amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 25 de Março, 2008

SOL

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Fonte de energia que dá vida
E desta vida vem a energia
que gera outras vidas.

Iza Mota

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

SOL

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Retrato iluminado
sinônimo de vida
das criações, o encantado!

Silvana Cervantes

Posted in poesia | Leave a Comment »

O SOL…

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

O sol da minha rua,
Aquece e dá alegria,
Traz consigo o novo dia…

Suzette Duarte

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tudo é Amor

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Vida – É o Amor existencial.
Razão – É o Amor que pondera.
Estudo – É o Amor que analisa.
Ciência – É o Amor que investiga.
Filosofia – É o Amor que pensa.
Religião – É o Amor que busca Deus.
Verdade – É o Amor que se eterniza.
Ideal – É o Amor que se eleva.
Fé – É o Amor que se transcende.
Esperança – É o Amor que sonha.
Caridade – É o Amor que auxilia.
Fraternidade – É o Amor que se expande.
Sacrifício – É o Amor que se esforça.
Renúncia – É o Amor que se depura.
Simpatia – É o Amor que sorri.
Altruísmo – É o Amor que se engrandece.
Trabalho – É o Amor que constrói.
Indiferença – É o Amor que se esconde.
Desespero – É o Amor que se desgoverna.
Paixão – É o Amor que se desequilibra.
Ciúme – É o Amor que se desvaira.
Egoísmo – É o Amor que se animaliza.
Orgulho – É o Amor que enlouquece.
Sensualismo – É o Amor que se envenena.
Vaidade – É o Amor que se embriaga.
Finalmente,  o ódio, que julgas ser a
antítese do Amor,  não é senão o próprio
Amor que adoeceu gravemente.

Francisco Cândido Xavier

Posted in poesia | 1 Comment »

POEMA TRISTE

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Tirou a própria vida!

      Seu problema ….

      Era tão maior.

      Inalcansável solução,

      Inalcansável Paz,

      Insuportável a Vida.

      Ali ele jaz…

      Entregue à Morte

      Como solução

      Indevida….

      

      Que sua própria vida fosse

      O motivo maior

      Continuar, lutar….

      Jamais se entregar.

      

      Vida assim vivida.

      Indevida é a Morte

      Buscada sem pensar

      Cortar antes de tudo…

      Estirpar, Ceifar!!!

      Fazer seu próprio fim!

      Tão jovem, tão triste, enfim.

       

      Nanci Laurino

Posted in poesia | 1 Comment »

Com amor

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Onde, como ou quando eu estiver
                  em qualquer lugar,
                  seja no espaço ou
                  seja no tempo
                  no meu coração voce vai estar
                  minha alma a sua abraçar, acariciar
                  pois nele tem sempre seu lugar
                  um cantinho aquecido de carinho
                  com amor e respeito no peito
                  palpitando sempre a  modinha
                  te amo tanto
                  rodopiando nos passos e compassos
                  das danças do amor
                  reverenciando nos pés do nosso altar
                  os cantos religiosos do amor
                  nas alegrias
                  consagração de nossa paixão
                  a Deus agradecendo
                  em oração…
                  por nosso amor
                  por nossa união…
                  Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Yo tengo el viento, tengo el sol, yo tengo el mar
 yo tengo la naturalez ,
y toda su pujante belleza

Yo veo ,oigo y hablo
Yo temgo vida   en todos los sentidos 
Pueden  aprisionarme y puedo perder
el viento, el sol y el mar,
asi como no poder apreciar
toda la belleza de la  Naturaleza

Pueden   mutilarme
y yo perder los sentidos
de oir, el habla ,el tacto

 y no poder  ver.

Pueden sacarme la vida
mi corazón dejará de latir …dejaré de respirar
y no perteneceré más a este mundo 

Mas núnca , núnca , ninguno me va poder
 podar, controlar o matar,mis pensamientos
Ellos pertencen, a mi esencia, a mi alma, a mi Ser…
Mi amor es  eterno, ninguno me podrá impedir núnca …
Amarte …
(c)Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor transcendental

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Posted in poesia | Leave a Comment »

DECLARAÇÃO

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Senhora, de meus desejos, mais escondidos,
      musa de meus versos companheira, ouvinte,
      dos meus lamentos, profundos e incontidos,
      tudo à minha volta lembra-te doce requinte.

      E é tão mais verdade, isto, quanto decididos,
      trocamos carícias entre um e outro pedintes
      de paixão e amor, que cala a nossos ouvidos,
      como segredos partilhados, daí conseguinte.

      Raia o sol, nalgum ponto, deste Universo tal,
      e nos braços do outro urdimos aí promessas,
      que, nos levem a crer, o mundo é bom afinal.

      E quando a flor-de-lis brotar em flor e aroma,
      nossos corpos unidos a ninguém pedir meças
      se verá, pois que só falarão um único idioma.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

DROGA DE VIDA

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Ter de acordar a meio da noite para me injectar,
bebendo bagaço, para, os tremores, se diluírem,
e encontrar a veia menos massacrada a apontar,
mal dormido, vendo as horas aqui a se sumirem.

Nascia a madruga de novo o ritual a me suscitar,
as mãos tremendo que só visto sem permitirem,
segurar a colher com firmeza, e eu farto de suar,
chorava, seringa na mão, com os pais a ouvirem.

Depois de muito esforço, levantava-me prá vida,
tomava banho e desfazia a barba e saia prá rua.
os traficantes esperavam por mim na vil esquina.

Essa era minha rotina, vender droga, co sistema,
para alimentar, minha carne, totalmente crua.
tantas foram as vezes, que maldisse meu dilema.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

CAIS DO ADEUS

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

  Passos  nas sombras ,nos escombros,
                          Armadilhas sempre ocultas  tramando,
                          Sem pensar no peso doutros ombros,
                          Entre risos ,hipocrisias todos insultando.

                          Senhores do poder, navios em mares ,
                          Açoitam peles ,vivos sangues jorram ,
                          Pouco importam correntes e arames ,
                          Ou devorados nos mastros amarram.

                          Pensam assim escrever a Historia ,
                          Desbravar oceanos, descobrir cantos,
                          Registrando-se heróis e maldita autoria.

                          O cais se despede dos renegados ,
                          Maltrapilhos desprovidos de pátrias ,
                          Sem marcas dos reais heróis afogados.

  Maria Thereza Neves

Posted in poesia | Leave a Comment »

CAIS DO ADEUS

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Finda a jornada, outra vez o sol se esconde
                          Reencontros parcimoniosos, alguns ocultos
                          Denunciados só porque se ouvem ao longe
                          Risos estrondosos, que encobrem insultos

                          Revelam algo da tua estranha personalidade
                          Que chega aos portos e como numa mágica
                          Pinta de cores a fisionomia da infeliz cidade
                          Arrastada pela noite com sua história trágica

                          Quando o sol surge transmuta vil aço infame
                          Reluz a lâmina enérgica e ninguém percebe
                          Ladram os cães e os homens como  enxame
                          Procuram, não se ouve risos,  disso esquece

                          Partiu o barco, pés molhados e olhos secos
                          Adeus de novo, até o próximo porto e becos
                                                      
Malu Otero

Posted in poesia | Leave a Comment »

VEN A MÍ

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Ven pronto en busca de mis noches,
      imprégnales tu aroma varonil.
      Mi cuerpo desnudo yace en su lecho,
      deseoso de saciar su sed carnal.

      Quisiera que rocemos nuestros labios,
      disfrutando un dulce beso interminable.
      Provoques temblor en mis entrañas,
      hurgando mis rincones más sensibles.
      Penetres impetuoso en mi volcán,
      aplacando el fuego que hay en mí.
      Caminemos de la mano por la vida,
      esculpiendo en piedra nuestro amor.
      Volemos juntos con alas invisibles,
      soñando que el mundo es de los dos.

      ¡Cómo quisiera que vinieses a mí!

      ©SKORPIONA

Posted in poesia | Leave a Comment »

Pobres las mujeres…

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

( Que grandeza hay detrás de cada mujer)

      Pobres las mujeres
      Que no se parecen a los hombres
      Las que lloran y cantan.

      Pobres las mujeres
      Que no han olvidado el amor
      Que demuestran sus sentimientos
      Que adivinan los nuestros.

      Pobres las mujeres
      Que esconden en sus ojos
      Lo único que realmente importa.

      Las que tanto sufrirán
      Abrumadas por sus sentimientos
      Las que tanto vivirán
      Valientes como su corazón.

      Pobres las mujeres
      Que siempre saben lo que quieren
      Que buscan sin parar
      Y se atreven a cambiar
      Lo que solo ellas pueden lograr.

      Pobres las mujeres de miel y de melón
      De piedra y de corazón
      En ellas cae la humilde labor
      De soportar este mundo sin razón y añadirle un poco de sazón

    Roberto Rodriguez

Posted in poesia | Leave a Comment »

Qual é o Caminho do nada?…

Posted by amizadepoesia em Março 25, 2008

Explique-me aí, companheiro…
  Qual é o caminho do nada?
  Pensei nele o dia inteiro,
  E quero tomar essa estrada.

  A partir do nada, é meu desejo,
  Um novo amor vivenciar…
  É do nada que agora vejo
  A senha do recomeçar…

  É certo que o caminho do nada,
  No sentido de quem vem de volta,
  Deixa a pessoa mais preparada
  E sem precisar de escolta.

  A volta desde o nada explica
  As regras mais ajustadas pro amor,
  É ela que na “vida-a-dois” indica
  Os erros que resultam em dor.

  Vou aprender a agarrar as chances,
  Até já tenho um projeto em mente…
  Vou me fixar em fortes nuances,
  Tocar a vida pra frente!

  Conheço alguém que surgiu do nada…
  Do mesmo lugar pra onde estou indo.
  Quem sabe no regresso, à minha chegada,
  Nossas almas já estejam se unindo…

  Lorenzo Yucatán

Posted in poesia | Leave a Comment »