amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 18 de Abril, 2008

EX-PASSO

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Se percebo chegar o fracasso,
      e sinto algum embaraço,
      não me entrego ao cansaço,
      e com um esforço escasso,
      saio do descompasso,
      e não perco o espaço,
      Não preciso de marca-passo,
      e sigo com passo
      sempre firme,
      para não parar com um ex-passo…

      Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESPAÇO

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

 Não uso compasso,
      nem marco o passo
      que ocupo no espaço

      Vivo meu descompasso
      no tempo que é escasso,
      na luta contra o cansaço

      Todo nó eu desembaraço!

      No meu espaço não há fracasso!
  Regina Bertoccelli

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

       No amor não existem regras, podemos tentar seguir manuais, controlar o coração, ter uma estratégia de comportamento, mas tudo é bobagem. O coração decide, e o que ele decidir é o que vale. Quem ama vence o mundo, não tem medo de perder nada.
                        
                        O verdadeiro amor é um ato de entrega total. A vida espiritual se resume em amar, não se ama porque se quer fazer o bem, ajudar ou proteger alguém. Amar é comungar com o outro, é descobrir nele a centelha de Deus.

                        Na vida real, o amor precisa ser possível, mesmo que não haja uma retribuição imediata. O amor só consegue sobreviver quando existe a esperança, por mais distante que seja de conquistarmos a pessoa amada, o resto é fantasia.

                        Aquele que é sábio, só é sábio por que ama, e aquele que é tolo, só é tolo por que pensa que pode entender o amor.

                        Quem ama precisa saber se perder e se encontrar. O amor e as represas são iguais, se deixarmos uma brecha por onde um fio de água possa se meter, aos poucos ele vai arrebentando as paredes e chega um momento em que ninguém mais consegue controlar a força da correnteza. Se as paredes desmoronam, o amor toma conta de tudo, já não interessa o que é possível ou impossível.

                        Amar é perder o controle. Existem coisas na vida pelas quais vale a pena lutar até o fim. O universo sempre conspira a favor dos sonhadores, o universo sempre ajuda a lutar por nossos sonhos, por mais tolos que possam parecer, porque são nossos sonhos e nós sabemos o quanto nos custa sonha-los.

                        Desnecessário é conversar sobre o amor, porque ele tem sua própria voz e fala por si próprio. 

          Edmen

Posted in poesia | Leave a Comment »

CATIVOS ESTAMOS!

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

      O elo que nos une
      é forte demais para ser rompido.
      Ninguém ou mesmo a distância
      poderá nos separar …
      Comungamos semelhanças de alma
      e nossos corações se mantém alinhavados
      por linha multicolorida
      criando lindas imagens pra nós dois:
      Desejos ardentes a nos acarinhar
      o pensamento a todo instante,
      vontade uníssona de cantar este amor
      aos quatro ventos,
      nos fazem fortes e guerreiros,
      aliados e cúmplices em todas as situações.
      Coração e alma entregues
      que nos unirá em breve
      como sonhamos e desejamos
      acalentados em nossa imaginação …

Nídia Vargas Potsch

Posted in poesia | Leave a Comment »

CATIVO

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

 Cativo é meu coração
      Na imensidão desse amor.
      Sofreguidão na impotência do agir,
      Quando longe a pessoa amada está.
      Mas tenhamos esperanças no porvir
      O futuro quem dera…quem dirá…

      Cada dia que passa esse amor aumenta
      Coração agora quente, sente o amor presente.
      Jamais algo nos separará
      Somos cativos do mesmo amor
      E nesse amor, nossas almas se embalam
      Aconchego, paz, acalma.

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amar com amor

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Eu te amo, tu me amas
                eu te amarei, tu me amarás
                nós nos amamos
                nós nos amaremos

                É o conjugar do verbo amar
                para quem deseja para sempre amar
                sempre em plena concordancia
                a nada condicionar, apenas ser amado e amar

                Nem se…nem mas…nem porém…nem todavia
                nada de conjunções condicionais
                somente adjetivos qualificativos
                ter consistencia, ser substantivo

                O Amor é verso para a poesia
                o amar é rima para o verso
                assim como o amor palpita no coração
                o amar explode na paixão

                O amar é sensação, o amor é emoção
                o amor tem razão o amar tem intuição
                No amar o libido do amor em expressão
                No prazer do amar com amor no coração.

                Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Como tua mulher

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Eu te dou
      toda minha vida e até mais quisera
      sabes bem
      que sou tão tua
até que um dia morra

      Mas vejo que ao enganarme
enganas a te mesmo
      pela tua altivez
      por essas coisas que fazes comigo
      quero evitar que Deus te dê um castigo… me vou
      Pois assim o tens querido

      Pois veja voce
      Como ries como jogas tu
Com a esperança que semeei em ti
      Com tudo que em ti eu criei

   É o melhor
 Me torno livre se vens a ser
   o homem, aquele que sempre quis ver
      ainda que ao teu lado nao me possa ver
      como tua mulher

  Mas veja, que ao enganar-me enganas a si mesmo
 por tua altivez por essas coisas que fazes comigo
      quero evitar que Deus te de um castigo, me vou
    pois é o que has querido

  Pois veja tu
      Como ries, como jogas tu
      Com a esperança que pus em ti     
Com tudo que em ti criei

   É o melhor
 Me torno livre se vens a ser
   o homem, aquele que sempre quis ver
      ainda que ao teu lado nao me possa ver
      como tua mulher

Eileen

Posted in poesia | Leave a Comment »

Declaração de Amor

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Estou expondo os meus mais puros sentimentos
Através desse poema que tento escrever.
Onde confesso o meu amor
E toda a minha dor…
Nessas linhas escrevo
A mais apaixonada declaração,
Entregando o meu coração
E concedendo a minha vida
A pessoa amada.
Expondo meus sentimentos
Na certa serei alvo de alguma injúria.
Tento vencer obstáculos
Na esperança de poder conquistar
A sua simpatia e quem sabe consiga
Conquistar verdadeiramente o seu amor.
Estou expondo minhas lembranças
E as minhas esperanças…
Sei que terei que lutar para vencer.
Na certa muito irei sofrer.
Viverei alguns dissabores .
Mas…Não me arrependo e nem arrependerei
Em fazer essa declaração de amor.
Muitas vezes sem querer ou por querer
Revelo-me, desnundando a minha alma.
Assim vou percorrendo por caminhos torturosos
Passando noites em claro,
Em você pensando …
Com você sonhando…
Imaginando que estás em meus braços,
Trocando beijos ardentes…
Nossas peles encontrando
E o desejo nos consumindo.
Nesse frenezi sem fim
Nos entregamos ao prazer…
Gemendo em cada toque…Cada carícia…
A cada beijo sulgando gota a gota do nectar
Que emana dos seus lábios,
Saboreando cada instante,
Desfrutando desse prazer, vivendo esse amor.
Não sei se devo falar dos mistérios,
Dos segredos que ronda esse amor.
Amor que foi esculpido com lágrimas e dor.
Amor que irei um dia conquistar
E meu sonho realizar.
Ao amanhecer, em seus braços irei acordar.
Lençóis amassados…
Lençóis com o seu perfume,
Denunciando que vivemos uma noite
Tórrida de amor!!
Ouvirei de seus lábios que me ama…
Que me deseja…
Pena que essa declaração de amor não seja correspondida.
Pena você não querer saber
Do fogo que incendeia o meu corpo…
Dos meus lábios o sabor
E o tamanho do meu amor…
 
 Catarina

Posted in poesia | Leave a Comment »

ISABELLA. TEU NOME

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Seguramente, quem faz mal a uma criança
      perdão algum terá e justificação nenhuma
      não cabe aqui compreensão ou esperança
      ante, tal acto de maldade, atroz, em suma

      No seu corpo frágil, esbofeteada, se lança
      aos pés do maldito; sem ter culpa, alguma
      lhe implora, o que, sua mente não alcança
      pois que não percebe tal aberração, duma

      criatura que, espancando-a, faz de tal acto
      sua ignóbil satisfação enquanto a maltrata
      pontapeando-a, jogando ao chão, de facto

      Vermelha de sangue, torna a mão ao rosto
      da menina, perpetuado gesto, que, a mata
      devagar, fazendo prolongar, seu desgosto.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

PROLETARIADO

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Nas oficinas, na faina ou no campo
                  que os trabalhadores aí protestem
                  contra os governos, e o seu mando
                  déspota e parcial e que contestem

                  co a força de seus braços, o manto
                  obscuro podre e que bem atestem
                  o ditador que fazendo-se de santo
                  lhes rouba o pão da boca pois tem

                  nas mãos o silente suor dum povo
                  que farto de trabalhar na sua vida
                  só injustiça vê, neste mundo novo

                  Assim, meu irmão, grand coragem
                  não te falte que a vida te é devida
                  e, justiça, se faça, sem vassalagem

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A chuva

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

A chuva fina bate na vidraça,
Chove lá fora e dentro do meu coração,
Vou imaginando que você me abraça
E que o tamborilar da chuva é uma canção.

Fecho os olhos e começo a divagar…
Vejo você, olhando para mim,
Parece que está a me admirar,
Vou ouvindo a chuva e sonhando assim…

A chuva para e o sol volta a brilhar,
Uma tristeza imensa me invade
E do sonho  a realidade toma o seu lugar.

Oh Deus, tira do meu peito essa ansiedade!
Por piedade, devolve-me o passado,
Para acalmar meu coração amargurado !…

Hilda Persiani

Posted in poesia | Leave a Comment »

ROSAS DE AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Rosas são flores queridas,

indicam sempre um sentimento

de amor, de carinho…

por vezes um lamento…

Poderia oferecer-lhe rosas,

sei que gostaria…

Ficaria emocionada,

e me beijaria…

Talvez apaixonada

eu a deixaria…

Quem sabe,

se as rosas lhe ofertasse…

MARCIAL SALAVERRY

 

 

Posted in poesia | Leave a Comment »

O MAR SEPARA O NOSSO AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Vivo alimentando um sonho
De poder um dia atravessar o mar
E poder encontrar
A pessoa que me causa tanto tremor.
Pessoa que faz disparar meu coração
E dar asas a imaginação.

Existe em meu ser
Um enorme desejo
De correr ao seu encontro
Sentir o aroma de sua pele…
Sentir o desejo despertando no seu olhar…
O sorriso convidadivo de seus lábios…
Poder sulgar o mel que emana dos seus beijos
Saciando a nossa sede de amor.

Aqui distante fico pensando
Se você também sonha comigo
Nas noites enluarada,
Vendo no céu estrelas saltitantes.
Aqui vendo o céu e as estrelas
Sinto aumentar a saudade
E o desejo de estar em seus braços
Toma conta do meu ser…

A vida continua
A distância que nos separa
Não impede que o nosso amor
Torne sereno e sublime.
Você vive querendo ao meu lado estar
E eu em seus braços ficar.

Mesmo você distânte
Do outro lado do mar
Sei que também queres
Essa distância encurtar
Para juntos enfim, podermos estar
Desfrutando do nosso amor
Sem nunca mais ter que nos separar.

Catarina

Posted in poesia | Leave a Comment »

Ah!… Essa paixão demente!

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

 Mistério, magia, paixão ardente,
      Tantos carinhos dementes!
      Tanto amor, sangue quente.
      Noites de tanta doçura…
      Essa voz que diz  amo você
      Todo momento, todo instante,
      Que cativa e alucina…
      Me põe tonta com seu ciúme.
      Chora, canta seu amor aos meus ouvidos,
      Embriaga-me de amor com suas
      Mãos… Tremendo de emoção… Seu beijo
      Alucinado, desesperado me fascina…
      Briga me descontrola,
      Vai embora e volta na mesma hora…
      Diz voltei minha menina…
      Não lhe quero mais.
      Por favor, vá embora…
      Não! – Fica, abraça-me agora!
      Não lhe entendo, nem você me entende…
      Mas há um grito alucinado de paixão 
      No seu, no meu coração, que nos atira
      Um nos braços do outro,
      Feito crianças, feito bobos…
      Abraços… Beijos… Carícias em acordes
      Perfeitos como uma canção…
      Peço então… Não vá agora…
      Entre sorrisos você diz…
      Nunca pensei em ir embora!
       Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Uma doce fera…

Posted by amizadepoesia em Abril 18, 2008

Sai dia… entra dia… e lá está ela,
                                Sempre bem disposta e sorridente,
                                Cabelo agora grisalho, vestido impecável,
                                Perfume gostoso e sempre contente…

                                Ah, o cheirinho de sua comida!
                                É algo indescritível, nada supera…
                                Tão justa e carinhosa , tão pequena
                                e tão grande essa doce fera!

                                Sabe ler meu olhar e nem adianta
                                Inventar…disfarçar…negar…
                                Sabe que estou triste
                                E o que irá me alegrar…

                                Nunca diz que está cansada,
                                Tem sempre uma palavra de carinho
                                Nas mãos traz afagos de seda…
                                Adoro afagar seu cabelo lisinho!…

                                Quando sorri, sinto que meu dia
                                Será de sol mesmo chovendo…
                                Quando se zanga e fala e fala e repete
                                Finjo nem perceber,
                                Desconverso concordando por dentro…

                                Mas quem sou eu e o que fazer
                                Sem essa meiga e doce criatura?
                                Que esquece dos seus problemas,
                                para viver os meus e me atura?

                                Esse doce ser, essa pequena fera,
                                É você minha mãe querida!
                                Que tem afagos tão meigos
                                Que curam qualquer ferida!

                                Deixa que hoje eu lhe diga
                                Do imenso amor que trago no peito…
                                Deixa eu dizer da minha gratidão,
                                Dizer que hoje lhe entendo…

                                Deixa que nessas poucas linhas,
                                Eu declare todo o meu carinho com ardor…
                                E beije sua fronte de rainha!
                                E lhe confesse esse imenso amor!…
                                Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »