amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 21 de Abril, 2008

É Proibido

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

  É proibido chorar sem aprender,
                  Levantar-se um dia sem saber o que fazer
                  Ter medo de suas lembranças.

                  É proibido não rir dos problemas
                  Não lutar pelo que se quer,
                  Abandonar tudo por medo,

                  Não transformar sonhos em realidade.
                  É proibido não demonstrar amor
                  Fazer com que alguém pague por suas dúvidas e mau humor.
                  É proibido deixar os amigos

                  Não tentar compreender o que viveram juntos
                  Chamá-los somente quando necessita deles.
                  É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
                  Fingir que elas não lhe importam,

                  Ser gentil só para que se lembrem de você,
                  Esquecer aqueles que gostam de você.
                  É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
                  Não crer em Deus e fazer seu destino,

                  Ter medo da vida e de seus compromissos,
                  Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
                  É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

                  Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se desencontraram,
                  Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
                  É proibido não tentar compreender as pessoas,
                  Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

                  Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
                  É proibido não criar sua história,
                  Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

                  Não ter um momento para quem necessita de você,
                  Não compreender que o que a vida lhe dá, também lhe tira.
                  É proibido não buscar a felicidade,

                  Não viver sua vida com uma atitude positiva,
                  Não pensar que podemos ser melhores,
                  Não sentir que sem você este mundo não seria igual.                                                                                      

Pablo Neruda

Posted in poesia | Leave a Comment »

Aguas de amar

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Me receba nas sua cálidas aguas de mar
            eu chegando com minha impetuosidade de rio
            para te amar, com suas aguas minhas aguas
            se misturar, sais de carinhos nas doces aguas das caricias

            Em uma só agua nos transformar
            Em um só oceano nos integrar
            de aguas azuis e cristalinas
            nas transparencias do nosso amar

            Um amor azul, azul da cor do mar
            refletindo de dia a nossa alegria
            a noite um vivo manto de estrelas a ondular
            nos ares de nossos sonhos, encalpelar

            Rio, que em outras eras saiu mar
            foi as nuvens, verteu na terra
            pela nascente se tornou regato
            cresceu , amadureceu como um rio

            Nunca perdeu o sonho de voltar aos braços do mar
            na sua inconsciente lembrança, voltar a te encontrar
            camionhhos percorreu, obstaculos passou
            nunca deixou de lutar para seu sonho realizar

            Alcançar sua amada formada mar
            caudaloso, impetuoso, apaixonado
            sentiu a foz chegar, escorrendo pelo leito
            no estuário nos aconchegando, nos fazendo aguas do amar

            Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

CRIME BÁRBARO

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

 Arremessado o corpo de uma inocente.
      Malfeitor sem pena ou dor,
      Desconta toda a sorte de ira
      Por cima de criança que agonizante pedia
      Socorro… e ninguém a ouvia.
      Impotente em se defender,
      Viu seu corpinho frágil descer
      Parar apenas em grama, solo, terra.
      A mesma que a acolheria após a Morte.

      Bárbaro ser, não merece nome de Humano.
      Ato tão desumano, consciência do ato bem tem.
      Remorso nada demonstra, frio, ainda impune.
      Leva a vida a esconder dessa triste culpa.
      Motivos para tal ato não há.

      Querida Criança, esteja sua alma em paz.
      Justiça!!!
       Homem de bem, por ti fará.

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

EM SUAS MÃOS

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Em suas mãos meu coração está.

        Amor acompanha o tempo,

        Inerente aos sofrimentos

        Possa ele recuperar

        Toda a sorte vivida.

        Meus sonhos

        Ei de realizar.

        A saudade aperta,

        solidão afeta…

        Ansiedade lasciva domina

        Ao reencontro…

        Suas mãos ao sonho

        dão vida,

        minh’alma se alcama

        Beijos selam

        nossa saudade que finda.

          

        Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

MEU AMOR PASSOU

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Quando lembrar de mim,

      não esqueça onde passou meu amor.

      Meu amor passou

      em cada cantinho dos seus sonhos.

      Ele esteve pertinho do seu coração

      quando sentia você triste

      E tudo fazia para te alegrar.

      Meu amor passou

      em cada pensamento seu,

      E acalentou para você ter esperanças

      em dias melhores.

      Meu amor esteve tão forte

      em tudo que é seu…

      Mas meu amor não conseguiu

      fazer você me amar.

      

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

MINHA MAIS QUE TUDO

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Argênteo tornou-se o dia em que te vi
de ouro se pintaram os jardins, lá fora
na praça milenar, e o sol veio até mim
co, suas flamejantes luzes, de outrora

Tudo reluzia à nossa volta, olhei pra ti
e tu para mim, e teu riso sem demora
e toda precisão disse-me então assim
vem, meu amor e, partamos vida fora

Olhamo-nos uma última vez, partimos
de mãos dadas, e coração aí apertado
porque, enfim nosso amor redimimos

Oh, minha mais que tudo, o quão feliz
sou, por ter-te ser, sempre a meu lado
que, assim dita, nosso amor e o perdiz

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Corações!!!

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Como pode
um coração deixar de amar
Como pode
a outro coração maltratar
Como pode
a outro coração enganar
Como pode
por interesses se deixar levar
Como pode
pela fria razão se deixar dominar
Como pode 
por aparências se deixar levar
Como pode
por posições se deixar leiloar
Como pode
a outro coração usar…
Como pode
usar para interesses mesquinhos  alcançar
Como pode
por condicionais deixar outro coração hibernar
Como pode
mentir, ludibriar, enganar,
Como pode
maltratar, torturar,
se é um órgão que foi criado
 para amar.
Não compreendo,
não entendo como pode.
Como pode
sendo é o símbolo do amor
não devia…
mas pode…
e como pode!!!

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Contigo aprendi ….

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Contigo aprendi
                  que existem novas e melhores emocões
                  Contigo aprendi a conhecer um
                  mundo novo de ilusões …

                  Aprendi
                  que a semana tem mais de sete dias
                  a tornar maiores minha contadas alegrias
                  e a ser ditoso eu contigo aprendi

                  Contigo aprendi
                  a ver a luz do outro lado da lua…

                  Contigo aprendi
                  que tua presença não  troco por nenhuma

                  Aprendi
                  que pode um beijo ser mais doce e mais profundo
                  que posso ir amanhã mesmo deste mundo
                  As coisas boas  já contigo as vivi

                  e contigo aprendi que eu nasce no dia que te conheci

                  Luis Miguel

Posted in poesia | Leave a Comment »

DEVORO-TE!

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Ó , minha bela e salgada senhora
      com meu espeto a marcar-te o meio:
      Devorar-te as entranhas é o anseio
      que eu espero cumprir sem demora.

      A minha boca já anda sedenta
      de sentir-te assim inda umedecida
      sentir teu aroma em minhas ventas,
      engolir-te inteira, desprevenida..

      Tua pele doirada, como o sol,
      deitada displicente sobre a mesa,
      desnuda das vestes que te cobriam

      -Que se dane o meu colesterol!
      degustar-te é a minha certeza,
      se, tu, batata frita, me aviam.

 Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

AO RESPEITO PELA DIFERENÇA

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Por mais explicações que tente achar
            nunca entenderei, a falta de respeito
            pra com os outros, se, se põe a julgar
            levianamente com extremo despeito

            quem partilha suas vidas, sem ajuizar
            quem agora lhes ergue o julgamento
            pútrido  e ignóbil, sem nem lamentar
            a mão que alça a pedra e o tormento

            E, se, a todos a diferença se faz notar
            eis, é da indiferença que devem fugir
            mostrando-se solícitos pra co seu par

            Pois todos fazemos parte deste lugar
            chamado Mundo, que nos leva a agir
            educadamente e aos demais encarar
             
            Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Verso Sem Despedida

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

 Nem mesmo a noite mais escura e fria

                    há de ocultar o abrigo de tua porta

                      para a paixão que nunca será morta,

                    para este amor que nasce todo dia.

                       

                  Se a esperança me servir de guia

                       por uma rua, embora estreita e torta,

                                            ao final teu abraço que conforta

                                            vai preencher a casa tão vazia.

                          

                  

                        Tu sorrirás ao ver que estou voltando

                   e a cruz será presépio anunciando

                                            o Natal de retorno à nossa vida.

                  

                  E pelo querer-bem que purifica,

                  os versos brotam, a poetisa fica

                         com seu poeta, sem mais despedida.
  @ Alberto Cohen

Posted in poesia | Leave a Comment »

Verso Sem Despedida

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

   Haverás de bater em minha porta

                    quando a noite chegar serena, fria,

                       carregando a paixão pesada e morta,

                   relembrarás da minha companhia.

                    

                       Distante da esperança que conforta,

                                             perto do desengano que crucia,

                                             verás que toda volta à rua é torta,

                      e a casa encontrarás sempre vazia.

                  

                      Tu chorarás ao ver o meu desprezo

                     sem poder reduzir, sequer, o peso

                         da cruz que colocaste em minha vida.

                     E nessa hora de dor que mortifica,

                                             a poetisa parte… E o verso fica

                                             sem ódio, sem rancor, sem despedida…

@ Sarah Rodrigues

Posted in poesia | Leave a Comment »

Outono

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

O tempo passou voando… nem notei…
      É outono e as folhas caem tristemente.
      Mais um ano… de um lindo sonho se foi…
      Só o inverno… será meu fiel confidente.
      
      Mudar os ditames da sorte? – Não posso!
      Fecho os olhos e vejo nossos momentos…
      Tudo tinha cheiro de vida… de primavera…
      Onde ficou nosso amor e encantamento?
      
      As promessas gritam em meus ouvidos…
      A dor lancinante… ecoa em meu coração.
      Só nos restou vaidade… orgulho… disputa…
      Sem humildade… compreensão… perdão!
      
      O outono chegou declamando verdades…
      Árvores tremem… soluçam desoladas…
      Caminho lentamente… visão ofuscada…
      Tenho da existência… uma cruel estrada…
      
      Deixo em sua pele… meu baton vermelho…
      Dos nossos beijos… levo o gosto primeiro…
      Aqueles… que você gulosamente saboreava,
      Quando tudo era amor… amor verdadeiro!…
      © Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

O AMOR

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Eu descobri que quase tudo que os poetas, namorados, escritores,
seresteiros já escreveram sobre o amor é verdade.
            Creio  que penso no amor mais do que qualquer pessoa normal
deveria!
            Fico sempre perplexa  ao ver como o amor e seu enorme poder
consegue definir e modificar nossas vidas.
            “O amor é cego!” – já disseram (Shakespeare) e muitos
reescreveram. E isso  é uma coisa da qual eu tenho certeza.
            Para alguns, de modo inexplicável, sem que os apaixonados
percebam, o amor começa a murchar… murchar…até desaparecer.  Para
outros, o amor simplesmente se perde, quando um dos amantes volta ao pó.
            Por outro lado, claro, o amor pode ser encontrado! Mesmo que
seja apenas por uma noite.
            E há, também, um outro tipo de amor. O tipo mais cruel, aquele
que quase mata suas vítimas. Ele se chama amor não correspondido (e eu sou
especialista nele!).
            Mas… e o restante de nós? E as nossas histórias? Nós que nos
apaixonamos sozinhas?
            Somos vítimas de uma relação de mão única! Somos a maldição dos
apaixonados, os que caminham feridos, os deficientes sem direito a uma vaga
exclusiva!
            Muitos acham que o encontro do amor é uma jornada finda. Ledo
engano.
            O amor é uma flor delicada que necessita de muitos cuidados,
todo o tempo, a fim de nunca se acabar!

                                                                       Malu

Posted in poesia | Leave a Comment »

Suavidade

Posted by amizadepoesia em Abril 21, 2008

Poisa a tua cabeça dolorida
Tão cheia de quimeras, de ideal
Sobre o regaço brando e maternal
da tua doce Irmã compadecida.

Hás-de contar-me nessa voz tão q’rida
Tua dor infantil e irreal,
e eu, para te consoloar, direi o mal
Que à minha alma profunda fez a Vida.

E hás-de adormecer nos meus joelhos…
E os meus dedos enrugados, velhos,
Hão-de fazer-se leves e suaves…

Hão-de poisar-se num fervor de crente,
Rosas brancas tombando docemente
Sobre o teu rosto, como penas d’aves…

Florbela Espanca

Posted in poesia | Leave a Comment »