amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 25 de Abril, 2008

Marcas do amor

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

E dificil para um coração
entender uma separação
onde um dia crepritou as brasas
de uma paixão

Onde nele em fogo marcou
os ferros de um amor
onde por anos somente esta marca ficou, mas…
Pelos tempos, pelos descaminhos,

ou nos desencontros da vida
esta marca para outra bem mais profunda…
a posse perdeu…e empalideceu…
da marca apenas uma citatriz restou

repleta de carinho
de respeito…
mas não mais
com os simbolos do amor

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AS CORES DO OUTONO

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Resvetem-se de corer esmaecidas´
as árvores em seus tons outonais.
Folhas soltas , mortas, coloridas
se espalham  no chão dos quintais.

Símbolos da renovação da vida,
desde os tempos imemoriais
fazem a alma, conter-se, sofrida,
lembranças do que se foi lá atrás

Caem folhas, sopra o bento,
o tempo não para, ressoa,
ecoa n’alma sentimentos,
alentos que o tempo ecoa.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Corações calejados…

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Fala-se de mãos e pés calejados,
        mas, pouco se fala de corações calejados.
        Portanto…
        Quanta gente há por aí vivendo como se não fosse possível ter
        sentimentos porque um dia foram magoadas.
        As pessoas mais duronas,
        que parecem indiferentes ao amor,
        carinho e ternura,
        são pessoas endurecidas pela vida.
        São vítimas de uma dor que não souberam gerir.
        Uma empresa mal administrada vai à falência,
        um coração mal dirigido vai à ruína.
        Somos nós os gerentes da nossa vida.
        A nós cabe as decisões importantes que
        conduzirão nosso caminho.
        Você já experimentou andar com um
        sapato apertado?
        No início a gente agüenta,
        faz até cara bonita e se diz que depois vai amaciar.
        Mas isso nem sempre acontece e depois
        de algum tempo percebemos que,
        mesmo se as pedras no caminho
        podem fazer mal,
        melhor mesmo é deixar esse sapato de lado,
        ainda que seja aquele que a gente
        tanto desejou e até se sacrificou para adquirir.
        Há pessoas que calejam nosso coração.
        Fazem parte da nossa vida e as amamos,
        mas nos fazem mal…
        Tanto e tanto que acabamos fechando
        aos poucos as portas do nosso coração
        a outras possibilidades.
        Nos trancamos dentro dele e vivemos na escuridão da nossa própria sombra.
        Não permita que alguém magoe seu coração a ponto de te deixar insensível.
        Não deixe de acreditar nas estrelas porque um dia as nuvens escuras encobriram seu céu.
        Se seu coração está calejado,
        cuide dele com mais carinho ainda.
        Que seja ele a transformar
        a atitude dos outros em relação
        a você e não o contrário!
        Se alguém que você ama só quer
        brincar com seu coração,
        talvez essa pessoa não mereça o amor
        que você sente.
        E por mais difícil que seja,
        guarde seu coração das asperezas,
        não deixe que as decepções o endureça.
        Olhe em outras direções,
        dê uma chance aos que te querem bem e
        ao seu coração de ser cuidado com
        o carinho que ele merece.
         
        * Letícia Thompson *

Posted in poesia | Leave a Comment »

Cada um deve procurar por si…

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

 Olha só quem tem esperança
                                Olha só quem tem razão
                                Com o copo ao lado da cama
                                Caido no chão
                                Dormindo de roupa e solidão
                                Esperando o dia raiar
                                E o seu sonho realizar
                                Mas neste mundo não há uma lição
                                Tudo é ilusão
                                O amor baixou as portas do meu coração!

                                Olha só quem tem esperança
                                Olha só quem tem razão
                                Fica perdendo tempo com cartas
                                Tentando a sorte na roleta russa
                                Procurando nos bares e nas ruas
                                O que nunca achou
                                Felicidade e perdão
                                Mas neste mundo não há uma lição
                                Tudo é ilusão
                                O amor baixou as portas do meu coração!
                                  
   Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

VENHAM TODOS!

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Povo de Portugal!
Faz do teu sal regatos de mil rios…
Do teu fel águas de mil fontes…
Da tua dor gritos de mil ais…

  …E vem!
Vem ver a cidade!
Vem! Vem ver selva na cidade!

E volta!
Vai dizer ao teu irmão,
ao teu filho, à tua mãe,
diz-lhes que venham também!
Diz ao teu pai e diz a todos,
diz a todos o que viste!
   …E vem!

Deixa teu suor no arado,
tua faina no mar,
teu bordão na serra,
tua flauta a paisagem…
…E vem!

Deixa tua dor no coração

   …E vem!
   …E venham!

Venham com braços, com redes,
com pedras e com cantigas,
com arados, com paisagem,
com flautas e com amor…
 
   …Mas venham!
 
Com os braços de mil rios
as  mãos de mil fontes
e corações de mil ais!

   …E venham!
   …E vem!
Para sempre será tua
Para sempre será nossa…
A cidade
Onde engano,
Ódio
E falsidade
Duma cidade mortal
Caíram frente à verdade
Às mãos do meu Portugal!…
                joaquim evónio

Posted in poesia | Leave a Comment »

POEMA DAS MENINAS DOS OLHOS

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

O meu sentir regula a válvula ótica do meu olho
Para que a cega menina filtre a luz do meu não sentir
Porque meu sentir é minha prova inconsistente
De que o hábito de ver as escuras os véus do amor
Não sente a dor cabala das afeições do meu não sentir
Não sentir a vibração da calçada quando a lágrima cai aos meus pés
Não sentir o abalo terrestre quando meu coração bate uma vez só
E pára na eternidade do meu sentir perdido no obscuro véu do amor
Não sentir que a menina cega do meu olho esquerdo desfalece
E a menina cega do meu olho direito esquece e adormece
Meu sentir tira uma lágrima e extrai o sal e esfrega ao olho
Para não sentir a confissão terminal da cáustica despedida
Não sentir posto que drama tem sentir a dor afeta ao verbo
Do meu universal mítico amor doentio de ótica ilusória
A menina viva em meu olho direito filtra a luz do meu não sentir
E a menina viva em meu olho esquerdo regula meus sentimentos.

© Reginaldo Honorio da Silva

Posted in poesia | 1 Comment »

Quem sabe, se partir…retornarás

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

É tão difícil para mim

                Te ver partir

                Alguma coisa também parte dentro de mim.

                Vai resolver suas duvidas e inseguranças

                Não as entendo, mas te compreendo

                Quem sabe dê valor a minha presença na ausência

                na certeza do amor que tenho por você

                Nas minhas caricias que te deram tanto prazer

                nos meus abraços que te ofereceram conforto

                Nos meus beijos, que te encheram desejos

                Nos meus carinhos que afagaram seu ego como um todo

                Ou no amor que derramei em seu coração.

                Quem sabe um dia volte para mim.

                O que ou quem procuras pode te decepcionar

                Não corresponder as suas fantasias ou a seus caprichos

                Quem sabe você ao longe desiludida

                dê valor ao meu amor.

                Nos travesseiros da solidão do  teu quarto

                deite com você a saudade

                Quem sabe….

                Que nessa saudade

                eu me torne para você uma necessidade

                Quem sabe…

                Você telefona ou escreve para mim

                ou ainda bata na minha porta.

                Sabe…ela sempre estará aberta para você

                Quem sabe

                Eu e meu amor não te espere até o fim

                Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Coração aberto

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Sempre havia pensado que a vida era muito justa
                que cada um decidia de que tamanho
                e quão pesada seria a carga de sua cruz,
                nada é fácil
                e chega um momento em sua vida
                no qual ve a realidade das coisas
                tal qual são
                e te doe aceitar que nao são como queria
                ou acreditava que podiam ser;
                então valoras o tempo perdido
                e trata de compensa-lo
                com certa inquietude na alma
                sabendo que poderia ter feito as coisas
                melhor do que como aconteceram.

                Assim é minha vida neste momento,
                agora que a tenho comigo
                gostaria de ser uma pessoa quase perfeita para voce,
                ter exatamente o que buscas
                e dar-lhe o que mereces,
                tudo de bom que possas merecer
                porque chegou em minha vida a hora certa,
                o momento apropriado.

                Sei que desagradei a muitas pessoas
                da mesma forma que desagradaram a mim,
                chorei
                até sentir que estava seco por dentro,
                gargalhei 
                até nao poder respirar,
                amei
                com a alegria que sente um coração amado,
                e senti a solidão
                tão perto, que tive que aprender a trata-la.

                A quero muito,
                e são palavras que muito poucas vezes pronunciei
                mas que nestes momentos valem a pena
                porque são para voce
                a que se apossou de meu coração,
                a quem sempre me teve dependente,
                alguem que me ensinou que a vida
                não é somente viver por viver,
                TE QUERO MUITO, diz meu coração
                com anseios de te-la ao meu lado
                neste instante, e abraçar-lhe,
                dar-lhe o beijo que mais gostas
                e dizer-lhe ao ouvido , suave e lentamente
                que sempre estará em meu coração…sempre.
                PARA SEMPRE…. 
               
        …*Artemis*..

Posted in poesia | Leave a Comment »

MINHA CRIANÇA INTERIOR

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Minha criança não anda,

reclama, chora, briga

e brinca de inventar histórias.

Lembra do passado, ainda  presente,

 tão grande, parecer diferente ao pulsar a eterna paixão,

que não estancou no tempo.

 Ela cria  e  recria, na saudade,

as dádivas de uma nova ilusão.

 Sem pedir, nas horas marcadas,

  um minuto de atenção,

 reconhece que vive agendada

dentro de um coração,

 que gera  suas próprias asas,

indo além da imaginação,

quebrando as correntes contrárias,

sentindo na ficção

o doce sabor das palavras 

dançando, fugir cantando,

 que é teu o meu coração.

Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

SEMIDEUSES

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Nada há de mais bonito do que a inocência
      de uma criança, e, que, em sua tenra idade
      fala-nos de suas coisas, em, total coerência
      aí vencendo-nos, e, à pretensa maturidade

      Sim. porque nossa é toda esta incoerência
      vagando, de esquina em esquina, na cidade
      que, nos esmaga vilmente, e, à prepotência
      com que encaramos a vida em vil dualidade

      E, há mui a aprender, co a nossa juventude
      assim, desçamos, lestos, de nosso pedestal
      encurtando distâncias e mudando a atitude

      com que encaramos a vida, o ensinamento
      que é virtuosismo grato, do homem animal
      que, não espera somente o acontecimento

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

MEU CORPO CANSADO

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Ah , vida, desgraçada, que te importa
      a doença, se acaso estou bem ou mal
      se meu corpo resistindo nem suporta
      frágil vento, que se tornou, vendaval

      Mas porque me queixo eu, se a porta
      já  cerrada, tem, como lema principal
      mostrar-me, o quanto, a rude retorta
      é só vida, em seu prumo bem original
      
      Urdo do passado todo mal que lhe fiz
      más escolhas pois, tardando em sarar
      deixando-me aí tão só, triste, e infeliz

      Nem sei que seria de mim, sem ter-te
      a meu lado meu amor, mas eis olvidar
      eu não posso e nem a ti, aqui reter-te
      
      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor é fogo que arde

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor? 

Luís Vaz de Camões

Posted in poesia | Leave a Comment »

VEM, MEU ANJO

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

Vem, meu anjo de alvas asas
vem sentir o meu calor
tua acendes minhas brasas:
brasas ardentes d’amor.

Vem, meu anjo temeroso
vem tomar posse de mim
vem, não sejas manhoso,
vem, meu doce querubim

Se as águas já passadas,
-Dizem- Não movem moinhos,
vem, meu anjo, minha amada,
( a mais bela poesia criada )
saciar-te em meus carinhos.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

NO BATER DO RELÓGIO

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

 Nem mesmo a distância nos demove
      de nossos princípios, do bem-querer
      que tanto partilhamos e nos comove
      e isso é tudo o que o amor mais quer

      E apenas e só, o tempo que promove
      os caminhos tem o dom de conceder
      os sonhos e desejos que nos envolve
      como estes nossos corações ao bater

      E as rosas florescem cheias de ânimo
      jardins que juntos tão bem cuidamos
      sem desfalecimentos nem desânimo

      Por isso, eu sei ,que a vida, será justa
      e que para todo o sempre aí sejamos
      amor, que construímos à nossa custa

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

VIOLINOS DA PAIXÃO

Posted by amizadepoesia em Abril 25, 2008

No tanger da notas pelo arco encordilhado
chora o violino numa sinfonia de paixão,
o teu rosto, o teu corpo, alí ao meu lado,
a fazer-me teu  instrumento mor, dedilhado,
pelos dígitos de nossa mais pura emoção.
Nas clavas do nosso amor, encordilhados,
soamos as notas que renascem do coração,
e percorrem nossos corpos , suspiros calados,
entre a pura santidade e o mais doce pecado,
transformandos em violinos da nossa canção.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »