amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 26 de Março, 2008

ISTO A QUE CHAMAM DE VIDA

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Nunca supus que esta coisa que chamam de vida
      leda e lamentavelmente contra ela se contradiga
      Somos simples passageiros neste dúctil Universo
      aqui mostramos, o que temos e não temos verso

      E reverso, de nós mesmos, procurando aí guarida
      contra o que nos querem infligir de mão indevida
      Pois se caminhamos, em tais caminhos perversos
      de que nos vale, então, ficar bem aqui, possessos

      Há que não esquecer que somos simples errantes
      que o tempo gira que gira e tudo será como antes
      pois nada muda a versão ao que está estabelecido

      Porém, novas ideias  e ideais precisam-se e urgem
      que sejam postas em prática, como fina penugem
      que não atrapalha, mas vai firmando, o desavindo

      Jorge Humberto

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Lembranças… Apenas lembranças…

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Lembranças… Apenas lembranças
      Restaram daquele lindo e perfeito amor,
      Mas o inverno chegou com sua geada,
      Matando a preciosa e tão frágil flor…

      E a canção virou saudade,
      O pranto chorou a realidade…
      E as estrelas se esconderam,
      Para não ver tanta infelicidade…

      No corpo a dor lancinante…
      No coração o vazio sem tamanho…
      Na noite… um silêncio de morte…
      O dia, um inimigo cruel e estranho…

      Lembranças… Apenas lembranças…
      Somadas, multiplicadas em meu peito…
      Do amor que prometia tanta felicidade,
      E que hoje dorme em abandonado leito…

      Lembranças… Apenas lembranças…
      Não podia dar certo, era muito perfeito!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Liberdade

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Quero a liberdade de amar-te
sem medo… Sem presa,
simplesmente, amar-te
sem nada que me impeça.

Quero ser livre para escolher
sem ter que magoar a quem
um dia fez parte do meu viver
nas sobreiras desta viagem.

Quero a liberdade do sorriso
que trago sempre comigo…
É fundamentalmente o que preciso
para deter a fúria do amigo

Quero tudo que compartilhamos
nesta necessária liberdade contida
que guarda tudo que segredamos
na sentelha de esperança da vida.

Iza Mota

Posted in poesia | Leave a Comment »

Liberdade

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Quero ser livre!
Te amar a toda hora,
sem dia nem lugar,
para ser feliz.
Quero romper as barreiras,
derrubar as muralhas ,
quebrar os grilhões ,
soltar as amarras,
tirar as pedras do caminho,
tudo que nos impede de sermos felizes.
Pré-conceitos ,arraigados em nossas mentes
inconscientes,antes de sermos gente.
 Humanas intervenções
na liberdade divina.
Não vou renunciar você!
Vou  ter coragem e dizer:
Vou amar você!
Me soltar nessa grande imensidão.
Sentir o vento!
Respirar todos os aromas do mundo.
livre!
Com asas para te encontrar e
 vivermos em liberdade nossos sonhos de amor

Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

VOU VOLTAR

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Ó meu amor,

      Eu vou voltar,

       não posso viver sem ti,

      Preciso dizer-te o quanto te amo,

      Saibas que vivo cheio de

       saudade,

      Não é mais possível viver

      Longe dos teus carinhos…

      

      No nosso encontro

      Será o reinício do nosso amor,

      Pegar-te-ei apertada nos

      meus braços…

      Nos desmancharemos em abraços…

      Para não nos atrapalhar,

      rejeitaremoa razão

      

      Entre beijos e muito carinhos

      Eu te direi que quero te amar,

      Ignoraremos os preconceitos,

      Vamos viver nossos sonhos,

      Cumpriremos, desta vez,

      Todas as nossas juras

      de amor…

      

      Tarcísio Ribeiro Costa

Posted in poesia | Leave a Comment »

Se você viesse

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

 Se você  viesse…
      Ah… se você viesse
      Para estar comigo e me amar,
      Dar-lhe-ia o que quisesse,
      Faria as suas vontades
      Viveria fora da realidade,
      Tudo faria para você ficar.

      
      Se você viesse,
      Trazendo na sua bagagem
      Amor,  ternura e carinho
      Nem imagino
      O quão feliz eu seria!
      
      Se você viesse…
      Ah… Se você viesse!
      Jogar-me-ia em seus braços
      Sem me importar
      Com leis ou princípios
      Com moral e preconceitos.
      Amá-lo-ia do meu jeito
      E do jeito que você quisesse.
      
      Se você viesse,
      Eu o enredaria
      Numa teia de carinho
      Que, por mais que você tentasse,
      De meus braços não fugiria.
      
      Ah… Se você viesse…

Antonia Nery Vanti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Cidadão do Mundo

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Um viajante, no mundo à serviço.

      Por onde passou, foi sempre bem recebido e,

      quando ia embora, lágrimas caíam na despedida e

      saudosamente, era sempre lembrado.

      Lembranças de um homem altruísta,

      que levava amor e esperança

      à quem, por contingência da vida,

      já não possuía nada mais.

      Um homem, humano como qualquer um de nós,

      mas com uma missão divina:

      A paz entre os homens, na terra.

      Um brasileiro, com nobres sentimentos,

      um homem que semeou flores

      ao longo do curto caminho que percorreu,

      em nome dos ideais de amor e paz.

      Sua missão, não foi cumprida como gostaria,

      por que interesses escusos, assim não o permitiram.

      Sua vida foi ceifada, no meio do caminho mas,

      a semente foi plantada no coração

      de cada ser humano do planeta,

      e agora, precisa ser regada diariamente,

      para que desabroche em cada continente,

      as mais lindas flores de paz e amor

      que este Cidadão do Mundo idealizou.

      Que Deus o tenha em seus braços!

 Simone Borba Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sonda-me o Lirismo…

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Sonda-me o lirismo…

  Fadas e musas me abraçam,
  sereias entoam seu canto,
  borboletas, vem, me afagam,
  tentado secar o meu pranto:

  Livrar-me do abismo!

  Soam violinos entristecidos,
  saltérios evocam a alegria,
  relembram os tempos esquecidos
  choram cuícas em agonia…

  Onde anda o meu sorriso?

  Bucólicas paisagens, a paz,
  riachos mormurantes clarinhos,
  ao longe o sussurro do mar,
  e eu perdido no caminho…

  Salvai-me ó Lirismo…

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sonda-me o Lirismo

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

 De um sonho frágil
  – O sentimento sutil…
  Bem próximo das mãos
  Em torno de mim
   – Único momento…
  Em busca do suave sol
  Brilha a lua no meu jardim…

  Sonda-me o Lirismo…
  Translúcido…
  Conseqüente!

  O destino ingrato
  Lentamente amanhecido
  Resoluto e grato
  Desde a madrugada ao Sol…
  Eterna voz enamorada
  Com a face rejuvenescida
   Pelo cântico do arrebol !

  Sonda-me o Lirismo…
  Transcendente…
  Sempre amante!

  Vera Mussi

Posted in poesia | Leave a Comment »

Rio de Escolhas

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Nas escolhas da vida tecemos fios,
invisíveis  e difíceis de prever,
se foram vencidos os desafios,
ou se ainda ficarão a dever.

Às vezes numa encruzilhada,
depositamos as esperanças,
de cruzarmos a nova estrada,
felizes, tal qual as crianças.

Porém enxergando mais perto,
percebemos a sutil miragem,
que desvela um oásis no deserto
em nosso coração sem maquiagem.

Nele, nossos tantos sonhares,
moram nas horas em desconsolo.
A solidão ronda os calcanhares,
nas águas giradas pelo monjolo,

que da vida nos faz prisioneiros
do Amor em toda a sua grandeza.
 Metamorfoseados em ceifeiros,
reagimos com toda a sutileza.

E pelo rio do destino navegamos,
escolhendo um dos barquinhos,
aquele sobre o qual depositamos,
nossos desejos de plenos carinhos.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Você tem meu coração!

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Meu amado, encanto das horas
Me enfeitiças com a tua doçura
Quando chegas e dizes sem demora
Amor estou ardendo em só ternura
E me chamas pra sentar juntinho
Com mil dengos e afagos me cercas
Não resistirei mais ao teu carinho
Do meu amor espero não te percas.
É claro querido, que estou feliz!
Porque me perderia de ti agora?
Há tanto tempo busco a tua raiz
teu orvalho, teu ser, tua aurora
Agora que afinal nos encontramos
partilhando de momentos especiais
realizando tudo o que sonhamos
me resta concluir amado meu
que nosso destino estava traçado
Trazes na mão antigo caduceu
de vidas passadas ao meu lado
Almas complementares atraídas
pelo imã dos registros akásicos*
quando essências foram abstraídas
de nossos sonhos mais básicos
De sermos para sempre felizes
até que nos separe a morte
Ou talvez nos junte como matrizes
de um ressurgir que nos comporte
Assim nada mais quero da vida
Cesso aqui por completo a busca
Ter em teus braços a doce guarida
é a sorte minha que nada ofusca
Com teu olhar deveras envolvente
Despertaste a adormecida paixão
Fazendo vibrar a chama ardente,
uma vez que tens o meu coração.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Até que me queiras

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Posso olhar-te horas inteiras
      ou fechar meus olhos e imaginar-te.
      Posso falar até cansar-me,
      ou envolver-me no vazio silêncio,
      pensando em voce……..
      Posso em um instante converter-me:
      No radiante sol,
      e iluminar todos seus despertares,
      ou na lua mais formosa,
      para guiar-te em suas noites escuras.
      Posso ser um cão,
      para servir-te de guardião,
      e lamber seus pés,
      e uivar em minhas noites de solidão…
      E podes me falar de amor,
      ou talvez envolver-me pelo espaldar.
      E podes correr e abraçar-mne,
      ou somente deixar-me a distancia sem olhar.
      Mas não me peças nunca 
      que deixe de querer-te
      pois pedir-me isto
      seria como pedir a um passaro que nao cantasse
      como pedir ao mar que não tenha sal.
      Seria como cultivar uma rosa
      e atira-la ao lixo.
      Sería como olhar o céu
      e imagina-lo sem estrelas.
      Pois assim é meu amor,
      algo que esta…que permanece,
      uma força superior a minha vontade,
      um enigma sem hierogrifos,
      um sentimento superior a dor,
      sem temor da morte.
      Não me peça então,
      que deixe de querer-te
      Pois meu querer-te,
      é, sem que voce´participe,
      uma razão de viver,
      de despertar cada dia,
      e voltara andar…e seguir…e seguir…
      Até que chegue o dia
      em que me queiras,
      e venha viver ao meu lado.

      (c) g

Posted in poesia | Leave a Comment »

Envelhecência

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Apesar
dos meus cabelos brancos
e dos meus tantos anos,
eu ainda sonho dormindo
e acordada também!

Penso que
só se deve parar de sonhar
com os encantos desta vida,
quando a tampa do caixão se fechar!

Mas também
quem sabe lá do outro lado,
materializemos os tantos sonhos de cá,
que ficaram esparramados pelo caminho,
tristes e solitários,
sem que fossem por um momento,
acarinhados em toda a sua extensão,
vividos e gozados plenamente.

Bem
aqui fica,
o meu carinho de coração
a todos,
de qualquer idade.

Que a envelhecência seja
tão picante e saborosa
quanto foi a adolescência.

Quem sabe,
 talvez agora com mais sabedoria,
se possa ou não pisar de mansinho,
ou mesmo se ferir nos espinhos,
mas sobretudo viver e resgatar
tudo aquilo
que em nosso balanço de vida,
ainda está deficitário.

Que estejamos ainda em tempo,
de usufruir os lucros da vida,
com prazer e alegria.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

TARDE DE OUTONO

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Glosa do ultimo mote do soneto

Conta uma estória de um amor sem par,

que começou numa outonal estação

e prossegue por anos a fio a perpetuar,

os sonhos de uma Rosa cheia de paixão.

Um homem gentil e extremamente carinhoso,

Com sua voz que vem do coração…

cativou a bela Rosa num beijo gostoso,

e de mãos dadas seguiram plenos de emoção.

Sentados num banco ficaram a relembrar,

uma vida plena de experiências e afetos…

Tarde de Outono, como te olvidar?

Se nela o nosso Amor foi descoberto?

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

TARDE DE OUTONO

Posted by amizadepoesia em Março 26, 2008

Tarde de Outono és amena e doirada…

Nas árvores teus frutos a of’recer…

Tua brisa é fresca, suave e perfumada…

Tarde de Outono, como te esquecer?

Pequenos pássaros em sua revoada

Vêm mel das flores colibris colher…

Mil borboletas voam pela estrada…

Tarde de Outono, como te esquecer?

As folhas já caindo pelo chão

Formam tapetes pra meu Bem passar…

E o seresteiro a tocar seu violão,

Conta uma estória de um amor sem par,

Com sua voz que vem do coração…

Tarde de Outono, como te olvidar?

Rosa Magaly Guimarães Lucas

Posted in poesia | Leave a Comment »