amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 4 de Dezembro, 2008

Quisera

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Quisera ser uma flor a envolver seus cabelos em suave perfume, alegrando suas horas.

 

Quisera ser a brisa leve da manhã, para tocar o seu rosto com leveza e carinho…

 

Quisera possuir o canto delicado de um pássaro, para embalar os seus dias com suave canção…

 

Quisera possuir o encanto das águas cristalinas de uma fonte, para dessedentar sua sede e refrescar o calor.

 

Quisera ser os raios luminosos do sol, para clarear sua estrada e espantar o frio rigoroso do inverno.

 

Quisera ser a relva verde e macia, para atapetar o caminho por onde andam seus pés…

 

Quisera possuir o brilho prateado da lua e lhe recitar mil poemas, até o sono chegar…

 

Quisera ser frondosa árvore, para oferecer sombra generosa na hora de repousar…

 

Quisera… Quisera…

 

Mas, neste dia especial, quero fazer-me especial e dizer que se não posso ser uma flor para lhe ofertar meu perfume, posso ser uma presença constante, envolvendo você no mais puro afeto…

 

Se não posso ser a brisa suave das manhãs, desejo ser a inspiração para seus sonhos de amor…

 

E, se não possuo o canto delicado de um pássaro, quero cantar pra você a suave melodia da ternura, dedilhada nas cordas mais sutis do coração.

 

Se não sou a água cristalina da fonte, posso lhe ofertar um copo de água fresca nos dias de secura e dor.

 

E como não sou um raio de sol, desejo ser pequena chama de esperança nas horas de indecisão…

 

Se não sou a relva verde para atapetar seu caminho desejo seguir seus passos, lado a lado, ofertando meu abraço, por toda eternidade…

 

Quisera ser tanto… e tão pouco sou…

 

Não possuo o brilho prateado do luar, mas posso deslizar meus dedos por entre seus cabelos até o amanhecer…

 

Aceite meu amor para que, juntos, possamos realizar o mais belo sonho de felicidade…

 

Eu estarei sempre ao seu lado para segurar sua mão nas noites sem estrelas ou em dias de plena ventura…

 

Serei o braço amigo no qual poderá apoiar a cabeça nas horas de enfermidade ou cansaço.

 

Quero lhe desejar boa noite ou saudar o amanhecer com beijos salpicados de carinho e afeto…

 

Eu serei a mão que mostra o caminho quando tudo for escuridão…

 

Ou serei, quem sabe, a mão que, unida a sua, aponta a direção que juntos resolvemos seguir.

 

Ah!.. Eu queria ser tanto… e tão pouco sou.

 

Mas o que sou lhe ofereço para poder continuar sendo sempre… o seu verdadeiro amor.

 

…………………………

 

O namoro é suave encantamento em que duas almas se envolvem na busca de alguém para compartilhar seus sonhos.

 

É no período do namoro que os pares se conhecem e decidem seguir juntos uma longa estrada.

 

E quem experimenta essa ventura de carinho a dois, entrelaçando sonhos e esperanças, nem repara que o tempo passou…, pois sempre teve e sempre terá alguém para compartilhar suas horas, seus dias, seus anos, suas vidas…

Momento Espírita.

Anúncios

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

Ausência

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Você não  ensinou-me a esquecer-te
Minha alma chora o vazio da tua ausência…
A distancia e a saudades  não param de doer…
Se um dia você sentir minha ausência,
Procure-me nos versos que a ti escrevi…
Na nossa música…
Procure pelo amor que não vivemos
E se a saudade apertar teu peito,
Procure-me no vazio da solidão…
Por você esperei , imersa
numa esperança ,numa ilusão…
Num sonho que não poderia acabar.

CandySaad

Posted in poesia | Leave a Comment »

Apenas um sonho

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Vai amor meu,
Segue livre teu caminho,
Nossa história findou…
Vai por caminhos desconhecidos,
sem medo de sofrer…
Tua estrela te guiará!
Leva contigo a lembrança do meu sorriso,
De quanto fomos felizes
E a certeza que foi infinito nosso amor…
Hei de esquece-lo…
Mas , ainda dói ver nosso ninho vazio,
Nossos sonhos desfeitos…
Sei que o tempo tudo apagará,
ficará somente as recordações
de um sonho de vida,
Que  foi infinito enquanto durou.

Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

Chuva de Outono

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

 
Sai por ai, para ver se via o sol.
Pois de mim ele se escondeu…
Então olhei as estrelas do céu se transformar em raios,
as nuvens claras se esconderam, a chuva caiu em meios
as folhas de outono e em meio prantos de solidão e de medo, vi…
A porta se abrir e de dentro da casa um vulto sair, de rosto coberto,
por um manto negro como a noite, estendeu suas mãos para mim e
em um abraço feriu meu coração, foi então que ao ver seu rosto descoberto
vi um rosto antigo de tantos sonhos com face enrugada lembrei-me de
um alguém que conheci em uma noite de outono e chorei baixinho…
Lembrei-me de um anjo ou um homem de olhos negros penetrantes, como
a noite de anos atrás e sem sentir a ânsia de rever sua velha amiga solidão,
amiga confidente e de descoberta de truques de fotografias de quadros guardados
em paredes enegrecidas pelo tempo que se foi, recordo as mesmas ilusões, os mesmos
sentimentos que nos uniu naquele outono…
Você…
Um lapso, um recado, um sentimento, um vazio, que acabei esquecendo de
esquecer, ou talvez uma constancia que faz do tempo um recado, para você…
Chegou o outono outra vez, os anos passaram como vendavais e olho pela janela
do tempo aberta, e passo embaixo dela todos os dias, na esperança de te
reencontrar, para matar quem esta me matando, essa saudade abrasadora
que me faz voltar todos anos neste lugar, nesta mesma época de outono.
Só para recordar e soluçar entre as lagrimas que o tempo se encarregou de não apagar…

Neusa Mendonça

Posted in poesia | Leave a Comment »

SEGREDOS

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Amor é como a morte, vem e vai,
e jaz na eternidade; na verdade
é tal e qual a Carmina Burana,*
um tom qu’ esvai a saudade qu’ esgana.

Ao poder da riqueza se opõe
a fome do amor, e nada vale
o que se põe no meio da certeza
que une corações pela beleza.

A hidra que me ama multicéfala
não me deixa em paz, e agarrra-me a cara;
ela é quem me fala e me pára

na vereda da frente pra que eu veja
uma realidade diferente
de maneira a que seja só o que sente

Daniel Cristal

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sensações

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Quando a música tocou
tocou meu corpo com se fosse
você a me acariciar…

Sonhei o mais lindo sonho…

Vaguei pelos corredores de um castelo
tonta de emoção num quarto adentrei…

Vislumbrei teu corpo…

Declamei o mais lindo poema…
teu sorriso me seduziu
inebriada de amor em ti me perdi…

Cássia Vicente

Posted in poesia | Leave a Comment »

Velejarei No TeuPoema

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

            Permito-me…que

            Teus sentimentos em poema

            Seduzam-me

            Fazendo-me navegar em cada onda

            De tuas estrofes

            Naufragando em beijos onde a mergulhar

            Exaurida de paixões

            Te encontrarei nas profundezas deste amor

            Viajando em mil imaginações.

            Permito-me…que

            Teu desejo realize meu sonhar

            Ondulante,

            Conseguindo seguir a rota a te resguardar

            Dentro do ansioso

            Aconchego dos meus braços, em teus abraços

            Antevendo sem domínio

            No marejar das ilusões, versadas em teu poema

            O que para mim é meu sonhar.

            Permito-te…que

            Me percas no mar da tua ilusão

            Sem sequer refletir…que

            Meus sentimentos mergulharão secretamente

            Direcionados ao teu coração

            Fazendo das tuas palavras minhas vontades,

            Lembrando…Que

            Em altas marés um dia perdemos a bússola do amor

            Deixando-nos sem direção!

            Hoje… Em teu PoemaVelejarei em tuas mãos.

            MariaJoséCaminhadaFrota

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quase Bicho

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

                     Eu, que não gostava de ratos,
                                vivia matando os bichinhos…
                                Comiam meu milho, é fato,
                                Saiam bem de fininho !
                                Engraçado! O tempo nos uniu!
                                Perdi Maria, minha amada,
                                Meu cão de juntar boiada,
                                que era do meu avô!
                                Perdi meu cavalo crioulo,
                                de velhice ,o pobrezinho…
                                O meu galo brigadô,
                                que criei desde pintinho!
                                Maria não engravidou .
                                Não me deu nem um
                                filhinho…
                                O ratinho que sobrou!

                                É ele que vem toda tarde no meu
                                rancho de pau-a-pique…
                                Anda prá lá e prá cá,
                                faz ali piquenique !
                                Nem ligo! Até me divirto…
                                Às vezes se pendura pelo rabo,
                                derruba a caneca e monta o circo!
                                Rola meu pedaço de pão
                                e joga no chão, o danado…
                                Conversa finininho, o ratinho,
                                comendo meu queijo curado!
                                Nem ligo! Até me divirto…
                                Parece só, como eu!
                                Tantos anos de combate
                                a colônia padeceu ?
                                Ficou ele !
                                Com aquele olhinho brilhante,
                                Senta e limpa o bigode quase todos os dias!
                                Pelas noites de luar,
                                me escuta até cantar
                                com saudade de Maria…
                                Quem diria! Um rato?
                                Amigo de um sertanejo?
                                Vilão do celeiro!
                                É questão de solidão.
                                Do homem e o bicho mateiro!
                                Fazer o quê?
                                É ele quem me faz companhia!
                                Visita-me todo dia,
                                neste ranchinho pequeno…
                                A nossa amizade é tanta, acreditem!
                                Sumi com o tal do veneno…
                                Ainda ando preocupado,
                                se um pouco tem sobrado
                                e o bichinho vai comer ?
                                Todo dia procuro e procuro,
                                com medo de achá-lo duro e
                                mais nada que eu possa fazer .
                                Deus me livre se eu perco o ratinho !
                                Gosto tanto do bichinho,`
                                É meu amigo fiel!
                                Nem liguei, se ele brincando,
                                num dia que eu estava pescando,
                                roeu, sem querer, meu chapéu!
                                Tem um buraquinho…
                                Que bom!
                                Entra vento fresco.
                                Esfria a cabeça da gente!
                                Na roça? Só quem sabe é que conta…
                                O quanto judia um sol quente!
                                Fico até de vigia,
                                ainda há pouco, outro dia,
                                apareceu aqui uma serpente!
                                Quase que come o ratinho,
                                não fosse o seu buraquinho,
                                seria o final da gente…
                                Final? Sim, final !
                                Não suportaria a solidão…
                                Acho que o velho coração,
                                pediria prá morrer!
                                É o único amigo que me restou,
                                é tudo que me sobrou,
                                nestes confins do sertão!
                                Melhor um amigo rato…
                                Uma peste ? É fato!
                                Tem mais peste que o homem
                                que a tudo devasta!
                                Assim, vivo contente
                                e nada separa a amizade da gente!
                                Faço dele um quase humano, acredito!
                                Para não dar briga,
                                ele me faz quase bicho !

José Geraldo Martinez

Posted in poesia | Leave a Comment »

Versos soltos

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Nas entrelinhas da emoção,
Busco lindas canções.
O verbo amar sai da rotina da alma,
Corre para me dar as mãos.
Meiga canção em deliríos,
Solta mecanicamente os versos,
Ligados ao cordão do coração.
Motor que impulsona minha ilusão.
Pela primavera em flor
Caminham meus versos soltos,
Voam, flutuam de flor em flor,
Crêem na esperança de alcançar
 dias melhores, sem tanta dor.
Fico a admirar os lírios silvestres
Minh’alma se enriquece,
 Ao ver o mundo crescer.
Em meio a uma prece,
Peço para o amor florescer.
Do mundo sub humano, não posso me esquecer
Elevo a prece a Nosso Senhor
Pelos que habitam na terra
Desde o mais simples ser
Te imploro meu Deus,
 desate os nós da maldade
Destaque a vida, serena, saudável,
Faça todos sentirem o néctar do mel,
de sua santa bondade.
De nós tenha compaixão, dó.
 Antes que tudo novamente, se transforme em pó.

Vanderli Granatto

Posted in poesia | Leave a Comment »

QUERO-TE

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Amor,

palavra que abre

a aurora do viver.

O coração explode figuradamente

exprimindo o sentimento

do olhar apaixonado…

São suaves e sublimes

os gestos que desabrocham

com o sorriso

no dedicado e desejado amor.

Oh! Manhã linda!

Enaltece o doce mel do meu amar…

Ela é doçura!

É pétala de rosa cheirosa,

é meu divino amor,

é a mais bela flor!

Vem, chega de mansinho,

o desejo nos faz delirar…

Ah!… o belo beijar…

Faz embriagar o prazeroso delirar,

que nos leva a lugares distantes…

Viajando na intimidade

do nosso quarto.
Sérgio Diniz Barros Guedes

Posted in poesia | Leave a Comment »

BILHETE DE BAR

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

                                Eu não era, hoje sou
                                como tu és
                                que nasceu entre nuvens
                                no cosmo estelar no balaio de estrelas
                                De repente, como por encanto,
                                no espelho de sonhos
                                alço no teu vôo,
                                escrevo um poema no momento do êxtase,
                                na mesa de um bar

                                São três sóis?
                                Serão três luas, que vagueiam no céu?
                                Vão crescendo as fantasias do ócio satânico,
                                alegre, quente, pulsante
                                nas asas do desejo

                                Serão flores
                                para brotar no jardim?
                                Belas, únicas, orvalhadas de saudade
                                a lembrar dias de sol primaveril

                                Anoiteceu e veio a lua
                                minha canção persegue o ilusório,
                                mas veio para ficar cinzelada na pedra,
                                no granito dos sentimentos amorosos

                                Sou aquele que te vê em todos os rostos,
                                uma pergunta se dirige aos céus
                                por que eu?
                                Que navego no eterno porvir, sem porto,
                                lá na beira do lago,
                                onde o vento faz a curva dos versos
                                e vai dizer que nos olhos do amor…
                                está a magia da vida.

                                Paulo Avila

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMA-ME SIMPLESMENTE..

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

Não ignore esse fogo ardente

 expresso na tua retina…

Vem para meus braços que te faço

perder o compasso, o raciocínio…

Não diga não aos teus anseios e deixa

 fluir esta emoção alucinada que sente por mim…

Quero teu êxtase e esta tua

fantasia que me alucina…

Diga não ao tempo que só ele é implacável,

não aproveitá-lo é demência e desencanto…

Diga não você, a tudo e a quem te diz não…

Diga sim aos desejos de tua boca

que é estar dentro da minha e deixa

o mundo lá fora na incerteza de

estarmos nos amando….

Diga sim, só isso….

Ama-me simplesmente…

Naidaterra

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tons de Outono

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

As águas de março passaram
fechando o verão.
E chega o outono com os tristes
dias borrados entre frio e fosco,
garantindo noites escuras e profundas.

No chão – um acolchoado de folhas.
Árvores desnudas. Tudo em chocolate,
marrom dégradé, avermelhado,
cor da temporada.

Me visto de melancolia.
Corpo curvado, coração magoado,
fustigada pelo sol, pelo vento,
metade sigo e a outra cede,
vou e fico,
morro e vivo
na solidão acompanhada
das saudades que vão e das que ficam,
marrom, obscura, hiato sem nexo…
… e entro no contexto do universo.

Delasnieve Daspet

Posted in poesia | Leave a Comment »

Meu grito

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

      Perdeu-se meu grito
      num espaço vazio onde o eco adormecia
      minha voz rouca e insandecida
      inda tentava rasgar o espaço mudo
      para se fazer ouvir …
      Mas em vão minha boca seca e rouca
      doía e como doía,
      vinda de dentro de mim, eu sentia
      aquela dor …
      Senti meu peito fechar-se, magoado,
      sombras desceram sobre minha tez
      apagou-se o brilho
      coração magoado, decepcionado …
      Questionamentos que o tempo
      não consegue explicar
      que leve meu grito o vento
      para que possam me escutar …

Cel

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sonhos despedaçados….

Posted by vidapura2 em Dezembro 4, 2008

      A noite silenciosa testemunha

      os meus sonhos,

      as estrelas embalam o meu sono

      a brisa suave da noite sopra

      uma doce melodia:  Êxtase!

      Meus sonhos, são como pedras

      preciosas,precisam serem bem

      trabalhadas,para obterem valor,

      para que nada se perca…

      Não sei quem sou…onde estou,

      não sei se estou voltando, ou indo

      se fico ou se vou…

      Tenho a mente perturbada

      vejo tudo ao contrário

      tudo de cabeça para baixo

      vejo tudo ao quadrado.

      Talvez eu esteja a vagar

      em busca de um amanhã

      cheio de luz,

      onde eu aprenda caminhar….

      Ou talvez, eu esteja

      apenas fazendo viagens astrais

      numa tarde cinza

      recolhendo escombros do nada,

      em que me transformei

      com minha teimosia…

      Cascalhos que encontrei

      perdidos nas esquinas,

      que ontem eram diamantes

      a iluminar minha vida…

      Que joguei fora,sem dar

      nenhum valor.

      Perdendo seu amor

      eu vivo tão perturbada

      tão alienada ….distante

      que mesmo que pisasse

      em ouro ou prata,

      eu nada veria.

      Nem sentiria

      o brilho, a luminosidade

      pois estou abaixada no chão

      esmagada pela dor,

      tentando colar os cacos

      que restaram do meu coração.

      Só que diamantes,jóias raras,

       não são como vidros….

      uma vez quebrados….

      esfarelados, despedaçados

      não se juntam jamais!

   Arneyde T. Marcheschi

Posted in poesia | Leave a Comment »