e, os actores, pedincham, labor
algo, onde o seu dom, alienado

Possa, de novo ressurgir activo
Porém hoje, todo computador
faz tudo, roubando o atractivo

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

PARA O MEU AMIGO RO

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Altruísta, trabalhador e nada convencido,

      assim é para todos nós este belo menino.

      Mais atento se presta com sua mãe, irmã,

      dádivas, que ele agradece, a cada manhã.

      

      Desenvolto, em tudo que faz, a profissão

      e os estudos levam quase toda a atenção

      não deixando porém de lado seus amigos

      inda mais se estes se sentem aí perdidos.

      

      Homem dos sete ofícios pra nada diz não

      estudando e trabalhando com mui afinco

      sempre pensa no futuro com propensão.

      

      E quem o conhece bem, sabe que brincar

      não é fado é condição; ó ser, tão distinto,

      bem dita a pessoa, que, contigo, for casar.

      

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

O MUNDO NAS MÃOS DAS CRIANÇAS

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

É imperativo que se incuta nas crianças
valores como a união e a solidariedade
não pudemos olvidar, suas esperanças
nem esquecer, que elas são a verdade.

Uma criança não mente, só por mentir
à nossa semelhança elas por arremedo
ainda acham, que, o mundo, é só fingir
correm prós braços dos pais, co medo.

Vivemos num mundo, dev´ras inseguro
nossos esforços têm de ser redobrados
para as crianças doar-lhes algum futuro

Que as faça ter alegria, e mui sabedoria
que menino ou menina aqui enganados
não sejam, por poderosa e vil oligarquia.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

CORRENTES DA PAIXÃO

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

    Das lembranças de teus divinos beijos,
      não posso-nem quero- talvez, esquecer…
      São cálido orvalho do meu desejo,
      cicatrizes que não quero esconder…

      Nas noites o teu corpo eu revejo,
      Sonho as carícias a nos enlouquecer,
      embalados ao som de um realejo…
      Sem sonhos, não vale a pena viver.

      Se somos folhas lançadas ao vento,
      cada qual a seguir o seu caminho…
      Inda hoje a ilusão alimento

      Que nas voltas de qualquer torvelinho,
      sejamos reunídos num momento,
      e deixemos de caminhar sozinhos.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

VOCÊ TEM MEU CORAÇÃO

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

Meu amado, encanto das horas
Me enfeitiças com a tua doçura
Quando chegas e dizes sem demora
Amor estou ardendo em só ternura
E me chamas pra sentar juntinho
Com mil dengos e afagos me cercas
Não resistirei mais ao teu carinho
Do meu amor espero não te percas.
É claro querido, que estou feliz!
Porque me perderia de ti agora?
Há tanto tempo busco a tua raiz
teu orvalho, teu ser, tua aurora
Agora que afinal nos encontramos
partilhando de momentos especiais
realizando tudo o que sonhamos
me resta concluir amado meu
que nosso destino estava traçado
Trazes na mão antigo caduceu
de vidas passadas ao meu lado
Almas complementares atraídas
pelo imã dos registros akásicos*
quando essências foram abstraídas
de nossos sonhos mais básicos
De sermos para sempre felizes
até que nos separe a morte
Ou talvez nos junte como matrizes
de um ressurgir que nos comporte
Assim nada mais quero da vida
Cesso aqui por completo a busca
Ter em teus braços a doce guarida
é a sorte minha que nada ofusca
Com teu olhar deveras envolvente
Despertaste a adormecida paixão
Fazendo vibrar a chama ardente,
uma vez que tens o meu coração.
 
Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Simplicidade da vida

Posted by amizadepoesia em Março 17, 2008

A vida é tão simples de ser, estar e viver…
Quem a complica sou eu,… é você!
Nossas escolhas, nós bem a fazemos,…
Nossas vitórias, nós as buscamos,…
Nossas derrotas, nós as permitimos…
Nossos amores, nós os conquistamos,
E as perdas, nós facilitamos…
Porém, com elas nos fortalecemos.
A força interior está em nós.
Só a perdemos, quando fraquejamos…
O amor é o sentido de tudo ao nosso redor…
Em nossa caminhada, nunca estamos sós!
Não coloca no outro, a culpa das tuas falhas! Segue em frente. Luta, chora, reconquista,…
E vencerás a batalha! A batalha da vida,
desencadeada por nós…!
Lembra-te sempre: quem AMA respeita.
E assim sempre te sentirás feliz

mensagensvirtuais

Posted in poesia | Leave a Comment »