amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 7 de Agosto, 2009

TE AMO! TE AMO! TE AMO!

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Te amo com toda a fúria,

        em mistura com todos os meus sentimentos

        passando pelo centro de minha alma.

        Você tem o poder de rasgar meu peito, adentrar em mim,

        Colocar-se em minhas veias e embriagar-me com este sentimento que queima minhas entranhas e leva-me a conhecer as estrelas.

        

        Nos teus lábios sinto o néctar das frutas mais doces,

        na tua pele o aroma das flores,

        com tua voz o canto dos pássaros mais raros,

        Nossa… Estar com você é algo sem descrição!…

        Sentir teu sabor… este sabor que envolve tudo…

        que esta a meu redor

        Faz-me correr sempre ao encontro de teus braços,

        a procura de teus lábios, do sentir tua pele, junto a minha,

        Quando nossos corpos se unem em momento de êxtase maior

        vou do céu ao inferno em minutos.

        Quando estamos de mãos dadas sinto como se estivemos sozinhos em uma grande ilha e intocáveis vivemos a plenitude do amor.

        

        Estar com você me faz grande, me fortalece, da sentido as palavras, traz  para dentro de mim a vontade de gritar ao mundo te amo te amo ….

        Ah, você com sua maneira de ser cativou-me…

        Entrou, apropriou-se de meu coração, que bate por ti!…

        dos meus olhos que só vê você!…

        do meu paladar que só saboreia  você!…

        de minha audição que só ouve você!…

        de meu tato que só sente você!…

        Meu mundo é grande demais…

        Sabes o por quê amor?…

        Porque meu mundo é você!…

        Amo-te!…

        Paulo Nunes Junior

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Te Quero!…

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Te quero dominando minhas veias,

      Te quero pela manhã, no desjejum,

      a tarde no meu aconchego, a noite no meu prazer

      Quero tua pele com a minha, teu coração com o meu, meu sangue com o teu.

      

      Te quero hoje, amanhã e sempre,

      Quero partilhar contigo minhas aflições,

      Entregar-te meus segredos mais íntimos,

      Tornar-me teu anjo da guarda e você minha deusa.

      

      Quero um ninho onde possamos nos amar

      Intensamente, a cada segundo…

      Quero percorrer o universo e

      colocar em teus pés as jóias mais preciosas

      combinarão contigo, que és a mais rara de todas.

      

      O que sinto por ti é mais forte que o vento…

      Mais quente que o sol, maior que os oceanos…

      Sem teu cheiro não vivo, mais…

      Sem tua pele não existe mais sabor,

      Sem tua fala torno-me surdo para o mundo…

      

      Tu és minha visão,

      Meu alimento,

      Meu amor!

      Sem você não consigo mais viver…

paulo nunes junior

Posted in poesia | Leave a Comment »

As dez virgens

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Em certa parábola, Jesus compara o Reino dos Céus a Dez virgens.

 

Elas apanharam suas lâmpadas e saíram ao encontro do noivo.

 

Cinco delas eram descuidadas e cinco, prudentes.

 

As descuidadas não levaram azeite, mas apenas as lâmpadas.

 

Já as prudentes trataram de também levar azeite.

 

Como o noivo tardava para chegar, elas ficaram sonolentas e adormeceram.

 

À meia-noite, ouviu-se um grito:

 

Eis o noivo! Saiam todas ao seu encontro.

 

Então, elas se levantaram para preparar as lâmpadas.

 

As descuidadas pediram às prudentes que lhes dessem azeite, pois suas lâmpadas estavam apagando.

 

As prudentes responderam que não havia o bastante para todas.

 

Sugeriram que as outras fossem comprar o de que necessitavam.

 

Enquanto as descuidadas foram comprar o azeite, o noivo chegou.

 

As noivas prudentes entraram com ele para as bodas e a porta foi fechada.

 

Quando as outras virgens chegaram, clamaram para que a porta lhes fosse aberta.

 

O noivo se negou, dizendo que não as conhecia.

 

A recomendação final é que se vigie, pois não se sabe o dia e nem a hora.

 

Nessa parábola, as virgens simbolizam as criaturas que procuram se resguardar da corrupção do mundo.

 

As cinco descuidadas representam os que se preocupam apenas em se abster de equívocos.

 

Acham que viver de forma disciplinada e austera basta para assegurar seu lugar no Reino dos Céus.

 

Todavia, esquecem que a pureza deve ser complementada pela bondade.

 

Pureza sem bondade é como uma lamparina mal provida.

 

No meio da noite, ela não dá mais luz e deixa seus portadores mergulhados nas trevas.

 

Já as virgens prudentes retratam os que cuidam de amealhar as denominadas virtudes ativas.

 

Eles não se contentam em se abster desse ou daquele comportamento.

 

Também tratam de amar e amparar o semelhante.

 

O amor é combustível que se converte em luz e garante a iluminação de seus passos no caminho da realização espiritual.

 

A chegada do noivo representa a era de paz e alegria que se instalará na Terra em um futuro próximo.

 

A recusa das virgens em partilhar o azeite simboliza que as virtudes são intransferíveis.

 

Cada qual deve cultivá-las à custa de esforço pessoal.

 

Ritos religiosos não suprem a bondade que cada um deve construir em seu coração.

 

É preciso vigiar.

 

Ou seja, trabalhar firme no próprio aperfeiçoamento para merecer reencarnar na Terra na era de paz que se avizinha.

 

Caso contrário, as portas se fecharão e os incautos serão convidados a viver em mundos inferiores, onde aprenderão as lições de que necessitem.

 

Pense nisso.

 Momento Espírita,

Posted in AMIGOS | 1 Comment »

Aprenda a calar…

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Há muita necessidade de silêncio nos dias atuais…

 

As pessoas ansiosas por se fazer ouvir, falam cada vez mais alto, como se isso bastasse para que os outros as escutassem.

 

Em restaurantes, shoppings, filas, salas de espera, salões de beleza, aeroportos, se ouvem os falatórios. E, para aumentar o ruído, em alguns lugares tem um som ambiente mais alto ainda…

 

E, quando não se tem alguém para falar, o celular serve. A pessoa faz uma ligação e se esquece de que está dividindo o ambiente com outros indivíduos, que não estão interessados no seu assunto.

 

É impressionante como as pessoas falam muito, e falam alto…

 

Além de ser um grande desrespeito aos ouvidos alheios, essa gritaria torna impossível um diálogo entre pessoas de voz moderada, nesses ambientes comuns.

 

Mas não é só a falta de silêncio exterior que assola muitas pessoas hoje em dia. É também a falta de silêncio interior.

 

Poucos indivíduos ouvem a própria voz e analisam seus pensamentos antes de exteriorizá-los.

 

O hábito de meditar antes de expor uma opinião ou um julgamento, é muito pouco cultivado em nossa sociedade.

 

E isso tem sido motivo de desarmonia e intrigas, de mal-entendidos e hostilidades.

 

Saber calar, saber ouvir, ser senhor de suas palavras e de seus sentimentos é um desafio que merece ser pensado.

 

Talvez, foi por ter percebido essa necessidade em nosso meio, que um Espírito amigo nos trouxe a seguinte mensagem:

 

Aprenda a silenciar a palavra que sai gritada de seus lábios, ferindo a sensibilidade alheia e lhe deixando à mercê das companhias inferiores.

 

Aprenda a calar…

 

Aprenda a silenciar a palavra suave, mas cheia de ironia, que sai de sua boca ridicularizando, humilhando a quem se dirige e que lhe intoxica, provocando a dor de estômago, as náuseas ou a enxaqueca.

 

Aprenda a calar…

 

Aprenda a silenciar o murmúrio que sai entre dentes, destilando raiva e rancor e atingindo o alvo, que fere como punhal, ao tempo que lhe fragiliza a ponto de não se reconhecer, de se assustar consigo mesmo.

 

Aprenda a calar…

 

Aprenda a calar o pensamento cruel que lhe passa na mente e que, por invigilância, nele você se detém mais do que deveria. Você se assustaria se pudesse ver sua máscara espiritual distorcida.

 

Aprenda a calar…

 

Aprenda a calar o julgamento que extrapola o que vê e o que sabe, levando-o a conjeturar sobre o outro, o que não sabe e não viu, plasmando idéias infelizes que são aproveitadas pelos opositores daquele que é julgado.

 

Aprenda a calar…

 

Aprenda a calar todo e qualquer sentimento indigno, zelando pelas nascentes do seu coração, para que não macule e não seja maculado.

 

Aprenda a vigiar os sentimentos para que cada dia, mais atento e vigilante, saia da esfera mesquinha a que se aprisiona voluntariamente, e possa alçar vôos mais altos e sublimes.

 

Aprenda a calar…

 

E, enquanto não consegue deixar de gritar, falar, murmurar, pensar cruelmente e julgar, insista em orar nesses momentos. Nem que as frases lhe pareçam desconexas e vazias de sentimento.

 

Insista na oração até que, um dia, orará não com palavras nem pensamentos, mas será sentimento por inteiro, amor, amor puro e verdadeiro em ação, dinâmico, envolvendo os outros e a si mesmo, verdadeiro discípulo que conseguirá ser.

 

Ap Momento Espírita

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

A dor em nossas vidas

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Você já parou para pensar na razão da existência da dor, do sofrimento, em nossas vidas?

 

Talvez num daqueles momentos de extrema angústia, em que o coração parece apertar forte, você tenha pensado em Deus, na vida, e gritado intimamente: por quê?!

 

Os benfeitores espirituais vem nos esclarecer que a dor é uma lei de equilíbrio e educação.

 

Léon Denis, reconhecido escritor francês, em sua obra “O Problema do Ser, do Destino e da Dor”, esclarece que o gênio não é somente o resultado de trabalhos seculares; é também a apoteose, a coroação de sofrimento.

 

De Homero a Dante, a Camões, a Tasso, a Milton, todos os grandes homens, como eles, têm sofrido.

 

A dor fez-lhes vibrar a alma, inspirou-lhes a nobreza dos sentimentos, a intensidade da emoção que souberam traduzir com os acentos do gênio, e que os imortalizou.

 

É na dor que mais sobressaem os cânticos da alma.

 

Quando ela atinge as profundezas do ser, faz de lá saírem os gritos sinceros, os poderosos apelos que comovem e arrastam as multidões.

 

Dá-se o mesmo com todos os heróis, com todas as pessoas de grande caráter, com os corações generosos, com os espíritos mais eminentes. Sua elevação mede-se pela soma dos sofrimentos que passaram.

 

Ante a dor e a morte, a alma do herói e do mártir revela-se em sua beleza comovedora, em sua grandeza trágica que toca, às vezes, o sublime, e o inunda de uma luz inapagável.

 

A história do mundo não é outra coisa mais que a sagração do espírito pela dor. Sem ela, não pode haver virtude completa, nem glória imperecível.

 

Se, nas horas da provação, soubéssemos observar o trabalho interno, a ação misteriosa da dor em nós, em nosso “eu”, em nossa consciência, compreenderíamos melhor sua obra sublime de educação e aperfeiçoamento.

 

A dor é um dos meios de que Deus se utiliza para nos chamar a Si e, ao mesmo tempo, nos tornar mais rapidamente acessíveis à felicidade espiritual, única duradoura.

 

É, pois, realmente pelo amor que nos tem que Deus envia o sofrimento.

 

Fere-nos, corrige-nos como a mãe corrige o filho para educá-lo e melhorá-lo; trabalha incessantemente para tornar dóceis, para purificar e embelezar nossas almas, porque elas não podem ser completamente felizes, senão na medida correspondente às suas perfeições.

 

A todos aqueles que perguntam:

 

para que serve a dor? A sabedoria divina responde:

 

para polir a pedra, esculpir o mármore, fundir o vidro, martelar o ferro.

 

***

 

A dor física é, em geral, um aviso da natureza, que procura preservar-nos dos excessos. Sem ela, abusaríamos de nossos órgãos até o ponto de os destruirmos antes do tempo.

 

Quando um mal perigoso se vai insinuando em nós, que aconteceria se não lhes sentíssemos logo os efeitos desagradáveis? Ele nos invadiria cada vez mais, terminando por secar em nós as fontes de vida.

 

É assim que, em nosso mundo, para o nosso crescimento, a dor ainda se faz necessária.

Momento Espírita

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Poeira de estrelas

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Teus olhos duas estrelas,

      Que envolvem universos.

      Da noite, suaves sentinelas.

      Acolhem mundos submersos.

Maria Inês Simões

Posted in poesia | Leave a Comment »

Não acumule em seu coração

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Não acumule em seu coração
      desejos de vingança, detritos do mal.
      Jogue-os fora, relevando e esquecendo
      o que lhe fizeram de mal, em palavras, atos,
      maledicências , calúnias e injustiças.

      Esqueça!

      Uma única pessoa lucrará com o seu
      perdão; você mesmo, que libertará
      seu coração do peso da mágoa e do ódio.

      Seja inteligente:

      Perdoe e esqueça, para ter saúde e ser feliz.

C.Torres Pastorino

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

INTRÓITO…

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Luzes ardem no meu peito
          Quando ouço as batidas do coração
          Dissonantes que são
          Num elo invisível
          Todo.
          Impar!

          O incessante tornar-se
          Me lembra de ti…
          Do teu magnetismo sedutor…
          E que devo carregar em mim
          pela vida afora…
          Entro em extase….
          Me encho de ilusões
          Parto em vôo solitário
          Rumo às estrelas
          Que o tempo me presenteou

          A lua inteira em si inerte
          No fulgor que se entrega
          Alumiando as luzes
          Sempre e sempre.
          Eu e o som somos uma coisa só
          Nossas notas se confundem…
          Se dispersam no ar…
          Como estrelas cadentes

          Minha alma tingida de carmim
          Ante o rubor da vergonha do desejo
          Sente a fragilidade do momento
          Em mil cores que escondem o EU
          E todas as estranhas faíscas
          Que chegam a mim

          Se trasmuda
          Banhada de prata e sol
          Parte em busca de um outro sentido
          Que seja mais consistente
          Que meu desejo preemente
          E minha consciência  se veste
          Do verdor do desconhecido
          E parte….á tua procura !

Mavi Lamas

Posted in poesia | Leave a Comment »

O BAR DOS SENTIMENTOS

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Se a bebida afogasse,

toda mágoa e tristeza,

não havia quem encontrase,

nos bares lugar na mesa.

 

Não vai mais adiantar,

as mágoas de tão sabidas,

aprenderam a nadar,

não ligam mais pra bebidas.

 

Não podendo dar rasteira,

nem mais a dor afogar,

tomou-se, então, companheira,

da pinga em mesa de bar.

 

As doses se multiplicam,

não afogam o desencanto,

mágoas e tristezas ficam,

só a vida perde o encanto.

 

E de tanto se beber,

a mente é quem se embriaga,

sem conseguir esquecer,

o amor que não nos afaga.

 

Lá na mesa da Caatinga,

naquele bar do sertão,

quanto mais se bebe pinga,

mais aumenta a solidão.

 

Quando se perde o encanto,

e o cabra arqueja de dor,

só recupera o acalanto,

com uma dose de amor.

 

É por isso que se diz,

só se cura dor de amor,

com um novo amor feliz,

num novo jardim em flor.

 

É costume no sertão,

a cada dose de pinga,

o cabra cuspir no chão,

parece que a dor respinga.

 

O amor é uma goteira,

por onde o carinho pinga,

e se passa a vida inteira,

buscando esse restinga.

 

A primeira é pro santo,

que Deus põe no nosso encalço,

que enxuga o nosso pranto,

se nos assola o percalço.

 

Entrei no Bar da Esquina,

com aquela dor esquisita,

a dor que a alma confina,

e que deixa a mente aflita.

 

A dose pra aflição,

vem da cachaça ternura,

que pinga no coração,

uma gota de brandura.

 

A dose pro desespero,

vem da cachaça juizo,

que amaina o destempero,

e é da prudência o guizo.

 

A dose pro mal de amor,

vem da cachaça esperança,

o melhor desbloqueador,

da falta de confiança.

 

A dose pro pessimismo,

vem da cachaça auto-estima.

que alavanca o altruismo,

e em compreensão colima.

 

Aqui no meu Ceará,

quando a dor a alma broca,

é numa mesa de bar,

que a tristeza nos toca.

 

Nesse Bar dos Sentimentos,

se você diz que me ama,

eu esqueço os meus tormentos,

e encho o copo de rama.

Bernardino Matos

Posted in poesia | Leave a Comment »

PORTAS

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Se você abre uma porta, você pode ou não entrar
             em uma nova sala.
            Você pode não entrar e ficar observando a vida.
            Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra,
            dá um grande passo: nesta sala vive-se!
            Mas, também, tem um preço…

            São inúmeras outras portas que você descobre.
            Às vezes curte-se mil e uma.
            O grande segredo é saber quando e qual porta
            deve ser aberta.
            A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos.
            Os erros podem ser transformados em acertos
            quando com eles se aprende.

            Não existe a segurança do acerto eterno.
            A vida é generosa, a cada sala que se vive,
            descobre-se tantas outras portas.
            E a vida enriquece quem se arrisca
            a abrir novas portas.
            Ela privilegia quem descobre seus segredos
            e generosamente oferece afortunadas portas.

            Mas a vida também pode ser dura e severa.
            Se você não ultrapassar a porta,
            terá sempre a mesma porta pela frente.
            É a repetição perante a criação, é a monotonia
             monocromática perante a multiplicidade das cores,
            é a estagnação da vida…

            Para a vida, as portas não são obstáculos,
            mas diferentes passagens!”

            Içami Tiba

Posted in poesia | Leave a Comment »

SEMEADOR, LUCAS 8 – 4-15

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

São Lucas é o narrador,

desse sermão reluzente,

onde pra Cristo a Semente,

é a palavra do Senhor,

Ele é seu semeador,

que saiu a semear.

sua doutrina plantar,

nos mais diferentes solos,

e nos mais distantes polos,

regada pelo amor.

 

O solo é a alma da gente,

que precisa ser cuidada,

pela esperança irrigada,

para que brote a semente,

mesmo em solo resistente,

mas que se não for tratada,

com carinho adubada,

jamais vai frutificar,

simplesmente vai secar,

morre prematuramente.

 

Aquelas sementes lançadas,

à beira dos caminhos,

servirão aos passarinhos,

ou serão pisoteadas,

por pessoas desvairadas,

que se julgam importantes,

com idéias delirantes,

que desdenham da pobreza,

idolatram a riqueza,

de Deus vivem afastadas.

 

Se a semente for plantada,

no meio de um pedregulho,

onde haja muito entulho,

será, então, sufocada,

e sendo tão abafada,

jamais poderá crescer,

falta-lhe o enternecer,

são corações tão obscuros,

resistentes e tão duros,

que não bombeiam mais nada.

 

No meio das pedras morrem,

pois lhes falta humidade,

pra lhe dá vitalidade,

são os que na vida correm,

não se doam nem socorrerm

os que se sentem sozinhos,

perdidos pelos caminhos,

murcham, então, lentamente,

tocam a vida tristemente,

esses exemplos ocorrem.

 

As lançadas entre espinhos,

todas elas não brotaram,

as plantas que as sufocaram,

negaram-lhes os carinhos,

e assim nesses caminhos,

não conseguiram nascer,

não as deixaram crescer,

são pessoas invejosas,

por não serem talentosas,

que amargas jamais sonharam.

 

Se em terra boa cairem,

de tudo serão supridas,

e sendo bem acolhidas,

os frutos que produzirem,

e aqueles que consumirem,

serão sempre solidários,

e em seus itinerários,

serão fiéis servidores

do amor, da paz defensores,

felizes por existirem.

 

“Quem quiser ouvir que ouça”,

assim Jesus concluiu,

e logo dali partiu,

proteja-se nessa touça,

a fé não é uma louça,

que se guarda com cuidado,

pra não vir a ser quebrada,

ela é uma fortaleza,

construida na certeza,

e não uma estéril bouça.

 

Foi essa a simbologia,

que Jesus utilizou,

que o povo escutou,

que exige ousadia,

pra caminhar nessa via,

exige perseverança,

muita fé e esperança,

para a vida assumir,

dela jamais desistir.

 

Fiquei tão maravilhado,

com esse belo sermão,

que me vi na multidão,

ali num canto sentado,

naquela figura centrado,

senti-me na Galileia,

bem no meio da platéia,

e saí andando a esmo,

pois o homem é o mesmo,

ficou no tempo parado.

 

É graças à informática,

e à comunicação,

toda essa evolução,

não importa a temática,

nem qual seja a problemática,

com a mesma instantaneidade,

sofremos com a crueldade,

vibramos com  ciência,

xingamos a  violência,

evolução e estatica.

 

O homem está doente,

usa a tecnologia,

pra sufocar a magia,

obnubilar a mente,

tirar de dentro da gente,

o amor desinteressado,

o gesto humanizado,

o abraço fraternal,

de doação integral,

da verdade consciente.

 

Se Jesus, hoje, viesse

pra região nordestina,

e como na Palestina,

as mesmas curas fizesse,

iguais verdades dissesse,

veria o mesmo cenário,

teria o mesmo calvário,

a mesma decepção,

trocado por um ladrão,

como se culpa tivesse.

 

Aqui da lei os doutores,

exemplos de probidade,

defensores da verdade,

seriam os senadores,

e todos esses pastores,

que vendem lotes no céu,

e deixam perdidos ao léu,

essa multidão carente,

maltrapilha e indigente,

vítima de malfetores.

 

Se Deus, então, repetisse,

o que fez em Nazaré,

e encontrasse um José,

um carpinteiro de fé,

e uma Maria existisse,

que a tudo resistisse,

à  seca, à fome,à descrença,

abandono e indiferença,

e pudesse sublimar,

a coragem de amar,

talvez, então, conseguisse.

 

É esse o meu dilema,

um violento conflito,

em permanente atrito,

se a ciência é o tema,

crescer não é o problema,

mas se olho a consciênica,

e analiso a violência,

vejo o homem das cavernas,

com aspirações eternas,

com o mesmo estratagema.

Benardino Matos.

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

NADA PAGA!

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Nesta minha quase loucura,
        Levo-te sobre o orvalho!
        Com saudade dura, de ausência pura,
        Em meu imaginário!

        Lá a solto nos capins!
        Dançarinos enlaçando teu corpo…
        Coloco em teus cabelos alecrins,
        Ao canto de bichos soltos!

        Tu corres de pés no chão,
        Como se estivesses livre da gaiola…
        No céu um sol querendo chão,
        no horizonte indo embora…

        Nada paga o teu sorriso!
        Moeda qualquer deste mundo…
        Nada paga!
        Nem o brilho do teu olhar
        De lua ao fundo…

        Nada paga tantos risos!
        Distribuídos numa alegria sem fim…
        Nada paga!
        Entre os trigais revividos,
        Na revoada dos mandarins!

        Ainda dançamos e dançamos…
        Coroados de estrelas sentinelas!
        Por elas, apaixonados, voamos,
        Ao cosmo de noite bela !

        Nada paga os beijos que trocamos…
        O sussurrar de nossas almas ao vento!
        O amor que para sempre juramos,
        Que a adolescência trazia nesses tempos!

        Nosso sexo confirmado,
        Ao barro fresco daquele chão!
        Nada paga…
        Coberto por vagalumes, na escuridão!

        Nesta minha quase loucura,
        Chorei a ilusão que não me cabe!
        Falta-me tudo! Iludo-me!
        Realidade…

        Falta-me tudo!
        Sobra-me , sobre tudo…
        Saudade!

José Geraldo Martinez

Posted in poesia | Leave a Comment »

Poeira de Estrelas

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

      Em nossas vidas o brilho das estrelas

      que todos os dias nos alegra e conduz,

      em teus olhos, vejo através de janelas,

      tua alma, clareando verdadeira luz.

      Sol Lua©

Posted in poesia | Leave a Comment »

Minha menina felina

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Coisinha formosa
                                Tão lindinha
                                tão dengosa
                                minha flor mimosa

                                Minha namoradinha,
                                minha gatinha
                                com jeitinho de menina
                                em corpinho de mulher

                                Me faz seu homem
                                no seu corpo em leito
                                me faz menino
                                em seu colo aconchegante

                                É assim a minha gatinha
                                ronrona em meu colo
                                toda enroscadinha
                                a cata de carinho e dengo

                                No meu peito entrelaçada
                                de gatinha dengosa a fogosa pantera
                                que me leva a loucura…
                                Doce menina felina… A minha

                                Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mi niña felina

Posted by vidapura2 em Agosto 7, 2009

Cosita hermosa
                                Tan linda
                                tan traviesa
                                mi flor mimosa

                                Mi noviecita,
                                mi gatita
                                con modos de niña
                                en cuerpo de mujer

                                Hazme tu hombre
                                en tu cuerpo en lecho
                                hazme tu niño
                                en tu regazo acogedor

                                Es así mi gatita
                                ronrona en mi cuello
                                toda enrollada
                                a la caza de caricias

                                En mi pecho entrelazada
                                de gatita mimosa a fogosa pantera
                                que me lleva a la locura…
                                Dulce niña felina..La mía

                                Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »