amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 2 de Março, 2009

Desejo linda manhã

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

       Desejo linda manhã ,
      que tenhamos fé,
      determinação,
      equilíbrio, paciência,
      amor em tudo e com todos !
      beijos e abraços fraternos
      Fé!
      Saúde!
      Paz!
      Carinhos!
      Sucessos!
      Sensibilidade!
      Coragem!
      Solidariedade!
      Bondade!
      Tranquilidade!
      Alegria!
      Humildade!
      Amor próprio!
      Autoestima!
      Sinceridade!
      Felicidade!
      Amizade!
      Esperanças!
      Persistência!
      Sabedoria!
      Desejos!
      Sonhos!
      Equilíbrio!
      Bom senso!
      Ética!
      Respeito!
      Amor!
      Tânia Sueli Oliveira

Posted in AMIGOS, amizade | 2 Comments »

Equilíbrio

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

     Para sentir-me pleno, tenho que ser estável.
      Para ser estável, é necessário equilíbrio.
      O equilíbrio entre:
      Ser alegre, e não inconveniente.
      Ser sincero, e não machucar.
      Ser firme nas idéias, e não arrogante.
      Ser humilde, e não submisso.
      Ser rápido, e não impreciso.
      Ser contente, e não complacente.
      Ser despreocupado, e não descuidado.
      Ser amoroso, e não pegajoso.
      Ser pacífico, e não passivo.
      Ser disciplinado, e não rígido.
      Ser flexível, e não frouxo.
      Ser comunicativo, e não exagerado.
      Ser obediente, e não cego.
      Ser doce, e não melado.
      Ser moldável, e não tolo.
      Ser introspectivo, e não enclausurado.
      Ser determinado, e não teimoso.
      Ser corajoso, e não agressivo.
      Tenham todos um lindo dia!

Posted in AMIGOS, poesia | Leave a Comment »

Ame por amar!

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

                        Não quero que me ames

                        pelo sorriso maroto

                        em que vês expresso em meu rosto

                        naquela fotografia…

                        Nem dos poemas

                        que te dedico com todo gosto,

                        nem do amor

                        que te falo todo dia…

                        Não quero que me ames,

                        pela minha voz

                        a cantarolar cantiga de ninar

                        que te enviei

                        para que ouvisses ao deitar

                        e embalando teu sono, dormisses…

                         Nem dos beijos que te dou

                        ao me despedir

                        quando no telefone

                        estamos a falar…

                        Nem do prazer que te prometo

                        quando for contigo estar…

                        Não quero que me ames

                        por nada destas  coisas!

                        Quero no entanto,

                        fazer-te um pedido

                        e gostaria que nele visses

                        algum sentido:

                        Ama-me,

                        pelo amor em ti existir.

                        Ama-me,

                        e nunca tentes me iludir.

                        Ama-me.

                        E quando do meu querer

                         não mais te falar,

                        do teu amor por mim

                        jamais possas duvidar.

                        Ama-me. Simplesmente por amar!

Emiele

Posted in poesia | Leave a Comment »

COISAS FORA DE MODA

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

Se não estivesse tão fora de moda

 eu iria falar de “Amor”,  daquele amor sincero, olhos nos olhos, frio no coração, aquela dorzinha gostosa de ter muito medo de perder tudo…

Daqueles momentos que só quem já amou um dia conhece bem…

Daquela vontade de repartir, de conquistar todas as coisas, mas não para retê-las no egoísmo material da posse, mas para doá-las no sentimento nobre de amar…

Se não estivesse tão fora de moda,

 eu  iria falar em “Sinceridade”…

Sabe aquele negócio antigo de fidelidade, respeito mútuo e aquelas outras coisas que deixaram de ter valor.

Aquela sensação que embriaga mais que a bebida, que é ter numa só pessoa a soma de tudo que, às vezes, procuramos em muitas…

Se não estivesse tão fora de moda,

   eu iria falar em “Amizade”,  da amizade sincera que deve existir entre duas pessoas que se querem bem…

O apoio, o interesse, a solidariedade de um pelas coisas do outro, e vice-versa. A união além dos sentimentos, a dedicação de compreender, para depois gostar…

Se não estivesse tão fora de moda,

Eu iria falar em “Família”. Sim… “Família”…

Essa instituição que, ultimamente, vive à beira da falência, sofrendo contínuas e violentas agressões:

pai, mãe, irmãos, filhos, casamento, lar…

Família., aquele bem maior de ter uma comunidade unida pelos laços sangüíneos e protegidas pelas bênçãos divinas.

Um canto de paz no mundo, o aconchego da morada, a fonte de descanso e a renovação das energias, realização da mais sublime missão humana de seqüenciar a obra do Criador…

E depois eu iria, até quem sabe, falar sobre algo como… 

a “Felicidade”.

Mas é uma pena que a felicidade, como tudo mais, há muito tempo, já esteja tão fora de moda e tenha dado seu lugar aos modismos da civilização.

Ainda assim, desejo que sua vida seja repleta dessas questões tão fora de moda e que, sem dúvida, fazem a diferença !!!

Muita Paz no coração!

Rose Lima

Posted in AMIGOS | 1 Comment »

Cigana Selvagem

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

            Minha alma cigana, sem calma,
            Lhe quer hoje, agora, não espera.
            Não há o proibido, o impossível.
            Só na noite, esta cigana desespera.

            Quero a magia de carinhos insanos
            Arrelia de amor, meu corpo suado…
            Meus segredos revelados, tremor,
            Torpor, sangue fervendo, cruzado…

            Tenho veneno, um gostoso mistério,
            Para ser descoberto, desvendado…
            Sou inspiração, desejo, sol a pino…
            Sou destino adiado, mas marcado…

            Meu coração cigano selvagem,
            Quer sua posse, da paixão a dança.
            Beijo molhado, abraço apertado,
            Dos desejos a afiada e aguda lança…

            Meu querer é animal indomável,
            Rugindo em dolentes chamadas…
            Labaredas, fogo, fogo abrasador,
            Chamando-o nas madrugadas!…

            Esta cigana cansou de esperar …
            Quer ter o seu senhor, apaixonado,
            Agora, para sempre, pela vida Inteira,
            Alucinado… Pelo amor arrebatado!…

            Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Até Meus doze anos

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

Ahh que doces lembranças eu tenho
      dos primeiros anos da minha vida
      da minha familia querida
      saudades, que não esqueço jamais
      Quanta uniao, quantas brincadeiras
      naqueles dias fagueiros, no nosso quintal
      subindo nos pés das mangueiras
      ou no alto dançante das goiabeiras

      Dias tão alegres, faceiros
      Os dias da incencia, meus dias de criança
      Um mundo de contos, de fantasias
      repletos de perfumes e cores
      Onde tudo era jardins e flores
      No ceu azulado, anjos brancos desenhados
      Nas nuvens alvas ou douradas
       vinham cançoes de amor

      Despetava na alegria, assim passava o dia
      a noite com as estrelas sorria
      nos sonhos infantis adormecia
      sonhos nas asas da inocencia
      bordados de principes, fadas e rainhas
      respirando os aromas do nosso quintal
      que mil perfumes tinha
      Dormia com a luz  lua
      pelas frestas das telhas

      Quantas saudades daqueles dias
      Oh! minha familia primavera, eu tinha
      Que tornou minha infancia tao bela

      Dores da alma eu nao conhecia
      decepções e magoa nao sabia
      somente os carinhos do meus sentia
      dos cuidados da minha mãe
      do aconhego de meus tantos irmãos

      Passava minhas férias no campo
      Viajava tao feliz, tao saltitante
      de peito nu corria pelos campos
      livre, descalço, somente de short
      mergulhando no grande tanque
      fazendo estrepolias montando cavalos
      em pelos sem selas, e neles voava
      num sonho alado, cavalgava

      Naqueles tempos venturosos
      na nossa fazenda, na nossa velha casa
      tao grande, tao acolhedora
      nunca silenciosa, sempre sonora
      A seis da tarde no radio ouvia a Avé eu ia
      Vivia uma vida que sempre sorria
      Desde o despertar, até ao sono me entregar
      com os anjos a cantar cançoes de ninar
       Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Meus oito anos

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

Oh ! Que saudades que tenho
      Da aurora da minha vida,
      Da minha infância querida
      Que os anos não trazem mais!
      Que amor, que sonhos, que flores,
      Naquelas tardes fagueiras,
      À sombra das bananeiras,
      Debaixo dos laranjais!

      Como são belos os dias
      Do despontar da existência!
      – Respira a alma inocência
      Como perfumes a flor;
      O mar é – lago sereno,
      O céu – um manto azulado,
      O mundo – um sonho dourado,
      A vida – um hino d’amor!

      Que auroras, que sol, que vida,
      Que noites de melodia
      Naquela doce alegria,
      Naquele ingênuo folgar!
      O céu bordado d’estrelas,
      A terra de aromas cheia,
      As ondas beijando a areia
      E a lua beijando o mar!

      Oh ! dias da minha infância!
      Oh ! meu céu de primavera!
      Que doce a vida não era
      Nessa risonha manhã!
      Em vez das mágoas de agora,
      Eu tinha nessas delícias
      De minha mãe as carícias
      E beijos de minha irmã!

      Livre filho das montanhas,
      Eu ia bem satisfeito,
      Da camisa aberta o peito,
      – Pés descalços, braços nus –
      Correndo pelas campinas
      À roda das cachoeiras,
      Atrás das asas ligeiras
      Das borboletas azuis!

      Naqueles tempos ditosos
      Ia colher as pitangas,
      Trepava a tirar as mangas,
      Brincava à beira do mar;
      Rezava às Ave-Marias,
      Achava o céu sempre lindo,
      Adormecia sorrindo
      E despertava a cantar!

      Casemiro de Abreu

Posted in poesia | Leave a Comment »

Hasta Mis doce años

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

      Ah que dulces recuerdos tengo
      de los primeros años de mi vida
      de mi familia querida
      Añoranza, que no olvido jamás
      Cuanta unión, quantos juegos
      en aquellos días felices, en nuestro patio
      subiendo en los árboles de mangos
      o en lo alto de las goyaberas

      Días tan alegres, felices
      Los días de la inocencia, mis días de niño
      Un mundo de cuentos, de fantasías
      repletos de perfumes y colores
      Donde todo era jardines y flores
      En el cielo azulado, angeles blancos dibujados
      En las nubes blancas o doradas
      venian canciones de amor

      Despertaba en la alegría, así pasaba el día
      por la noche con las estrellas sonreía
      en los sueños infantiles me dormía
      sueños en las alas de la inocencia
      bordados de principes, hadas y reinas
      respirando los aromas de nuestro patio
      que mil perfumes tenía
      Dormía con la luz  luna
      por las grietas de las tejas

      Quanta añoranza de aquellos días
      Oh! mi familia primavera, yo tenía
      Que tornó mi infancia tan bella

      Dolores del alma yo no conocía
      decepciones y rencor no sabía
      solamente las caricias de los míos sentía
      de los cuidados de mi madre
      del cariño de mis muchos hermanos

      Pasaba mis vacaciones en el campo
      Viajaba tan feliz, tan satisfecho
      de pecho desnudo corría por los campos
      libre, descalzo, solamente con shorts
      zambullindome en el gran tanque
      haciendo travesuras montando caballos
      a pelo sin sellín, y en ellos volaba
      en un sueño alado, cavalgaba

      En aquellos tiempos venturosos
      en nuestra hacienda, en nuestra vieja casa
      tan grande, tan acogedora
      nunca silenciosa, siempre sonora
      A las seis de la tarde en la radio oía el Ave yo iba
      Vivía una vida que siempre sonreía
      Desde el despertar, hasta al sueño entregarme
      com os angeles cantando canciones de cuna
       Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mis ocho años

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

      Oh ! Que añoranza tengo
      De la aurora da mi vida,
      De mi infancia querida
      Que los años no traen ya!
      Que amor, que sueños, que flores,
      En aquellas tardes agradables,
      A la sombra de los plataneros,
      Debajo de los naranjos!

      Como son bellos los días
      Al comenzar la existencia!
      – Respira el alma inocencia
      Como perfumes la flor;
      El mar es – lago sereno,
      El cielo – un manto azulado,
      El mundo – un sueño dorado,
      La vida – un himno de amor!

      Que auroras, que sol, que vida,
      Que noches de melodía
      En aquella dulce alegría,
      En aquel ingenuo jugar!
      El cielo bordado de estrellas,
      La tierra de aromas llena,
      Las olas besando la arena
      Y la luna besando el mar!

      Oh ! días de mi infancia!
      Oh ! mi cielo de primavera!
      Que dulce la vida no era
      En esa risueña mañana!
      En vez del dolor de ahora,
      Yo tenía en esas delicias
      De mi madre las caricias
      Y besos de mi hermana!

      Libre hijo de las montañas,
      Yo iba muy satisfecho,
      De camisa abierta en el pecho,
      – Piés descalzos, brazos desnudos –
      Corriendo por los campos
      Alrededor de las cascatas,
      Detrás de las alas ligeras
      De las mariposas azules!

      En aquellos tiempos preciosos
      Iba a coger las pitangas,
      Trepaba a tirar los mangos,
      Jugaba a la orilla del mar;
      Rezaba el Ave-María,
      Encontraba el cielo siempre lindo,
      Me dormía sonriendo
      Y me despertaba cantando!

      Casemiro de Abreu

Posted in poesia | Leave a Comment »

Cidade Maravilhosa

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

Rio de Janeiro, foi em janeiro
não era um rio , era uma Baía
Por São Sebastião abençoada
Por Deus talhada

Talhada em geografia
Numa mágica topografia
de altos, de baixos e praias
deslumbrantes com sol e alegria

Do Pão de Açúcar ao Cristo Redentor
Da praia de Copacabana a praia do Arpoador
Da Lagoa ao Leblon
Da floresta da Tijuca aos pés do Corcovado

Uma Terra abençoado por Nosso Senhor
A Natureza realçada por sua beleza
De um povo alegre e multicolor
Cidade gostosa, cidade de Amor

Tem o samba a vibrar no ar
Uma alegria que contagia
Um bem estar que irradia
Encantada, com um toque de magia

Paisagens exuberantes
Mulheres palpitantes
Vida efervescente
Bendita, Cidade Maravilhosa …

Joe’A

Posted in poesia | 3 Comments »

Segredos

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

            Segredos guardados n’alma
            Elos de amor desfeitos,
            lágrimas derramadas
            ao cair da madrugada…
            Cartas,perfumes e sons,
            permanecem vivos na mente…
            Na alma a vontade de fugir
            com o amado encontrar-se…
            Recados ocultos levados pelo vento
            dizendo amar cada dia mais…
            Segredos de amor.

 Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

Canção da Vida

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

A vida é uma canção envolvente,
Cujos solfejos são a esperança;
As estrofes, os passos à frente;
O estribilho é a perseverança.

Colo de mãe, primeira canção…
Que faz dormir ao peito materno.
De mãe para filho, a sensação…
De um cordão umbilical eterno.

Há o canto orfeônico na escola,
Adolescente preso à TV…
Hino do time que é bom de bola,
Tudo é canção a nossa mercê!

Ao adulto, a canção é constante.
São lentos às vezes seus compassos,
Mas seu alvoroço é mais flagrante
Com seus imprevistos e embaraços.

Enfim, a vida é uma partitura.
Nós somos o maestro com batuta.
Damos o ritmo à lide dura,
Temos tudo pra ganhar a luta!
Ógui Lourenço Mauri

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor e Flor

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

      Quantas flores já vi na minha vida
      já perdi a conta, mas nunca as esqueci
      na essência são tão parecidas
      mas cada uma tinha sua particularidade

      As apreciava desde o primeiro sinal de botão
      via a cada dia como se desenvolvia
      quando revelava a sua primeira cor
      as primeiras pétalas aflorando do seu casulo

      E ele em forma de taça exibia um bouquet
      de pétalas que juntas desabrochavam
      cresciam, exuberavam vestidas de cores
      macias e perfumadas, vindo o seu cio

      Por abelhas e beija-flores visitadas
      Que do se mel se deliciavam
      E pelos campos vidas semeava
      Todo seu viço e formosura doava

      Sua vida dava a vida
      Tão efêmera vida
      Que tanta vida perpetuava
      Sua vida exalava, murchava

      Caiam murchas e secavam
      Se sabiam eternas, nas muitas vidas suas
      que o vento seus folículos levou
      E uma sem conta dela mesma disseminou

      Na Natureza se perpetuação
      Assim como o Amor no fértil coração

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

MANHÃ ORVALHADA

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

Amanhecer ao teu lado, teu corpo colado ao meu

      Um doce beijo ganhar,

      Teu amor em meu coração a cada manhã renovar.

      Novo dia raiando, manhã serena,

      cheiro de terra orvalhada que aguça nossos sentidos,

      Vamos viver esse dia em que tudo principia

      nessa brisa que acalenta nosso ardente desejo.

      Entrelaçados corpos em plenitude de almas que se enlaçam

      O amor aconchega, é ninho, nos acolhe.

      Da vida à esperança, do sonho à reliadade.

      Pura magia que se faz presente em nosso viver.

      Tão doce, tão terno a me enamorar,

      Namorando assim vivemos o amor.

      Linda manhã orvalhada, cheiro de terra molhada,

      A ti me entrego em puro amor e prazer.

      Paz em meu viver.

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

Vem pra mim…

Posted by vidapura2 em Março 2, 2009

      No calor do teu corpo caliente

      me entrego entre delírios e suspenses

      de te tirar a roupa de maneira indecente

      num delicioso arfar de corpos quentes

      Na penunbra do quarto a espera

      de você saindo de toalha do banheiro

      arranco esse objeto que separa

      teu corpo do meu, que desasossego

      Vem, caminha pro nosso celeiro

      onde faremos coisas inimagimáveis

      eu vou te levar ao espaço

      e te falei ver estrelas incontáveis

      eu…

      você…

      nós…

      na cadência do amor

      Paulo Nunes Junior

Posted in poesia | Leave a Comment »