amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 8 de Agosto, 2009

Pobre de espírito

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Em certa passagem do Evangelho, Jesus afirma:

 

“Bem-aventurados os pobres de espírito, pois deles é o reino dos céus”.

 

Esta afirmativa evangélica costuma ser mal compreendida.

 

Imagina-se que pobre de espírito é o simplório ou ignorante.

 

Assim, o melhor modo de garantir o céu seria permanecer na ignorância.

 

O desenvolvimento intelectual poderia trazer prejuízo para a redenção espiritual.

 

O candidato à felicidade futura faria bem em continuar tosco e iletrado.

 

Contudo, essa linha de raciocínio conflita com o conjunto dos ensinamentos do Cristo.

 

Muitas outras passagens elucidam a importância de colaborar na construção de um mundo melhor.

 

Quanto mais recursos um homem movimenta, mais apto ele se encontra para influenciar positivamente a sociedade.

 

O cristão deve ser o sal da Terra e a luz do Mundo.

 

Isso é impossível em estado de ignorância!

 

Para iluminar é necessário não estar nas trevas da falta de conhecimento.

 

A parábola dos talentos também evidencia a importância de utilizar e multiplicar os próprios tesouros na obra do Senhor.

 

Evidentemente, tais talentos não se cingem a recursos amoedados.

 

A inteligência, a palavra bem-posta e a educação são meios preciosos para influenciar positivamente a vida dos semelhantes.

 

Nenhum talento deve ser desperdiçado, pois todos representam bênçãos Divinas em favor da Humanidade.

 

O homem inteligente tem a missão de esclarecer e conduzir os irmãos de caminhada por veredas de paz e bem-estar.

 

Não é viável que um cego conduza o outro.

 

Conseqüentemente, a ignorância não constitui um estado ideal e meritório.

 

Toda ignorância deve ser esclarecida.

 

Toda inteligência precisa ser cultivada.

 

Desse modo, o termo “pobre de espírito” não se refere a alguém tosco ou iletrado.

 

No contexto dos ensinamentos evangélicos, “pobre de espírito” possui o sentido de pessoa humilde.

 

A humildade é apontada como condição para acesso às coisas superiores.

 

Essa conclusão encontra respaldo em outra passagem evangélica.

 

Nela, o Cristo afirma que certos mistérios são ocultos aos doutos, mas revelados aos simples.

 

Por vezes o saber mundano gera em seus possuidores uma idéia errônea de superioridade.

 

Encantados com seus recursos, imaginam que nada se lhes possa estar acima.

 

Vaidosamente, negam a existência da Divindade, que tudo lhes propicia.

 

Ocorre que o conhecimento humano é assaz limitado.

 

O Universo é demasiado amplo e magnífico para ser totalmente explicado pelo pouco que a Humanidade já logrou apreender.

 

Há preciosas lições a serem aprendidas, mas elas exigem humildade.

 

É preciso não se deslumbrar com as próprias conquistas intelectuais.

 

Agradecer por elas à fonte maior, mas lembrar que o Universo é infinito.

 

Jamais alimentar qualquer ilusão de superioridade.

 

Tenha sempre em mente que você pode estar errado.

 

E que os outros sempre podem lhe ensinar algo.

 

Essa postura lhe permitirá permanecer modesto, à medida que evolui e aprende.

 

A humildade lhe possibilitará agir com compaixão, pois o fará perceber o próximo como um igual.

 

Assim, você não apenas terá conhecimentos, mas será um genuíno sábio.

 

Inteligente e bondoso, será um fator de luz e paz na vida dos semelhantes.

 

Percebendo-se útil, você se sentirá em harmonia com o Universo, pois estará realizando a sua missão na Terra.

 

A paz daí advinda será o começo do céu na sua vida.

 

Pense nisso.
Momento Espírita.

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

A opção da simplicidade

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Muitas pessoas reclamam da correria de suas vidas.

 

Acham que têm compromissos demais e culpam a complexidade do mundo moderno.

 

Entretanto, inúmeras delas multiplicam suas tarefas sem real necessidade.

 

Viver com simplicidade é uma opção que se faz.

 

Muitas das coisas consideradas imprescindíveis à vida, na realidade, são supérfluas.

 

A rigor, enquanto buscam coisas, as criaturas se esquecem da vida em si.

 

Angustiadas por múltiplos compromissos, não refletem sobre sua realidade íntima.

 

Olvidam do que gostam, não pensam no que lhes traz paz, enquanto sufocam em buscas vãs.

 

De que adianta ganhar o mundo e perder-se a si próprio?

 

Se a criatura não tomar cuidado, ter e parecer podem tomar o lugar do ser.

 

Ninguém necessita trocar de carro constantemente, ter incontáveis sapatos, sair todo final de semana.

 

É possível reduzir a própria agitação, conter o consumismo e redescobrir a simplicidade.

 

O simples é aquele que não simula ser o que não é, que não dá demasiada importância a sua imagem, ao que os outros dizem ou pensam dele.

 

A pessoa simples não calcula os resultados de cada gesto, não tem artimanhas e nem segundas intenções.

 

Ela experiencia a alegria de ser, apenas.

 

Não se trata de levar uma vida inconsciente, mas de reencontrar a própria infância.

 

Mas uma infância como virtude, não como estágio da vida.

 

Uma infância que não se angustia com as dúvidas de quem ainda tem tudo por fazer e conhecer.

 

A simplicidade não ignora, apenas aprendeu a valorizar o essencial.

 

Os pequenos prazeres da vida, uma conversa interessante, olhar as estrelas, andar de mãos dadas, tomar sorvete…

 

Tudo isso compõe a simplicidade do existir.

 

Não é necessário ter muito dinheiro ou ser importante para ser feliz.

 

Mas é difícil ter felicidade sem tempo para fazer o que se gosta.

 

Não há nada de errado com o dinheiro ou o sucesso.

 

É bom e importante trabalhar, estudar e aperfeiçoar-se.

 

Progredir sempre é uma necessidade humana.

 

Mas isso não implica viver angustiado, enquanto se tenta dar cabo de infinitas atividades.

 

Se o preço do sucesso for ausência de paz, talvez ele não valha a pena.

 

As coisas sempre ficam para trás, mais cedo ou mais tarde.

 

Mas há tesouros imateriais que jamais se esgotam.

 

As amizades genuínas, um amor cultivado, a serenidade e a paz de espírito são alguns deles.

 

Preste atenção em como você gasta seu tempo.

 

Analise as coisas que valoriza e veja se muitas delas não são apenas um peso desnecessário em sua existência.

 

Experimente desapegar-se dos excessos.

 

Ao optar pela simplicidade, talvez redescubra a alegria de viver.

 

Pense nisso.
Momento Espírita.

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Tenra Paixão!…

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Do interior de minh’alma
voltei de minha fuga
nada consigo ser sem você,
quero que penetre não só em meus poros
mas entrego-te tudo de mim.
Vou apresentar-me perante vós no amanhecer
de cada dia viver a cada instante
os sabores dos segundos ao teu lado
farão sentir-me na eternidade.
Fugi certamente e
durante minha fuga
na tentativa de esquecê-la mais eu te amava
lágrimas meu coração esparramou,
 pelas estradas de meu desconsolo.
Mas, agora quero ser teu,
pois você é minha força, meu sentido de vida,
vem encoste em meu peito,
viaje comigo por entre o universo,
juntos a sentir o êxtase de amor maior,
supra minhas carências
Faz-me teu
único,
proteja-me e deixe ser por mim protegida
por mim…
Agora, enfim, tu és só minha e eu sou teu,
quero contigo viver esta tenra paixão.

Paulo Nunes Junior

Posted in poesia | Leave a Comment »

Vontade de Você….

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Ontem me fugistes como
 se te traido  houvera!!!
O desejo de ingressar por
 entre teus poros…
É insistente….
Ontem me aparecestes como
se marcado tivéssemos…
Gostei.. te insinuavas o amor…
 já tão inexistente,
Ausente tanto tempo…
Graciosamente eu me
 esquivava… querendo.
Já me falha a memória.
Mas nunca o gosto dos
sabores que de ti possuo.
Tua força, tuas necessidades…
minhas também. Teus
anseios me pertencem…
Instalar-me, ficar, permanecer.
Sentir os calores que de ti emanam…
e ali ficar plantada,  fincada,  a te esperar.
Encostar-te no meu ventre,
 sentir tuas mãos nos meus cabelos.
Voltar ao passado….
.puxando-me….
Extasiar-me com teu olhar,
  o brilho deles a me fitar,
pedindo-me, implorando-me….
ler e reler tuas
 queixas, teus ciúmes,
 tuas carências e sentir essa vontade
 impossível de querer
 voltar ao passado.

Ciducha

Posted in poesia | Leave a Comment »

Viver como se não houvesse amanhã

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

O destino de todos os seres vivos é a morte. Morrem flores, plantas, bichos, gente. Até mesmo as estrelas, que nascem em uma explosão de luz, chegam à finitude.

 

Morremos um pouco todos os dias. Cada anoitecer nos relembra que mais um dia se passou em nossa vida.

 

E isso nos deveria ser um alerta para os rumos que damos à existência.

 

Mas por que a morte nos assusta de tal forma?

 

O sábio se prepara para morrer. Mas para a maioria dos seres humanos, a simples menção da palavra “morte” é um trauma. Não falamos de morte, como se falar disso pudesse atraí-la.

 

No entanto, preparar-se para morrer é útil. Necessário mesmo. Não se trata de uma atitude mórbida, mas de naturalidade perante o ciclo que rege a vida.

 

Naturalidade? Sim, pois em nossa vida a morte é uma certeza. Podemos até não saber quando e onde ela virá, mas virá certamente.

 

Países, idiomas e crenças são diferentes. Mas, paradoxalmente, a grande certeza que nos une a todos é a de que um dia nosso corpo estará morto.

 

Por isso, vale a pena pensar de modo positivo na morte. Preparar-se para esse momento inevitável.

 

A psiquiatra suíça Elizabeth Kübler-Ross narra, em seus diversos livros, o sofrimento das pessoas que não se prepararam para morrer ou para dizer adeus aos parentes e amigos.

 

A médica – que se tornou famosa no Mundo inteiro por seus trabalhos junto a pacientes terminais – observou que a maioria das pessoas traz pendências, assuntos não-resolvidos e traumas que eclodem na hora da morte.

 

É que não costumamos refletir sobre a nossa própria morte. Sempre a imaginamos muito distante.

 

E, por isso, vamos adiando a resolução de pendências que poderiam ser solucionadas agora, com calma.

 

Portanto, vale a pena iniciar uma preparação. Quer uma fórmula simples?

 

Viva como se fosse o seu último dia. Faça o bem, seja amável e gentil.

 

Não deixe para amanhã as palavras de afeto, os gestos de amor. Diga à família o quanto você a ama. Deixe os papéis em ordem, os assuntos encaminhados.

 

Se há mágoas, esqueça, perdoe. Vire a página. Se há assuntos por resolver, esclareça, converse. Enfim, resolva.

 

Não deixe espaço para que um dia você lamente não ter falado na hora certa.

 

Viva a vida de forma simples e bela para que, ao encerrá-la, não haja muitos arrependimentos.

 

O músico Renato Russo tinha uma frase síntese para essa atitude: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”.

 

Afinal, amanhã a morte pode ter vindo, silenciosa, bater à sua porta, ou da pessoa amada. E até o reencontro, então, poderá ser uma longa espera.

 

Faça como o poeta Manuel Bandeira. Em um de seus mais inspirados poemas, “Consoada”, ele fala sobre o dia em que a morte chegará e vai encontrá-lo preparado.

 

“Quando a indesejada das gentes chegar,

 

Talvez eu tenha medo.

 

Talvez sorria, ou diga:

 

Alô, iniludível!

 

O meu dia foi bom, pode a noite descer.

 

(A noite com seus sortilégios).

 

Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,

 

A mesa posta, com cada coisa em seu lugar”.

 

Possamos, todos nós, aguardar a morte com a alma leve, a consciência em paz, um sorriso de dever cumprido pairando, suave, nos lábios pálidos.

 

Quando essa hora chegar, o seu dia – a sua vida – terão sido bons? Pense nisso!

Momento Espírita.

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTRELAS NÃO MORREM!…

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Quantas vezes deparamo-nos com estrelas…

      Destas que fazem nossos dias mais felizes.

      Estrelas amigas;

      Estrelas amigos;

      Estrelas companheiras;

      Estrelas mães;

      Estrelas paixão;

      Estrelas poetas, assim caminhamos entre a vida.

      Não são somente

      

      as estrelas que se põe ao céu que merecem valor.

      Quantas vezes estamos no final do túnel

      vem uma estrela e nos oferece as mãos?…

      Apesar que algumas pessoas,

      logo esquecem de tudo

      que a tal estrela lhe fez de bom…

      

      Mas ela continua estrela e o mais importante

      uma estrela perante Deus

      Ele, é o único, capaz de julgar seus filhos

      de lhes cobrar por erros,

      este Senhor dono de  todas as estrelas,

      espera que cada um de nós possamos pelo menos

       por um só dia sermos a estrela de alguém…

      

      Você já foi a estrela de alguém?…

      Se foi, estará você dentro desta constelação

      ao redor do rei do universo…?

      mas se não foi…

      Ainda há tempo para ser pense nisto!…

      

      Os poetas não acreditam na morte das estrelas…

      Eles se tornam sempre uma estrela referencial

      fazendo com que as pessoas chorem de emoção,

      ou

      ganhe um sorriso de um rosto marcado pela descrença…

      Está ai a figura de um poeta…

      levar amor para dentro do coração das pessoas,

      Poeta é assim…

      acredita sempre que estrelas não morrem.

      Podem, de repente, não serem vistas,

      mas, certamente, estarão lá quando precisarmos dela.

      

      Faço desta concepção meu estilo de vida,

      já conheci muitas estrelas,

      algumas se foram por um tempo,

      mas, sei que estão lá e,

      um dia sem dúvidas voltarão…

      Façamo-nos estrelas para nosso próximo,

      estrelas para nossa família,

      afinal…Somos filhos da luz!

      E tal qual as estrelas devemos irradiar luz,

      esperança e amor

      sempre aos corações…

      

      Paulo Nunes Junior

Posted in poesia | Leave a Comment »

AO SOL DO AMOR

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Brilhando por luz de Deus, ainda mesmo nas regiões em que a escuridade aparentemente domina, o amor regenera e aprimora sempre.

 

Podem surgir grandes malfeitores abalando a ordem pública, mas, enquanto existirem pais e mães responsáveis e devotados, o lar fulgirá no mundo, cooperando para que se dissolva a lama da delinquência na charrua do suor ou na fonte das lágrimas.

 

Podem surgir crianças-problemas e jovens transviados de todos os matizes, mas, enquanto existirem professores dignos do nome bendito que carregam, erguer-se-á a escola por santuário da educação.

 

Podem surgir doentes agoniados em todas as estâncias da vida, mas, enquanto existirem cientistas consagrados ao socorro dos semelhantes, levantar-se-á o hospital, como pouso da Bênção Divina para a redenção dos enfermos.

 

Podem surgir criminosos de todas as procedências, gerando reações populares pelos delitos em que estejam incursos, mas, enquanto existirem juízes compreensivos e humanos, destacar-se-á o instituto correcional por cidadela do bem, onde as vitimas da sombra retornem de novo à luz.

 

Podem surgir empreiteiros do ateísmo e do ódio, da intolerância e da guerra, como verdadeiros alienados mentais, mas, enquanto existirem sacerdotes e missionários da fé, com bastante abnegação para ajudar e perdoar, luzirá o templo, nas diversas confissões religiosas do mundo, como autêntica oficina de acrisolamento da alma.

 

É justificável, portanto, que a afeição não repouse, além da morte.

 

Para lá da fronteira de cinza, agiganta-se o trabalho para todos os corações acordados ao clarão do amor sem mácula.

 

Mães esquecidas na legenda do túmulo transformam-se em anjos invisíveis de renúncia, ao pé de filhos desmemoriados e ingratos, para que não resvalem de todo nas tenebrosidades do abismo ; esposas renascidas do nevoeiro carnal apóiam companheiros desorientados no infortúnio, para que se restaurem no tálamo doméstico ; filhos, desligados do corpo físico, tornam, despercebidos, à convivência dos pais, arrebatando-os às tentações do desânimo ou do suicídio, e arautos de idéias renovadoras sustentam-se, em espírito, ao lado daqueles que lhes continuam as obras.

 

Se te encontras, assim, em tarefas de sacrifício, não recalcitres contra os aguilhões que te acicatam as horas, consciente de que a matemática do destino não nos entrega problemas de que não estejamos necessitados.

 

Humilha-te e serve, desculpa e edifica, diante dos que se fazem complicados instrumentos de tua dor.

 

A prova antecipa o resgate, a luta anuncia a vitória e a dificuldade encerra a lição.

 

E embora se te situem as esperanças no agressivo espinheiro do sofrimento, ama os que te não compreendem e ora pelos que te injuriam, porque a Lei conhece o motivo pelo qual cada um deles te cruza os passos, e erguer-te-á o ânimo, aqui e além da Terra, para que prossigas no apostolado do amor, em perpetuidade sublime.

 

Tenham dias repletos de paz

Emmanuel

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Infinitamente juntos

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Meu amor segue a sua estrada…
                  Muitas vezes
                  terei que tomar uma encruzilhada
                  porque seguindo em linha reta
                  posso nos rochedos da dor
                  me estraçalhar …
                  Meu amor ora gritante
                  quer a todo instante
                  ouvir o eco constante
                  na intensidade do seu querer…
                  Meu amor ora risonho
                  moleque , brejeiro,
                  o toma por inteiro
                  deixando-o meio sem ar…
                  Meu amor timoneiro
                  guia seus sonhos por inteiro
                  nos mares ora revoltos
                  ora de uma tranquilidade
                  alucinante…
                  Mas meu coração grita sem parar
                  que quer amar,
                  tão somente amar,
                  como premio merecido
                  por ter na vida cumprido
                  a eterna e suave esperança
                  de no meio das turbulências
                  encontrar meu amor criança…

José Eduardo C. Trefiglio

Posted in poesia | Leave a Comment »

PARA SEMPRE COM O AMOR

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Infinitamente, a saudade me acompanha!
                  Ela que tende a fazer o meu
                  coração pulsar mais acelerado,
                  com mais vigor, mais lucidez, mais esperança…
                  Bate mais acelerado por saber que você,continua a me amar com mais intensidade.
                  Bate com mais vigor, o meu solitário coração,
                  por compreender que você, fruto que alimenta meu ser,
                  alimentam o meu mais puro e verdadeiro amor.
                  Com lucidez, pulsa o meu embriagado coração,
                  fortalecendo a realidade de nossa existência.
                  E, com mais esperança,
                  acelera o meu saudoso coração,
                  confiante de que, em breve,
                  estaremos todos juntinhos,
                  mais uma vez!

Penhah Castro

Posted in poesia | Leave a Comment »

VOU FALAR DE AMOR….

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

O meu amor é compartilhado…
      Invisto muito no meu capital de amor para ele render muitos dividendos , e na bolsa de valores da vida , poder compartilhar  as ações milionárias…
      Ele se reproduz infinitamente!
Penhah Castro

Posted in poesia | Leave a Comment »

MINHA ROSA NO DESERTO

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

– Nas areias tão quentes do deserto
      Tu és a rosa qu’enfeita a paisagem
      Entre as agruras da cruel estiagem
      Oásis tu és, sob o céu aberto.

      – Vinde, ó senhor, tu que andas tão perto,
      Brind’o meu corpo com tua passagem
      Rega-me o caule e dá-me a coragem
      D’ir adiante num tempo incerto

      – Ouve-me, ó rosa, o que agora’eu te digo
      Deixa-me ser a água nutriente
      Faz dos meus braços teu terno abrigo

      -Quisera, senhor, poder ir agora,
      Ter aos teus braços, alegre e contente
      Viver est’ amor que minh’alma implora.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | 2 Comments »

SOU SÓ ESTE QUE VEDES

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

Se hoje sou é porque ontem já fui.
      Duas linhas paralelas, no assimétrico
      do paralelepípedo de meus olhos.
      Demasiadamente descuidado,
      entre o rocio da manhã
      e o pôr-do-sol, para que haja quem
      ou simples resposta,
      que, por si só, venha a descobrir,
      afinal, quem sou eu,
      enquanto poeta e ao que me julgo.

      Poeta do povo, para alguns ou poeta
      maldito, para outros tantos
      (seja lá o que isso for), sou somente,
      aquele que não cala nem se vende,
      que não a um sorriso de uma criança.

      Actor de meus próprios vícios, posso
      adiantar, que, num mundo de comas
      e de overdoses, na utopia de
      alcançar as portas da percepção,
      nunca em mim, este meu coração se
      alterou nem quanto, pela ignorância,
      meu nome cuspiam na parede.

      Estátuas sem olhos ao sabor da chuva,
      dos que para trás, por estigma, olharam,
      nessa minha noite de rendição, lá
      continuam a vegetar enquanto eu nunca
      deixei de crescer, lendo livros atrás de
      livros e pela experiência, que a vida me
      deu, ser hoje este que vos escreve.
      e quem sou eu, enquanto poeta. sabeis? 

      Não tem dificuldade alguma, meu amor,
      eu sou apenas este, aquele que te ama e
      às pessoas de bem, fazendo da poesia,
      sua expressão de maior, levando-a aos outros,
      não esquecendo nunca o sangue nos braços,
      que quem se nega, depressa se esquece.

      Poeta que, como eu, tem vários cenários,
      pelo simples significado, de ser muitos,
      num só, como a um actor, seus múltiplos
      pensamentos levam-no a isso, porém,
      sempre chega a hora, do repouso do
      guerreiro e seu lado mais intimista de se
      dar, traz-lhe as palavras, secretamente
      guardadas, para ti. minha Nan.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Arte da sedução

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

A menina com seu ar de inocência
                                Inspira doces poesias
                                Poesias que versam fantasias
                                De um mundo cheio de pureza e magia

                                Da graça debutante da adolescente
                                Como uma flor no seu desabrochar
                                Cores e perfumes exuberantes
                                De menina a mulher sensual

                                Uma mulher menina, faceira
                                botão viçoso, cio em orvalho
                                perfumado, exalando desejo no ar
                                provocante… casulo de mel na flor

                                Mulher madura, de sensualidade segura
                                Com destreza empunha a sedução
                                Arte feminina no domínio da emoção
                                Sutil caçadora, do amor… devoradora

                                Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

El arte de la seducción

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

La niña con su aire de inocencia
                                Inspira dulces poesías
                                Poesías que versan fantasías
                                De un mundo lleno de pureza y magia

                                De la gracia debutante de la adolescente
                                Como una flor cuando se abre
                                Colores y perfumes exuberantes
                                De niña a mujer sensual

                                Una mujer-niña, encantadora
                                capullo cubierto por el rocío
                                perfumado, exalando deseo en el aire
                                provocante…casullo de miel en la flor

                                Mujer madura , de sensualidad segura
                                Con destreza empuña la seducción
                                Arte femenina en el dominio de la emoción
                                Sutil cazadora, del amor..devoradora

                                Joe`A

Posted in poesia | Leave a Comment »

A voz do pai

Posted by vidapura2 em Agosto 8, 2009

A gente não escolhe
O pai que tem
Somos escolhidos
As vezes, aceitos

Se eu pudesse escolher
Jamais arriscaria
Ficaria com ele mesmo
Uma pessoa maravilhosa

Tinha defeitos como todo ser humano
Discutiamos por qualquer assunto
Ele era São Paulino
E eu Santista

Quantas vezes, eu o magoei
E disse coisas que me arrependo
Mas ele nunca me abandonou
A sua voz ecoa forte dentro de mim

Apesar de tudo mesmo
Dos palavrões e dos gritos
Sempre foi paciente
Com o que eu fazia

Seja nos momentos
Bons ou maus
Lembro dele todos os dias
E sinto a sua falta

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »