amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 7 de Abril, 2008

Amiga querida

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Gosto de voce de graça
            gosto de sua companhia
            gosto de sua inteligência e humor picante
            gosto de sua presença e sorriso

            Gosto dessa nossa amizade
            despretensiosa, graciosa
            muito bom gostar de voce
            um gostar de bem querer

            De me preocupar com seu humor
            de desejar sempre seu bem estar
            de saber de suas ansiedades
            de ouvir seus queixumes

            De me preocupar com suas preocupações
            de participar dos seus problemas
            Também gosto de lhe ver bonita
            charmosa e bem vestida

            Gostoso massagear seu ego
            e de enfeitar sua vaidade
            sinto orgulho por ser seu amigo
            Porque simplesmente gosto de voce

            Joe’A

Posted in poesia | 13 Comments »

Carta por um adeus…… sem despedida?

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Esquecer-te é como querer duvidar :que existem coisas impossiveis…

       de esquecer, é como sentar-me e escutar o mar, na solidão

      e querer apagar sua beleza tao somente ao fechar os olhos.

      Soa triste tenta-lo.

      Esquecer-te não é o que anseio.

      Pensar que a vida é tão somente  correr sem olhar para trás,

      é o pior que se faz.

       Esquecermmos o passado?,

       e esquecer-te,

      não é viver.

      Onde

        ficaram aqueles paragrafos de ternura

      que algum dia escrevemos desde o fundo dos nossos corações?

      Onde ficou aquele passado.

      Em que algum dia fui algo,,

      algum dia floresci…

      mas, junto a ti.

      Agora não sou mais que um local deserto esquecido,

      seco e triste porque ja nao existe quem o regue

       com mãos santas, com mãos puras… tuas mãos .

      Quando sentia o estomago contorcersse por dentro

      como se fosse te ver pela internet,

       essa sensação de querer tocar o céu ao pronunciar teu nomes,

      essas ganas de beijar-te, que se foram ao nada…

       onde ficou aquela felicidade que sentiamaos ao nos saudar,

      aquela sinceridade com que falavamos… te amo,

      Lembra-se dquele primeiro te amo, ao telefone?

      O lembras?,

      onde ficou?

      Hoje vejo que já não estás em minha vida ,quero dizerte que estranharei,

      que extranho essa amizade que um dia tive…

       agora que o amor nao me sorrir,

      que não existe uma voz que me diga que me quer…

      hoje que não estás, solto um suspiro ao vento…

      e nele vai teu nome.

      Lembranças…

      somente lembrançaos são o que me unem a ti,?

      Lembranças que ao evoca-las me partem a alma

       que nao faz mais que ansiar-te, lembranças.

      .. que me ligam mais a ti.

      desculpa estas linhas,

      pouco devem te importar importar…

      desculpa a esse tonto que sou, querendo chorar ,pois estou muito sensível .

      quem sabe deus nao torne tanta coisa possivel

      que hoje julgo impossivel

      mas de um coisa eu sei

      jamais te esquecerei….

      

      Scinti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Ó, NINFA ESPERANÇA

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Ó ninfa, das asas verdes,
      tu te chamas Esperança,
      olhai para mim e vêde,
      os meus olhos de criança.
      Aplacai a minha sede,
      prestai-me tua fiança…
      libertai-me desta rede,
      malhas da desconfiança.

      Ó ninfa, que te comoves,
      sobe aos deuses meu pedido,
      o que digo, não reproves,
      nove vezes fui ferido.

      Ó ninfa , d’ água guardiã,
      das fontes tão cristalinas,
      velai por mim no amanhã,
      ó deusa, fada, menina…
      com teu aroma de maçã,
      minha alma ilumina
      não permitas , sejam vãs,
      minhas lutas e fadigas.

      Ó ninfa, que te comoves,
      sobe aos deuses meu pedido,
      o que digo, não reproves,
      nove vezes fui ferido.

      Nos filamentos do éter,
      escreve estes meus versos,
      pedí á estrela vésper,
      e a todas do universo,
      que me teçam um suéter,
      com os seus brilhos diversos,
      para brilhar incontéste,
      o amor  que eu te peço.

      Ó ninfa, que te comoves,
      sobe aos deuses meu pedido,
      o que digo, não reproves,
      nove vezes fui ferido.
Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

A SOLIDÃO DO PALHAÇO

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

 Brinca palhaço, na tua solidão…
      entr’as paredes vazias  e frias,
      finge a alegria, rodando teu pião.
      
      Tu que encantas tantas galerias,
      fingindo gafes, caindo no chão,
      tira, agora , tua fantasia…
      
      Longe da lona, só resta a verdade,
      o picadeiro silente da vida,
      a tua maquiagem colorida,
      não esconde a dor que te invade.
      
      Gira  agora , pião da saudade,
      leva os sonhos d’eterno menino,
      pois ser criança não requer idade:
      poeta ou palhaço…mesmo destino.
       
  Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

VIL DISTÂNCIA

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Menina, nada há de pior, que a solidão
      triste me encontro, assim meu coração
      mas sei, que, logo estarás, junto a mim
      trazendo-me, róseas flores, e o jasmim

      De cabelos em cachos, e ao vento suão
      tudo em mim se assume, à vil sensação
      de ter-te, a momentos aí pertinho de ti
      e quando tudo escarnece, de nosso fim

      Mas nós somos mais que isso, amantes
      companheiros, confidenciando, os dias
      e que, resolvemos aqui, o quanto antes

      E a vil sensação é porque não descansa
      em mim, a vontade, de ter as primazias
      mesmo e sempre quando ela te alcança

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mistério Cigano

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Olho-te… Fulmino-te… Arrebato-te…
      Prendo-te no meu ardiloso mistério…
      Esfregando em teu corpo o meu perfume.
      Desejo-te e o meu desejo é um caso sério!
      
      Meu olhar profano te invade… Queima-te…
      Minha boca vermelha pede beijos, beijos!
      Quero por teus caprichos… Ser domada!
      Ser a dona dos teus doces sentimentos!
      
      Sou a flor de lótus desta aldeia…
      A rainha cigana, a cigana irresistível,
      Que não se deixa conquistar à toa…
      Resistir ao meu encanto é impossível!
      
      Quero-te para sempre cigano meu…
      Quero dias, quero uma vida ao teu lado!
      Quero o gosto das tuas noites de verão…
      Teu coração, por minhas fitas atado!
      
      Meus cabelos esvoaçam pelo teu rosto,
      Meu perfume é estonteante, embriagador.
      Vou dançando… Deslizando, planando…
      Teu olhar me seguindo cheio de ardor!
      
      As pulseiras tilintam no ar, a bailar…
      Minhas saias ondulam sob teu olhar…
      A paixão explode num beijo impetuoso.
      Meu povo em delírio se põe a festejar!
      
      Agora tudo é alegria, tudo é mágico…
      Sou tua… És meu para todo o sempre!
      A felicidade será linda constante, perene.
      Serei tua amada, meu amado. Eternamente!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

SAUDADE DOÍDA

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

O dia passando e a saudade levando
para onde a não alcanço nem atrevo
assim tem sido meu dia só pensando
em tua pr´sença e no quanto te devo

Subitamente, imaginação mostrando
que tudo é possível leva-me o enlevo
e eu estou outra vez contigo amando
e beijando-te, como nunca, descrevo

Mas nem estes versos vadios sustém
minha vontade de ti alheios pujantes
perdidos, para lá de ti e de mim, além

do mais de nós, aquém do útil ensejo
Volta para mim, amada mulher, antes
que, aqui, alguém furte, o meu desejo

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Solidão

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Quando a noite vem e joga seu manto,
      Sobre a saudade que morou no dia,
      Fica o vazio como um acalanto,
      De tudo que sonhei e tanto queria.
      
      Sem desespero e menos qualquer pranto,
      Afago a solidão e a sua ousadia,
      No atrevimento de invadir meu canto,
      Tão insensível e sem qualquer magia.
      
      Chegam fantasmas numa fila indiana,
      Acomodam-se todos na salinha,
      Nesse momento já não é mais minha…
      
      Roubam-me a identidade, sou cigana…
      Sobrevoando o sonho e a fantasia,
      Meu grande amor abraço em poesia!
       
Tere Penhabe

Posted in poesia | Leave a Comment »

VAMOS ABRAÇAR A FELICIDADE?…

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Mais um dia para estarmos aqui,
entregues a compartilhar o que nos vai no coração!…
Recebendo tantas maravilhas que é impossível
não nos deixar tomar pela emoção,
isso é uma benção do céu…
Tanto nos entregamos que nem vemos as horas passarem!…Amando, sorrindo, abraçando a felicidade,
olhando o mundo com bondade…
Mas se por acaso, em algum momento a tristeza
chegar e tentar entrar em vosso coração,
tranque a porta, digalhe, com convicção,
que no coração, só é permitida a entrada
 do amor…

Um grande abraço desta amiga,
irmã de alma e coração…
Carmen Cristal

Posted in poesia | Leave a Comment »

FELICIDADE BATE À PORTA

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Nunca serás feliz
      se não viveres o momento,
      com toda a tua  presença.

      Estarás sempre
      em desencontro do tempo,
      ora vivendo no passado,
      ora pensando o futuro,
      mas distante do presente.

      Nele está o teu relógio,
      aquele que marca as horas
      tristes e vazias
      ou as alegres benditas.

      Porém se estiveres ocupado
      e não te acercares
      do que te causa prazer,
      este passará fugaz
      e tão veloz
      que nem terás tempo
      de ser feliz.

      Ainda que a felicidade
      esteja sentada à tua porta,
      se não a vires, estará fora da tua verdade.

      Logo, logo estará esquecida
      em algum canto da tua moradia,
      não reconhecida como tua companhia !

 Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

INEBRIADO

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Só a tua alma me inebria
e traz a alegria
de noites soalheiras
 
quando  cansado da folia
de tardes enluaradas
renasce o adeus às armas
 
nos teus beijos salgados
com amor na madrugada
 
je
 

Posted in poesia | Leave a Comment »

Alpendre da Fazenda

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Me lembro como se fosse hoje!
Estavas lá sentado na varanda.
Fiquei te olhando bem de longe,
já me perfumando de lavanda.

Tinhas o chapéu no teu colo,
uma rosa rubra trazias na mão,
mas conforme o protocolo,
deverias beijá-la com emoção!

Soltei os cabelos como gostas,
a blusa de cetim presenteada.
Nela às vezes tu se enroscas,
e varamos toda a madrugada.

Logo que me vistes chegar,
me ofertastes todo prosa,
a rosa mais formosa do lugar
Fez-me sentir assim tão amorosa!

Em teu colo eu me sentei.
Nos olhamos enamorados;
um doce beijo eu te dei.

Lá fora a lua a pratear
as primaveras e o chorão.
No alpendre, o amor a se desvelar.

E os carinhos foram tantos,
que as estrelas madrugadoras,
nos cobriram com seus mantos.

Nosso amor permanecerá eterno.
A felicidade aqui tem a sua morada,
deixando o nosso coração sempiterno.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

INADAPTAÇÃO

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Soltei a criança que era com saudades da mãe.
Brinquei com coisas sérias e não acreditaram em mim.
Entreabri as pálpebras do pensamento e entreguei-me ao devaneio dum sonho
redondo nas areias do sossego.
Era a poesia.
 
Os alienígenas tinham cabelos de neve suja, olhos descaídos e assimétricos e
barrigas de tamboril.
Enfrentavam com força, apenas com a força que a natureza lhes dera, todos os
problemas que se lhes deparavam.
Era o terror.
 
Inadaptado, desejei a dinâmica dum náutilo para espiralar amor fraterno ou
fogo draconiano sobre todo o perímetro defensivo.
Qual deles, não saberia.
 
Mas chegou a época glaciar e tudo ficou por ali.
Para mostrar como foi.
                                                                           
                                   joaquim evónio

Posted in poesia | Leave a Comment »

FANTASIAS DO TEMPO

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

Meu tempo se esgota,
      mas não tenho pressa.
      Cada um tem a sua cota
      seja para si ou em partilha.

      Há o tempo da ilusão,
      que encanta as horas.
      Também a decantação
      dos amores perdidos.

      Sejamos como os gatos
      que aguardam pacientes
      o desvelar dos seus atos
      pelo puro instinto natural.

      Ainda que nuvens escuras
      ameaçem alicerces da alma,
      no âmago do ser, colunas seguras
      trazem à criatura, a temperança.

      Em ambas as mãos a ampulheta,
      olhar focado no pó que desce.
      Certeza de que toda a  colheita,
      será conforme a semeadura.

      A fantasia do tempo esconde o véu,
      da existência a ser desvelada.
      Sejam os caminhos para o céu,
      degraus de aprendizado interior.

 Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

O problema que te preocupa

Posted by amizadepoesia em Abril 7, 2008

O problema que te preocupa
      talvez te pareça excessivamente amargo ao coração.
      E tão amargo que talvez não possas comentá-lo, de pronto.
      Às vezes, a sombra interior é tamanha
      que tens a idéia de haver perdido o próprio rumo.
      Entretanto, não esmoreças.
      Abraça o dever que a vida te assinala.
      Serve e ora.
      A prece te renovará energias.
      O trabalho te auxiliará.

      Deus não nos abandonará.
      Faze silêncio e não te queixes.
      Alegra-te e espera porque o Céu te socorrerá.
      Por meios que desconheces,
      Deus permanece agindo.

Posted in poesia | Leave a Comment »