amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 15 de Abril, 2008

Coincidências da vida

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

   Coincidencias da vida , que sigas pensando em mim,

                  e que eu me recoste e em sonhos siga pensando em ti .

                  Coincidencias somente que tu estejas vivendo aqui

                  pisando a mesma terra e sob o mesmo céu que cobre a mim.

                  ********

                  Coincidencias da vida que não saibas nada de mim

                  e que nunca a meus ouvidos ninguém me fale de ti ….

                  Coincidencias somente , que ao despertar penses em mim

                  e que eu ao deitar-me só me lembre de ti .

                  ********

                  Coincidencias desta vida , uma que se dá em dez mil,

                  que ao ouvir teu nome , se comova algo dentro de mim.

                  Coincidencia é que a beleza , traga impregnada em si

                  a fragrancia dos bosques , de lavandas e de jasmim.

                  *******

                  Coincidencia é que a brisa nos beije a ti e a mim

                  executando com seus violinos  , uma melodia sem fim .

                  É um mistério ou um encanto , que tenhamos nascido aqui

                  os dois em um mesmo mundo afetados por um mesmo sentir ?

                  *******

                  Não me despertes do sonho , que quero repousar assim

                  sendo os dois cidadãos , com um mesmo caminho a seguir .

                  O vento me trará teus susurros , e tua voz chegará até os confins

                  e o eco como lobos uivando , dizendo, Sem ti nao posso existir!.

            Libia Beatriz Carciofetti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Águia dos meus sonhos

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

   Águia dos meus sonhos
      Sejam as tuas garras
      tão fortes
      quanto o amor
      que sentes
      latejar
      no teu peito.

      Transcendendo
      o teu limite
      voa alto
      voa junto
      até onde o imaginário
      possa alcançar…

      Voa como águia,
      e me agarre
      com todo
      o carinho
      que trazes
      dentro de ti..

      Te espero…
      quando a lua
      surgir pensativa
      no céu…

      Te quero…
      no meio das estrelas
      Quando olho o céu,
      em noites de lua cheia.

      Te cuido…
      devorador de partículas,
      pois a tua ferocidade
      esconde um forte amor
      em gestação..

      Me cuido…
      para que o tempo
      transforme
      a hibernação
      em ardentes lavas,
      de um vulcão
      repleto de desejos.

      Te vejo…
      incandescendo
      nos gelados cumes,
      estendendo as tuas
      protetoras asas,
      me acolhendo inteira,
      eriçando meus pelos,
      poros e entranhas.

      É assim
      que te espero
      te quero
      te cuido
      me cuido e
      te vejo…
      Águia dos meus sonhos!

      Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

Você tem meu coração

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Meu amado, encanto das horas
      Me enfeitiças com a tua doçura
      Quando chegas e dizes sem demora
      Amor estou ardendo em só ternura

      E me chamas pra sentar juntinho
      Com mil dengos e afagos me cercas
      Não resistirei mais ao teu carinho
      Do meu amor espero não te percas.

      É claro querido, que estou feliz!
      Porque me perderia de ti agora?
      Há tanto tempo busco a tua raiz
      teu orvalho, teu ser, tua aurora.

      Agora que afinal nos encontramos,
      partilhando de momentos especiais,
      realizando tudo o que sonhamos,
      me resta concluir amado meu,

      que nosso destino estava traçado
      Trazes na mão antigo caduceu
      de vidas passadas ao meu lado

      Almas complementares atraídas
      pelo imã dos registros akásicos*
      quando essências foram abstraídas
      de nossos sonhos mais básicos

      De sermos para sempre felizes
      até que nos separe a morte
      Ou talvez nos junte como matrizes
      de um ressurgir que nos comporte

      Assim nada mais quero da vida
      Cesso aqui por completo a busca
      Ter em teus braços a doce guarida
      é a sorte minha que nada ofusca

      Com teu olhar deveras envolvente
      Despertaste a adormecida paixão
      Fazendo vibrar a chama ardente,
      uma vez que tens o meu coração.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR INFINITO AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Todos trazemos dentro do peito

      a capacidade de amar.

      Queremos todos esse amor poder partilhar.

      A necessidade de amar sempre fala mais alto,

      Encontrar o amor, que seja companheiro

       que seja verdadeiro,

      Tarefa fácil não é!

      Mas não podemos desistir…

       nosso amor sempre há de resistir!

      

      Amor infinito é o nosso

      Nada nos separa,

      Reconheço o amor por ser puro

      Pois ele é presente, persistente, forte!

      Elos nos unem,

      Mais do que possamos entender

      É o amor que nos escolheu para juntos

      A Vida viver!

       

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

Eu somente queria

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Eu somente queria
queria viver,
queria cuidar de voce
queria uma vida a dois ter
lutarmos, juntos, por dias melhores
para nós, para mim, para voce.
Nosso amor era tão lindo
no meu pensamento somente existia voce
o meu desejo era somente dirigido a voce
voce parecia que me queria,
mas não se decidia
que por enquanto era melhor
viver cada um no seu canto
que nao estava preparada para casar de novo
duvidas, incertezas, medos, inseguranças…
Isso me desagradava, mas aceitava.
Quando nos encontravamos
com ardor nos entregavamos
apaixonadamente nos amavamos
os dias , os meses se passavam
a gente assim vivendo, um do outro distante
a maior parte do tempo.
A saudade me machucava,
por diversas vezes insisti em nos juntar,
eu ansiava, formar um novo lar,
mas voce na sua posição continuava.
Como doia, eu sentia que parecia
que voce nao me amava
que sua posição me discriminava , me humilhava
Com o tempo, insconscientemente me acostumava,
não mais me agoniava, ja menos sofria.
Continuavamos a nos encontrar, a nos amar
com aquela mesma atração, com muita paixão,
mas cada vez menos palpitava meu coração,
cada vez mais ressaltava a carnal atração,
faziamos sexo com quase perfeição,
tão grande continuava, aumentava nosso tesão,
mas o amor no peito não tinha mais aquela vibração
meu amor por voce definhava, casar nao falava
ou melhor nem mais pensava.
Na distancia outras mulheres ja experimentava
fazia sexo, me odiava, nas as amava.
Os intervalos entre nosso encontros aumentava
cada vez mais de voce meu coração se distanciava.
Ja me questionava se a amava
parecia que voce isto sentia,
mas nao mudava… nao era o que eu queria,
mais a cada dia mais de voce eu me esquecia,
falta ja nao sentia, a saudade ja não doia.
Nao era o que eu queria…
O que eu somente queria voce não queria…
E foi tarde o dia que era voce quem queria…
Que agonia!!! Pesadelo ou Profecia???………………..

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

MOMENTOS DE MAGIA

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Dois corpos sob a luz da lua clara

duas almas entrelaçadas d’amor

Uma semente a brotar em flor

em dois peitos , orquídea tão rara.

Entrelace perfeito, duas vidas,

a pulsarem em um só batimento,

nos lábios a flor do contentamento

nos peitos essa paixão incontida.

A brisa que farfalha os coqueirais,

afaga ainda nossos corpos nús.

Nos amamos sob estrelas sensuais

Nossos corpos mergulhados na luz,

revivendo os amantes imortais,

onde a paixão eterna nos conduz.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

JAMAIS ME CALARÃO

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

 Dizem que minha poesia devia figurar
      junto de outros poetas, já enaltecidos
      contudo, poetas vivos terão a esperar
      sua morte, até serem aí reconhecidos

      Elevar poeta póstumo não tem louvar
      e sim cobardia, de certos convencidos
      que o trabalho em vida só tem o lugar
      como às bestas de carga seus mugidos

      Aliás, pouco me importa se me negam
      o valor, de meu labor, já que, de amor
      é feito sem o olvido que aí me pregam

      Então que a inquisição seja bem ciente
      pois jamais calarão do verso o estertor
      que mora comigo, mi poesia, mi frente

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

CATIVO

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Cativo é meu coração
      Na imensidão desse amor.
      Sofreguidão na impotência do agir,
      Quando longe a pessoa amada está.
      Mas tenhamos esperanças no porvir
      O futuro quem dera…quem dirá…

      Cada dia que passa esse amor aumenta
      Coração agora quente, sente o amor presente.
      Jamais algo nos separará
      Somos cativos do mesmo amor
      E nesse amor, nossas almas se embalam
      Aconchego, paz, acalma.

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

PERSCRUTANDO NOSSO AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

 Caminhando tranquilo, pois tenho o amor
      comigo sorri-o para mim próprio ao acaso
      e tudo que meus olhos perscrutam, sabor
      a fruta tem, assim os teus lábios no ocaso

      E, nascendo, mais uma manhã e a sua cor
      que resplandece aqui e ali, como um caso
      que só a natureza sabe explicar é o fervor
      dessa estirpe, que me faz acelerar o passo

      em direcção a ti buscando nos teus braços
      todo esse carinho, e, companheirismo são
      fora qualquer controvérsia, ou embaraços

      E quando em rosca neles minha felicidade
      não tem limites nem leis, e guio o coração
      aonde a verdade eleva, sua grandiosidade

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

ROTEIRO

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Eu vou pegar
o meu cabelo
e fazer um travesseiro
pra poder sonhar…

Vou me filmar
de corpo inteiro
escrever o meu roteiro
pra me resguardar.

Vou subir essa montanha
observar o meu viver.

Lá eu fico bem…
Lá eu vou também
pegar o meu lençol
e me esconder…

Lá eu fico bem…
Lá eu vou também
agarrar o sol
até me arder…
ROSE AROUCK

Posted in poesia | Leave a Comment »

A Arca de Noé

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Sete em cores, de repente

O arco-íris se desata

Na água límpida e contente

Do ribeirinho da mata

 

O sol, ao véu transparente

Da chuva de ouro e de prata

Resplandece resplendente

No céu, no chão, na cascata

 

E abre-se a porta da arca

Lentamente surgem francas

A alegria e as barbas brancas

Do prudente patriarca

 

Vendo ao longe aquela serra

E as planícies tão verdinhas

Diz Noé: que boa terra

Pra plantar as minhas vinhas

 

Ora vai, na porta aberta

De repente, vacilante

Surge lenta, longa e incerta

Uma tromba de elefante

 

E de dentro de um buraco

De uma janela aparece

Uma cara de macaco

Que espia e desaparece

 

“Os bosques são todos meus!”

Ruge soberbo o leão

“Também sou filho de Deus!”

Um protesta, e o tigre – “Não”

 

A arca desconjuntada

Parece que vai ruir

Entre os pulos da bicharada

Toda querendo sair

 

Afinal com muito custo

Indo em fila, aos casais

Uns com raiva, outros com susto

Vão saindo os animais

 

Os maiores vêm à frente

Trazendo a cabeça erguida

E os fracos, humildemente

Vêm atrás, como na vida

 

Longe o arco-íris se esvai

E desde que houve essa história

Quando o véu da noite cai

Erguem-se os astros em glória

 

Enchem o céu de seus caprichos

Em meio à noite calada

Ouve-se a fala dos bichos

Na terra repovoada

Vinicius de Moraes

Posted in poesia | Leave a Comment »

UMA LÁGRIMA, APENAS…

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Uma lágrima,

solitária e triste,

foi o adeus proferido,

ao final de uma relação

que marcou,

profundamente,

duas vidas.

Vidas,

que comungavam

de um mesmo desejo;

entrelaçadas

no fogo da paixão

e deveriam ter sido plenas…

 

Uma relação amante,

que foi cumplicidade

por tanto tempo

e, por imprevisão,

falta de cuidado,

como a flor

que não foi regada,

 nos braços

da insensibilidade

feneceu.

 

A espera,

que a nostalgia

 fez calar o coração,

apagou a luz da lua,

condenando

almas, antes,

cheias de luz,

a viver na escuridão…

 

Incapazes

de reconquistar a felicidade,

plenas de solidão,

sombra do que foram,

de vida lhes restou, apenas,

uma lágrima triste,

que marcou o inicio

do que seria

 uma saudade…
Carmen Cristal

Posted in poesia | 1 Comment »

O PERFUME

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Mágica fragrância que permanece no ar

            quando, em pensamentos,

            exalamos a essência do bem querer.

            Essa química pessoal é intransferível,

            ninguém pode alterar no frasco da vida;

            ela já nasce marcada pela pureza

            e sensibilidade dos anjos,

            que, em segredo,

            embalam todos os sonhos do infinito amor,

            cumprindo a promessa imortal

            que só a delicadeza das flores

            pode reproduzir no espaço,

            atraindo da atmosfera o calor da paixão,

            o beijo amado, o néctar do prazer,

            para, na terra fértil,

            deixar as suas sementes germinarem,

            transportadas pelo vento,

            multiplicando o seu perfume.
SCHYRLEI PINHEIRO

Posted in poesia | Leave a Comment »

O INSTANTE DOURADO

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

Quando a situação se te revele difícil e as forças te pareçam exaustas…
Quando a enfermidade se te instale nas energias, semelhante a uma sombra que não consegues extinguir…
Quando o desânimo te procure, sugerindo-te a desistência dos encargos que abraçastes…
Quando as dificuldades se multipliquem criando-te embaraços e lutas…
Quando as complicações surjam tamanhas que o abandono dos próprios encargos, se te afigure como sendo o caminho a seguir…

Então, haverás atingido o instante dourado para o testemunho de tua própria fé, porque servindo e agindo, em meio a cansaço e tribulação, podes guardar a certeza de que, pelas ocorrências do trabalho, Deus chegará em teu auxílio com o socorro imprevisto e com a inesperada luz.

Meimei

Posted in poesia | Leave a Comment »

Picadeiro Perverso!…

Posted by amizadepoesia em Abril 15, 2008

      Pela vida caminho em estado constante de construção,

      Entrego-me aos conceitos que aprendi com família,

      com os dogmas mais puros da religião…

      Sou a favor da família, do respeito,

      da construção de amor pela dignidade…

      Creio em um amor que se construa aos poucos,

      que acabe se formando um castelo a cada tijolo

      colocado com quatro mãos sempre…

      Não creio em nada que sugira amor construído só com um par de mãos,

      Às vezes meu olhar puro pára com o mundo,

      Machuca-me nestas trevas onde conhecemos fadas

      que ao percebermos são bruxas más,

      estrelas que brilham em um brilho falso,

      pessoas que escrevem sobre o amor mas,

      que desejam somente libertinagem, prazer e sexo…

      Outros, que falam em nome da religião,

      mas saem pelo mundo destruindo corações,

      tocando e roubando o que há de mais precioso, o amor…

      Estas pessoas que batem de repente à porta da gente

      se fazem de borboletas, e entram como formigas selvagens

      aquelas a qual simples picada é capaz de levar à óbito.

      Até aonde alguém tem este direito,

      o de retirar o sorriso mesmo que seja em nome de si,

      até onde a verdadeira felicidade existe

      quando não existe uma comunhão,

      O porquê saímos em busca do novo…

      Quando já se tem porto seguro,

      Até onde os conceitos de moral e bons costumes

      devem ser jogados no lixo em nome simples de um prazer

      que muitas das vezes acaba no esquecimento,

      até onde podemos dizer sermos donos de nós mesmos

      e não permitir que quem nos ama opine…

      Se deste amor tiramos o nosso crescimento,

      do que adianta ser beata de religião se por de trás de cortinas

      apóiam-se em atos que levam lágrimas nos rostos,

      Até quando podemos nos sentir grande

      se no lugar de fazer quem nos ama sorrir

      levamos lágrima à face,

      Poderá uma pessoa se apossar de títulos

      se ainda não aprendeu a conviver com suas próprias verdades,

      Por que alguns têm o costume de depois de conquistar o mundo

      e poder desfrutar da paz, lança-se a uma guerra de sentimentos,

      Que poderá levar a destruição e ruínas de tudo…

      Por que existem pessoas que não respeitam seus corpos

      entregando-os a cada esquina em nome de uma sensação passageira

      que poderá custar-lhe inclusive a própria vida,

      Por que buscamos àquele que já pertence a outrem,

      quando já temos companhia,

      Até quando damos as costas a tudo

      que nos é oferecido pelo bem saindo por caminhos escusos,

      Lançando a dor e mágoa ao coração que nos abrigou,

      Enfim, neste mundo estranho chamado terra

      deparo-me com seres estranhos

      que como estrelas de luz,

      se transformar em seres de escuridão…

      Outros que se apresentam em realeza,

      mas ao fundo tornam-se vulgares ao tempo pelos atos insanos,

      Estes têm uma única arma como defesa quando são repreendidos

      que tudo podem em nome da tal liberdade,

      em nome de serem maiores de idade, enfim…

      Podem em nome destas coisas

      acabar com corações pisar em seres que lhe foi abrigo o tempo todo,

      afinal será que pode?

      Será?

      Paulo Nunes Junior

Posted in poesia | Leave a Comment »