amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Fevereiro, 2009

O Bolo

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

Meu irmão e eu chegávamos sempre em casa com muita fome, ao regressar da escola.

 

Um dia, como eu pedisse de comer, minha mãe pôs-nos diante de meio bolo, na mesa da cozinha.

 

Colocando uma faca ao lado do bolo, disse:

 

– Um de vocês vai cortar o bolo, mas o outro vai poder escolher, em primeiro lugar, o seu pedaço.

 

Meu irmão, querendo fazer-se de esperto, deitou logo mão da faca e ia, evidentemente, cortar o bolo em dois pedaços desiguais.

 

Mas, de repente, parou. Olhando primeiramente para nossa mãe e, depois, para mim, cortou o bolo exatamente no meio.

 

E esperou que eu me servisse.Qualquer pedaço que eu escolhesse daria no mesmo: nenhum de nós sairia prejudicado.

 

E comemos, alegremente, as porções idênticas.

 

Desde então, fosse o que fosse que houvesse a repartir – pão com manteiga, doces, pastéis, bolos ou balas -, tudo era sempre dividido conscienciosamente em partes iguais.

 

Isso nos ensinou um respeito, que nunca conheceu arrefecimento, para com os direitos daqueles com quem tínhamos que compartilhar alguma coisa.
Wallace Leal V. Rodrigues

Anúncios

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Perfumes

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

A vida
Um deserto
Sopro
Uma flor

Nuvens esparsas
O calor sobe do chão
Imagens distorcidas
Cheiros de terra e pedra

Dedos tocam
O ar quente
Fantasias de menino
Desejos de homem

Coração se desmancha
Em lágrimas
Tudo evapora
Feito anjo

O vento passa
Arrasta folhas secas
Canta na tarde
E me fascina

A vida
Um deserto
Sopro
Uma flor

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Pontos e Letras

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

Não busque o invisível
Pois ele esta a sua volta
Interage com as sombras
Pequena flor da liberdade
Emoções são outros cenários

Carta oculta na manga do diabo
Mesa grande
Vive-se por dinheiro
O mundo inteiro
Em todo lugar

Tudo tem data
Folhinha velha
O começo não inicia
No berço abandonado num depósito
Mas em outra incerta existência

Feche a conta
Chame o garçon
Pessoas pensam
Que podem qualquer coisa
Herdam esta migalha

Trilha de sangue de cordeiro
Na calçada molhada
Cheiro de carniça
Passos ecoam silêncios
No ar abafado

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

TANGO, ALMA , PAIXÃO E CORAÇÃO

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

                  Tango, alma paixão e coração
                  Tango que nos seus acordes
                  Eletrizantes, levam-me por lugares
                  Perdidos na minha alma,
                  Apaixonada e saudosa…
                  Tango que tantas vezes encheu de
                  Fantasias minha alma adolescente,
                  Dançando, tendo o salão pra nós dois
                  Em seus braços sentia toda a força do amor,
                  Imagina o futuro como algo tão belo,
                  Dançar, dançar com você pela vida inteira!
                  Tango que permitia que toda
                  Minha razão de amor extravasasse…
                  Jogada por seus braços firmes, sem cair,
                  Passos ritmados, tão exatos…
                  Rubra rosa, noite quente e estrelada,
                  Peito festejando o momento… Acordes
                  Mesclados de alegria e tristeza…
                  Em seus braços sentia vida, beleza
                  Não tinha medo da tristeza,
                  Medo da partida…
                  Hoje o tango fala alto…
                  Cala fundo… Lágrimas
                  De saudade molham meu rosto…
                  Nosso bairro, suas casas envelhecidas.
                  O salão no mesmo lugar…
                  Paro em frente a ele
                  E vejo nós dois ainda…
                  Seus braços fortes levando-me,
                  Seu sorriso lindo, tão constante…
                  Ah…Vê-lo voltar no tempo,
                  Voltar pra mim…
                  Assim dançar o tango
                  Até o fim dos tempos…
                  Até meu fim!
                  Venha, volte… Dancemos o tango,
                  Nesses passos ritmados,
                  Corações felizes e descompassados,
                  Assim como no passado!

  Marilena Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Rosto em Face de Sombra

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

As desilusões pesam
Relicário na corrente
Meninos são meninos
Meninas são meninas

Arcanjos atiram pedras
Se divertem como se estivessem
Treinando pontaria
Numa barraquinha de parque

Alguns erguem muros
Outros túmulos
Enquanto faço canteiros
Para flores ausentes

Não esta claro
O oposto de estrela fica muito distante
Não existe amor fora do poema
Linha apagada no diário das luzes

Nas esquinas do mundo
Espíritos perdidos se abraçam
Fantasmas incompletos
Fumaça e pó de pirilimpimpim

Folhas não se mexem
Dormem tranquilas ou descansam
Esperam a madrugada
E morrem

Fadas suspiram
Cantam para facas afiadas
Choram primaveras
Que nunca falham

Eu me levanto
Feito um anjo
E me deito
Como um demônio

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Renascendo

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

            Que tempo maravilhoso!
            De noites enluaradas,
            E tanta estrela encantada,
            Que me fazia sonhar…
            Sonhos puros e indecentes!
            Onde ficaram, não sei…
            Fui eu que desencantei,
            Ou já não sei esperar?
            
            Entro no túnel do tempo
            Tentando compreender,
            Se ainda há o que aprender
            Ou se é tarde demais.
            Tudo parece tão longe…
            A minha expectativa,
            Que antes nunca foi nociva,
            Machuca cada vez mais.
            
            Relembro as tardes fagueiras.
            Como era fácil sorrir!
            Ninguém vinha desmentir,
            A minha intensa alegria.
            O mundo era conivente…
            E também as borboletas,
            Amarelas, espoletas,
            Era rica a parceria!
            
            Passarinhos… (Nem se fala!)
            Até flor era mais flor,
            Tinha perfume de amor,
            E cores fenomenais.
            Céus! Será que envelheci?
            Onde estão as primaveras,
            Azuis, brancas, amarelas,
            Que sinto falta demais!
             
            Onde está a minha audácia?
            Minha ousadia, coragem,
            Hoje tenho só miragem,
            Desencanto, frustração.
            As mãos vazias de tudo…
            Até o espelho me trai!
            Nele, quando eu olho,  cai,
            Mais algum sonho no chão.

            Mas eu li. Eu sei que li!
            Como se fosse um mandato,
            Eu não sonhei, isso é fato!
            “Não desista! Nem pensar!”.
            E eu sempre soube também…
            Ninguém finda o seu caminho,
            Só porque ficou sozinho,
            É preciso acreditar.
            
            E eu creio como ninguém!
            Creio até no impossível,
            Nada na vida é infalível,
            Não se pode esmorecer.
            Sonhar é um dom divino!
            Sonharei! Dane-se o mundo!
            E todo conceito imundo,
            Que quiser me entristecer.
             
            E o tempo que feche a porta.
            Não quero ver nem saber,
            Meu velho modo de ser,
            Renasço, se precisar.
            Eu posso, enquanto viver…
            Posso tudo que eu quiser,
            Se ao meu Deus lhe convier,
            Eu só preciso tentar…
             
            – Chispem daqui, lembranças!
            Vão cantar noutro lugar,
            Que eu já não quero escutar,
            Tenho muito que fazer!
            Ainda estou encantada…
            E preciso desenhar,
            Novos sonhos e sonhar.
            Sonharei !
            Até morrer…

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

O valor do sorriso !!!

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

            O Valor de um Sorriso.
             Não custa nada e rende muito…
            Enriquece quem recebe,
            sem empobrecer quem dá…
            Dura somente um instante, mas
            seus efeitos duram para sempre…

            Ninguém é tão rico que dele
            não precise…
            Ninguém é tão pobre que não
             possa dar a todos…

            Leva a felicidade a todos e a toda parte…
            É o símbolo da amizade,
            da boa vontade…
            É o alento para os desanimados,
            repouso para os cansados,
             raia de sol para os tristes,
            ressurreição para os desesperados…

            Não se compra não se empresta…

            Nenhuma moeda do mundo
            pode pagar o seu valor…

            Não há ninguém no mundo
            que precise tanto de um sorriso,
            como aquele que não
             sabe mais sorrir…

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

Um amor para recomeçar.

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

      Não há tempo, não há espaço e nem lugar,
      Que permita o crivo do esquecimento,
      Séculos, milênios, vidas diversas,
      E o amor ressurge a todo momento.
      
      Esse beijo macio que me faz viajar,
      O toque suave que me aconchega a alma.
      O abraço que enlaça, e meu corpo se encaixa,
      A presença que me transmite paz e calma.
      
      Quando estou ao seu lado, sou afortunada.
      Minha riqueza é você, esse sentimento tão bonito.
      Não preciso de mais nada, a não ser seu amor,
      Para mim isso basta e sigo rumo ao infinito.
      
      Sei que o tempo para nós é relativo,
      Já ultrapassamos as barreiras, sinta o vento!
      Percorremos eras e nos reencontramos.
      E não há o que impeça esse momento.
      
      Sigo em paz, tranquila, sem qualquer receio.
      Confio no tempo, ele sempre foi meu aliado.
      Sei que ao final disso tudo, será o recomeço,
      E seguiremos juntos, unidos, lado a lado.
      
      Seus olhos me envolvem, mergulho nesse mar,
      Impossível, impraticável não me apaixonar.
      Nós precisamos realmente acreditar,
      Que este é um amor para recomeçar!

      Akasha De Lioncourt

Posted in poesia | Leave a Comment »

Lá lluvia

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

       Existen varias maneras de contemplar la lluvia
       la manera mas bella es la del poeta
      El poeta no observa ahi las nubes cargadas
       ni las inundaciones embarradas.
      Mas ve millares de flores que en breve iran a florecer
       coloreando los campos, distribuyendo su perfume
      Asi son las lluvias que caen sobre nosotros
      y que parecen más allá de nuestra capacidad para apoyar
      la lluvia de decepción, de la falsedad,
      la destrucción de nuestros planes,
      de las grandes decepciones, haciendo al corazon temer y
      estremecer de tanto sufrimiento.
      Las nubes oscuras que pasan sobre nosotros
      traen consigo lluvias de bendiciones,
      cuando cesan traeran para nosotros
      las flores del enriquecimiento del espíritu
       experimentaremos fragancias y bellezas
      que nunca habíamos conocido
      cosas que no imaginabamos posíble
      antes que estas aguas cayeran sobre nosotros.
      Es cierto que siempre veremos las nubes y las aguas que de ellas caen,
      mas precisamos observar las flores, mirar su florecer y
      las fragâncias que vendran con ellas.
      Esta lluvia va a ablandar nuestros corazones,
      nos va a preparar para el resurgir del sol,
        nos va a recordar que precisamos tener entre nosotros sentimientos ,
      la serenidad para ver el caer de la lluvia y la consecuente
      compasion por otros que son azotados por las águas por falta de entendimiento.
      No tonemos las lecciones de la afliccion,
      mas si de la dulzura venidera, de compasion, paciencia,
      serenidade, amor y de la esperanza divina;
      y,  mil otras flores y frutos que nacen de nuestra fe en Dios.
      Se como el poeta y durante la lluvia, observa las flores.
Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

A Chuva

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

      Existem várias maneiras de contemplar a chuva
       A maneira mais bela é a do poeta
      O poeta não enxerga ali as nuvens carregadas
       nem as enxurradas enlameadas.
      Mas vê milhares de flores que em breve irão desabrochar
       colorindo os campos e enchendo-os de perfume
      Assim são as chuvas que caem sobre nós
      e que parecem além de nossa capacidade de suportar
      a chuva do desapontamento, da falsidade ,
      da destruição de nossos planos,
       das grandes decepções, fazendo o coração temer e
      estremecer de tanto sofrimento.
      As nuvens escuras que pairam sobre nós
      trazem consigo chuvas de bênçãos 
      quando cessarem trarão para nós
      as flores do enriquecimento do espírito
       experimentaremos fragrâncias e belezas
      que nunca havíamos conhecido
      coisas que não imaginávamos possível
      antes que estas águas caíssem sobre nós.
      É certo que sempre veremos as nuvens e as águas que delas caem,
      mas precisamos enxergar as flores,antever seu desabrochar e
      as fragrâncias que virão com elas.
      Esta chuva vai abrandar nossos corações,
      vai nos preparar para o ressurgir do sol,
       vai nos lembrar que precisamos ter entre nossos sentimentos ,
      a serenidade para ver o cair da chuva e a conseqüente
      compaixão por outros que são acoitados pelas águas por falta de entendimento.
      Não tiremos dai lições de aflição,
      mas da brandura vindoura, de compaixão, paciência,
      serenidade, amor,  da esperança divina;
      e,  mil outras flores e frutos que nascem de nossa fé em Deus.
      Sê como o poeta e durante a chuva, enxergue as flores.

Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

Que amor é este?

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

 Que amor é este?

      Que faz -me virar um vulcão,

       espalhar larvas de paixão,
      abala o meu e o teu coração?
      Que amor é este que deixa -me insana
      de vontade de teus braços?
      Que amor é este
      que  faz -me sentir a única?
      Que amor é este
      Que faz nossos encontros
      ter tanto encantamento?
      Que me deixa perdida
      Querendo mais
      Saciar -me
      fartar-me
      Desfalecer  em ti.
  Candy Saad

Posted in poesia | Leave a Comment »

Pé na Estrada

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

Calça jeans, tênis nos pés,
Mochila nas costas, lá vou eu enfim,
Outra vez viajar pelo mundo, nas
Eternas andanças buscando por mim…
 
Onde será que me deixei?
Perdi meu eu, minha identidade?
A viagem será longa e pedregosa
Na bagagem carrego infinda saudade…
 
Pé na estrada digo, repito bem alto…
Nada de olhar para trás, vá em frente!
Nossa vida é feita de passos e compassos,
Não deu certo?… – Tente outra vez, tente!
 
Pé na estrada, pé na estrada!
Não chore, não pense em mais nada!
Recolha os cacos, ponha na mochila…
Limpe a vista turva e embaçada…
 
Onde será sua próxima parada???
Sente medo dela? – Covarde!…
Enfrente a vida, enfrente a sorte!
Antes que seja muito, muito tarde!
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

O POETA E OS MARIMBONDOS

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

O poeta  no telhado
      foi  arranjar a antena
      após  um vento danado
      que veio cobrar pecados
      e varreu tudo sem pena

      Tão leve como um jumento
      logo as telhas partiu
      a antena ele arranjou
      mas sua sorte mudou
      coisa igual nunca se viu

      Quando as telhas foi trocar
      foi que a coisa deu rombo
      não é que ele foi achar
      para o cúmulo do azar
      um ninho de marimbondos

      Imaginem pois a cena
      o gordo sobre o telhado
      e os bichos sem ter pena
      ( nem adiantava novena)
      a pica-lo em todo lado

      O poeta se defendia
      co’aquilo que tinha à mão
      lutou pois com valentia
      acertando o que via
      sem dizer um palavrão

      Foi aos poucos se afastando
      gatinhando sobre as telhas
      os marimbondos voando
      ainda o foram picando
      na sua mão e orelha

      Consegui se pôr a salvo
      descendo pela escada
      deixou de ser pois o alvo
      ( inda bem que não é calvo)
      da fúria da bicharada

      O estrago estava feito
      e o telhado descoberto
      o poeta insatisfeito
      teve então de dar um jeito
      de livrar-se dos insetos.

      Apanhou o inseticida
      e lá se foi pro telhado
      a escada protegida
      e acabou com a vida
      daquele enxame danado

      E não me venha o IBAMA
      querer dar voz de prisão
      a picada é como chama
      e bem depressa inflama
      não tinha outra solução

      Voltou ele ao telhado
      para o conserto final
      desceu de lá todo inchado
      e depois de sossegado
      foi parar no hospital

      Tomou duas injeções
      (na buzanfa e no braço)
      teve umas implicações
      ( vomitou aos borbotões)
      mas voltou ao seu regaço.

      Esta história é verdadeira
      podem até duvidar
      mas foi nesta terça-feira
      de carnaval, terça cheia
      que ela teve lugar.

      Agora fica engraçado
      na forma deste cordel
      mas na hora foi danado
      eu me vi bem enrascado
      quase fui para o pinéu.

      Teve gente que ajudou
      dando conselhos e tal
      no google foi, pesquisou
      remédios me indicou
      Viva o mundo virtual.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

FONTE CRISTALINA

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

            Águas Límpidas, fonte cristalina;
            mata-me a sede, refresca meu ser;
            Ao véu do tempo: abre, descortina;
            Plácidas águas do meu bem querer.

            À alma morna vem e vitamina
            Renova as forças do querer viver
            Banha meu corpo em tua cortina
            Água da vida, de luz e poder

            No teu marulhar tu me acalentas
            E o teu frescor conforto me dá
            Como uma ovelha, tu me apascentas

            Regas-me qual flor que além florirá
            Alívio me dás das minhas tormentas
            Ó fonte do amor, do céu a brotar.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

Eco da saudade…

Posted by vidapura2 em Fevereiro 28, 2009

O tempo caminha e eu não saio do lugar, parei

Desaprendi como seguir sem te ter por perto

Lembro dos nossos momentos de felicidade, em que

Bastava a música tocar para que saíssemos a

Bailar, esquecí-amos da vida e trocávamos carinhos

Sinto saudades dos teus braços a me envolver pelos

Salões da vida, onde tudo parecia ser impossível, unidos

Encontrávamos soluções, e assim, a vida seguia…

De repente me dou conta que a música parou e …

Ouço apenas o eco da saudade do passado, que teima

em viver no meu presente e que o seguro, para poder

respirar neste labirinto de emoções, e lentamente

Flutuo na canção do teu eterno amor, onde encontro

a paz para o meu coração,  mesmo sabendo que existe

um muro entre nós, mas que, de uma forma ou outra,

te vejo em sonhos imaginários, diminuindo assim,

 o espaço físico que nos separa  nesta vida…

Zilca P. Tricerri

Posted in poesia | Leave a Comment »