amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

NATAL DE MENDIGO

Posted by vidapura2 em Dezembro 29, 2008

                        Encostado, entre quatro paredes,
                        um desgraçado, de um, de muitos
                        mendigos, que proliferam, infelizmente,
                        pelas nossas cidades,
                        comemorava a sua noite de natal,
                        a meio a luzes de néon e de carros,
                        o que alguém, de boa consciência,
                        lhe havia oferecido, na sua demanda
                        pelo dia de hoje, e que ele, com muito
                        cuidado, embrulhou, num lenço
                        colorido de pano, um tanto esgarçado.

                        Enquanto ia escolhendo, o que saborear
                        primeiro, meticulosamente, voltava a
                        fechar o pano, para a comida não
                        endurecer, e, seus olhos, brilhavam,
                        não sei se em agradecimento ainda, ou se
                        pelo efeito das luzes, engalanando ruas,
                        reflectindo nas suas pupilas, o que,
                        por meros momentos, a quem passava,
                        repugnância não causava, pois todo
                        esse brilho, juntando-se-lhe ao seu melhor
                        fato, humano, como os outros, se parecia.

                        Depois, de comer um pouco, de sua
                        consoada, guardou cuidadosamente o
                        restante, num canto, entre degraus, sua
                        casa, fazia muitos anos, e, resolveu-se a
                        sair para as ruas, propriamente ditas,
                        misturando-se com as pessoas e os muitos
                        sorrisos, próprios desta época, onde não
                        faltava gente, vestida de pai natal e enormes
                        árvores, todas coloridas ricamente,
                        deixando-o especado, sem saber muito bem,
                        como se comportar, embora a tudo sorrisse.

                        Habituado a nada ter, senão esforço desmedido
                        e muito sacrifício, sabia que tudo isso acabaria,
                        no dia de amanhã, tendo então de se conformar,
                        a voltar a percorrer, de novo, rua ante
                        rua, mas também, que, hoje, iria aproveitar,
                        até onde lhe fosse permitido, o natal dos outros.
                        E assim, sem causar distúrbios, passou horas,
                        ora vendo montras, enfeitadas, ora, a um canto,
                        encostando-se, tirando um pouco mais, do que
                        havia trazido, reservado, no bolso de seu casaco,
                        qual criança, deixando o melhor para o fim.

                        Jorge Humberto

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: