amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Outubro, 2008

Nunca estarás a sós…

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

Ante a névoa das lágrimas, quando a incompreensão de outrem te agite os sentimentos, lembra-te de alguém que sempre te oferece entendimento e conforto.

 

Ante a deserção de pessoas queridas, quando mais necessitavas de presença e segurança, pensa nesse benfeitor oculto que jamais te abandona.

 

Ante as ameaças do desânimo, nos obstáculos para a concretização de tuas esperanças mais belas, considera o amparo desse amigo certo que, em tempo algum, te recusa bom-ânimo.

 

Ante a queda iminente na irritação, capaz de induzir-te à delinqüência, refugia-te no clima desse doador de serenidade que te guarda o coração nas bênçãos da paz.

 

Ante as sugestões do desequilíbrio emotivo, suscetíveis de te impulsionarem a esquecer encargos que assumiste, reflete no mentor abnegado que jamais te nega defesa, para que usufruas a tranqüilidade de consciência.

 

Ante prejuízos, muitas vezes causados por amigos aos quais empenhaste generosidade e confiança, medita nesse protetor magnânimo que nunca te desampara e que promove, em teu favor, sempre que necessário, os recursos precisos à recuperação de que careças.

 

Ante acusações daqueles que se te fazem adversários gratuitos, amargurando-te os dias, eleva-te em pensamento ao instrutor infatigável que sempre te convida à tolerância e ao perdão.

 

Ante as crises da existência que te sugiram revolta e desespero, recorda o mestre da paciência que te resguarda constantemente na certeza de que não há problema sem solução para quem trabalha e serve para o bem sem perder a esperança.

 

Ante os desgostos e contratempos que te sejam impostos pelos entes amados, não te emaranhes no cipoal das afeições possessivas, refletindo no companheiro que te ama desinteressadamente muito antes que te decidisses a conhecê-lo.

 

E quando perguntares quem será esse alguém que nunca te desampara e que te garante a vida, em nome de Deus, deixa que os teus ouvidos se recolham aos recessos da própria alma e escutarás o coração a dizer-te na intimidade da consciência que esse alguém é Jesus…
Emmanuel

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Somos do mesmo chão….

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Eu,você e toda humanidade
      somos feitos da mesma essência,
      da celebração de corpos se amando
      embriagando-se de tanta beleza.

      Nas sutilezas da vida, temos
      apenas formas diferentes.
      Em sintonia total com a natureza
      somos todos feitos do mesmo barro,
      somos todos do mesmo chão.

      Da sublimidade de uma paixão
      casais se unem
      trazem ao mundo,a obra-prima
      do nascimento.

      Muitas vezes me pergunto,
      se somos gerados da mesma maneira
      por que tantas diferenças?
      São tantos os por ques,
      que me sinto enclausurada
      nos porões do auto conhecimento,
      tentando decifrar os enigmas
      que me perturbam a existência.

      Por mais que estude, analiso
      questiono, meus sentimentos
      ficam agrilhoados aos meus medos
      as minhas andanças em aventuras
      que vão além dos meus limites.

      Tento compreender a falta de amor
      os pecados algozes,
      os carrascos famintos
      que nos impedem de ver a luz…
      de ver a continuação da vida…
      que ceifam nossas esperanças
      que nos roubam a juventude,
      que nos causam tanta dor.

      Sinto uma grande tristeza me invadir
      a alma, o coração,
      quando leio os jornais ou ligo a televisão
      e só é mostrado, matanças,
      pessoas inocentes, que perdem o direito
      de viver, por uma bala perdida,
      assaltantes, seqüestradores,
      um mundo devasso, sem punição.

      Senhor, não permita
      que minha fé,seja ofuscada
      pelas dores e mutilações
      que somos obrigados a
      enfrentar no nosso dia a dia,
      quando saímos de casa para trabalhar
      ou estudar, e não sabemos se
      vamos retornar.
      Não entendo…se somo do mesmo chão
      porque trilhamos caminhos opostos,
      destruindo a maravilha do viver.
Arneyde T. Marcheschi

Posted in poesia | Leave a Comment »

Arisca…

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Sou arisca sim… Piso leve, sondo o terreno.
      Como fera acuada… Que sofreu no cativeiro…
      Se me provocam… Prego fogo, me defendo…
      Não suporto papo furado e nem fofoqueiro…

      Amigo pra mim… É coisa séria e santa…
      Mas não me venha ser meio amigo…
      Adular… Fazer média… Comigo não adianta.
      Fico de prontidão… Ligada no enguiço…

      Arisca sim… Pois dos tapas, perdi a conta…
      É uma conversa mole, um tal de que-ri-da…
      E tome ferro e faca pelas costas… Amiga…
      Jamais se viu… Tanta farsa e tanta intriga…

      No fundo… Dou risada… De tanto papel
      Ridículo… – E ainda pensam que é bonito.
      Falar mal da vida alheia… Só dizer besteira,
      Inventar para a galera e fazer o maior agito…

      Sou arisca sim… Destemida e boca dura…
      Nem adianta provocar… Arreliar… Saturar…
      Sou cigana tinhosa…  Bichinha valente…
      Chorar? – Me ajoelhar?… Só para rezar!
      Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Apaixonadamente…

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

Meu céu… Céu da minha vida…
Ser… Que alimenta meu ser…
Alucinadamente meu… Tão meu!
Que me faz querer mais… Atrever!
 
Apaixonadamente… Faz-me viver…
Viciada em afagos… Fantasias…
Percorrendo todas as loucuras…
Desse amor que jamais sacia!…
 
Teu amor… É minha fonte bendita!
Energizando alma… E coração…
Mordendo minha boca… Meu beijo…
No auge do desejo e da adoração!
 
Meu céu… Minha fonte… Meu astro
Rei,  minha perigosa cordilheira…
Anjo… Santo… Louco amor meu…
Sou tua… Só tua… Toda… Inteira!
 
Vem meu senhor… Dono de mim…
Vem me iluminar… Purificar…
Exorcizar… Aplacar meus anseios…
Vem minha fome de amor matar…
 
Então seremos sóis… Mil luas…
Seremos tempestade e chuva mansa…
Arco-íris… Espargindo tesouros…
Na glória que só quem ama alcança!
© Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor sin límite

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Amor, sea el amor que sea
      no hay como medirlo
      excepto por el imponderable sentir
      pués el corazón siente el amor con fuerza

      El amor, del romance, de una pareja
      envuelve lo carnal y lo espiritual
      tanto la pasión cuanto el afecto
      seduce sensaciones y emociones

      Tan agradable que no existe nada igual
      Vibra en todos los sentidos
      Sacia tanto el cuerpo como el alma
      Un amor sexual y trascendental

      El amor paterno o fraterno
      Es instintivo y espiritual
      Ni el corazón sabe la medida
      un amor por el cual se da la propia vida
      Perpetuación material
      Continuidad existencial
      Realización del ser
      El poder divino del Ser creador

      Es un amor que va más allá del infinito
      Capaz de alcanzar el después de la imaginación
      No tiene límite, ni dimensión
      Es un amor más allá de la emoción y de la razón

      Amor que no cabe ni en el corazón!!!

      Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR NÃO DUVIDA

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Amor não tem dúvidas, está sempre
      lado a lado, dos dois mais que tudo!
      Acredita no que se lhe diz, ouve, e,
      a cada palavra dita, renasce pró mundo.

      Amor é reciprocidade, não larga nunca
      aquilo que bem acolhe, sendo que, agora,
      tem de crer, por dois, com a mesma
      segurança, que aceita, as suas palavras.

      Não pode existir espaço para cogitações,
      o que um diz é a verdade nua do outro!
      assim cresce o amor e o cuidado de ambos.

      E, enquanto assim for, serão os amantes,
      a ditar, seu caminho conjunto, onde não
      faltará nunca, um forte bater de coração!

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor na arte

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

Sempre me disseram que para
ser feliz e se realizar na vida
teriamos que plantar uma arvore
ter um filho e escrever um livro

e muito fiquei a refletir 
o que significava exatamente
esse pensamento popular
que mensagem conteria

Seria para nossa passagem na vida marcar
ou um tributo a Natureza prestar
ou ainda  cumprir o biblíco  crescer e multiplicar?
Por essas e outras, conclui simplesmente

Que em sintése é um tributo ao Amor
O amor a Natureza
O amor a vida, a eternidade da alma
Que são o amor na arte do Criador

Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMOR É E SEMPRE SERÁ

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Amor não é uma repetição, de coisas ditas
      ou preconizadas. Pois se foram essas coisas,
      que, urdidas, com persistência, se fizeram
      luz e cor, a cada beijo dado, a cada abraço
      sentido, encontrado que foi o gosto, de cada
      um, nas mais variadas situações, que, não
      tememos nunca, pormos à prova.

      Mais o amor nunca foi algoz, nem inflexível,
      antes um livro aberto à novidade, descoberta
      contínua, que não pára de nos surpreender e
      se instala no coração, esperando a sua vez.
      É que o amor é curioso, parando em todos os
      jardins, fazendo comparações, se estas assim
      o bem seduzem, acrescentando algo de novo.

      Inicialmente houve recusas (ou antes dúvidas),
      e, ambos tivemos de ceder, em nome do amor,
      em nome de nós próprios. Não foi nada difícil,
      perder determinados caprichos, de toda uma vida,
      pois que, o que falava, falou sempre mais alto,
      para que escutássemos nossa voz, bem dentro de
      nós: unos finalmente, construímos nosso anelo.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amor à moda antiga

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Bang!!!!!!!
      O eco de um
      e de tantos.
      Clarão,
      estampidos
      que ecoam à lonjura
      e marcam a vida
      com indignação.
      Amor de hoje,
      moderno,
      sem limites,
      sem noção.
      Um perfume de flores,
      de diversas cores
      envoltos em tope
      de fita carmim.
      Talvez tão distante
      no tempo,
      como peça de museu,
      pois,
      representa que à moda antiga
      teve um fim…
      Não se pode
      qualificar como amor,
      uma obsessão.
      Quando os olhos se buscam
      no outro olhar
      e encontram a maneira
      mais pura de se amar,
      então é amor.
      Tudo fica florido,
      a carência se supre
      quando se encontram
      e se bastam,
      como o colibri e a flor.
      Ele sacia sua sede ,
      sua fome
      e delicadamente acaricia
      com beijos
      as pétalas coloridas,
      poliniza e dá vida,
      fazendo a primavera
      ter mais perfume e cor.
      Bang!!!!!!!
      Ponto final.
      A flor cai,
      ceifada por amor?
      Não,
      por loucura talvez,
      com certeza
      por desamor…

      Ruben Alves Vieira

Posted in poesia | Leave a Comment »

AMANHECENDO

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      No umbral, da janela, de nosso
      quarto,
      já se escuta o cantar mavioso,
      dos pássaros amanhecidos,
      no róscido da manhã.

      Não se ouve uma leve
      brisa,
      lá fora, e, o tempo está quente,
      o que nos obriga
      a abrir as janelas,
      refrescando o espaço,
      onde descansam nossos segredos,
      mais íntimos.

      Abertos os estores, com a
      claridade entrando,
      sem pedir licença,
      teu rosto mostra-se generoso,
      a um céu azul e límpido,
      que se apossa da cor de teus olhos.

      Em perfeito silêncio, naturalmente
      ensonada,
      deténs-te no meu pescoço,
      espreitando o movimento da rua,
      sem esquecer-mos o beijo,
      compartilhado com todo o respeito.

      Observas o jardim, lá em baixo, e,
      não deixas de notar,
      como ele cresce viçoso e colorido,
      para olhos cansados.

      E aberto o álbum, das recordações,
      trazes à lembrança,
      que tudo devia ser assim:
      acordados que estamos,
      para a manhã,
      deixar que a beleza, corra-nos no peito.

      E sair para a rua,
      plenos de amor e auto-confiança,
      sempre com um sorriso no rosto,
      em caminho sem escombros.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amando, sin dimensión

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

  Sabe lo que es amar
  en el cuerpo de la mujer amada
  saboreando las delicias del cuerpo
  con la emoción del amor del alma suya
  una conspiración, una trama
  que huye la razón
  inexplicablemente,  fuera de la comprensión
  encima de la imaginación
  en el resplandor del paraíso
  la inmortalidad, a perpetuidad
  momentos alejados de cualquier tiempo
  excediendo  todas las dimensiones
  donde la emoción envuelve el firmamento
  sensaciones en la inmensidad de las constelaciones
  en un universo solamente nuestro
  donde pulsan todas las estrellas
  prendiendo plenamente los vacíos
  incorporando todo espacio cósmico
  años luz fuera de la realidad
  donde solamente existe una verdad
  Nuestro amor,nuestro amar,
  en el espectro de todas vibraciones
  alejado de todas dimensiones
  donde no se cuenta el tiempo
  donde el espacio se ilumina
  el universo gravita, graciosamente
  en las maravillosas vibraciones nuestras
  Iluminando , perpetuando el Amor
  Sobre la bendición del Creador
  Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

AINDA O OUTONO

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Dúctil, esquivo, persistente o sol
      teima em dourar as manhãs, do
      Outono chegado, inda faz pouco
      tempo, no tempo corrido.

      Posso testemunhar, que os dias,
      já não são iguais, o frio tornou-se
      quase diário e as noites, chegam
      agora bem mais cedo.

      Nisto as pessoas entram numa total
      metamorfose: de manhã saem à rua,
      de roupa levezinha, à tarde vestem
      casacos, levantando a gola ao vento.

      Sem aflição alguma, que se denote,
      os passarinhos, às janelas, continuam
      a cantar, chamando as fêmeas, que
      se encontram mais à distância.

      Em vão procuro alguma andorinha,
      que se tenha atrasado, e que, por aqui,
      tenha resolvido ficar, para que se possa
      apreciar, seu voo majestoso.

      Mas não! Partiram de vez! Aguardo a
      primavera com calma, pois, todas as
      estações, têm seu ciclo, que lhes é
      devido.

      Outono é um pastel, de um paisagista,
      donde predominam os amarelos,
      os castanhos e os vermelhos, e, os
      jardins fenecem, em toda a sua cor e doces
      fragrâncias.

      Não mais o cheiro a terra… tardam as
      chuvas! Só a hortelã persiste, por entre
      as ervas daninhas, num grato olor,
      invadindo nossos sentidos… e há um
      louva-a-deus, estático, esperando sua
      vitima, por entre o emaranhado de ervas.

      Outono das mil e uma cores, que vieste
      para ficar, certifica-te, que te engrandeces,
      perante todos os que por ti passam,
      de manhãzinha até à noite, trazendo-nos
      a tranquilidade de teus dias, meio que pardos.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

Aconchego

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

Amar por amar, ser mero conquistador
Fazendo de cada conquista uma aventura

É vaidade que o próprio amor censura

Jamais será amor!

 

O amor a que sempre fui atento

Tem uma grande obstinação

Conquistar todos os dias o mesmo coração

Vivendo intensamente cada momento

 

É desse amor que quero que proves

E, ao prová-lo,  em mim renoves

O brilho nos olhos, o sorriso, a ternura…

 

Só assim serei feliz, com paixão e com loucura

Desfrutarei dos teus beijos, do teu chamego

Farei dos teus braços o mais doce aconchego
 

 

Walter Pereira Pimentel

Posted in poesia | Leave a Comment »

A Voz do Vento

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

                                Nesta solidão, pude enfim perceber
                                Que a distância alimenta meu pensamento.
                                Agora, eu sei que é ela que dá voz ao vento
                                Quando ele vem forte em meu rosto bater.
                                Sim. Eu sei que é tua voz que o vento conduz,
                                Traz teu perfume e, de teus olhos, a luz;
                                Eólica injeção de amor para meu ser.

                                Esta brisa sonora que tem teu cheiro,
                                Dá um toque afrodisíaco, que revigora;
                                Teu calor chega e a meu tato se incorpora,
                                Ao vento sinto teu corpo por inteiro…
                                Quando o sopro soa mais forte em meus ouvidos,
                                Mais o amor por ti desperta em meus sentidos,
                                Num quadro de excitação já rotineiro.

                                Este amor aerívoro, de abstinência,
                                Em que procuro teus olhos mas não vejo,
                                Não posso te abraçar no auge do desejo,
                                Preciso de uma reversão de emergência…
                                Apesar do vento que me liga a ti,
                                Meu coração pede tua presença aqui…
                                E que seja para sempre, com urgência!

                                Ógui Lourenço Mauri

Posted in poesia | Leave a Comment »

A SOLETRAR.

Posted by vidapura2 em Outubro 31, 2008

      Vivendo de ilusões,

      de muitas pessoas me esqueci.

      Querendo a minha vida usufruir,

      da infância à adolescência,

      em minha ignorância, vivi todo o meu porvir.

      

      

      Agora ponho-me a refletir,

      envergonhada de mim, que

      sómente percebendo agora que cresci,

       das pessoas que me esqueci.

      e…

      das flores que não os ofereci.

      

      

      A alguém qualquer, um estranho qualquer,

      quantos desejos, agora, em dizer:

        “Olá!…”

      Mas minhas palavras não se fizeram ouvir,

      e nem, displicentemente, a flor ofereci!

      

      

      Hoje, quando embarga-me a garganta,

      ergo meus pensamentos e o olhar, a suplicar:

      “Meu Deus, dê-me oportunidade para me desafogar

      levando a cada pessoa,  no brilho deste novo olhar,

      uma flor e minhas palavras de amor…”:

      “E…e…u   te… te… a…mo…o…o”!

      Mesmo que seja somente

       A SOLETRAR

Marlene da C. Lopes

Posted in poesia | Leave a Comment »