amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 8 de Abril, 2010

SOZINHA

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      No alvo murmúrio da manhã
      nem mesmo a estação se define,
      sol, chuva, frio, eu e meus
      ecos nítidos reforçando a minha
      vida solitária, sem alguém
      e sem ninguém…
      Sozinha…
      Faz tempo essa agonia,
       vem de longe
      minha história sem data,
      sem cor… ainda tudo está no lugar,
      tesouros perdidos noutro tempo…
      Sozinha…
      Há pó nos degraus… desenho…
      Quintal sem paisagem…
      Dezenas, centenas de folhas
      espalhadas… escrevo algo e,
       cansada deito-me sobre o pó…
      Silêncio inesgotável que se
      quebra com o ruido de
      antigas pétalas caindo lentamente…
      Eram amarelas…

Naidaterra

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

FIM DO ESPETÁCULO

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

O teatro está lotado de um vazio gelado,
no palco, somente nós dois…
Há tempos contracenamos o mesmo ato
cheios de desejos dentro de um tempo
marcado que não tarda em fechar
o véu que nos separa…
Nada sabemos,
somente trocamos momentos dementes
 que é tudo num instante e nada até o próximo ato…
Inexiste o percurso de se estar entre amantes
até que a fome de contracenar se abrasa…
Vem carente e caliente, cheio de paixão,
mas deixa o amor na curva de outra mente…
O que não o impede de inflamar, seduzir
e enganar outros corações…
Acabou o espetáculo..

Naidaterra

Posted in poesia | Leave a Comment »

ONDE ESTÁS AGORA…

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

                          Onde estás agora…
                          Estranhamente como chegou,
                          partiu deixando-me na dor.
                          Grito teu nome na esperança certa
                          de que vai me ouvir e assim voltar…
                          Quero desvairadamente beijar teus
                          lábios e matar meu desejo…
                          Me aquecer no teu calor e
                          abrandar o sofrer da minha alma…
                          Onde estás agora…
                          Vem que quero estar contigo,
                          te mostrar as marcas que
                          crivou com os teus olhos
                          meu corpo sedento de amor…
                          Volta para meus braços que sempre
                          foi teu refúgio e os teus meu porto seguro.
                          Onde estás agora…
                          Vem sentir como ainda te quero…
                          Só você pode me tirar deste inverno que
                          tua ausência deixou…
                          Meu grande amor, onde estás agora…
                          Meu coração chora,
                          quer a ternura do seu amor…
                          Por tudo e pelo meu viver…
                          Onde estás agora…

                        Naidaterra

Posted in poesia | Leave a Comment »

Onde está você?

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

                          Por onde anda o meu amor,
                          onde está você?
                          Sinto o frio da saudade
                          misturado ainda com o calor do seu corpo.
                          Te sinto perto, te acho longe ,
                          meus pensamentos já não se atinam.
                          Fecho os olhos,
                          sinto seus lábios me beijando,
                          suas mãos me tocando…
                          Abro os olhos,
                          sinto a saudade me machucando,
                          meu coração disparando
                          chamando por você .
                          Venha, por uma noite
                          por uma hora
                          ou por um minuto…
                          mas venha matar essa saudade
                          que sinto do nosso amor
                          do nosso carinho
                          da nossa ternura
                          Venha, encoste suas mão nas minhas
                          e diga suavemente,
                          estou aqui, voltei pra você .

  Faffi…

Posted in poesia | Leave a Comment »

ARGONAUTAS

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Acordo para mim como num sonho
      sou mar que vagueia onda após onda
      levando os veleiros a bom porto
      depois de temporadas ausentes de casa.

      Sou o alçapão que se abre para recolher
      as especiarias, o que à estranja se foi
      buscar, para levar à Realeza lindas
      bijutarias de ouro, prata e de bronze.

      Trago comigo os homens mais bravos
      e temerosos, que em terra já procuram
      a cerveja e as prostitutas mais caras
      tende eles os bolsos cheios de moedas.

      Serei eu os meses passados em solo firme
      gastando o que amealhei em mais uma
      aventura a outras terras, outros povos
      novas civilizações, longe da pátria mãe.

      Até que de novo me farei ao mar que
      vagueia, onda após onda, atravessando
      oceanos e mares nunca antes navegados
      levando comigo o brasão do nosso Rei.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

MINHA POESIA VAI DE RUA EM RUA

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Minha poesia é a voz dos que
      não têm grito
      que vive aflito
      com as contradições do dia-a-dia.

      Minha poesia anda por ruas e
      ruelas
      à espera delas
      as prostitutas do templo sagrado.

      Minha poesia é feita de sangue
      e de nervos
      caminho de trevos
      que vai daqui para acolá.

      Minha poesia é dos anarquistas
      e dos pobres
      que com gestos nobres
      validam minha letra.

      Minha poesia assim liberta
      vive
      e revive
      a palavra: a luta continua.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

BUCÓLICA MONTANHA

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

Junto à montanha o mar
chicoteia as pedras
e assim revolto se desfaz
em espuma violenta.

No cimo da montanha
as árvores multiplicam-se
por entre plantas
silvestres e arvoredo.

Passeio alegremente
espreitando o precipício
vendo os nardos
enfeitarem a montanha.

Avencas e jasmim
sândalos e malmequeres
proliferam no cimo
do pico íngreme.

O mar está agitado
pode-se ouvir sua fúria
no cimo da montanha
sagrada.

Mais á frente há uma planície
e os cavalos
trotam enquanto pastam
comendo erva.

Nesta cena bucólica
encosto-me a um pinheiro
lendo o livro da vida
e assim adormeço.

Como é bom ter algo para
fazer e não o fazer
apenas contemplando
a natureza.

E o sol bate-me nos olhos
de tons vermelhos e amarelos
fazendo com que sonhe
com o arco-íris lá fora.

Acordo e o arco-íris
cai na montanha vindo
de lá do mar
trazendo suas fragrâncias.

O mar continua revolto
enquanto eu regresso
ao meu caminho
que me trouxe até aqui.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

ORAÇÃO DE AMOR

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Peço-te Deus, que não esqueçamos do quanto é bom
      caminharmos juntos. Se eu sucumbir, entristeço você.
      Mas nesta Oração em feitio de bate-papo, já que
      falei de nós dois, quero falar dela também.
      Meu mundo e o dela, o mundo de nós dois:
      você como testemunha, observador, julgador e,
      acima de tudo, provedor.
      Queira você, meu amado Deus, perdoar nossas falhas,
      desistências e, às vezes, a fuga empreendida de nós mesmo.
      Mas fugindo do alongamento em respeito ao seu tempo,
      em tantas vezes perdido em falsas juras e lamentos, exponho
      com brevidade e solicito providências: ela é minha vida e o meu sonho, minha alegria… Sei que eu e ela não vamos fugir,
      não vamos sair da existência do outro.
      Mas sei também que nem tudo depende de nós,
      a vida manda muito mais;
      essa vida atende outros pedidos em usando
      o livre arbítrio concedido por você.
      Sei ainda, que nem sempre essa vida, que no fundo,
      é comandada por todos, é mansa e suave,
      pacífica com a gente. Até inexistindo má intenção,
      podem tirá-la de mim. Mas até que separem nossos corpos,
      mas que jamais separem nossas almas,
      onde está nossa verdadeira vida.
       E por derradeiro, meu Deus,
      que jamais nos esqueçamos um do outro: eu dela,
      eu de você e você da gente.
      Peço deferimento, só isso!
      Até…

      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

Poeminha do Amor Simples

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      em nosso mundo,
      nesse mundo de nós dois,
      quero você
      em seu vestido bem longo,
      em seu vestido curtinho,
      de calcinha de pano barato
      ou nua em pelo, bem nua.

      você meu doce encanto,
      quem mata minha sede
      e sacia minha fome,
      deixa saudade se vai à esquina,
      quero-te bem próxima e distante,
      junto de mim
      e distante na minha distância.

      alegrando nosso caminho
      em devoção ao amor,
      tua ternura e encanto
      faz de mim um sonhador.
      quero-te como és, sem artifícios,
      com a tua bermuda surrada
      ou aquele vestido de chita

      quero te ver sempre alegre,
      maneirinha na escrita
      fazendo Poemas de Amor
      rimando canção com mamão,
      escrevendo gato com jota, e
      Aribú, assim como dizes

      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

PRIMAVERA DOS NAMORADOS

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Sem namoro a vida não anda,
      não fica e nem vai.
      Namoro é paz, ternura, encanto,
      mesmo com a guerra lá fora.
      Desalento jamais!

      Namorar é tesão em olhar,
      tocar, tocar…
      A sinfonia do convívio.
      Namoro é o bem,
      no ato de doar se recebe, sempre além…
      Namora bem quem soma sem pesar,
      flutuar, chegar dentro da magia da vida!
      Inspirar, cativar, cuidar…
      Desejo ardente que o bem premie o amor,
      em premiando o ser amado,
      Quem ama não machuca,
      nem de brincadeira,
      porque brincar é amar;
      toque ali, lá, tocando, encantando,
      fundir-se na beleza da viagem…
      É ir ao Céu,
      permanecendo feliz onde está. 

      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

“R E C O M E Ç A R”

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Tudo assim tão de repente,
      a alma caída, a paz terminou.
      Só ficou a tristeza, na voragem do abismo.
      Perdi, você perdeu…
      Como eram lindos nossos valores simples!
      Do amor, restou uma vida fria,
      sem alma, somente solidão.
      Nas mãos um vazio,
      nos lábios um gosto de nada…
      Restou às flores, único valor;
      e nelas, esperança de chegar,
      recomeçar…
      Reviver um no outro.

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

MULHER…

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

      Pra mim, o “Dia Internacional da Mulher”
      Foi convencionado a partir de tua imagem,
      Pois és amostra de alguém que sempre quer,
      Um exemplo feminino de coragem!

      Foi de ti, mulher, que ganhei nova vida.
      Tiraste-me a tempo do despenhadeiro,
      Trouxeste o bálsamo pra minha ferida;
      Contigo, conheci o amor verdadeiro.

      Abraçaste comigo as causas perdidas,
      Soubeste dar a meu desespero a calma,
      Deste-me o sorriso de mãos estendidas;
      Depois, foi a vez de teu corpo e de tua alma.

      Mulher!… Ganhaste-me pela lucidez…
      Enorme, nas dimensões de tua bondade.
      Cuida, pois, de meu coração de uma vez,
      Não me deixes fugir a felicidade!

      Só pode ser das Alturas este enredo,
      Somente Deus nos escreveria tão lindo…
      Uma peça de amor envolto em segredo
      E que tem na plateia anjos aplaudindo.

      Ógui Lourenço Mauri

Posted in poesia | Leave a Comment »

De quem é a culpa?

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

O que sangra não é o machado,
Mas, a mão que o empunha.
O que magoa um coração…
Não é o amor… mas,  quem o habita.
No pranto…
Não se pode culpar o olhar,
Mas, sim, os ferimentos que estão na alma!
A culpa da falta de razão,
É a incompreensão!
E vai ficando todo o
Sentimento jogado no chão…
Sem explicação, sem razão!
Tornando o que era bonito
Um espectro de felicidade!
Culpas? – Quantos terão?
Vai assim… O mundo em vertiginosa
E absurda contramão!
Destruindo amores!
Tudo o que era bom!
E uma voz dolorida ecoa na noite…
Ninguém se abala, ninguém socorre!
Era só…. Mais um grito na noite…
Mais um imbecil… que amou em vão!…

Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

NÃO SE MORRE DUAS VEZES!

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

                  Ah! se fosse descrever em versos, o meu valor,
                  a minha luta honesta pela sobrevivência,
                  neste mundo cão onde se depara com o desamor
                  em cada esquina , a procura de conveniência
                  Seria possível, até, conhecerem -me no real
                  
                  
                  Ah!  se fosse descrever em versos sobre, a minha soberania,
                  a minha fortaleza, os meus sonhos e as minhas fantasias,
                  não se atreveriam  tentar descobrir os meus segredos ,
                  a minha mágoa e a minha paixão
                  Saberiam que não deixo entrar intrusos neste meu reino ,
                  onde impera o respeito, a ética e a discrição
                  

                  Falo em morte, mas vivo a vida
                  Falo em desprezo, mas esnobo amores
                  Falo em ausência , mas estou farta
                  Difícil entendimento?
                  
                  
                  Se hoje morri, amanhã será outro dia
                  Nele a morte não mais existirá, porquê:
                  -Não se morre duas vezes !
  Olga Kapatti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quem Diria?…

Posted by vidapura2 em Abril 8, 2010

Onde estão as suas flores?…
As flores que juntos buscamos?
Nossas gargalhadas inocentes…
Os sonhos que juntos idealizamos?

O que aconteceu com o seu coração?
Éramos tão unidos… tão parecidos…
Hoje, não o reconheço, não o encontro…
Esquecidos estão os caminhos percorridos..

Calo a palavra adeus… deixo no ar a dor…
Para que dizer do que feriu, se de nada valeu?
Se as misérias do mundo atingiram seu coração,
Batendo forte em quem a mão lhe estendeu…

Será impossível esquecer nossa infância…
Os passeios, o cinema, o doce da padaria…
Mas, o tempo impiedoso… leva tudo embora,
Ele hoje está nos separando… – Quem diria?

No céu… uma estrela deixou de brilhar…
No coração ferido, um pedacinho irá faltar,
Mas a vida tem dessas coisas, entendo…
Agora somos adultos. Não podemos brincar!
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »