amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Abril, 2010

Gentileza, Virtude Esquecida!

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

É cada vez mais raro se observar atitudes de gentileza nas relações que vivenciamos na agitada correria do dia a dia das nossas vidas.

 

Levados pelos inúmeros compromissos assumidos e pela pressa em resolvê-los, não nos damos conta de quantas vezes atropelamos os bons costumes, e as boas atitudes para com o nosso próximo, e por isso mesmo, já não nos incomodamos muito com suas más atitudes em relação a nós.

 

Como cobrar dos outros, o que não oferecemos por nossa vez? O resultado dessa falta de consideração mútua, é a ausência de cordialidade, de afeto, de convívio saudável, que se observa na sociedade dita moderna, onde cada indivíduo parece ser único, pois, pouco lhe importa o que se passa à sua volta com seu semelhante, seja ele, seu parente, seu vizinho, etc…, mostrando com esse seu procedimento a árvore frondosa do egoísmo, que cultiva no canteiro de seu coração, a exibir frutos amargos de frieza e indiferença, como se fôssemos auto suficientes em tudo e não necessitássemos uns dos outros para nada.

 

Só abrimos uma exceção, isto é, só modificamos esse comportamento egoístico, se nos deparamos na presença de alguém do qual esperamos obter algum favor ou alguém de quem aguardamos tirar alguma vantagem pessoal.

 

“O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.” (E.S.E. Cap. XVII – item 3 – O Homem de Bem).

 

O ser humano precisa urgentemente refletir sobre esse seu comportamento equivocado e irracional, precisa ver em seu semelhante um irmão de quem depende sua própria elevação como ser imortal, criado com a finalidade maior que é a perfeição em todos os sentidos, e que para isso não prescinde da convivência salutar com seu irmão, em constante troca de experiências, e com o qual tem muito a aprender.

 

Somente com seus próprios e limitados recurso e conhecimentos, não será capaz de chegar ao seu destino, no encontro tão sonhado com a verdadeira felicidade no seu estado de pureza espiritual.

 

Precisa entender que só através do trabalho na sua reforma interior, buscando “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”, poderá se promover na escala hierárquica da criação universal da qual faz parte integrante, e que sem a mudança em seus métodos e atitudes, priorizando as conquistas espirituais, não conseguirá obter a tão almejada paz interior, que não conseguirá encontrar na conquista e realização dos seus sonhos materiais, que logo alcançados, passarão a segundo plano, surgindo imediatamente nova necessidade de conquista que por sua vez, com o passar do tempo também deixará de ser tão importante, e assim sucessivamente.

 

O gesto de gentileza é sem dúvida um grande passo que damos para modificar, em muitas ocasiões, uma inimizade nascente, uma suspeita infundada, uma informação infeliz abrindo horizontes novos e facilitando a compreensão e a concórdia.

 

Não devemos aguardar a gentileza dos outros para conosco, para nos decidirmos por mudar nosso comportamento, sejamos nós os cultivadores da gentileza, usando-a como exercício na metodologia do nosso burilamento, usando a força de vontade como fonte propulsora a nos impulsionar para frente em direção ao crescimento moral espiritual; e nesse particular, nós seguidores da filosofia espírita muito mais que os nossos irmãos de outras correntes religiosas, pois dispomos de tantos ensinos contidos na codificação que nos orientam sempre nesse sentido conforme a mensagem que segue:

 

“Bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, o Espiritismo leva aos resultados acima expostos, que caracterizam o verdadeiro espírita, como o cristão verdadeiro, pois que um o mesmo é que outro. O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática da do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam. Muitos, entretanto, dos que acreditam nos fatos das manifestações não lhes apreendem as conseqüências, nem o alcance moral, ou, se os apreendem, não os aplicam a si mesmos. A que atribuir isso? A alguma falta de clareza da Doutrina? Não, pois que ela não contém alegorias nem figuras que possam dar lugar a falsas interpretações. A clareza é da sua essência mesma e é donde lhe vem toda a força, porque a faz ir direito à inteligência. Nada tem de misteriosa e seus iniciados não se acham de posse de qualquer segredo, oculto ao vulgo.” (E.S.E. Cap. XVII – item 4 – Os Bons Espíritas).

 

Os Espíritos Superiores reforçam os ensinamentos sobre o assunto, ao responderem ao codificador a esse respeito na questão seguinte constante do Livro dos Espíritos:

 

799. De que maneira pode o Espiritismo contribuir para o progresso?

 

“Destruindo o materialismo, que é uma das chagas da sociedade, ele faz que os homens compreendam onde se encontram seus verdadeiros interesses. Deixando a vida futura de estar velada pela dúvida, o homem perceberá melhor que, por meio do presente, lhe é dado preparar o seu futuro. Abolindo os prejuízos de seitas, castas e cores, ensina aos homens a grande solidariedade que os há de unir como irmãos.”

 

Sejamos nós portanto, os primeiros a dar os passos em direção ao nosso irmão, mesmo que ele não nos retribua, sigamos a meta de amar a todos sem esperar que sejamos amados por todos, respeitando a maneira de agir e pensar de cada um, compreendendo nos irmãos ingratos e frios, da nossa estrada, criaturas de coração endurecidos, necessitados por isso mesmo de nossa maior cota de gentileza e compreensão, esta é a verdadeira caridade que Deus nosso Pai espera que pratiquemos, cumprindo com nossos compromissos como SERES racionais que somos, com responsabilidades para com a sociedade em que vivemos.

 

Agindo assim, estaremos vivenciando a fraternidade conosco mesmo e com nosso semelhante, fazendo a parte que nos cabe, participando de forma positiva na intenção maior de ver a humanidade transformada moralmente falando, isto é, menos egoísta e mais humanitária.

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mentir ou dizer a verdade?

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

Queima dentro de mim… a verdade…
Como viver bem… no meio
Desta mentirosa e falsa sociedade?
Se… Não se pode falar a verdade?
Mentem por tudo, mentem por nada!
Verdades são armas poderosas,
Que ameaçam a mentira escandalosa!
Mentem os políticos, mente o meu vizinho.
Ninguém aprende a mentir sozinho.
Mentiu o pai, mentiu a mãe, o irmão.
Mente a justiça… mente o ladrão!
Mentem os governantes da nação!
Sociedade pérfida, hipócrita sociedade!
De que vale usar de sinceridade?
Se a verdade está subjulgada à desonestidade?
Até eu… fui obrigada a mentir… por falta
De coragem de dizer a verdade!
Mas, confesso, amarguei o nojo
Por ter sido conivente, fraca, covarde!
Guardo então… minhas verdades
Para poucos, para uma minoria…
E vamos viver de ficção e alegoria…
Comendo mortadela e arrotando caviar!
Aplaudindo os imbecis que estão a falar!
Calem então… a minha boca!…
Mas, permitam-me desse hospício escapar!
A verdade é um vulcão,
Um dia entra em erupção!
Quero ver para onde os mentirosos irão!
A luz da terra… será um imenso apagão.
Todos gritando e correndo em vão!
Pena que os bons tenham sido medrosos…
Que todos tenhamos sido omissos…
Quando o mundo estiver no abismo…
Não vai adiantar espernear e gritar:
Não Tenho Nada Com Isso!…
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tristeza…

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

            A tristeza chega e sem que possamos

            Fazer nada se instala… e nossa alma

            E coração nela se afundam

            Perigosamente desfeitos em ais…

            Vem aquela dor e a sensação do nunca mais…

            Nunca mais sorrisos, nunca mais música,

            Nunca mais festas ao luar…

            Ah, tristeza vá embora… solte-me,

            Deixe-me sorrir e dançar..

            Jamais permitirei que venças

            Minha vontade de viver e cantar…

            Ainda que você me afronte,

            Ainda que me deixe molhada de lágrimas,

            Ainda assim continuarei amando a vida,

            Ainda assim continuarei amando…

            Tristeza que cala fundo em meu ser,

            Querendo que minha esperança se

            Acabe, que meu sol deixe de brilhar..

            Saiba, sou teimosa, muito tinhosa

            Cantarei o amor, cantarei bem alto

            Porque sei que isso lhe incomoda…

            E nesta noite que você me quer cativa,

            Farei festa, cantarei minha canção preferida

            Que fala em amor, liberdade, felicidade…

            Por mais que me faça pisar terras estranhas,

            Que me atire ao solo, de pé ficarei,

            Sorrindo de você e de sua pobreza…

            Olharei o pássaro em seu

            voo cortante, altaneiro…

            Deixarei que as forças da natureza

            Multicolorida façam festa em meus olhos,

            Que o ar da manhã revigore minha existência…

            Assim confundida você irá pela estrada,

            Sozinha… vencida… perdida e mal amada!

            Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Dança Divina

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

     A música enleva a alma e a
      dança nos conduz a um
      voo rasante no infinito dos sonhos…
      Dois corpos enlaçados a rodopiar
      pelo salão e a alma voando de emoção!
      Sempre fui apaixonada pela dança,
      embalada por uma música gostosa.
      A dança exercita o corpo e
      massageia a alma… É pura magia!
      Os parceiros se entregam na sintonia
      de olhos nos olhos, no sincronismo
      perfeito da leveza dos passos.
      Não pode haver resistência,
      há que se deixar levar…
      Exige atenção à música e entrega
      total ao parceiro.  É fascinante!
      Houve uma época em que fazia
      dança de salão e pretendo voltar em breve.
      Concilia-se a delícia da dança
      com o exercício físico para quem, como eu,
      detesta uma academia… E de sobra,
      ainda faz bem ao espírito!
      Ainda me lembro dos bailes da
      minha juventude, ao som da orquestra
      ao vivo. Eu disfarçava a emoção
      quando via aquele rapazinho tímido
      atravessar o imenso salão e vir me tirar para dançar.
      Às vezes, depois de um longo e inocente flerte…
      Ficava muito chateada quando
      alguma amiga dava ’tábua’ no pretendente que
      tinha se aventurado a pedir uma
      dança e ia embora desapontado,
      na frente de todos!
      Desagradável também era levar
      ‘chá de cadeira’, ou seja,
      ficar a noite inteira sentada
      e não receber um convite para dançar!
      Fazia parte das coisas gostosas da juventude…
      Havia também os famosos ‘pés de chumbo’,
      que pisavam no pé e todo mundo fugia.
      E os disputados ‘pés de valsa’,
      galantes e sedutores,
      os preferidos das meninas.
      Era difícil conseguir uma dança
      com eles. Nem todos dançavam bem.
      Bons tempos que deixaram
      saudades… É tão bom relembrar!
      A dança é divina! Por isso,
      dancem muito, dancem enquanto é tempo,
      antes que a amargura tome conta da alma.
      Sintam a magia que é dançar
      ao som de uma boa música…
      Dancem com o amado, com o namorado,
      um amigo, dancem sozinhos
      no meio da sala, mas dancem!
      Dançar rejuvenesce, faz bem ao
      coração e traz uma grande emoção!
      Esther Ribeiro Gomes

Posted in poesia | Leave a Comment »

VENTOS

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

      Ouço o vento, parece falar,
      Uivos soltos no ar.
      Noite adentro mal posso entender
      O que há por detrás para saber.
      Uivos frios, gemidos, arrepios
      Corrida contra o tempo,
      A notícia irá surgir.
      Em cada viela bate e volta,
      Vento a uivar.
      Na solidão, em cada alcorão,
      Bate e volta a uivar.
      E na madrugada fria,
      ronda sem cessar
      Noite de pesadelos é o medo no ar.

      Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

NAS ONDAS DO MAR

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

As ondas do mar desfraldam
ao vento as velas
e eu percorro todo o oceano
com um rasar de olhos
na água.

Lá chegando te encontro
musa amada
e eu corro meus dedos
pelo fio de teus lábios
até sentir o beijo de tua boca.

Um beijo que sela o silêncio
de dois prometidos
que antes muito antes
de o serem já o eram
para toda a eternidade.

E veio o vento da bonança
nos recolher
de braço dado
com o verde do mar
e o bater de dois corações.

Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

MEU CORAÇÃO É UM PASSARINHO

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

                  Meu coração apaixonado
                  é tal qual um passarinho
                  que cantasse todas as
                  manhãs quando o sol
                  surgisse vindo de lá
                  do horizonte.

                  E lá fizesse o seu ninho
                  junto com as andorinhas
                  e os pardais a meio a nardos
                  e jasmins e um jardim
                  de pronto nasceria para
                  o acolher.

                  Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

VOA CORAÇÃO

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

                  Voa coração nas asas do amor,

                  Vá em busca daquele que me espera.

                  Vá nas nuvens macias,

                  Que adornam meus sonhos.

                  Segue a luz das estrelas

                  Que brilham, clareiam os caminhos

                  Vá e diga a ele que o amo,

                  Faz no seu coração nosso ninho.

                  

                  Nanci Laurino

Posted in poesia | Leave a Comment »

DEUS E O AMOR

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

      “Deus está no Templo!
      Pai onipotente!
      A seus pés nos humilhemos!”

      É assim? Acho que não.
      Deus é bem melhor do que dizem!
      E esse negócio de pensar que intimidando se resolve,
      que o ensinamento se prega a ferro e fogo, já era.
      Deus de fato, o nosso Deus mesmo, é aquele,
      o mais Bacana, que está ao nosso lado em todos
      os momentos.
      Já pensou se Deus estivesse só no Templo,
      o planeta com mais de seis bilhões de vidas humanas?
      E Deus falando a todos ao mesmo tempo?
      Gente se deslocando da Ásia, do Oriente, da áfrica…
      Que áfrica, hein?
      Deus gosta mesmo é do que é bom, nada de humilhação.
      Bom pra Ele é ver nossa felicidade
      e ir aprimorando essa beleza de mundo.
      Sim, porque Deus não está paradão, satisfeito
      com o que já fez no sentido de tudo perfeito…
      Deus é dinâmico, quer idealização e renovação, no ato de fazer.
      Deus quer é mais!
      Homem é mulher quando se entendem, naquele entendimento
      que faz flutuar…
      Sim, é aquele mesmo que você está pensando, que dura segundos,
      que vale a pena aprender a prolongar…
      e que se parece eternizar-se em cada momento.
      Hummmm. Deus abençoa, é lógico!
      Não existe nada melhor para revigoramento de energias,
      do ânimo em geral.
      O amor e fazer amor tornam a pessoa melhor,
      eis que mais calma, atenciosa, ligadona no bem.
      Faça amor com o seu amor!
      Se ele tiver ausente, espere-o calma (o) feliz e sorridente.
      Faça amor consigo mesmo.
      Mas legal hein… nada dessa bobagem antiga
      de sensação de culpa, a mais estúpida das sensações.

      
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

NÃO VOS DEMOREIS

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

      Tá, eu sei que o bom Deus me chama,
      e eu já vou, depois….
      Agora, não, tenho um lance pra fazer, amor…
      Não me leve a mal, digo assim,
      porque Deus me ama.
      
      Se tenho arbítrio, deixa comigo,
      vou depois, bem depois.
      Ah que vida legal,
      excluindo a maioria dos políticos
      e outros canibais.

      Muito amor nessa Santa Terra!
      Em relembrando…

      Sou o teu menino, minha Santa,
      mulher experiente e sencual.
      Que lindo teu jeitinho,
      contornando minha timidez.

      Eu queria fazer de roupa,
      tirar ele pelo ladinho…
      Ele sem cabelos,
      um deserto em pelos.
      Oh, meus doze anos!

      Você tão linda!
      Tua imagem em mim impressa, pra sempre.
      O que eu mais queria perder você levou,
      eu queria dela distância.
      Sem ela fiquei homem.

      Mas o que eu queria novamente,
      é tua sede por minha virgindade…
      Foi lindo, ser o teu menino.
      E o Céu me esperando…

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

TEM QUE SER, AMOR

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

      Por que assim, amor?
      Ó minha amada,
      porque tem que ser!
      Vilas e cidades têm o seu valor,
      a Pátria em tão,  imenso amor…
      Mas querida, você é você,
      inexiste comparação.
      Sem você estou a pé,
      que adianta vilas e cidades?
      Quem está a pé sem amor
      não anda!
      Ah minha Bela, vamos fazer amor,
      discussão pra depois…
      Naquele depois que somente chega
      quando estivermos no Céu…
      Em local onde só se pode amar,
      e variar fazendo amor.

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

BRINCANDO COM O DESEJO

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

      Lindas, tudo em cima na avaliação atual,
      que não é de hoje,
      mas é  do tempo bem após o Cabral.
      Esperar uma chegada não aprazada,
      Pode ser hoje ou muito depois,
      em dia sem temporal.
      A carne queria, pedia no mais sofrido silêncio.
      Brincando só de brincar,
      brincavam com o desejo…
      Ele não veio não se sabe se vem.
      Ele só Ele, ou Ele em três?
      Na dúvida, com o desejo torturando,
      e se estamos nuas, por que o martírio
      de uma espera que não vem?
      Dá-me o teu corpo!
      Sim, dou e quero o teu, também!
      E eu estou e sou de vocês.
      Somos o que querem, mas não tem presença.
      O tempo é agora, não se acumula depois.
      Cada um com sua essência…
      Somos três no local e no tempo,
      vivamos o agora,
      é tudo de Santo que podemos fazer.

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

Bit-Magias

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

Palma da Esperança
De tua persistência vem nascendo
a grande via de mão dupla,
unindo estas às mãos
de todos os poetas,
em toques de teclas…
Encontros de encantos,
que se estampam nas telas!
Bit-magias!…
Manancial de encantamento!…

Eme Paiva

Posted in poesia | Leave a Comment »

O poema que não foi

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

Passou sem ser
Faltou algo
Quem pode saber
Não se faça de bobo

A inspiração murchou
Ficou com sono
Dormiu
Para sempre

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Germinadores do caos

Posted by vidapura2 em Abril 30, 2010

Ser múltiplo que se apossa do mundo
Indiferente as outras especies
Aos outros povos do paraíso
O pensamento econômico abstrato
Corrige o ambiente terraformado

Outro exprimento da neurociência
Vencendo obstáculos da sobre(vivência)
Numa radical obsti(nação)
Nenhuma consciência
Nenhum senso de perservação

Usina a imundar a floresta
Políticos metendo a mão pelos pés
Presidente que navega na maionese
Jovens flertando com a exclusão
Gerações caladas para o futuro

As razões da existência
No fundo do saco
Lixo reciclável
O papel condena
E Deus absolve!

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »