amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 14 de Abril, 2009

Perdoa-me…

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

      O coração debruça frente as minhas verdades,

      busco ao fundo da alma os porquês…

      Sem respostas,

      deparo-me frente a este mundo

      que por vezes mostrou-me o louro;

      por outras, colocou-me frente à derrota.

      

      Quero pedir-te perdão meu grande e único amor…

      Hoje,

      despeço-me deste sentimento lindo

      que me fez chegar até aqui, tropeçando ou não…

      Dos erros que cometi, fui pago com o mesmo

      através da senhora ilusão;

      tomada pelo prazer momentâneo

      que me custa a dor mais profunda

      que o universo possa apresentar-me…

      

      Ao fechar as cortinas do tempo

      recolher-me entre estrelas,

      seres encantados

      se fizeram presente a meu redor.

      Fazendo-me ter forças necessárias

      para não entregar-me à senhora morte,

      que, por vezes, tentou abraçar-me…

      

      Neste novo caminho

      imposto por esta dor infinita

      pude sentir que sou querido e desejado

      até mesmo por silhuetas mais jovens que a tua.

      Mas tudo foi em vão, pois a essência se foi…

      

      Hoje,

      o poeta se debruça

      frente sua janela de encanto e poesia

      aonde, de um mundo por vezes imaginário,

      retira inspiração que toca  corações solitários.

      Hoje,

      o grande se torna pequeno…

      Não somente para pedir-te perdão,

      Mas como pedir a tudo que me ladeia,

      que eventualmente, sem querer,

      tenha algum dia machucado, ou ferido…

      

      A você terra

      a qual tanto piso e pouco ofereço…

      A vocês meus pássaros, meu animais,

      a quem às vezes, pouco tempo tenho

      para retribuir-vos o amor oferecido…

      A vocês meus amigos e amigas

      os quais tanto me dão de carinho…

      Até mesmo a você, ou vocês;

      aos que não gostam de mim

      mesmo sem que eu saiba o porquê;

      só quero vos pedir perdão…

      

      E hoje, quando despeço

      do sentimento mais lindo que vivi

      para iniciar a procura pelo meu novo sol 

      apenas vos peço:

      – Vivamos em paz, apenas isto!…

      

      Agora volto-me à janela

      de lá, vou em busca da inspiração.

      Mesmo que ela advenha da dor

      afinal,

      sempre será prova de meu aperfeiçoamento!…

      

      Paulo Nunes Junior

Anúncios

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

Ressuscitar sua vida pessoal e profissional

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

“Era uma vez um homem que se diferenciou
 entre os seus, suas palavras trouxeram
 uma revolução tão grande que até os
dias de hoje vemos sua repercussão em
nossa vida e sociedade. Esse homem foi
 perseguido, preso e morto por algo que
acreditava, e depois ressuscitou para
provar aquilo que pregava.
Essa história, apesar de conhecida e
comemorada todos os anos pode ser
aplicada no nosso dia a dia pois a
todo momento  somos provados, testados,
perseguidos e as vezes “mortos”, mas são
 poucos que tem a força de se reerguer
e conseguir uma verdadeira ressurreição
pessoal ou profissional, pense nisso, não
 é hora de ressuscitar?”

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

No meu peito o coração que palpita é o seu…

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

            Se um dia nosso amor acabasse
            seria como se me sangrasse
            o sangue nao coagulasse
            do meu coração pelo peito escorresse

            Sangue carregado de dor
            deixando no peito um lancinante amor
            apedrejado pelo desamor
            nos braços torturantes da solidão

            Sem luz nos meus caminhos
            pisando nas folhas mortas da esperança
            dos galhos secos da desilusão
            de raízes entorpecidas, moribundas

            Sentindo o leito nas relvas da morte
            nas terras inferteis dos desenlaces
            calcadas das estereis saudades
            irrigadas pelas insonias solitárias da vida

            Somente de imaginar
            o frio das lanças da morte
            sinto no meu coração penetrar
            No meu peito o coração que palpita é o seu…
 Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Os DeusesTambém Erram

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

      Dos deuses não fui a escolhida para ser rainha
      Tenho o rosto mais belo o cabelo longo mais sedoso
      O corpo mais perfeito e vigoroso do que as mulheres nobres!

      Ao nascer fui agraciada pelos deuses
      Com a espada mágica de prata
      Queriam-me guerreira corajosa e pronta
      Para qualquer batalha e assim
      Sempre voltar vitoriosa!

      Pertenço à guarda do castelo real
      Sou guerreira mas vivo como escrava
      Não há abrigo que me guarde de maus tempos

      E ninguém que me defenda de inimigos ferozes
      Que desejam minha morte!

       Minha única guarita são as rochas pontiagudas
       Que circundam e protegem o castelo
      Vivo alerta não durmo nem de dia nem à noite
      Minha espada está sempre pronta em minhas mãos!

      Passo os dias vigiando as muralhas do castelo
      À noite ouço os pios das aves agourentas
      E uivos de lobos famintos na floresta!

      Sofro imaginando o rei em sua alcova
      Vivendo momentos de amor com a rainha
      Ciúmes loucos me devoram
      E de inveja brotam meus prantos!

      Afasto-me do castelo em tempos de guerra
      A defender meu senhor e meu rei amado
      Nos campos de batalha
      Amo-o tanto que imagino ser eu sua rainha
      A única dona do seu amor!

      Ah por que a delicadeza a alvura e a candura da rainha
      Não me foram doadas pelos deuses
      Eu trocaria minha espada vencedora de tantas batalhas
      Trocaria meu corpo perfeito minha beleza minha coragem
      E daria tudo o que tenho e sou
      Por uma só noite na alcova do meu rei
      Como se fosse realidade
      E o meu louco e mais belo sonho de amor!

 Iracema Zanetti

Posted in AMIGOS, amizade, oração | Leave a Comment »

GÊMEOS UNIVITELINOS

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

                  Fecundado o amor

                  Fecundado a amizade

                  não se esperava por isto,  naquele dia qualquer.

                  Gerei o amor,  gerei a amizade

                  e aguardei esperando o seu nascer…

                  

                  Abortei o amor

                  tentei segurar a amizade

                  Incrível!  

                  Gerei  gêmeos univitelinos:

                  _Um  natimorto

                  o outro…

                  esperando o seu tempo  para o nascer.

                  

                  

                  Se um não sobrevive sem o outro

                  nada se pode fazer:

                   – Sofri pelos dois

                  Chorei pelos quatro!

 Olga Kapatti

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

PALCO DA VIDA

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

                Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é a
              maior empresa do mundo.
              E você pode evitar que ela vá à falência.

               Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você. Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, caminhos sem acidentes,
              trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem desilusões.

               Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

                Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

               Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da  própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no  recôndito da sua alma.

               Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
              É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um
              “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

               É ter maturidade para falar “eu errei”. É ter ousadia para
              dizer “me perdoe”.

              Desejo que a vida se torne um canteiro de  oportunidades para
              você ser feliz…

              E, quando você errar o caminho, recomece, pois assim você descobrirá que ser feliz não é ter uma
              vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.
                    Fernando Pessoa

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

CHORA VIOLA

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

      Solto o alazão no meu verde pasto
      Recolho as traias e vou descansar
      Pego a viola e começo a tocar
      Entre as colunas da cor de alabastro

      Dedilho as cordas e solto a canção
      Canto a saudade no meu sentimento
      Voam as notas nas ondas do vento
      Levando as cores do meu coração

      Chora viola! Aquece minh’alma!
      Solta do peito a minha alegria!
      Leva pra longe a minha nostalgia;

      Só o teu choro me alegra, me acalma,
      Faz minha noite suave e fecunda
      a flor do amor a vida me alumbra

 Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

CALA-TE

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

      Desprezo,  veemente, a tua língua ferina
      quando mentes descaradamente
      para esquivar-te de tua ação danosa,
      colocando em xeque-mate, pedra daninha,
      a tua insigne “discursada” dignidade honrosa.
      
      Reflitas  –  quanto tempo que no reinado viveste,
      quantas promessas falsas que fizeste
      Desistas de ser tão infantil
      e a ficar obstinado a cantil.
      
      Sigas em frente com a tua vida
      Associe-te à  mil  mulheres,
                                  se quiseres,
      mas de nosso passado, não ouses caluniar-me,
      porque –  sempre voltarei às difamações resgatar
      Jamais conseguirás , como prometera , me derrubar
      Portanto:
      – Cala-te!
olga kapatti

Posted in poesia | Leave a Comment »

ASÍ ERES TÚ, COMPAÑERA

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

Nube blanca o estrella nueva
en un cielo largo de verano,
así eres tú, compañera,
suave como la luz tierna
de un corazón bordado
con el hilo azul de la dulzura,
marea de sueños transparentes
e íntimos tesoros
que sólo la caricia fértil de unas manos
se atreve a poner al descubierto.

2

Tu piel es una tregua infinita
donde hierven sin límite todas las ansias,
un horizonte limpio
que descorre las cortinas del alma
y envuelve en papel de seda
esta negra soledad de náufrago.

3

En tu sonrisa de cometa alegre
madura la luz,
vuelan pájaros de espuma y frenesí
y arde el tuétano del aire
como la paja seca de un granero
en mitad de un rojo incendio.
Tu llanto es un cuchillo
que rasga la médula del tiempo,
un loco polvorín de voces tristes
que me invade sin freno
hasta el fondo de los huesos.

4

Ven y llena mi taza de fuego,
corta la espina del rosal amargo
donde se ocultan las penas.
Derrite este círculo de nieve
que corre helado por las venas
y no sabe en qué abismo infinito
esconde el destino
su agria sentencia de muerte.

5

Házme volar en tus relámpagos
hasta dejar atrás el cielo.
Pérmiteme que sea
una gaviota blanca en tu cerebro
para que pueda abrir mis alas dentro
y surcar las olas destiladas
de tu océano secreto.

6

Así eres tú, compañera,
un suspiro de acróbata en el filo del silencio,
un delirio de luz que vuelca sus enigmas
en el balcón abierto
de sus ojos llenos de agua clara.
Así eres tú, compañera.
Así, de esta manera
que yo te digo y te imagino,
una nube blanca o una estrella nueva
que se mueve en círculos abiertos
por el hueco vacío de mi almohada.

7

Un velo de abriles nuevos
bordado con finos hilos de deseo
te cubre el rostro,
es un retal hermoso de seda
que viste de tules la noche
e inunda el alma de ciegas pasiones.
Es una fiebre de junio,
una rosa de adolescencia
que huele a primavera intacta
y estrena aromas de coral y terciopelo.

8

Eres hilo que enhebra los retales
del que fui, del que soy, del que seré,
una ola abierta
en la marea ardiente del atardecer
que trepa a la arena de mis costas.
Eres lluvia que fertiliza el alma
y fermenta la ternura de mis dedos
como si fuera levadura eterna
que el infinito siembra en la piel.
Eres un mar profundo y definitivo
lleno de juegos malabares
que devora el agua de mis ríos
y ahoga en el azul todas las penas.

9

Vuela libre, compañera,
y surca el cielo,
vive esta aventura breve
que el tiempo te regala,
disfruta de la vida y explora tu destino,
descubre el horizonte transparente
de toda la ternura de los siglos.

10

Siembra de alegría el aire,
a veces tan vacío o carente de sentido,
y aprecia el valor irrepetible de las cosas,
y a pesar de que el tiempo desnudo y sin careta
es un pozo amargo y profundo
donde sólo florecen los árboles de la muerte,
derrámate sobre mi almohada como un sueño
y dale algunas pinceladas de color
a esta vida que pasa a la deriva
como un velero que se va a pique
sin que nadie detenga su agonía.

11

Eres uva en la cepa de mis versos,
racimo egregio que crece en la parra
de los sentimientos
y abre territorios fértiles
de ternuras audaces
en el ritmo frenético de las palabras.
Eres fiebre cálida,
loca precisión de ola salvaje
que se ajusta a la cadera
y se apodera de la médula
con sus golpes de espuma acumulada
y sonrisas derretidas de sirena.

12

Tú, esperanza alada
donde confluyen todos los ríos
arteriales del pensamiento,
eres luna de círculo completo,
grito de estrellas blancas
acampadas en los surcos
más azules de las venas,
eres flor de cumbres imantadas
que inunda de polen
y vuelos de mariposas blancas
la amarga raíz cuadrada del mañana.

13

Vuela, compañera,
como un pájaro que tiembla y que palpita
en el azul del aire,
como un verso que estalla en el oído
el carnaval florido de sus haces.
Vuela, compañera,
como un viento tranquilo
que besa
las hojas secas y amarillas de mi otoño.
Vuela, compañera, vuela,
que el cielo pertenece al infinito
y la ternura carece de fronteras.

©Fernando Luis Pérez Poza

Posted in poesia | Leave a Comment »

A QUEM SE DIGNE LER A REALIDADE DA VIDA

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

      Num peito seco e sem leite, demasiadamente
      emagrecido, à falta de alimentos e de vitaminas,
      uma mãe, puxa para si, seu filho, para que este,
      num último esforço, consiga,
      de algum modo, um pouco, da seiva tão necessária.  

      Não tendo, o tão precioso leite, para lhe dar, a
      mulher, de tristeza nos olhos, vê seu menino,
      adormecer, boca nos seios sem vida, de
      onde escorre, um misto de aguadilha e espuma.

      
      Insectos invadem o corpo e o rosto da criança.
      Enquanto a mãe, com as costas de sua mão, os
      afasta, do sono do menino,
      embalando-o, com ternura comovente,
      em seus braços, pouco mais que pele e osso.

      
      Por toda a tribo, se vê esta desgraça sem fim,
      afronta das afrontas, para qualquer ser humano,
      sendo, que é de mães, que não mais podem
      alimentar seus filhos, vendo-os morrer, em seus
      braços, de quem se fala, nestes meus versos inermes.

      
      E, quando a morte, chama os pequenos seres,
      as mães batem na cara e rasgam suas roupas,
      por não se acharem merecedoras, desta vida,
      vendo seus filhinhos partirem, carne de sua carne.

      
      Seu choro, há muito lhes travou, no nó da garganta.
      Então gritam e suplicam, a alguém, que nunca virá.

      
      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A BELA E A FERA DENTRO DE NÓS

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

 Temos um anjo tão belo dentro de nós
      e, o mostramos quando somos carinhosos,
      quando nos amamos incondicionalmente,
      quando sabemos compartilhar,
      quando ousamos dizer
      como eu amo você…

      Temos um anjo tão lindo
      quando somos criancinhas
      e, mesmo crescidos
      nunca deixamos que a idade
      tire a nossa espontaneidade…

      Somos maravilhosos
      quando vencemos os desafios…
      Quando sorrimos confiantes
      da nossa missão estar cumprindo
      e, todo nosso ser está sorrindo…

      Somos feras irracionais
      quando nos deixamos levar
      pelo ódio quase mortal
      que envenena todo o nosso ser
      não o deixando querer
      exercendo somente o lado animal….
      Quando nos tornamos irracionais
      com a inveja devorando o nosso ser…
      Quando o egoismo cobre o seu coração…

      Mas o belo sempre vencerá
      porque é mais forte
      porque é mais consistente
      porque sobrevive galhardamente
      porque grita pela sua felicidade
      em seu tempo PRESENTE…

Penhah Castro

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTE DOCE SENTIMENTO

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

Falo de meu sentimento,
beijando teu ouvido,
e não duvido,
que será uma forte emoção,
mexendo com teu coração…
Saberás de meu sentimento,
acabando com esse teu lamento,
com essa dúvida tua,
pois é a verdade nua e crua…
E assim, sei que terei teu amor…

 
Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

NEM SEMPRE SE DIZ A VERDADE

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

Nem sempre se pode dizer uma verdade verdadeira, embora desde que somos crianças, algo que sempre procuram nos ensinar, é que nunca
devemos mentir, que só devemos falar a verdade, pois é muito feio mentir, mas por vezes, o que fazemos é omitir a verdade, o que não pode ser considerado mentira… Ou pode?
Até contam a história de um certo Pinoquio, cujo nariz crescia a cada
mentira contada. Tremenda mentira essa, pois se verdade fosse, qual seria o tamanho do nariz de nossos políticos?
Na verdade, o que mais vemos pela vida afora são pessoas que, para não dizer que mentem, dizemos elegantemente que não seguem estritamente a veracidade dos fatos, omitindo certos detalhes que podem ser inconvenientes se trazidos à luz da verdade. Em resumo, MENTIRAS.
Sempre estamos convivendo com distorções da chamada verdade.  Experimentem fazer uma tentativa, ou seja, ficar UM DIA, apenas um dia que seja, sem dizer uma única mentira, por menor que ela seja.  Mas sejam sinceros, não mintam…E confirmem se conseguiram…
Seja para justificar um pequeno atraso, quando dizemos que houve
congestionamento de transito, ou pneu furado, ou qualquer outra história que nos ocorra no momento, mas jamais diremos que perdemos a hora porque dormimos demais, que seria a verdade verdadeira.
Quando deixamos de fazer algo que nos pediram, nossa criatividade é
realmente posta à prova, pois não nos faltarão desculpas as mais
esfarrapadas possíveis. Mas dizer simplesmente: “Esqueci, desculpe-me…” não se diz. Ninguém gosta de admitir que cometeu o “crime do esquecimento”.
Se for pessoa de mais idade, o perigo é maior, pois poderá ser falsamente considerado esclerosado. O que será mais uma mentira.
Enfim não faltam “justificativas”, quando o mais honesto e correto seria admitir nossas falhas, porque afinal somos humanos, e como tal, sujeitos a erros, esquecimentos e mais uma porção de coisas que ninguém gosta de admitir.  Julgar que somos infalíveis, é a maior de todas as mentiras que nos dizemos…
Uma bela definição sobre verdade pode-se ver nesta citação de Khalil Gibran Khalil:
“A verdade de outra pessoa não está no que ela te revela, mas naquilo que não te pode revelar.”
Portanto, se quiseres compreendê-la, não escutes o que ela diz, mas antes, “capte” o que não diz.
É preciso mesmo saber ler nos olhos, ou na maneira de seu interlocutor
falar, para que se possa “ler” a verdade verdadeira. É preciso que saibamos “entender” onde está a verdade naquilo que estamos ouvindo.
Quantas vezes temos que “falsear uma verdade” para não ferir alguém.
Quantas vezes deveremos dizer uma mentira piedosa, e não uma verdade nua e crua.  Quantas vezes estamos diante de alguém que quer nos dizer alguma coisa, mas por circunstancias diversas não pode ou não quer dizer a realidade dos fatos.  Nessas ocasiões, temos duas alternativas, ou
“engolimos a pílula dourada”, usando a política do “me engana que eu gosto”, ou procuramos “ler” a verdade que nos está sendo escondida, mesmo que vá nos aborrecer…
Muitas vezes é mais gratificante “ler” a verdade, e deixarmos que pensem que estamos sendo iludidos.  Existem casos em que não é realmente bom que a verdade venha à tona.
Tenho certeza de que todos já vivemos situações análogas.
Fica então a pergunta que mais vezes as crianças nos fazem: “Mas se papai está em casa… por que mandou dizer que não está?” “Por que papai não quis falar com aquela moça que telefonou?” “Por que nos dizem tantas mentiras, e quando mentimos, nos castigam?”.
Em verdade (será que é mesmo?), sempre convivemos com mentiras, sejam pequenas, grandes, ou médias… Sempre será, pelo menos, um “falseamento da verdade”. E sempre procuramos passar a imagem de que não mentimos, os outros nos mentem, nós apenas omitimos uma realidade detestável…
Claro que existem certas “mentiras necessárias”, em situações  que a verdade apenas irá precipitar uma crise, ou piorar uma situação. Exemplo, um médico diante de um paciente terminal, cujo conjugue poderá não suportar saber que seus dias estão contados. Dizendo a tradicional “mentira piedosa”, ou seja “ele está estável e melhorando…”, poderá permitir que sua cabeça seja mais
bem trabalhada para suportar a inevitabilidade do fato.
Existem muitas situações análogas, quando não é aconselhável dizer-se a verdade… Essa pobre e tão reclamada verdade, sempre exigida nos outros, principalmente para as crianças, e que nem sempre empregamos.
Será que é de tanto ouvir os adultos mentirem, que as crianças gostam de mentir?
Sem poder dizer onde está a verdade, faço questão de, em verdade, desejar UM LINDO DIA.

Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

ALMA E CORPO

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

A maior indefinição da alma
 
Começa na colocação que fazemos dela
 
E equivocados achamos que o corpo é o dono
 
Quando a dona do corpo é ela
 
O corpo é nossa parte física visível
 
Morada provisória e perecível
 
Veículo indispensável  da alma
 
Criado e equipado especialmente
 
Para a trajetória presente
 
Daí fazer-se necessário
 
Muito carinho e atenção
 
Na hora da nossa condução
 
De máquina tão complexa
 
Quanto bela e especial
 
Agora eu alma condutora
 
Não menos complexa, porém imortal.
 
Tenho que agir sempre
 
Responsável e consciente
 
De minha natureza dual
 
Não posso avançar o “sinal”
 
Dirigindo em minha via
 
Lembrando que minha família
 
É imensa e também está transitando
 
Na mesma estrada no entanto
 
Quase ninguém usa e aplica
 
As leis que lhe identifica
 
Como um motorista legal
 
Eu sou alma e neste corpo vivo
 
O tempo necessário e preciso
 
Para aprender evoluir e crescer
 
Como humano que tem alma
 
Como alma prazerosa e calma
 
Que ama e curte a paisagem do viver
 
Com e apesar de tudo vivendo abundantemente!
 
(a fisiologia do corpo é matéria corrente,
 
a da alma  é inerente e vivemos aprender!)
 

 

Marilú Santana

Posted in poesia | Leave a Comment »

ALMA NÃO SE DEFINE

Posted by vidapura2 em Abril 14, 2009

Alma representa a vida,

e fica sempre a dúvida,

sobre sua definição,

que até causa comoção…

Devemos viver a vida,

enquanto a alma estiver viva,

em nosso corpo ativa…

Se ela partir,

nada restará a definir…

Vivamos a vida com emoção,

deixando esta definição

com um imenso ponto de interrogação
Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »