amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 13 de Abril, 2010

Tu gusto…

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

¡Tu gusto, ah… ese gusto todo tuyo!
Que delícia, hum… que sabor…
Gusto de quiero más y más!…
¡Qué calor… ahí… que ardor!…

La piel hierve, quema, escalofría…
Ah… boca caliente, lengua suave…
Manos de pluma, escurridizas…
Mi cabeza gira y vuela como un ave…

Tu olor me llama, el susurro
Me encanta y domina, me coqueteas…
Atraes, agarras, mimas, me abrazas…
¡Muchacho loco, como traveseas!

Mi cuerpo se ablanda con tus caricias,
Se ondea, se requiebra, al amor se entrega…
Lleno de mimo, repleto de ays y malicias…
Disfrutar tu apego, es sólo lo que me sobra…

Pasión aumentando, la temperatura
Subiendo, que locura es tu caricia….
Ya ni sé que hacer… la llama se prendió!
Llama al bombero, llama a la policía!…
Mary Trujillo

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Seu gosto…

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

Seu gosto, ah… esse gosto seu!
Que delícia, hum… que gosto…
Gosto de quero mais e mais!…
Que calor… aí… que sufoco!…

A pele ferve, queima, arrepia…
Ah… boca quente, língua macia…
Mãos de pluma, escorregadias…
Minha cabeça gira, gira, varia…

Seu cheiro me chama, o sussurro
Encanta, domina e me põe tonta…
Convida, agarra, acalanta, abrasa…
Moço maluco, como você apronta!

Meu corpo amolece com seus afagos,
Ondeia, requebra, ao amor se entrega…
Cheio de dengo, repleto de ais e malícia…
Curtir o chamego, é tudo o que me resta…

Paixão aumentando, a temperatura
Subindo, que loucura é sua carícia….
Já nem sei o que fazer… pegou fogo!
Chama o bombeiro, chama a polícia!…
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Espelho meu

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

                        Não sou quem o espelho

                        Teima em dizer que sou

                        Um rosto triste

                        Que não reflete

                        Nem traduz

                        Nada do que em mim hoje existe

                        Já fui assim

                        É verdade

                        Mas esse tempo passou

                        Só o espelho não se atualizou

                        Continua a refletir

                        Imagens de um tempo que virou saudade

                        Foi preciso olhar pra ti

                        Ver-me refletido no espelho do teu olhar

                        Para sentir que tudo em mim se modificou:

                        Sufoquei a tristeza que me asfixiava

                        Bani a solidão que me atormentava

                        Redescobri em ti o amor!

                        Diante do mesmo espelho

                        Que ainda é meu

                        Eis-me a revelar uma verdade:

                        Tendo quem tenho agora ao meu lado

                        Reencontrei a vida e a felicidade

                        “Não existe ninguém mais feliz do que eu!”

                                   Walter Pereira Pimentel

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sempre Serei…

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      teu porto, conforto

      as ondas que te embala

      a maresia

      que te cobre de poesia…

      Sempre serei…

      teu céu abrindo estrelas

      teu lençol e fronhas

      desbravando, abrindo

      as portas dos teus sonhos…

      Sempre serei…

      teu sorriso sem lágrimas

      teus campos de girassóis

      todas as estações

      acordando sempre primaveras…

      “Sempre tua serei…

      Mas se és meu… não sei! ”
Maria Thereza Neves

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sempre Serei…

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Aquela que te afaga

      E que teu desejo apaga.

      Aquela que te vela o sono,

      Quando pareces ao abandono…

      

      Sempre serei…

      

      Teu esteio, teu vício, teu porto,

      Aquela onde encontras teu conforto,

      Onde ancoras teu batel

      Depois de singrares ao léu…

      

      Sempre serei…

      

      Aquela que te tira do tédio,

      A que tem o beijo como remédio,

      A que é teu chão, tua pátria, teu lar,

      A mulher que nasceu pra te amar…

      

      Sempre tua serei…

      Mas se és meu… não sei!
Marise Ribeiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

SE EU FOSSE UMA ROSEIRA

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

          Senti que entre nós rolou um clima
            No exato instante que nos conhecemos,
            O teu olhar de água cristalina,
            Respingou sobre mim doce veneno!

            Cheguei a relembrar versos de outrora,
            Quando um dia em homenagem ao Cartola
            Eu disse que se eu fosse uma roseira
            Daria a ele todos meus botões!

            Mas confesso, fiz versos empolgados,
            Dedicados a um líder do passado
            Sem dúvida, um grande compositor,
            O qual até hoje represento,
            Afinal foi esse o meu intento,
            Reconhecer quem realmente tem valor.

            Hoje, porém, meu versejar é diferente;
            Se eu fosse uma roseira realmente,
            Meus botões, eu lhe daria com amor!

            Amor pelo seu jeito inefável,
            Por esse seu sorriso adorável,
            Pela emoção que há tempos não sentia!
            Por essa deliciosa fantasia
            Presa num tempo que é
            Presente do passado. 

  Irani Gennaro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Versejar…

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Versejar é o resumo da minha vida,
      É uma colcha de retalhos sem fim.
      É o lenitivo, o bálsamo para cada ferida.
      Tristezas e espinhos que arranco de mim.

      Versejar é viajar pelos mundos invisíveis,
      Desvendar mistério que sozinha não posso,
      É vivenciar amores lindos e impossíveis…
      Sentindo a dor e a felicidade até os ossos.

      Versejar é voar, ultrapassar limites…
      É enxugar lágrimas, colorir sonhos.
      É tornar real o que a vida não admite…
      Colocando sorrisos em rostos tristonhos.

      Versejar é um mister de agonia e euforia,
      Uma oração fervorosa à deusa poesia…
      É o etéreo desfilando… vestindo alegoria…
      Sedimentando o amor a cada dia!…

      Versejar é volitar rumo ao horizonte…
      Alcançar a lua, mil estrelas beijar!…
      Transpor rios, lagos, saltar de uma ponte,
      Fazer amor com as belas ondas do mar!

      Versejar é, enfim, amar perdidamente…
      Distribuir afeto incondicionalmente…
      Ser altruísta e na bondade persistente,
      Entregar-se às aspirações plenamente.

      Versejar é inspiração que toma
      O corpo, a alma, o coração, a mente,
      É do poeta, a febre, o mais doce sintoma…
      A poesia que chega formosa e fremente!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Pra não dizer que não falei das flores

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Pertenci a uma juventude idealista que lutava
      pela democracia, por um mundo melhor,
      mais justo, mais humano.
      Hoje vejo, estarrecida, o sonho da democracia
      ser manchado por interesses vãos,
      pela corrupção, pela impunidade!
      A violência impera nas ruas,
      no trânsito, nas escolas, nos lares!
      A vida está se tornando cada vez mais áspera,
      o individualismo e a intolerância caminham pari passu,
      o egoísmo e a falta de solidariedade aumentam a cada dia.
      As pessoas falam demais, escutam de menos
      e o diálogo é prejudicado pelo ‘eu’ exacerbado…
      Nestes tempos apressados, os valores fundamentais
      da existência humana ficaram relegados a
      segundo plano, os valores materiais
      sobrepujaram os morais e o amor, em seu
      sentido cristão, foi substituído pelo ‘amor’
      egoísta e interesseiro.
      Essa falta de amor e solidariedade é
      geradora da violência que prolifera a cada dia
      feito um tsunami incontrolável!
      Nos últimos dias, a mídia está noticiando
      incessantemente o julgamento dos Nardoni
      sobre o assassinato da menina Isabella.
      Mais um triste episódio resultante
      do desamor, da intolerância!
      Pobre criança indefesa, cuja vida foi
      precocemente ceifada pela maldade
      do ser humano!
      Quantas Isabellas precisarão ser
      jogadas das janelas, para que o homem
      aprenda a amar incondicionalmente,
      aquele amor ao próximo que Jesus nos ensinou
      e o homem, teimoso, ainda não aprendeu!
      Pra não dizer que não falei das flores,
      hoje vou orar especialmente por essa pobre criança
      e pedir a Deus que a Justiça seja feita
      para que ela descanse em paz!
      Isabella, daqui da terra estou
      lhe enviando as mais belas e perfumadas flores!
      Você é um anjinho em forma
      de estrelinha que brilha lá no céu!
      Que Deus a abençoe, querida menina!

Esther Ribeiro Gomes

Posted in poesia | Leave a Comment »

NUMA TARDE COMO ESTA

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

            Numa tarde como esta
            avencas e sândalos
            vestem meus olhos
            de tua lembrança.

            Sou hera que cresce
            nos teus cabelos
            novelos de lã
            norteando o vento.

            Numa tarde como esta
            sou lábios da própria
            cor do carmim
            ansiando o teu beijo.

            Teus olhos da cor do mel
            me enfeitiçam
            e fazem de mim o
            eterno enamorado.

            Numa tarde como esta
            sou a tua silhueta
            subindo a rua
            levando a direcção de casa.

            Tua tez branco alvo
            dizem de tua presença
            por detrás da porta
            silente e fechada.

            Numa tarde como esta
            deixas-me entrar
            e somos dois em um
            um só espaço no ar.

            Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

É ANTES DO GRITO QUE VEM A VOZ

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

     É antes do grito que vem a voz
      esperada desde sempre pelos
      povos oprimidos e reduzidos a
      pouco mais que nada e à miséria.

      A palavra assim cuspida na parede
      da desgraça, desmorona o muro
      que se ergue forte e imponente
      ante a plebe moribunda.

      Derrubado o muro a palavra surge
      hierática, desenvolvendo
      mecanismos de defesa contra
      a nova Inquisição instalada.

      O povo sai à rua, de cabeça erguida
      e de punho cerrado, contra todas
      as ofensas dos demagogos e dos
      déspotas, fantasmas hereditários.

      A luta é brava e sem tréguas mas o
      povo não desiste de lutar pelo que
      julgam seu de direito, depois de
      anos e anos de exploração patriarcal.

      Soltam-se os poetas de suas imundas
      masmorras e serão eles que irão dar
      novo sentido à vida, à palavra
      «liberdade», liberta das garras dos impunes.

      O povo cadavérico pelo sofrimento
      atroz, abraça-se aos poetas e numa roda
      de fogo, sacodem o medo com um
      simples gesto de ombros.

      Já nada nem ninguém pára as gentes
      eufóricas, agora que recuperaram
      sua voz, que vai entre o silêncio e a
      boca, antes amordaçada pelos tiranos.

      Dêem-nos o pleno direito de viver
      um pé de terra para cada um trabalhar…
      Alimentado o povo que escorraça a ralé
      para os confins esmagadores da cidade.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

IMAGINÁRIO MUNDO

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

                No meu imaginário mundo tudo posso,

                  Nele realizo meus mais secretos sonhos.

                  Na aurora que se inicia,

                  A brisa suave, o canto que acalma,

                  Invadi minh’alma repleta de esperanças.

                  Nutri meus sonhos, alegrando minha vida,

                  Embalados na melodia do coração que ama

                  E um dia nos uniu, nos fez sonhar,

                  Acreditando sempre que se realizaria,

                  A doce entrega como no primeiro dia.

                  

                  E tantos outros dias seguem,

                  Em meu imaginário mundo

                  Onde dou asas aos sonhos,

                  Contigo vivencio o amor,

                  Partilhando nossas vidas.

                  Assim será por um momento,

                  Vivencio em pensamentos.

                   
Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

CHAMAS

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Acalento sonhos,
      Nos versos nas tramas.
      Do amor em controvérsias,
      Na paixão em chamas.
      Do desejo que corta,
      A pele que clama.
      O amor dolente mal sente,
      O quanto maltrata
      O coração que ama!

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

D E S E J O

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Acordai!
      A tempestade passou
      Nada temos a temer
      Estamos sob a égide do amor

      A vida já é outra
      A tormenta se foi
      Vem sentir a lua
      Oh! Que efeito suave, envolvente

      Forte atração
      Em suavidade mansa e pacífica
      O Céu alegre e a Lua feliz

      No ar, um contágio
      Carinho, ternura e amor
      Forças que se atraem

      Se predomina o amor
      O bem e o belo se fazem presente
      Conseqüência de intenção e busca

      As estrelas em movimentos tênues
      É o que se vê a distância
      Pertinho, vivem em desejo
      Os astros fazem amor
      É a expansão do universo
      É a perpetuação da vida

   
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

GRANDE BENÇÃO, É O AMOR

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      O frio foi embora,
      mas o gosto de você juntinho ficou,
      que lindo!
      Pode virar de lá pra cá, inventar alternativas,
      que sem amor não dá. Não dá e nem recebe,
      o que seja em realidade valor.
      Só a sensação do amor traz verdadeiro
      bem estar, ânimo real de querer, fazer e esperar;
      não nesta seqüência, sim depois do amor,
      pois com amor encontra-se aptidão de espera,
      algo bem difícil.

      E o amor é uma âncora,
      que protege das oscilações agressivas,
      que afasta mágoas e tristezas.
      Por muito que a dor se aproxime,
      o amor é bálsamo antecipado que,
      em além de aliviar,
      enseja conforto e carinho.
      Já tive amores, muitos; alegrias e tristezas,
      e hoje sou guardado em uma convicção,
      de ter a namorada com intensidade
      do desejo Santo e bem lascivo,
      e tratá-la tão amorosamente feliz,
      como se fosse o meu último amor.
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

V O C Ê

Posted by vidapura2 em Abril 13, 2010

      Quando ainda não sabia tua forma, te buscava.
      Um vulto indefinido em matéria, mas em alma delineada.
      Alguém que gostasse de caminhar junto, e valorizasse
      o caminho, não se importando somente com a chegada.
      Tendo um objetivo não restrito em atingir uma meta,
      mas que fizesse dos movimentos de ida, uma grande curtição.
      Viver em princípio de ida, durante a ida e comemorar
      a chegada, fazendo dela um ponto de novos rumos.
      Você chegou prontinha para seguir no meu caminho,
      fazendo o nosso trajeto com ternura e valorizando cada passo.
      Iniciando assim, nossa vida, que vai indo ao encontro de tudo,
      particularizando fragmentos e neles sentindo valor…
      Uma vida de dois juntos, cada qual no caminho do outro,
      e vivendo um só caminho,o caminho de nós dois.

           
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »