amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 8 de Dezembro, 2008

Salão de Ilusões

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

Abra-me tuas portas majestoso salão!

 

Portas douradas tocadas pelo mistério

 

Portas que guardam a emoção que me abraça

 

e me joga em meio a tudo,

 

em dança suave de gestos compassados,

 

apresenta-me a paixão…

 

 

 

Tão forte és,

 

que me fazes esquecer o resto, deixado para trás…

 

Lá, fora, não importa…

 

A tristeza da lugar a momentos únicos,

 

sonhos desenhados, lençóis jogados,

 

cheiro de amor no ar…

 

 

 

Que senhora esta paixão,

 

que faz me sentir um general

 

eleva-me sobre as próprias nuvens…

 

Ah, mas lá vem o tempo! Mágico de tudo…

 

Abre-me outras portas do salão

 

e mostra-me que o sonho acabará…

 

 

 

É instante de acordar, de buscar forças…

 

A lágrima roça a face

 

Penetra a alma, que enlutada da às costas,

 

fecha as portas…

 

O salão esta fechado!

 

 

 

O que antes era desejo, agora é temor…

 

O que antes era busca de forças e aconchego, agora evitado…

 

a crença sepultada…

 

 

 

Ah, este salão de fugas…

 

Doce, colorido por momentos,

 

mas tão feroz, sem cor e carrasco por outros;

 

a espera de me oferecer, quem sabe…?

 

Outras paixões…

 

 

 

Mas o medo, a dor…

 

Torna-me fugitivo destas portas de ilusões…

Paulo Nunes Junior

Anúncios

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

Como Dizer Adeus?

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

            Ah… Esse nosso adeus que não dura…
            Nossas almas se misturaram demais…
            Minha vida já não é minha… Mas nossa.
            Como dizer adeus… Até nunca mais?

            Tua boca faminta… Devora minha boca.
            Nos entregamos a essa doce agonia…
            Embevecidos de amor e emoção…
            Mergulhados em nossas geografias…

            Teus braços deliciosos me abraçam
            Ultrapassamos dos sonhos os limites…
            Para viver a realidade há muito ansiada.
            Somos um do outro, mendigo, pedinte!

            Sei… Agora eu sei meu amor…
            Da força descomunal que nos tomou.
            Que calou toda… E qualquer razão…
            O fogo voraz do amor nos batizou!

            Pois que o nosso destino se cumpra!
            Que sejamos apenas sonho e quimera.
            Volúpia… Desejos ardentes… Paixão!
            A Flor aberta…  O colibri e a primavera!
            Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Como Pode?

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

            Como pode amor meu… Como pode?
            Existir tanto amor, tanta paixão assim?
            Palavras tão emolduradas de encanto,
            Minhas… Tuas… Carícias sem fim!…

            Pergunto aos deuses, ao céu, ao mundo;
            Se é possível amor maior que o nosso?…
            E a resposta é sempre a tua doce voz,
            Viver sem ela… Não consigo, não posso!…

            Como pode… Meu anjo querido, adorado?
            Acontecer um sentimento tão imperioso?
            Que nos encarcera, fascina cada vez mais!
            Que nos rouba a paz… Tão forte e vigoroso!

            Como pode?… – Alma da minha alma?
            Como pode? – Amor dos meus amores?
            Deitarmos nossas noites em tanta agonia,
            Sem poder resistir aos chamativos langores?

            Pergunto tanto… E não encontro respostas…
            Sei apenas que tua silhueta é minha prisão…
            Teus abraços e beijos… São meu doce calvário…
            Tua vida é minha, a minha está em tuas mãos!
            Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

O amor que tanto procuro

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      O amor que tanto procuro…
      Tem que ser sensível e terno…
      Querer colo e oferecer colo…
      Sorrir sem pensar no futuro….

      Dizer bom dia meu amor!…
      Volto logo, até mais tarde!…
      Sentir meu coração de verdade,
      Jamais deixar a dor da saudade.

      O amor que tanto procuro…
      Terá que tratar o meu amor
      Como uma dádiva dos Céus,
      E ser seu meigo escultor…

      O amor que tanto procuro,
      Nunca há de fazer-me chorar,
      Há de ser companheiro e pai,
      Jamais minha esperança matar…

      O amor que tanto procuro…
      Há de ser sentimento verdadeiro,
      Alguém lindo por dentro, especial…
      Que jamais seja cruel ou grosseiro…

      O amor que tanto procuro…
      Há de enlaçar- se em minha alma,
      E segurando minha tremula mão,
      Guiar-me com carinho e calma…

      O amor que tanto procuro…
      Há de ser inocente, inteligente…
      Fazer-me sentir que é o único, tirar
      Todos os demais da minha mente…

      O amor que tanto procuro…
      Terá olhos de esperança…
      Coração bailando na emoção,
      Fazendo-me outra vez criança!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Olhe a sua volta…

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      Veja quanto amor esta no ar
      no espaço que você respira,
      na vida que você vê passar.
      Olhe a sua volta,
      é a vida que ao seu favor conspira.

      Não é fácil saber que existe o vazio
      de um amor que se foi embora.
      Mas quando ganhamos a vida,
      algo se fez eterno na humanidade,
      nosso corpo, nossa alma…
      Nossa espiritualidade

      Perder alguém, talvez não seja o fim,
      mas o início de uma nova oportunidade.
      Para que chorar? Para que sofrer?
      Se isto aconteceu, tinha que acontecer,
      Enfrente a realidade…

      Atrás de todo sofrimento, a vida continua.
      O céu, as estrelas, ficam no mesmo lugar…
      Por isto o coração, sempre volta a amar.

      Não diga nunca mais, agora chega de viver…
      De repente o amor volta, em outro alguém.
      E você pode perder a chance de ser feliz e ir além.

      Pois quem decepciona, quem magoa, quem faz sofrer
      Este sim não merece, neste universo viver…

      Sol Lua©

Posted in poesia | Leave a Comment »

Decepção

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      Queria falar de amor
      Mas sinto um vazio, sem dor
      sem paixão no coração
      sem sonhos nem devaneios

      Minhas fantasias não tem viço
      se esfumaçam na fumaça do cigarro
      tem sede minha vontades
      sem água desejar beber

      Assim fiquei desde que perdi você
      Por tanto amá-la, mas querer com você viver
      A razão venceu, dilacerando o coração
      No horizonte a fé se pos, escuridão na noite vazia

      Sem luar, sem estrelas no firmamento
      Nem saudade ficou, muito menos solidão
      Nem raiva, nem magoa, apenas decepção
      Que mais não causa dor, no meu árido coração

      Não desejo mais amar
      Não desejo mais caminhar
      Não desejo mais sonhar
      Somente desejo a vida passar

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR RECÍPROCO

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      A reciprocidade no amor,

      é que dá vida ao sentimento.

      Tem que haver o consentimento,

      para que haja calor.

      Gosto e preciso de ti,

      e preciso que gostes de mim.

      o amor prá ser bom é assim…

      vai daqui para aí, vem daí para aqui.

      Eu te amo, se tu me amas,

      nos consentimos mutuamente,

      com carinho, apaixonadamente,

      Se estou longe, tu me chamas.

      Assim são os grandes amores.

      Não sentem a distância,

      nos dão ânsia,

      provocam calores…

      Sempre é bom viver um amor,

      nos faz sentir a vida,

      que vale a pena ser vivida,

      seja ele como for…

 Marcial Armando Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

Em nome do amor

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      Quando nosso coração fala,
      seja pelo corpo,
      seja pela alma,
      é quando de verdade se ama
      As palavras traduzem um sentimento,
      mas a entonação vem do coração.
      O amor, na face tem sua própria expressão
      fala também com as mãos
      Língua universal
      sem raça, credo ou cor
      Assim é o amor,
      ama sem conceito,
      nem preconceito,
      sem normas ,nem instituição.
      O Amor tem seu próprio jeito de falar
      de sentir, de se expressar
      seja numa caricia, ou num carinho
      seja numa paixão ou uma atração
      numa sensação ou uma emoção
      numa cantiga ou numa canção
      numa prosa ou num verso
      Mas o que mais o amor sabe falar…
      É de amar

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

CRIANÇAS ENLOUQUECIDAS

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      Mais uma vez deambulo pensativo,
      por caminhos inóspitos, seguindo a vontade
      da natureza, que não se recolhe ao seu
      estatuto, que, infelizmente, até hoje, ninguém
      soube cuidar, com o devido respeito, que sua
      grandiosidade exige.

      Dela viemos e a ela regressaremos,
      pó e terra, que cobrirá, de vez, a
      vergonha, que é nossa, por não sabermos,
      viver condignamente, nem entre a
      natureza e nós, nem entre nós mesmos,
      seus filhos dilectos, que de nós nunca
      se esqueceu, desde as primícias dos tempos.

      Nas ruas da cidade, brincam crianças
      enlouquecidas, deixadas ao acaso dos dias,
      e rosnam cães à lua, espumando pela boca.

      Já a natureza a todos bem urdiu e complementou.
      O nosso mal foi deixar ao total desleixo,
      a natureza, realizando, que ela se renovaria,
      a cada afronta, acabando por se extinguir várias
      espécies, desde a flora aos animais, terminando
      por interferir, definitivamente, com o ciclo
      natural, que fazia deste o nosso Mundo.

      E cada vez mais, é de reparar, que, as pessoas,
      perdem o uso da razão, enchendo hospitais,
      entre fobias e demais extravagâncias, pois
      perdeu-se a ordem, que as fazia pessoas sãs
      e produtivas, onde sentiam-se incorporadas,
      em algo maior que elas, e, que as conduzia
      e fazia felizes, mesmo tendo
      poucos luxos, que não passam de um desvario
      completo, tomando conta, dos filhos
      do plástico e do sintético, que nem uma árvore
      reconhecem e sua enorme importância.

      Ah, não ser eu, qual verme, rastejando, por
      debaixo da terra! Convertendo-me em húmus, que
      voltasse a dar vida à natureza, que, meu corpo,
      sempre foi uma entrega completa. Voltar ao inicio,
      repondo uma vez mais o ciclo e a ordem. Acreditar
      nas pessoas, dando-lhes novo ânimo e sentido.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

VERSOS DO DIA-A-DIA

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

                  O sol, sem pedir licença, invade os
                  aposentos, de meu quarto, mal
                  nasce a manhã, primeira de muitas,
                  e põe-se a brincar com meus olhos.

                  Meu pensamento és tu, e faço por 
                  te imaginar, inda aí corre a madrugada:
                  sei-te dormindo, e, como alguém
                  apaixonado, questiono se me sonhas.

                  Salto da cama de um só pulo e teu
                  sorriso me acompanha, como não há.
                  E logo sou feliz, por pensarmo-nos,
                  cada um de seu lado, deste Oceano.

                  Meu dia gira à tua volta, e tudo, o que
                  concebo, tem inscrito a ouro, teu nome.
                  Daqui a um pouco, sei que estaremos
                  juntos, para namorarmos finalmente.

                  E quando o momento se dá, não tem nem
                  felicidade igual à nossa, porque em nós,
                  tudo é vida e cumplicidade, desejo sem par,
                  amor que cultivamos, de há muito tempo.

                  E quando nos despedimos, fica a saudade
                  e a esperança de novo encontro, que não
                  tem como evitar, enquanto passamos o dia,
                  a reger a vida, como pelas mãos de ambos.

                  Pois somos unos e unos vamos noite dentro,
                  até que nos despedimos, até à manhã que
                  vem sempre depressa, para repartirmos o
                  nosso amor, rirmos, chorarmos, sermos nós.

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

QUEM AMA NÃO OLVIDA

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      O Homem é um ser esquisito, ainda ontem,
      minhas palavras, que deixei ditas, e, que
      vós todos, tendes lido, com o mesmo tom
      sério e reflexivo, em que os versos, foram
      escorrendo de meus dedos, até ficarem gravados
      na folha, hoje sinto-me feliz e bem
      mais confiante: obra estrutural do amor.

      Afinal acho que devemos discorrer, sobre
      as duas fases da moeda: um dia somos pergunta,
      no outro, senão certeza, desejo, de que, se
      vivermos intensamente, tendo por fundo,
      apenas a verdade, ficaremos mais perto de alcançar,
      aquilo por que nosso coração semeando vai,
      em nosso peito: amor e razão de existir.

      Não concebo o Homem sem a Mãe Natureza,
      é por isso, que, em quase toda a minha poesia,
      ao narrar um acontecimento, gosto de me
      misturar com ela. E longos passeios me permito,
      por caminhos ainda virgens, onde reina o
      silêncio e trago-te, pela mão, a meu lado. E,
      sentados, ante uma árvore, trocamos olhares.

      Finalmente ouve-se ao longe, alguns ruídos,
      próprios de animais, vagando pela floresta.
      E, ganhando coragem, uma bela ave, poisa,
      por sobre a nossa árvore e inicia um ritual de
      melodias graciosas. Cerrando nossos olhos,
      encostamo-nos ainda mais, um ao outro, e,
      deliciados, declaramos: que belo o seu cantar!

      Porém, diria eu, quão belos nossos sentimentos,
      que nos faz reparar nestas coisas, onde a
      vida, assume seu papel preponderante, neste
      pequeno Mundo, que a todos reservou, espaço
      devido, exigindo somente respeito, no bater
      de coração, de cada uma, dessas vidas. E, rosto
      com rosto, sorrimos, por sermos quem somos.

      Inspirado pela Natureza, escrevo-te uma carta,
      apenas soletrando o que lá poria, se tivesse uma
      carta. Descrevo-te, das mulheres, a mais bela,
      um lindo jardim, onde só as flores mais bonitas,
      nascem e crescem, seduzindo o sol, quando as
      manhãs se realizam, batendo calmamente, no
      umbral de tua janela, para dizer-te, de meu amor.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Meu Mundo e Você

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

Que em seu coração exista o amor que no meu está,
Para um dia podermos juntos assim ficarmos.
A esperança ainda é a maior consoladora,
Dos dias que meus pensamentos em ti procuram abrigo
E não vejo mais saída para quem tanto ama.
Viver as indecisões a quem o destino concede,
Só mesmo o tempo nos dará a solução devida.
Onde o amor está, terá que ter maior guarida,
Temos a nós e o Mundo para a conquista.

Você em meu Mundo assim coloco.
Em certos momentos nele não te encontro.
Pensar em você e tudo que nos rodeia.
Manter a firme certeza do amor que corresponde
Só assim consigo manter esse amor.
Tendo os sonhos vivos sem eles não existo.
Nanci laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

MINHA FELICIDADE ÉS TU

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      Com meus olhos rasos de felicidade,
      caminhando sereno, entre flores,
      que me lembram, a todo o instante,
      tua tez tranquila, que, só teus cabelos
      rebeldes, fogem um pouco, a essa
      tua tão costumeira, maneira de ser,
      escolho um esquivo caminho,
      de entre a floresta, guiado pelo sol e
      tua doce e desejada lembrança, para
      pensar em ti e neste nosso amor,
      que criamos de raiz, de onde saíram
      os primeiros frutos, com os quais, hoje
      em dia, são dos céus, nosso único alimento.

      Ainda hoje, pensar-te, é para mim,
      solene instante, onde, por mais longe,
      que te encontres, leva-me contigo, para
      todo o lado, seja qual for a circunstância,
      ou momento a haver, porque tu, meu
      amor, estás dentro de mim, em toda a
      sua natureza e naturalidade, que faz de
      nós, seres únicos, enamorados, pela
      simples presença um do outro, a que se
      chama cumplicidade, bem-querer, por
      um mesmo caminho a percorrer ou já
      percorrido, e que soubemos guarnecer
      sempre, de boas intenções e verdade.   

      Mais afirmo, que nem todas as palavras,
      vencem um silêncio necessário, pois saber
      ouvir chega a ser mais importante do que
      falar, e, quantas vezes, ele se faz urgente,
      para quem precisa de dizer, o que lhe vai na
      alma, tantas vezes torturada, por coisas, que
      não sabemos descrever, mas, quando temos,
      a nosso lado, quem nos ama e respeita, 
      da bandeira fazemos a nossa coragem, e,
      ora rindo ora chorando, apaziguamos nosso
      sofrimento, que, no fim, passaremos a tratar,
      como coisa banal, e, dançando, à luz da lua,
      numa praia qualquer, jogamos tudo, para trás
      das costas, e, o beijo, traz de novo as flores.

      Regresso pelo mesmo caminho… buscando-te!

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

DEBAIXO DE INTENSO FRIO

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

      De intensa geada, são os dias, a Norte
      do meu país. De tal maneira, que
      o frio se intensifica e dispersa, por
      este nosso Portugal, mais acostumado,
      a temperaturas amenas.

      A chuva, que poderia amenizar um pouco,
      assombroso frio, que a todos
      castiga, sem olhar a quem, de tempos
      a tempos, vem com seus ameaços e
      chove por uns fúteis instantes,
      que nem chega a molhar a terra, de tão
      necessitada, que deve estar de água.

      Raros são já os animais, que, antes,
      vislumbrava, de minha janela, tela aberta
      para o mundo.
      Esquivos gatos desapareceram, e, até
      os pássaros, que buscavam, na terra, o
      que comer, saltitando de um para outro lado,
      são meros espectros isolados, pela fome.

      (Apenas os morcegos, enfrentam as gélidas
      noites, esvoaçando pelos candeeiros).

      Entanto triste se revela, as pobres criancinhas,
      saindo pela manhã, em direcção à escola,
      cabeças baixas e mãos nos bolsos, da bata
      costumeira e padronizada,
      resquício ofensivo, de um passado, inda recente.

      Já ninguém vai trabalhar, levando caminho
      a pé. Quem tem a sorte de ter um carro,
      leva-o para o trabalho, os demais sujeitam-se,
      esperando, no tremendo frio, pelos transportes públicos.

      E, confidenciando-lhes, a vós, que me ledes,
      dizer-vos, que não sei, como consegui escrever,
      estes versos, que vos deixo, relatando
      a actualidade de meu país, enquanto meus dedos
      se iam fechando, à medida que escrevia,
      parando para esfregar as mãos, umas nas outras.

      Recolho meu material e acendo um tremendo cigarro!

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

NOUTROS TEMPOS

Posted by vidapura2 em Dezembro 8, 2008

                    Vestido de pregas e lenço de cetim
                    à cintura; cabelo bem arrumado e
                    certinho, onde nem um fio se mexia;
                    saia pelo tornozelo, assim o decoro;

                    copo de um licor açucarado, urdindo
                    conversa de momento; e um sorriso
                    feminino, sonho de todos os homens;
                    ali ficavas a teu canto, cheia de pudor.

                    Até que alguém pegava em tuas mãos
                    finas e te levava para dançar, a todos
                    mostrando a beleza tão tua, envolta
                    em segredos, que a ninguém revelas.

                    Gracioso cisne, ias ocupando o salão de
                    dança, sem nada forçar, seguindo o passo
                    do companheiro, ou ele seguindo o teu,
                    enquanto giravas, ao som livre da música.

                    Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »