amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for 6 de Outubro, 2010

O dócil jumentinho

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

Francisco de Assis, ao se fazer o portador da mensagem do Cristo, em plena Idade Média, estabeleceu para si mesmo regras extremamente rígidas.

 

Seu objetivo não era fundar uma Ordem religiosa. Ele desejava simplesmente servir ao próximo.

 

Necessitando ter liberação do Vaticano para que pudesse pregar nas igrejas e nas estradas do mundo, Francisco se submete à exigência e funda uma Ordem.

 

As regras que estabeleceu eram severas, onde, entre outras coisas, não era permitido usufruir senão do estritamente necessário.

 

E, se ele criou as regras, era o primeiro a segui-las. Seu quarto parecia uma cela, sem conforto algum.

 

Para cobrir o corpo, ele usava um tecido áspero, em forma de túnica, com uma corda na cintura, à guisa de cinto.

 

O tecido era o desprezado pelos mercadores da cidade de Assis, pois era aquele usado como embalagem das fazendas, sedas e veludos que adquiriam para o comércio.

 

Para as refeições, Francisco era extremamente frugal, alimentando-se um pouco menos que o necessário. Até mesmo porque pensava sempre nos outros, antes que em si mesmo e nas suas necessidades e satisfações pessoais.

 

Certo dia, estando a meditar, compareceu Frei Leão, um de seus mais próximos companheiros. Ele dizia que tinha um problema e desejava o auxílio de Francisco para a solução.

 

Pai Francisco, começou, eu conheço uma pessoa que tem um jumentinho. Ele é muito frágil, magro, doente.

 

Apesar disso, seu dono não o alimenta bem e exige muito dele.

 

Ele monta no animal e exige ser carregado? Perguntou Francisco.

 

Sim, pai Francisco. O pobre animal mal se aguenta em pé e o dono lhe exige isso e muito mais. Não tem piedade para com ele. Diga-me, que devo dizer a esse homem?

 

Francisco era conhecido por amar os animais. Mais de uma vez, em descobrindo que alguém apanhara uma lebre em armadilha, ele a comprava para a libertar.

 

Em festividades religiosas, jamais esquecia que os animais deveriam ser brindados com rações extras. Fossem animais domésticos ou os pássaros livres, que enchiam os ares.

 

Então, respondeu a Frei Leão:

 

Que maldade! Pois traga-me esse homem e eu falarei com ele. Dir-lhe-ei como se deve tratar os animais.

 

Frei leão docemente, esclareceu:

 

Pai Francisco, é você o dono do jumentinho. Seu corpo é o jumentinho que o leva a todo lugar e não está sendo bem tratado.

 

Embora hierarquicamente ele fosse o superior, o líder de todo o grupo, humildemente, respondeu Francisco:

 

Verdade, Frei Leão? Eu faço isso com meu corpo? Trato-o tão mal assim?

 

E, ante a afirmação do companheiro, Francisco ali mesmo se ajoelhou e orou:

 

Meu doce jumentinho, me perdoe. Nem percebi que estava a tratar tão mal a você, de quem dependo para realizar minha obra.

 

Perdoe-me. Terei mais cuidado, daqui em diante.

 

*   *   *

 

A narrativa nos leva a nos perguntarmos: Estamos tratando bem nosso corpo?

 

Tem sido adequada a alimentação? Temos lhe permitido o repouso devido e temos atendido às suas dores?

 

Pensemos nisso: nosso doce jumentinho é nosso instrumento de trabalho na Terra. Amemo-lo. Atendamo-lo.

 Momento Espírita.

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Por que me perguntas?

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Por que me perguntas se te amo ainda?…
      Basta olhar em meus olhos, eles dizem tudo!
      Estás todo, inteiro em mim… Na minha vida!…
      Que viver sem ti… Me é impossível! Absurdo!

      Por que perguntas se te quero ainda?…
      Se meu ser está dentro da tua alma?…
      E minhas células já se misturaram às tuas?
      Se para ti, toda a minha emoção se espalma!

      Por quê?… Insistes tanto perguntando…
      Daquilo que, mais do que ninguém, tu sabes?
      Sou teu sol nos dias de chuva, tua cúmplice,
      Aquela que te espera nas mornas tardes!…

      Aquela que vive por ti… Que te adora!…
      Que nasceu para amar-te para sempre!
      Que vibra com teu sucesso, tua felicidade.
      E só se alegra quando o vê feliz! Contente!

      Por que perguntas tanto, amado meu?…
      Se não te convencem as minhas juras…
      Se a minha dedicação te parece pouca…
      Lembra-te da minha carícia, minha doçura!

      Do dia que nos conhecemos… Nos encantamos,
      Da noite que nos vimos um nos braços do outro!
      Extasiados… Arrebatados pela explosiva paixão…
      Do ímpeto que nos envolveu no primeiro encontro!

      Só se entrega com tal arrebatamento, tanta fúria…
      Quem ama como nós dois… Quem ama demais!…
      Então… Vem meu menino querido… Meu senhor!
      Ama-me! – Ama-me! Não perguntes nada mais!…

      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Eu te vi

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      A espera foi em vão na vez primeira;

      o povo aglutinado na calçada…

      e notei que a manhã passou inteira,

      deixando-me mais triste e desolada.

      

      Era o terceiro dia, que canseira!

      De repente, meu Deus, olho assustada,

      o suor caindo qual goteira

      eis que surge uma imagem esperada.

      

      Vendo meu lindo sonho realizado

      os meus olhos ficaram tão risonhos

      a despertar em mim grande emoção.

      

      Ao perceber o quanto eras amado,

      soubeste que és parte dos meus sonhos,

      repousando no meu leito de paixão!

Ruth Gentil Sivieri

Posted in poesia | Leave a Comment »

Marilena Trujillo

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Vamos tentar… amor meu…
      Vamos tentar não sentir saudade
      Da paixão que não morreu…

      Do amor intrépido e louco…
      Do grito abafado… rouco…

      Vamos tentar esquecer… meu amor,
      As estrelas debruçadas em
      Nossos suados dorsos…

      Da tua mão tocando segredos…
      Da minha mão ousada e sem medo!

      Vamos tentar esquecer… amor meu,
      Dos beijos molhados de desejos…
      Dos nossos alegres folguedos!

      Esquecer tantas cartas e segredos,
      Tantas madrugadas e juramentos!

      Vamos tentar esquecer nossas canções,
      O jantar… o champanhe no gelo…
      Tua camisa e o meu vestido preto…

      Esquecer… que fui toda a tua vida…
      Que foste a cura dos meus medos!

      Vamos esquecer, tentar não pensar…
      Na noite que nos convida e incita…
      Que, matreira, insisti em nos chamar!

      Esquecer, preciso esquecer do teu peito
      Cheiroso… do teu corpo a queimar…

      Vamos esquecer, vamos tentar meu amor…
      Não falar de nós, não falar de aconchego…
      Não lembrar do convidativo verão… do calor…

      Do quarto quieto… à nossa espera…
      Da ânsia que nos toma e desgoverna!

      Vamos tentar amor… tentemos
      Esquecer a água morna do chuveiro,
      O abraço… a fome… o travesseiro!

      Afinal… por que temos que tentar
      Esquecer, renunciar, chorar, desabar?

      É tarde! Muito tarde para esquecer!
      Para desistir de querer… de amar!
      Pecamos? Vamos continuar a pecar!

      Não dá para voltar atrás, não dá para
      Negar o amor que chegou para ficar!

      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Paixão…

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

            Paixão… É paixão… Doçura… Adoração…
            É o nosso sangue que ferve nas veias…
            Transloucada taquicardia, inflamado coração.
            Desvario que me toma e meu corpo franqueia.
            
            É paixão… Misto de ânsias e êxtase…
            De amorosos sussurros… E doces gritos,
            Permeados por palavras de absurda ênfase
            Declaradas em nossos deliciosos delitos…
            
            É paixão, amor, sedução, deslumbramento.
            É nossa pele declamando a mais bela poesia,
            É o desejo… O nosso inocente argumento…
            Que tatua a tua quente e trêmula anatomia…
            
            É a paixão que nos convida e ateia fogo,
            Nos conduz para um mundo maravilhoso.
            O amor é o nosso brinquedo, nosso jogo…
            Nosso capricho incontrolável… Imperioso!
            
            São tantos momentos de lúcida loucura.
            Desmaiadas noites e febris madrugadas.
            Tua melada boca a beijar com tal ternura,
            Tornando-me inconsequente e alucinada!

            É paixão… Amor… Fascínio… Atração,
            Que nos envolve… Nos prende e domina.
            Tornando-nos uma só alma, um só coração.
            Garimpeiros dos sonhos em preciosa mina!…

            Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

É ISSO QUE EU LEMBRO, AMOR

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Lembro tua imagem bem vívida
      Teu meigo, terno e eterno olhar
      Lembro o lugar onde nos amávamos
      E a vida fazia silêncio, parava…
      E eu ouvia teus doces gemidos

      Teu vulto amado sempre presente
      Nossos caminhos, idas e vindas
      Lucidez e loucura, sempre desejo
      Ah, dá-me tuas mãos, minha paz
      Dá-me você, prêmio maior

      Lembro o teu sorriso, sério e maroto
      De quem sabe pedir sem dizer
      E de você surgia o paraíso
      Onde ficávamos ou íamos
      Eu nos teus passos, eu em você

      Sou agora o que não consigo ser
      Meu mar, meu céu, minha vida
      Tudo se foi com você; e agora?
      Só resta você voltar, nada além
      E você amor? Você virá, eu sei.

  

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

MOMENTO DE AMOR

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

     Não há desalento vivendo você
      Gostar sempre é o que sei fazer
      Naquele gostinho intenso
      Que tem um nome: você amor
      Que bom amar o amor

      Eu sei que sempre será assim
      Eu te amando pra viver
      Meus versos simples em branco
      Espera de Deus a rima rica
      Que se vier, é pra você

      Digo com o som do silêncio
      Ouço de ti a mais linda melodia
      Nada do som do vento, não
      Ele se vai não cria laços
      Quero prender-me em ti

      Teu canto alegre ressuscitou-me
      Fugi do ouro fácil da ilusão
      Vivo em ti, na tua eterna alma
      Traz-me os tesouros de vida
      Vida de verdade, oh vida!

      A vida segue e não descansa
      Cada dia um novo viver
      E eu vou com a vida
      Sempre na mesma direção
      Pois minha vida é você

      Vou indo contigo, doce amor
      E ao teu encontro tendo você
      E cada dia será pra sempre
      Te amarei até ao amanhecer
      Sempre, até o início de um novo dia

      E todos os momentos de todos os dias
      Serão os momentos do nosso amor.

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

VIDA E AMOR EM VOCÊ

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Quando o teu olhar pousou em mim
      Vi em teus olhos muito da minha vida
      Olhar lindo, penetrante, toque de paixão
      Criou em mim uma razão de ir além
      Todo meu ser te queria, e eu te busquei

      Sol da minha vida, o aquecimento legal
      Tudo isso em você, no lugar certo…
      No local de minha longa espera, valeu
      Por tal extremo de somente te querer
      Antes, tive vida sem vida, viver por viver

      O céu e a terra estavam ai, mas faltava você
      És agora, minha honra e glória, meu poder
      O mar que já existia nasceu de novo
      E a lua ilumina com novo brilho de amor
      Agora, você lua e sol em bela sintonia

      Luz que me vêm dos astros através de você
      É o que queria, por inevitável, só podia ser
      Mas por derradeiro ainda, te quero toda
      Mesmo em sendo divina e agente luz…
      Quero-te em seu cio selvagem e insaciável

      Vem. Esperei-te, te quero, te espero, VEM!
      Chegaste no tempo certo, o presente da espera
      Vem que te quero com todos os defeitos
      E por te querer integral, assim com és, peço
      Vem assim: Santa e Simplesmente Mulher.

      

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

ÉS LINDA, MULHER

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Te vejo assim
      Linda e graciosa
      Salvação perfeita
      Pra quem só deseja
      Vida alegre e feliz

      Sem luxo, sem pompa
      Em simplicidade perfeita
      Assim te vejo e desejo
      Mulher/Menina vadia
      Graça e encanto do mundo

      Quem te fez foi Deus
      Só podia, somente ELE
      Corpo e alma em beleza
      És uma flor em sedução
      Santa sem perder o desejo

      Teu cheiro, ah… que olor
      Na vida o melhor perfume
      És preferida pelos pássaros
      Pelas borboletas, por todos
      Que entende de vida e amor

      Deus foi bem maneiro contigo
      E eu pequei o troco numa graça
      Tenho o melhor pedaço da vida
      Tenho tua alma Santa, e bem pura
      E o teu corpo que ama o pecado

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

BOM DIA TRISTEZA

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Oi Tristeza, eu sei,
      você chegou
      sem tempo marcado
      de ir ou ficar.
      Chegou inesperada,
      apagando o meu sorriso,
      nublando os meus olhos.

      Lugar de delícias
      ficou distante.
      Estendo meus braços,
      não alcanço o amor
      Delícias profusas,
      imagens não distingo,
      é você se interpondo

      Canto o meu canto triste
      sem som e sem ritmo
      olho-te com respeito
      mas ternura ausente.
      No meu verso do momento
      só escuto um lamento,
      nunca mais, nunca mais

      Nada pode valer-me
      é o que traduz sua presença
      de tristeza em manto escuro…
      Quero o azul mais alegre
      que a vida faz existir,
      em além do azul do céu,
      quero o azul do amor.

      Que tristeza grande,
      mesmo como sempre,
      eu sei, mas isso não consola
      Não quero, não quero,
      vai passar, vai passar…
      esse manto escuro não
      quero o verde azul do mar.

      Não se vive sem amor.
      Bom dia tristeza,
      Vou anestesiar-me,
      desculpa-me.
      Até mais tarde ou nunca
      Preciso acordar
      em momento de amor

      Vai passar…
      Tristeza em mim
      que tanto busco
       felicidade?
      É sempre tempo
      Vai passar…
      O amor vem vindo

      
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

O AMOR E O MOMENTO

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      O dia nasce e caminha sem pressa
      
      Estamos de bem com a vida

      Não esperamos um acontecimento especial,

      pois ele já existe em nossos momentos.

      A presença do amor é o nosso acontecimento,

      o alimento do nosso momento.

      Se temos o que serve agora,

      teremos o que serve depois,

      o que nos servirá sempre.

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR, MORRER E VIVER

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      A gente morre sempre, morre de vida e de prazer.
      Morre de verdade, muito antes que a mentira nos leve e vez.
      Morre pelo amor que não tem mais, e pelo amor que nunca teve.
      A realidade é a morte todos os dias:
      morte de dormir, de saudade e de sorrir.
      É preciso morrer pra viver.
      Morrem-se mais pelo amor que não sabemos ter.
      Pelo lugar de delícias que não sabemos sentir, sequer ver.
      Mentiras da vida, ainda bem.
      Não existe o ruim, basta saber ver e sentir o bem.
      No fundo tudo é uma mentira,
      daquelas com as quais agente não sabe viver.
      As coisas acontecem, se repetem, é esse estado de sempre.
      Mas um dia o mal se arrepende,
      e agente respira sentindo a vida que sempre aspiramos.
      Vamos indo, no movimento temos equilíbrio, é bom.
      Pra dar certo, certinho mesmo, evite confusão.
      Acredite no caminho e diga com fé: ao céu eu vou, até mesmo que Deus não queira,
      Vou com o amor.

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMO O TEU SORRISO

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      O teu sorriso hoje, não sei
      se de ternura ou distância.
      Mesmo em dúvida,
      quero o teu sorriso,
      meu alívio da dor.
      Se hoje pra você,
      não faço falta, que bom.
      Amo tua independência.
      Estou machucado,
      melhor do que machucar,
      não se machucar o amor.
      Se errei não tive intenção.
      Não acuso os teus erros,
      e se errei peço perdão.
      Só peço com fervor
      não afaste o teu sorriso,
      preciso dele pra viver.
      Tua alegria é o meu alvo,
      o que liga o agora,
      o antes e o depois.
      Não sinto mágoas,
      se houver a ruptura,
      é no teu sorriso,
      mesmo distante,
      que faço minha ponte,
      entre a flor e o amor,
      entre a vida e o sonho.

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

PRA VOCÊ, MENINA MULHER

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Vejo-te sentimento menina
      Ocupando um corpo de mulher
      Mulher ardente em desejos
      Que valoriza a alma, sobremaneira
      Mas sabe que o corpo precisa gozar

      Amo esse teu jeito conciliador
      Semeando ternura e paz
      Semeando amor e cativando almas

      Quero-te, te quero muito
      E sinto que o momento é chegado
      Vou ser terno e puro
      Mas também ávido por teu sexo

      Quero tua alma
      Mas por te valorizar por inteiro
      Farei carícias no teu corpo, intensas
      E tua alma pura aplaudirá.

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

CONTRASTES

Posted by vidapura2 em Outubro 6, 2010

      Amor caminha ao lado do desprezo:
      dor, ternura e ódio, tudo indo pertinho;
      junto não, há distâncias nos próximos;
      o amor que se busca, um dia ele vem.

      Um resto de comida alimentando o pobre,
      comida no fundo do lixo, desprezo e dor;
      estivesse à tona seria do próximo,
      e a fome que permanece, corpo vadio.

      Sombra do passado caminhando sozinha:
      sol, sombra e a luz que não passa,
      é devastação, madeira nobre caindo,
      político locupletando-se, vergonha indo embora.

      É o pobre sozinho, o vento que chega e já vai indo,
      o reflexo do que se foi, esperando o que não vem,
      chuva fininha vendaval distante, a dor que vem vindo,
      ameaça do vento, de suave para forte.
      Vem a Dor…

      Passarinho que distraem levando pedrada,
      flor esperando água, atenção e amor, na distância é o namoro sem prisão,
      compromisso sem vínculo, unindo coração.

      Queda, ida ao fundo, o ser ressuscita;
      a vida iniciando sempre, agora e depois,
      ensinando a pescar pra sobreviver,
      o troco do acaso da ajuda imprecisa.

      Um passo à frente, um outro atrás que vem,
      vida que vai e volta, um desejo que não vem;
      mas que se pede, se repete, desejo em vão,
      é o veneno traiçoeiro, é o ingênuo, o mané…

      O rio que caminha sempre, sempre,
      despede-se e não volta, jamais;
      águas que passam e que ficam,
      que se foi, uma aqui, outra distante…

      Um desejo de recomeçar
      não se sabe por onde,
      uma promessa pra si mesmo,
      é a pedra que diz em silêncio,
      abrigando verdadeira alma.

      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »