amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 29 de Setembro, 2009

A flor da honestidade

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Conta-se que, por volta do ano 250 a.C., na China Antiga, um príncipe da região norte do país estava às vésperas de ser coroado imperador, mas, de acordo com a lei, ele deveria se casar.

 

Sabendo disso, ele resolveu fazer uma disputa entre as moças da corte ou quem quer que se achasse digna de sua proposta.

 

No dia seguinte, o príncipe anunciou que receberia, numa celebração especial, todas as pretendentes e lançaria um desafio.

 

Uma velha senhora, serva do palácio há muitos anos, ouvindo os comentários sobre os preparativos, sentiu uma leve tristeza, pois sabia que sua jovem filha nutria um sentimento de profundo amor pelo príncipe.

 

Ao chegar em casa e relatar o fato à jovem, espantou-se ao saber que ela pretendia ir à celebração, e indagou incrédula:

 

Minha filha, o que você fará lá? Estarão presentes todas as mais belas e ricas moças da corte. Tire esta idéia insensata da cabeça. Eu sei que você deve estar sofrendo, mas não torne o sofrimento uma loucura.

 

E a filha respondeu: Não, querida mãe, não estou sofrendo e muito menos louca. Eu sei que jamais poderei ser a escolhida, mas é minha oportunidade de ficar, ao menos alguns momentos, perto do príncipe. Isto já me torna feliz.

 

À noite, a jovem chegou ao palácio. Lá estavam, de fato, todas as mais belas moças, com as mais belas roupas, com as mais belas jóias e com as mais determinadas intenções.

 

Então, finalmente, o príncipe anunciou o desafio:

 

Darei a cada uma de vocês, uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor, será escolhida minha esposa e futura imperatriz da China.

 

A proposta do príncipe não fugiu às profundas tradições daquele povo, que valoriza muito a especialidade de cultivar algo, sejam costumes, amizades, relacionamentos etc…

 

O tempo passou e a doce jovem, como não tinha muita habilidade nas artes da jardinagem, cuidava com muita paciência e ternura da sua semente, pois sabia que se a beleza da flor surgisse, na mesma extensão do seu amor, ela não precisaria se preocupar com o resultado.

 

Passaram-se três meses e nada surgiu. A jovem tudo tentara, usara de todos os métodos que conhecia, mas nada havia nascido.

 

Dia após dia, ela percebia cada vez mais longe o seu sonho, mas cada vez mais profundo o seu amor.

 

Por fim, os seis meses haviam passado e nada havia brotado. Consciente do seu esforço e dedicação, a moça comunicou à sua mãe que, independente das circunstâncias, retornaria ao palácio, na data e hora combinadas, pois não pretendia nada além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.

 

Na hora marcada estava lá, com seu vaso vazio, bem como todas as outras pretendentes, cada uma com uma flor mais bela do que a outra, das mais variadas formas e cores.

 

Ela estava admirada, nunca havia presenciado tão bela cena.

 

Finalmente chega o momento esperado e o príncipe observa cada uma das pretendentes com muito cuidado e atenção. Após passar por todas, uma a uma, ele anuncia o resultado e indica a bela jovem como sua futura esposa.

 

As pessoas presentes tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu porque ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado. Então, calmamente o príncipe esclareceu:

 

Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma imperatriz:a flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei eram estéreis.

 

* * *

 

A honestidade é como uma flor tecida em fios de luz, que ilumina quem a  Momento Espírita

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Sempre Presente

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Estás aonde menos espero,
            nos meus dias ilumina
            meu amanhcer,
            em minhas idas e vindas
            ao passado
            faz-me ser,me faz viver!

            Cada pedacinho de nossa história
            guardada em segredos,
            velados e selados
            caminhos meus!
            Um dia devo
            olhar em volta e nada
            lembrar,quem sabe?
            mas nesse instante
            se faz aqui,creio tocar,
            acariciar,beijar…
            intacto estás…sempre presente!

Adilia Monteiro Aguiar Oya

Posted in poesia | Leave a Comment »

O PERSEGUIDOR

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

És meu perseguidor, meu inimigo;
Estás no meu encalço, sempre atento,
Quando me julgo só, estou contigo;
Não me deixas em paz um só momento.

Reagir a tua força não consigo,
Embora de ti fuja, não me ausento,
Enfim, és meu verdugo, meu castigo,
Minha preocupação, meu sofrimento.

E, como tua escrava,  tua presa,
Sob o jugo da tua tirania,
Sou instrumento vivo, com certeza.

Como podes dominar o meu destino?
– É isto que  imagino todo dia…
Dizer a minha imagem em desatino.

Ângela Maria Crespo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Paradoxo

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

      Lutamos bravamente para estar,
      Nesse lugar tão triste e tão vazio,
      Quanto é na alma, um gélido arrepio,
      Então nos dedicamos a lembrar…

      Daquilo que nos fez arrepiar,
      Pela emoção no coração vadio,
      E na alma que antes não sentia frio,
      Cheia de sonhos bons a acalentar.

      Que estranho paradoxo é esta vida!
      Onde a esperança nasce já perdida,
      E a gente crê que é como tem que ser…

      E tenta em vão, por fim, compreender…
      Que se cultiva tudo, em profusão,
      Para morrer, assim, na solidão…

Tere Penhabe

Posted in poesia | Leave a Comment »

Extremos dos corpos

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Hoje nossos corpos se externaram,
gotas rolaram o rosto até abaixo dos lábios,
o gosto ficou fora da boca,
como o beijo que não houve.

Entre nós apenas um longo silêncio,
a vela está no fim, o escuro ronda a sala,
te espero ansioso,
uma das mãos acaricia o rosto, é o sinal.

A noite pode ser plena de carinhos desejados,
uma imensa onda de alegria invade os sentidos,
o gosto do vinho sai da garganta,
acontece o beijo… agora, somos a noite.

Tempestades acontecem, uma após outra,
os corpos sentem e refletem como dois espelhos,
pelos atalhos, líquidos, de repente, relâmpagos,
os extremos se fundem em um longo gozo.

Caio Lucas

Posted in poesia | Leave a Comment »

Além dos infinitos

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

O que já vivi, o que vivo
      o que viverei deste amor, sei
      saltará as fronteiras da vida
      para as mãos do desconhecido

      Se eu for antes de você
      regarás minha alma com suas lágrimas
      sua dor defenderá com todas as forças
      nosso amor, dentro do seu peito

      Lutará até o dia da sua partida
      a libertando nos braços da minha alma
      no espaço onde não se conta tempo
      apenas etéreos sentimentos

      Em nossos fluidos envolvidos
      na essência do nosso eterno amor.

      Se antes você se for
      gravarei nas rochas eternas da terra

      Nossa história, com minhas lágrimas
      de sangue fundiste
      para que a eternidade dessa vida
      a conte para os quatro cantos deste mundo

      No dia da minha despedida de vida
      todos os sinos dobrarão
      para o nosso reencontro para o eterno
      alem da vida, além da luz, além de todas estrelas

      nas constelações de todas galáxias
      da imortalidade de nossa felicidade
      da invulnerabilidade ante o tudo e nada
      da indissocialibidade de todos nossos sentimentos
      Contidos além dos infinitos
      nosso infinito amor

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Más alla del infinito

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Lo que ya viví, lo que vivo
      lo que viviré de este amor, se
      saltará las fronteras de la vida
      hacia las manos de lo desconocido

      Si yo fuera antes que tú
      regarás mi alma con tus lágrimas
      tu dolor defenderá con todas las fuerzas
      nuestro amor, dentro de tu pecho

      Lucharás hasta el día de tu partida
      librandola en los brazos de mi alma
      en el espacio donde no se cuenta tiempo
      apenas etereos sentimientos

      En nuestros fluidos envueltos
      en la esencia de nuestro eterno amor.

      Si antes te fueras tú
      grabaré en las rocas eternas de la tierra

      Nuestra historia, con mis lágrimas
      de sangre hundiente
      para que la eternidad de esta vida
      lo cuente a los cuatro cantos de este mundo

      En el día de mi despedida de vida
      todas las campanas doblarán
      para nuestro reencuentro hacia lo eterno
      más allá de la vida, más allá de la luz, más allá de todas las estrellas

      en las constelaciones de todas las galaxias
      de la inmortalidad de nuestra felicidad
      de la invunerabilidad ante el todo y la nada
      da indisocialibidad de todos nuestros sentimientos
      Contenido más allá del infinito
      nuestro infinito amor

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

CAJITAS DE MÚSICA ….

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Las personas se asemejan
      siempre a una cajita de música.
      Algunas, tienen muchos adornos
      pero, por dentro, están vacías.
      Otras, no tienen adornos pero,
      por dentro, tienen todo un jardín
      o están llenas de gemas brillantes.
      Otras, cuando las abrimos,
      nos muestran su interior lleno de recovecos y muchas veces,
      nos perdemos entre sus laberintos.
      Luego, están aquellas cajitas que son transparentes, que las vemos,
      con sólo darles una mirada
      ya sabemos cómo van a actuar siempre.
      Y a mí se me ha ocurrido
      que las personas son cajas musicales
      que sólo las conocemos y amamos
      luego de oír la música de su interior.
      Porque esa música tiene algo de
      magia, algo muy hermoso,
      lleno de vida; algo de muy
      adentro de su alma.
      Y es lo que me ha pasado ahora.
      He sentido la música de tu Alma y,
      precisamente por ello,
      quisiera enviarte la música de mi ALMA
      en esta cajita que te regalo hoy.

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Soneto para minha tristeza

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Sou presa fácil da incredulidade,
                  Pelo que vejo escrito no destino,
                  Tal qual a travessura de um menino,
                  Que só sabe fazer barbaridade.

                  Se creio… o que resulta é ingenuidade,
                  E tudo que eu começo, não termino,
                  Acabo sendo um triste peregrino,
                  Constantemente em busca da verdade.

                  E a culpa fica indócil em minha mão,
                  A fustigar meus sonhos mais queridos,
                  Que seguem tropeçando, doloridos…

                  Da vida, quero agora, só perdão…
                  Pela tristeza insana em minha porta,
                  A me abater já que a ninguém conforta.

Tere Penhabe

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor e Fé

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

A Fé remove montanhas…
      Eu acredito na força do amor.
      Quem ama sempre será vitorioso.
      Quem tem fé, é filho do Criador.

      A convicção faz parte do acreditar.
      E defender por toda lei uma opinião.
      É ter princípios fundamentados no saber.
      De ser a razão, sem duvidar do coração.

      Sentir as coisas da vida…
      Com Fé, independente da situação.
      Mesmo que ao longe, não se enxergue.
      No impossível, no problema a resolução.

      Quando a energia se transforma em Fé.
      O pensamento se transporta no universo.
      E chega a Deus, o pedido sincero.
      Deixa de existir, o ruim e o perverso.

      Deus é bondade, é Amor…
      A Ele nos achegamos pela Fé.
      E assim conquistamos nosso lugar.
      Na Infinita Maneira de Amar.

      Sol Lua©

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor e Fé

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Acredito em tantas coisas na vida
      Como na força do amor, que sempre vencerá
      Como na moralidade da sociedade, que sempre evoluirá
      Acredito nos Homens, acredito na natureza

      São tantas coisas nas quais acredito
      umas com menos, outras com mais convicção
      também são tantas coisas para se duvidar
      tantas as situações e pessoas que não posso confiar

      Mas tem coisas que mais que acredito
      como minhas convicções e princípios
      Algo que não vejo, mas acredito
      acredito com tanta força, que é mais que um acredito

      Não vejo, não toco, mas sinto
      Nessas coisas eu tenho Fé
      A Fé, que é mais que acreditar é uma energia
      Força tão poderosa que nem o infinito é medida

      Como Ele falou, remove montanhas
      Ela é tão forte, tanto para o bem quanto para o mal
      Mas Ele também falou, a salvação está no Amor e na Fé
      Pois se nos sentimentos há Fé, o Amor realmente tem valor

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

GRÃOS DE AREIA

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

      Somos como pequenas ondas de areia,
      postas na mão vão-se por entre os dedos
      e em espuma se esfumam e voltam ao
      mar, com as dúvidas do costume.

      Crentes de um mar maior lançamos as
      embarcações nas intrépidas águas,
      e no interior de cada búzio, o espelho
      invertido, oblíquo de cada um de nós.

      Cavalos de espuma ultrapassam-nos e
      o azul profundo do mar são tenebrosas
      inquietações, medo do desconhecido
      que ainda não aprendemos a superar.

      Cobardemente medimos a distância,
      ansiando terra firme, pois o sonho é
      ténue e a centelha da vida perdeu-se
      na omnipotência de um deus cruel.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A VECES, EN UN MINUTO

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

A veces, en un minuto,
hay años escondidos,
insomnios que duermen hasta el amanecer,
rendijas abiertas de ternura
o legiones ciegas de espejismos
que hechizan la sístole y diástole del tiempo
y llenan la aorta de lunas desbocadas
y la revientan al decir sí.

Entonces el futuro sueña que existe
y una ola misteriosa de mercurio mágico
resume el aire y entona
el fado errante de la felicidad.

Y yo quisiera
detener ese minuto para siempre,
olvidar el leproso malecón de la vida
que prostituye el eco
y salvar a las sirenas que se ahogan
por no saber nadar al revés.

En mi memoria
aún se bañan desnudas las ninfas
y el cofre del tesoro
se nutre de mariposas que un pirata
dejó olvidadas en  la crin del éter.

Y cabalgo aferrado
a tus emociones y sentimientos
como un látigo de luz que estalla.

Y lavo el silencio
en vómito invisible
que sólo entiende
la soledad cuando te llama a gritos
aún sabiendo que tú no estás.

Aquí,
anclado en esta eterna madrugada,
encadenado a la verdad,
atrapado en una tuerca sin vuelta
que cada día aprieta más,
sé que un minuto,
a veces,
encierra años enteros
en una cárcel de hielo transparente
y los condena a cadena perpetua
si tú eres sólo un sueño
que olvidó despertar.

©Fernando Luis Pérez Poza

Posted in poesia | Leave a Comment »

Magia morena

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Você vai adorar
Quando as palavras dançarem
A última dança da primavera
E os espíritos cantarem
Voltando para casa
Pelas vielas escuras da cidade

Você vai adorar
Quando as moitas de espinhos
Atravessarem o caminho dos inocentes
Rasgando a pele dos arminhos
E a chuva cair sem cessar
Alagando os calçadões das avenidas

Você vai adorar
Quando eu não puder mais
E feito uma bruxa malvada
Pulará em cima da cama
Apenas de calcinha
Dizendo palavrões ancestrais

Você vai adorar
Quando os dentes cairem
E os olhos se esquecerem do céu
Enquanto as mãos fingirem
Não saber que o mal existe
E que nunca vai deixar este planeta

Você vai adorar
Quando os doentes não procurarem
Mais os médicos de branco
E que a cura se encontrará
Nos templos de diamante e ouro
Onde a fé se compra com montanhas de dinheiro

Você vai adorar
Quando as folhas verdes se abrirem ao sol
E secarem em desespero
Sem o conforto dos braços do sereno
Em pleno verão mediterrâneo
Suspirando perfumes do aquecimento global

Você vai adorar
Quando a música acabar
E o silêncio cravar nas pedras dos cemitérios
O doce nome das donzelas
Todo mundo espera uma vontade
Infantil desejo dos famintos pela realidade

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Não olho dos lados

Posted by vidapura2 em Setembro 29, 2009

Não olho dos lados
Caminho perdido
Em sonhos arrasados
Tenho um poema amargo
Debaixo da língua esfolada
E uma azia nervosa no estômago
As vezes cuspo
Palavras de amor
As vezes engulo
Esta degradação
Mas não paro de pensar nesta coisa
O paradigma ameaça
Não olho dos lados

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »