amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 9 de Abril, 2008

Anjo Louco Das Letras…

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Poeta, anjo louco das letras,
            Escritor de palavras cruzadas…
            De sentimentos não correspondidos,
            Indecifráveis, picantes e proibidos…
            Vai poeta rabiscando seu verso,
            Derrama com sua mágica pena,
            A constelação, o arco Íris…
            É fácil colorir, recriar essa cena.
            Voar, fugir da crueldade da vida,
            Que cutuca sua ferida em dor atroz.
            Destila a beleza rara que não existe,
            Onde a esperança enferma, mal resiste…
            Completa seu verso com um final feliz,
            Diga que não há mais ódio, nem fome,
            Que a guerra acabou, a paz chegou,
            Curtindo a dor da mentira. até a raiz …
            Ah… poeta fingidor, bobo, insano…
            Palhaço talentoso, fazendo a platéia sorrir.
            Esperando sob a mesa, míseras migalhas
            Do afeto inventado, sonhado, perfeito…
            Falando do amor que nunca teve,
            Nem tem mais jeito. Pintando o céu
            Mais azul, o mar calmo e sereno…
            Minta, minta sempre, corajosamente!
            Esconda nas entranhas toda decepção
            Que a pequenez humana lhe causou … 
            Há de chegar o dia de cantar e sorrir…
            Viver será um noturno, uma canção…
            Sua voz um grito de êxtase e alegria,
            Ainda que no peito esteja parando,
            Quase morrendo… o idiota coração!
                 Mari Trujillo

Posted in oração | Leave a Comment »

ESTOU SÓ!…

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Tendo as lembranças
      como companheiras,
      refaço caminhos,
      revivo momentos…

      Te amei!…

      E mesmo que a tristeza
      seja o que ficou em teu lugar,
      agradeço por ter amado…
      Estou só, mas da vida senti
      o mais doce dos sabores…
      Pobre de ti que não soube viver,
      saborear o amor,
      Sentir suas cores.

Carmen Ortiz Cristal

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTOU SÓ

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

 Sozinha …
      Com meus pensamentos!
      Revejo,
      meus sentimentos.

      Te amei !

      Hoje,
      peço perdão
      ao meu coração machucado,
      pelo amor desperdiçado

GILDINA RORIZ

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTA QUE EU AMO

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Oh, doce ventura, que me deste, a quem amar
                  sem me pedir nada em troca nesta minha vida
                  como poderei, agradecer-te, o que desvendar
                  me proporcionaste, todo o amor, sem medida

                  Se me cabe dar-te palavra, que eis sói guardar
                  dizer-te apenas que minha vida agora é vivida
                  sem pesadelos, nem solidão, e, que hei cuidar
                  mui bem minha menina bem mais que qu´rida

                  Ah, ter enfim, a quem compartilhar meus dias
                  ao invés de vagar, na incerteza, que me regeu
                  durante vis anos tudo isso são minhas alegrias

                  pois não mais o infortúnio aqui fará seu ninho
                  ignóbil ,porque tenho a quem chamar de meu
                  e nunca mais, nunca mais, serei então sozinho

                  jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A MELHOR IDADE

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Você meu amigo carismático,
      que encanta só com o teu jeito
      irreverente, alegre e bonachão.
      Às vezes me deixas sem jeito,
      sem fala,  perco o rumo,
      fico assim fora do prumo.
      Então aflora o teu sorriso,
      e me estendes a mão…
      sempre alegre me convidas
      a passear nos jardins da praia
      Onde borboletas esvoaçam
      por entre flores as mais lindas.
      Em teu olhar, leio ternura
      Em tuas palavras, as entrelinhas
      Bem..o que elas me dizem?
      Que és um sonhador inveterado.
      Um romântico de plantão.
      Um idealista à toda prova.
      Um ser que transpira a pura emoção.
      Ah! meu mais novo amigo!
      Como é bom através da janela do mundo,
      conhecermos pessoas de cara limpa,
      de coração cantante,
      de sonhares relevantes.
      Pois é…com toda a certeza,
      nossa amizade perdurará para sempre..
      Brincando você me disse: me respeite
      que sou um ano mais velho…
      – Estou ficando velho!
      Vixe, meu amigo nada disso..
      estamos na melhor das idades,
      6.2 & 6.1; o que importa?
      A nossa cabeça é que não pode ser torta…
      Tem que ter a idade dos sonhos,
      tem que trazer as ilusões
      atreladas ao romantismo…
      Tem que ousar subir aos céus,
      e cair sem pára-quedas..
      seja nos campos de tulipas,
      seja nos domínios de Netuno,
      seja nas pradarias ou montes.
       A nossa idade será aquela que deixará nossa alma mais bela
      e cada dia com sabor de quero mais..
      mais e mais, muito mais
      do que a vista pode alcançar.
      Os sonhos a se materializarem
      lá longe, onde a linha do horizonte
      se perde diante do nosso olhar encantado,
      com as matizes do arco-íris,
      agora surgido depois de fortes vendavais.
      Obrigado amigo, pelo teu guarda-chuva;
      abrigou-me do frio da indiferença.
      Teu carinhoso afeto cobriu a minha angústia, e agora vejo pela frente
      apenas  o sol da alegria
      brilhando até onde a vista pode alcançar.
  Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Chove…

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Esta noite enquanto chove
Tu me empapas em desejos
Eu te calo de amor
Chove… Tu me dizes que me queres
Não faz frio, mas chove
Esta noite de sol

As gotas de chuva que nao cessam de cair
Parecem mariposas em fio na tua pele
A Lua está, que nao se vai
Sol começa a arder
Te abrigo com estrelas
Tu me vestes o querer …… E

Estremeço….não faz frio mas tremo
Toca uma música em meus sonhos
Quando baila o amor.

As gotas de chuva que nao cessam de cair

Parecem mariposas em fio na tua pele
A Luas esta e nao se vai
Sol começa a arder
Te abrigo com estrelas
Tu me vestes o querer … E…

Sonho….. E nem sempre é quando durmo
Se me abraças, desperto
Em um mundo melhor………e
Tremo……
Toca uma música em meus sonhos
Não faz frio mas tremo
Esta noite de Sol
Quando baila o amor
Nasce um mundo melhor 

Rossana

Posted in poesia | Leave a Comment »

Emoção versus razão

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

A emoção vive atentando a razão
a todo argumento racional contrariando
com a força que emana dos sentimentos
e do coração que somente segue a intuição

A razão busca a comodidade
a emoção busca a felicidade
seja qual risco for
a emoção quer os braços do amor

A razão pretende a evolução
A emoção anseia por um coração
que cante no mesmo compasso
que dance nos mesmos passos

Voleia nas asas da imaginação
brinca nas estrelas das fantasias
compõe versos rimando com sonhos
e aos sentimentos dedica poesias

A razão nos seus passos cartesianos
faz estatísticas, nada quer arriscar
na incerteza, nem pensar
nem sorrir, nem chorar, apenas realizar

Conflito eterno, sentido e sentimento
razão versus emoção, a intuição a mediar
No presente da razão, não cabe os sonhos da emoção
como seria bom se o coração pudesse pensar

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

SER INCOMPLETO

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Desculpa, amada, algum desentendimento
      que, tenha feito surgir, em tua mente, pura
      sabes é tudo desconexo mal entendimento
      que ainda trago das ruas vertente bem crua

      E nunca num poema meu verás vil alimento
      que, quem ama, como eu amo, não descura
      do grandioso amor, ter o são discernimento
      de sua partilha em comum de tudo que dura

      E sei que nem sempre reajo de devida calma
      maldade minha não é, acredita, quando digo
      não ser esse meu carácter, assim creias alma

      de minha vida, que te amo, como a ninguém
      amaria jamais; vê-me antes, como ser índigo
      uma planta, que espera por ti…, sabê-lo bem

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Flor e Colibri

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Eu queria talvez que você fosse flor
      E eu fosse um colibri
      Eu queria talvez ser o seu cobertor
      Seu lençol de cetim
      Pra que quando chegasse o teu cio
      Te beijasse como um beija flor
      Pra que quando chegasse o teu frio
      Te agasalhasse sendo o teu calor
      Eu queria ser a poesia
      E você o papel
      E deitar em suas linhas
      As rimas de um amor fiel
      Na verdade o que eu quero é impossível
      Que eu quero é perfeito demais
      Não existe amor mais sublime
      Por entre os mortais

      Mas não se prenda amor, pode ir
      E não se renda ao meu jeito de amar
      Te amo tanto que até tenho medo
      De te escravizar
      O mesmo barco que o vento levou
      Se um dia a praia quiser retornar
      Terá em meu corpo
      E em minha alma um porto para se abrigar

Daniel

Posted in poesia | Leave a Comment »

MEDO DE AMAR

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Nunca tive medo de nada,
      nem do escuro, nem do futuro,
      nada me fazia tremer nas razões,
      paralizar atitudes ou reações.

      Até que voce apareceu na vida
      e um estranho enfeitiçamento
      apoderou-se de todo o meu ser,
      que só tinha olhos p`ra te ver.

      Mas tudo não passou de ilusão,
      traiçoeira na calada da noite,
      me mostrando a cara da verdade,
      e custei a crer na infidelidade.

      Mas se há pecados a serem pagos,
      que sejam ainda nesta existência,
      a vida sempre nos dá o aprendizado,
      equilibrando a balança, nada fica de lado.

      Se antes o medo não me paralizava
      e não conhecia esse ambíguo sentimento,
      agora cresce em meu peito esta defesa,
      que está levando meu coração à frieza.

      Medo de amar e de me entregar inteira
      a um certo coração ainda que amoroso,
      demonstrando carinho, afago e ternura,
      mesmo assim, meu sentir está em clausura.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

VER ESTRELAS…

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Amei por tantos e tantos anos,
                    a mesma criatura e a mesma estrela,
                    que via da janela do meu quarto.

                    Ontem procurei a estrela,
                    e a encontrei, límpida e brilhante.
                    Procurei você…mas foi em vão!

                    E percebi que apesar de ter
                    ouvido e entendido a estrela
                    por anos a fio,
                    ouvi, mas nunca entendi
                    perfeitamente o teu coração.

                    Assim hoje, quando eu procurar
                    a estrela, a encontrarei no
                    mesmo lugar de sempre!
                    Quanto a você…… 

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

OUVIR ESTRELAS

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
              Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
              Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto
              E abro as janelas, pálido de espanto…

              E conversamos toda a noite, enquanto
              A via-láctea, como um pálio aberto,
              Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
              Inda as procuro pelo céu deserto.

              Direis agora: “Tresloucado amigo!
              Que conversas com elas? Que sentido
              Tem o que dizem, quando estão contigo?”

              E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
              Pois só quem ama pode ter ouvido
              Capaz de ouvir e de entender estrelas.”

 Olavo Bilac

Posted in poesia | Leave a Comment »

Soneto da Tristeza

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Por favor tristeza dá um tempo
Para que eu possa me restabelecer
Sentir o que vai dentro da minh`alma
O que se passa no interno do meu ser

Não me deixes pelos descaminhos da vida
Sem um farol que ilumine a minha ação
Sem um estímulo que me dê guarida
Sem a mão que estende e afaga o coração

Ainda que eu ande sem rumo
Talvez à procura de algum elo perdido
Ainda assim me conservarei no prumo

Ainda que o medo entorpeça
E eu fique completamente amargurada
Acenda-se nova chama do amor, antes que eu feneça

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

AH! BONS TEMPOS AQUELES…

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Meu carrão envenenado
      vermelho, cor de paixão
      mil brotinhos do lado
      a entregar seu coração.

      No cabelo brilhantina
      no bolso pente “flamengo”
      a calça de boca fina,
      o rock que bem me lembro.

      Os brotos de saia rodada,
      cabelo com laço de fita
      lambretas eternizadas
      entre a Augusta e a Paulista.

      Escurinho do cinema,
      chiclé de bola, na boca,
      as músicas, um só tema:
      nossa juventude louca.

      Na tela o James Dean,
      Juventude Transviada,
      e nossa calça Lee
      surrada e desbotada.

      O Elvis ia rebolando,
      a pelvis, indecente(?),
      muita gente imitando…
      os velhos com medo da gente.

      Os tempos foram mudando,
      acabou-se aquela magia,
      hoje é o funk mandando
      voce ficar atoladinha…

      O banco detrás, do carro.
      virou a dança da cadeira,
      o vício dos nossos cigarros,
      virou coisa que dá cadeia.

      O inocente chiclete,
      virou bola, anfetaminas,
      as crianças viraram pivetes,
      assaltando em cada esquina.

  Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

O AMOR EM AÇÃO

Posted by amizadepoesia em Abril 9, 2008

Você já pensou a respeito do amor ao próximo, recomendado por todas as
grandes religiões do mundo?
Certamente quando pensamos no amor-sentimento, como uma forte afeição,
confiança plena, deduzimos que é difícil amar os próprios amigos, e quase
impossível amar os inimigos.
No entanto, vale a pena refletir sobre os vários significados da palavra
amor.
Paulo de Tarso, quando escreveu aos Coríntios, no cap. 13, falou da caridade
como sendo o amor em ação.
Disse o Apóstolo: “a caridade é paciente, é benéfica; não é invejosa nem
temerária; não se ensoberbece, não é ambiciosa, não busca os seus próprios
interesses, não se irrita, não suspeita mal, não é injusta, apóia a verdade;
tudo desculpa, tudo crê, tudo espera.”
Interessante refletir sobre o amor por esse ângulo.
No dicionário encontramos mais uma definição de amor: “sentimento de
caridade, de compaixão de uma criatura por outra, inspirada pelo sentido de
sua relação comum com Deus.”
Assim fica mais fácil compreender o amor e praticar o amor para com os
semelhantes.
Pois se é verdade que nem sempre você consegue controlar o que sente por
outra pessoa, pode perfeitamente escolher o seu comportamento com relação a
ela.
Se uma pessoa age mal, se é agressiva, desonesta, você pode escolher agir
com respeito, paciência, honestidade, mesmo que ela aja de maneira inversa.
Assim se expressa o amor-ação, o amor-atitude, o amor-comportamento.
Podemos deduzir, pelas palavras de Paulo de Tarso, que foi a esse amor que
ele se referiu, em sua carta aos Coríntios.
E faz mais sentido se entendermos que foi esse amor-atitude que Jesus
recomendou que praticássemos para com nossos inimigos.
Não podemos sentir ternura sincera por alguém que nos agride ou que fere um
afeto nosso, mas podemos ter atitudes de tolerância, perdão, compaixão.
Como todos ainda somos imperfeitos e sujeitos a cometer equívocos, devemos
ter, uns para com os outros, atitude de benevolência, que é uma faceta do
amor-ação.
Assim sendo, sempre que se deparar com situações que lhe exijam fazer
escolhas, você poderá escolher ter uma atitude amorosa, sem que para isso
precise sentir amor pelo próximo.
Ter atitudes de paciência, bondade, humildade, respeito, generosidade, é
escolha de quem deseja cultivar a paz.
Além disso, agir com serenidade diante das situações adversas, é uma escolha
sábia, faz bem para a saúde física e mental e não tem contra-indicação.
Mas se reagimos com agressividade, ódio, descontrole, estaremos minando
nossa saúde de maneira desastrosa.
Não é por outra razão que após uma crise dessas surgem as dores de cabeça,
de estômago, de fígado, dores lombares, e outras mais.
Vale a pena refletir sobre tudo isso e procurar agir como quem sabe o que
está fazendo, e não como quem aceita toda provocação e reage conforme as
circunstâncias, infelicitando-se ainda mais.

Pense nisso!

A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança; a violência, ao
contrário, denota fraqueza e dúvida de si mesmo.*
Agir com calma é atitude de quem tem controle sobre a própria vontade.
Lembre-se: agir com calma é agir com caridade.
E há a caridade em pensamentos, em palavras e em ações.
Ser caridoso em pensamentos é ser indulgente para com as faltas do próximo.
Ser caridoso em palavras, é não dizer nada que possa prejudicar seu próximo.
Ser caridoso em ações é assistir seu próximo na medida de suas forças.
Pense nisso, e coloque seu amor em ação.

Momento Espírita.

Posted in poesia | 1 Comment »