amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 6 de Abril, 2008

AMOR SEM IDADE

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Amor, por mais difícil, que seja,
      nunca, de mim, te compadeças
      para que, meus erros, aí reveja
      te orgulhes, de ínfimas proezas

      Por ti meu corpo e alma almeja
      juro que para o bem e doenças
      não há nada, aqui, que preveja
      um Agnóstico, ungindo crenças

      E tudo que sou hoje a nós devo
      minha força e teu verso, ò dócil
      mulher que me enche d´enlevo

      Podia ser ontem , quiçá foi hoje
      que nos cruzámos no mais dócil
      harpejo, e juramos ir bem longe

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

FACEIRA

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Sendo mulher faceira
gosto de me enfeitar
Da vida sou passageira
quero mais é celebrar

Os anos doces que voam
a cada dia, que logo passa
Em horas que se entoam
nos sonhos que se enlaça

E de amores nada à vista
somente o sol me aquece
Na liberdade se conquista
horizontes quase em prece

Assim descontraída passeio
colho tulipas amarelas
quem sabe um dia distraida
alguém me dê umas piscadelas

aí então, quem sabe,
me deixe envolver por elas….
Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Devaneios do Amor Perdido

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Na solidão da noite
vago à procura de estrelas
que me façam sentir
que o amor está distante
e a sua morte pode ser derradeira

Mas também há esperança
com madeixas prateadas pela lua
 que brilha altaneira no céu
 a sinalizar que o amanhã
poderá marcar o seu retorno
resgatando o pedaço de mim
que levou, quando partiu para sempre

Este amor perdido no tempo 

deixando meu coração aflito,

vaga disperso pelo espaço infinito

me faz acordar em noites cálidas

ávida pelo seu abraço e ternura desmedida

como em nossos bons velhos tempos

cultivados ao longo de tantos anos juntos

Mas se não voltar é porque o aor feneceu

como as flores não cuidadas

entristecidas e murchas

restando apenas a lembrança

de que foi intenso enquanto durou

em seus tantos anos de bem aventurança

e nunca mais chegará

pois se perdeu

no tempo!

pelos caminhos do sonho solitário

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

DIREITO À INFORMAÇÃO

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

 Não é o que como agimos ou fazemos, que
              mudará alguma coisa mas como pensamos
              acerca de tal coisa, formulando algo que se
              compadeça co a verdade que desfrutamos

              E não à razão, que dure sempre, eis porque
              urge, de ser bem informados, sem enganos
              para que a nossa palavra vingue no seu quê
              mais profundo, que, aos demais, aí levamos

              Temos de ir, de aldeia em aldeia, esclarecer
              os menos formados iletrados e já saturados
              deste seu fútil, triste, e escasso, parco viver

              Fazê-los regressar, o mais rápido, às escolas
              pra que deste modo, se sintam afortunados
              e precisem, jamais, nas ruas, rogar esmolas.

              Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amar sem cultivar

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Se tens um grande amor, que muito a ama
              se dele se sentir dona, se dele não cuidar
              se suas pétalas não acariciar
              se suas raízes não regar

              Por maior que seja esse amor
              pelo tanto que seja apaixonado
              por ardorosamente te desejar
              por somente em voce pensar

              Por somente com voce sonhar
              Suas flores logo começarão a murchar
              essas pétalas se soltarão
              e os ventos a levarão

              Suas folhas o viço perderão
              murcharão e cairão no chão
              no chão, agonizarão e morrerão
              o sol a secará e se desintegrarão

              Seu caule e haste a flexibilidade
              perderão…
              perderão as cores da paixão
              perderão a graça de na brisa dançar
              na solidão se vergarão…

              Por falta de carinho e de atenção
              por falta de caricias e paixão
              por falta de correspondência e emoção
              Por ser amado mas não ser cultivado

              Seu amor morrerá no seu amado coração

              Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

A DAMA DO LAGO

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Certa vez, formosa dama,
      desalentada da vida,
      em um dia da semana,
      foi-se ao lago, entristecida.

      Levava, nas mãos, um buquê,
      lembrança do seu amado,
      que acabara de perder,
      acusado de pecados.

      A dama, naquela sanga,
      entrou e não mais voltou,
      virou lenda tropicana,
      para os que sofrem d’amor.

      Nas noites de lua nova,
      quando o lago é só silêncio,
      dizem que ela retorna,
      para entoar seu lamento.

      Amantes apaixonados,
      no lago fazem vigília,
      esperando que seu fado
      escape dessa armadilha.

      Atiram flores na água,
      para a dama do lago,
      para afastar-lhes as mágoas
      do coração machucado.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

“VERÃO BEM-VINDO”

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Nos banhamos nas águas do amor
depois do longo beijo a selar o sonho
testemunhado por conchas e estrelas do mar,
que se aqueciam sob o sol, em seu esplendor .

Em meus sedentos braços
tu menina a me encantar
Tanto esperei pelos teus abraços
Estar bem pertinho,  te olhar

Naquele bem-vindo verão ardente.
juntinhos, sentados na areia fofa
foi tanto riso e palavras encantadoras,
que impossível esquecer tudo de repente.

Você estava radiante
Nunca pensei que fosses me desejar
Já te queria há tanto tempo
mas só fazia sonhar

Tuas mãos enlaçavam-me docemente.
E a tua boca, de carnudos lábios foi o convite
para a revelação de um mágico momento.
Em teu olhar, a promessa de uma estrela cadente.

Bendita estrela guia
que trouxe você, um presente
Te amarei todos os dias
Te juro solenemente

Mas as estações se sucedem e termina o verão.
As folhas secas de outono tingem o chão e a alma.
Sentimentos se desencontram, esvaziam-se do encanto
e o frio invernal sepulta sob a neve, mais uma paixão.

Não fales assim, meu amor
No verão já te amo tanto
quanto no inverno te aquecerei
Na primavera colherei flores
teu corpo adornarei
No outono juntaremos as folhas
da nossa paixão ardente
Com elas, faremos um quadro a dois
de tudo o que vem depois…

Guida Linhares
Rubens M. Castro

Posted in poesia | Leave a Comment »

NO IRREAL DO SONHO

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Tantos são os amigos reais e virtuais…
Mas foste tu único amante de minha alma,
Perdida em noites frias, impessoais…
Onde tua palavra me enleva e acalma.

Envolve meu ser na paixão de quem ama
E, mesmo no irreal do sonho, ouve meus ais!
Fazendo meu coração pulsar em chama,
Meu corpo tremer de emoções carnais.

Doces palavras que ao céu me eleva,
Onde o sonho vivo, em emoções reais.
Louca paixão onde o amor nos cega
Em turbilhões que não findam mais!

Não negues, amor único, singular!
De bênçãos se torna exuberante
E num arrebatar alucinante, ímpar,
Tu és real por um fugaz instante.

Em tudo, a confusão do ter
E do viver a vida num instante;
Sem existir, tocar ou ver,
Na alma o sentir e te fazer amante.

Mãos nervosas, trêmulas, sentimento insano,
Todo meu ser ao sonho se transporta,
A tentar, além do irreal, maldoso engano,
Viver, sentir, através de uma matéria morta.

Fazer-te ver quanto me fazes viva,
Em belos sonhos, amor inconseqüente…
Nosso! Como dois seres a sorver a vida.
Únicos! Vorazes em chamas envolventes.

Fazes nascer em mim e em tudo o irreal,
O irracional, o êxtase do sentimento;
Único em pureza, do próprio Deus o amor,
O viver, sonhar, em nosso singular momento.

Em teus braços o único abandono;
No sentir, além da gélida noite fria;
No aconchego do meu único senhor e dono,
Que trouxe à vida minha alma um dia.

E no sentir além do ser, real,
De ser… Humano em racional virtude,
Apenas tu, que Deus fez especial,
Para ofertar-me da vida a plenitude.

Carmen Cristal

Posted in poesia | 1 Comment »

AVE MARIA

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Desde criança que ouço esta música
      que sempre me fascinou e ainda me fascina
      a musica da Ave Maria,  como que me encanta
      seja orquestrada ou cantada
      na língua que for, é um louvor ao amor
      Ligava o rádio as seis horas somente para ouvi-la
      Morava próximo à igreja do Bonfim
      e do meu quarto, de uma pequena seteira
      via quando acendia a luz vermelha do crucifixo
      em cima da Igreja
      ouvindo a sempre minha preferida melodia
      a da Ave Maria, cheia de graça
      bendito é seu nome que do vosso ventre nasceu Jesus
      Santa Maria mãe de Jesus, rogai por nós
      pecadores, agora e na hora
      de nossa morte amém
      Uma composição de Schubert
      em divina inspiração
      Me dava e dá, uma sensação de Paz
      e meu coração pensava que tudo teria solução
      Quando via, sem me controlar
      pela minha face uma lágrima escorria
      não sabia se era de tristeza ou de alegria
      Mas era como um ritual, a ouvia todo dia
      Ainda hoje, esteja onde estiver, procuro ouvi-la
      Nem todas as rádios às seis da tarde ainda a tocam
      mas “ouço”, lá dentro no fundo da minha alma
      alguma orquestra a tocar
      completa, com todos os acordes,
      a canção que a minha alma se delicía
      Ave Maria…

      Joe’A

Posted in oração | Leave a Comment »

A gruta do amor

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Teu mel a me atiçar
      com palavras excitantes
      meu desejo a devorar
      as entranhas escaldantes

      O que fazer contigo
      se me deixas assim tão louca
      nem sei mais se consigo
      esquecer a tua boca

      E me deixo dominar
      inteira por este sonho sensual
      sem hora de começar e nem
      de acabar

      Mergulhados na paixão
      envolvidos no calor
      reabastacendo nosso amor

      

      Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

UM CERTO CUIDADO…

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Quanto mais difícil melhor,
não resta a menor dúvida,
o depois tem mais sabor,
até mesmo de quero mais.
 
Aquele que disse a vocês
que tamanho é documento,
tinha da grandeza um lamento
e nunca usou perfume francês.
 
Num amor assim tão original,
parecendo impossível de ser,
quando os opostos se atraem,
muita coisa boa pode acontecer.
 
Enquanto a formiga trabalha,
muito rápida no movimento,
o elefante descansa e se distrai
por ser grandão, meio lento.
 
Mas no melhor momento
eles tem que chegar junto,
mesmo porque na hora H,
ninguém pode virar defunto.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

ATRAÇÃO DOS OPOSTOS

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Opostos que se atraem…
Formiga e Elefante,
Você e eu…
Por que não?
Fica bastante
original…
Chamativo… interessante,
com romantismo o bastante,
poderemos ser felizes…
Que tal tentar?
Poderemos até nos amar….
 
 Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

DORMINDO

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Mergulho em vós, já ébria de sono

      Lençóis rosados, pétalas carmim

      Idealizando um cálido Outono

      Que ia juntar-nos em vestes de cetim

      

      Sentindo as tuas mãos roçando sedas

      E o bafo do teu beijo me aquecendo

      No fogo das palavras que segredas

      Queimo a noite e dormindo vou morrendo

      

      Mas levo-te comigo no sonhar

      Preso ao meu doido amor que subsiste

      Nessa morte ateada de luar

      

      E mesmo dormente a melancolia

      Relembrando-me a tua ausência triste

      Persegue-me no sono em letargia

 Carmo Vasconcelos

Posted in poesia | Leave a Comment »

AO AMOR CHEGANTE

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Ó amado meu!

Eu te imaginava, de mim, tão longe,

Busquei-te até pelo espaço celeste,

Sondei dos caminhos todas as pontes

E não ví que perto estavam as fontes

Mais límpidas, onde o amor se reveste!

 

Ó amado meu!

Tanto fel, em vão, na vida bebí

Em taças que imitavam cristais

Carinho e amor falsos, quanto sorvi!

Azedos vinhos de negros quintais

puseram em minh’alma imensa agonia.!

 

Ó amado meu!

Estavas ao meu lado e eu não te via,

Cega, em rosário rezei meu deserto,

nas brancas contas molhadas de lágrimas,

Num desfiar de dores meu EU ardia

E eu não via que tu estavas tão perto.

 

Ó amado meu!

Depois das provas que deste de amor,

pois a meu lado tu te mantiveste,

fingindo amizade e escondendo tua dor,

Ao ver-me sofrer sofrer, de anjo te fizeste!

E dos falsos amores, me livraste!

 

Ó amado meu!

Tu foste o amigo e também o contraste

Do que pela vida encontrei de ruim…

De amparar-me e amar nunca cansaste

Ao meu lado os vendavais enfrestaste

Deste-me força ao ficar junto a mim.

 

Hoje em teus braços quero me aquecer…

E pela eternidade, voar, jamais perecer!!!

Lenya Terra®

Posted in poesia | Leave a Comment »

Emoções

Posted by amizadepoesia em Abril 6, 2008

Nos momentos mágicos que vivemos,
      esbanjamos sentimentos, emoções
      que jamais serão esquecidos,
      e revividos sempre!

      Nossa história, escrita em nossas almas,
      ficará para sempre no recôndito da memória.
      Saudades minhas… tuas… nosssas…
      Perdoa-me se não sorri o suficiente…

      Foram tantos os detalhes,
      tão ricos e sempre envolventes…
      Que povoarão para sempre os meus dias,
      por mais vazios que sejam, até de rebeldias!

      E eu sei que estaremos juntos novamente,
      para reviver nossas emoções, uma a uma.
      É a minha súplica diária: – Que o tempo nos una!
      O mesmo tempo que se interpôs entre nós…

      Mas não apagou as emoções…
      Que se redobram ao serem lembradas,
      e serão mais ricas, ao serem revividas!
      Minhas emoções… tuas… nossas!

 Ciducha

Posted in poesia | Leave a Comment »