amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

D E M O R O U

Posted by vidapura2 em Agosto 20, 2010

      Demorou o domínio do sono.
      Tentava contribuir, me entregava,
      mas o sono não me possuía.
      Dormi pouco e acordei com saudade.

      Nas lembranças, busquei você
      e, em retrospectiva dos acontecimentos recentes,
      quantas coisas, quantas imagens, quantas sensações…
      Parece que a vida toda aconteceu ontem.

      Parece ainda, que o dia anterior marcou o inicio
      de uma festiva etapa,
      não somente de carinho e amor, o que já é muito,
      mas também de participação, companheirismo,
      busca no mesmo sentido,
      ideais de dizer, sentir e fazer, interagir
      com a carne e o pleno  do ser…

      Estabeleceu-se um pacto da busca do
      que realmente valia, e agora era
      a identificação desse belo objetivo!
      Buscar o que valia…
      O que valia?

      Nesse início da maior busca,
      a que se apresentou, inopinadamente,
      como se já estivesse com encontro agendado,
      foi à loucura…
      Sim, aquela que conduz ao risco e ao ambiente ilógico.

      Mas tanto como o repente da loucura no sentido
      de admissibilidade,
      surgiu o ânimo de neutralizá-la, este em guerra defensiva
      contra o ânimo anterior.

      E nesta composição de pensar e fazer,
      buscando extrair da loucura a essência do belo maior,
      com sintomas confiáveis de santidade profana ,
      numa emoção que fosse rica
       e verdadeiramente saudável,
       era o amor que chamava: e ele, estava ali, pertinho,
      era só seguir em sua direção.

      Num efeito mágico que não se consegue dizer
      em transporte de entendimento, eis que
        se materializou você,
      como símbolo forte do amor.

      Bem…, aí foi aquela de harmonizar conceitos,
      somar o que se sabia com que o que se ouviu dizer,
      e a didática caiu no mais simples,
      no mais repetitivo trivial.

      E foi aquilo que todos sabíamos: amar os semelhantes,
      os bichinhos e a natureza em geral,
      como dever espontâneo, lindo e necessário;
      porém, sem prescindir, para as grandes conquistas,
      do Amor Santo e Sacana,
      Decente e Depravado,
      de Homem e Mulher.

      Evaldo da Veiga

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: