amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Novembro, 2007

Tenho medo…

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Os homens estão esquecendo do amor !
  Amor ao próximo, aos animais, à natureza !
  Tenho medo desta falta de amor,
  que está aumentando à cada dia
  a solidão, o egoísmo, o desamor…
  Tenho medo da maldade, violência…
  causadas pela falta de respeito e amor,
  crescendo a vaidade , falta de humildade!
  Tenho medo dos desonestos, corrúptos…
  que fazem discursos bonitos
  e iludem, enganam, trapaceiam…
  Tenho medo da falta de Deus na vida do homem !

Tânia Sueli Oliveira

Anúncios

Posted in poesia | 1 Comment »

Medo Por Quê

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Se nós viemos à vida para lutar

  Por causas humanas e justas

   Não devemos esmorecer

  Estendo minhas mãos aos céus

  E me entrego à luta para vencer!

  

  Dói-me a dor dos meus semelhantes

   Que sofrem sem nada poder fazer

  Lágrimas dos meus olhos escorrem

  Ao saber que inocentes e até mesmo crianças

   Do outro lado do mundo fenecem

   Sem que as autoridades

   Desejem saber os porquês! 

  

  Até quando Pai nossos olhos nossas almas

  Nossas mentes suportarão a tristeza que não vemos

  Mas sabemos ser real e nos arrasam a alma e o coração…!

  

  Oh como é imensa a maldade de homens poderosos

  Que imperam e têm o mundo em suas mãos

  Sem se importarem ao ver corpos sem vida

   Tombados ao chão!

  

  O que mais tais víboras desejam

  Se elas mesmas violentam o universo

   Para defender a insignificância de suas terras

  E do ouro que lhes chega às mãos…!

   

  
Iracema Zanetti

Posted in poesia | Leave a Comment »

Minha boca está seca,

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

La vida es una incógnita.
  Trato de llevarla, y no desistir,
  de ser fuerte y perseverar.
  Y te caés y te volvés a parar.
  Y vuelta a empezar…
  Al final jamás sabrás
  si lo que hiciste
  o dejaste de hacer
  estuvo bien o mal…
  Si arrasó con tus sueños
  o un agujero te dejó
  no te da explicación.
  Ya fue, ya pasó.
  Y como en una calesita
  levantarte, caer,
  y volver a empezar.
  ¿Sabrá que hay momentos
  qué me llego a cansar?
  Y el miedo se instala
  nublándome el alma
  Me pongo a pensar:
  ¿habrá noche y alba?

  Vivi

Posted in poesia | Leave a Comment »

ONDE VOCE SE ESCONDEU?

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Minha boca está seca,
  Meus olhos embaçados pelas lágrimas da procura,
  Minha voz rouca de gritar por voce.
  Onde estás?
  Apareça, abraça-me,
  Abra seu coração,
  Me deixa entrar.

  Cibele de Cassia Monteiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Medo de ter medo…

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Devo ter medo de não ter coragem para:

   enfrentar os desafios da vida,

   andar de cabeça erguida,

   olhar as desgraças dos meus

  irmãos e não tomar atitudes para ajudá-los…

  Devo ter medo de não ter amor por mim mesma

  e por meus irmãos…

  Devo ter medo de esquecer que sou responsável

  por tudo que me acontece,

  e não ter medo de mudar muito do  que ainda vai me acontecer!

  Devo ter medo de não aprender a amar como devo amar,

   a vida,meus irmãos, a natureza e a Deus sobre todas as coisas!

  Medo pouco é saudável, medo muito é doença perigosa.

  Acima de tudo está a minha fé em Deus e com ela a certeza

  de que nada tenho  a temer.

  Neuzita

Posted in poesia | Leave a Comment »

Medos da Alma

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Meu maior medo,
  que me afligia a alma,
  era o medo de magoar,
  medo de errar…
  Quando isso acontecia,
  uma culpa insana se apoderava de mim…
  Um dia descobri que isso não era medo,
  era orgulho…
  E foi assumindo meus erros,
  aceitando-os,
  que algo em mim fluiu.
  E uma alegria quase infantil
  tomou conta da minha alma.
  Libertei-me do orgulho…
  Descobri que a possibilidade de errar,
  não me tira a chance de ser feliz.
  Assumi-me ainda aprendiz…
  A cada erro, uma lição…
  E se eu errar de novo,
  nada ainda é definitivo,
  posso corrigir-me.
  Tenho agora a humildade
  de aceitar-me.
  E, viver sem medo, aceitando meus erros,
  é viver nas pequenas coisas
  instantes a mais de felicidade!

Fátima Moreira

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tens razão!

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Paulo, tens razão em temer
  O medo também me acomete
  Agora, que não mais tenho
  A alma criança e ingênua
  Eu vejo e receio

  Como tu…
  Tenho medos!

  Eu contemplo a dor estampada
  Nos olhos de tanta gente!
  Eu lamento a desesperança
  Que paira embaralhada
  No medo de cada rosto inocente

  No silêncio…
  Eu tremo!

  Eu vejo tanta coisa errada
  Na vida, seguindo impune
  Que às vezes me sinto enganada
  Lutando uma luta inglória
  Com medo do medo iminente

  Em resposta…
  Eu amo!

  Pois a cada dia, eu insisto
  E enfrento essa vida arriscada
  Encontrando conforto somente
  No amor que ainda invisto
  Porque Ele também me ampara

  Como tu…
  Eu creio!
 Flori Jane

Posted in poesia | Leave a Comment »

MEDO DE QUE?

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

  Da vontade,
  Da coragem,
  Da alegria,
  Da dor,
  Da verdade,
  Do amor?

  O medo nada mais é do que esconder dentro da alma a sua propria essência, o que se tem de mais puro e verdadeiro.Ponha pra fora, seja voce, a criação mais perfeita deste grande universo.Tudo é perfeito aos olhos de Deus, Ele é o autor da sua vida, mas só voce pode realmente manter  essa criação tão divina.Medo?Não?Vontade , Coragem e Fé, amigas inseparáveis para sua própria felicidade.

  Cibele de Cassia Monteiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

SONHOS DE FADA

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Sonha a fada em repouso,
      sonha cores de arco-íris,
      voar leve e solta pelos ares
      senhora plena dos seus sentires.
      Repousa a fada no cogumelo
      a paz a acolhe nos braços,
      o sol no horizonte, amarelo,
      a tarde quente, o mormaço.

      Sonha, fada, repousa a mente,
      o corpo descansa da labuta,
      o sol, ora, já se faz poente,
      desfruta dos sonhos, desfruta.
      Entre as estrelas, teu brilho,
      a viajar alto no firmamento,
      há de te iluminar o caminho,
      viajante nas ondas do vento.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | 2 Comments »

Amando, sem dimensão

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Sabe o que é amar
no corpo da mulher amada
saboreando as delicias do corpo
com a emoção do amor da sua alma
uma conspiração, uma trama
que foge a razão
inexplicavelmente,  fora da compreensão
acima da imaginação
no resplendor do paraíso
a imortalidade, a perpetuação
momentos alem de qualquer tempo
excedendo  todas dimensões
onde a emoção envolve o firmamento
sensações na imensidão das constelações
num universo somente nosso
onde pulsam todas as estrelas
preenchendo plenamente os vazios
incorporando todo espaço cósmico
anos luz fora da realidade
onde somente existe uma verdade
Nosso amor,nosso amar,
no espectro de todas vibrações
alem de todas dimensões
onde não se conta o tempo
onde o espaço se ilumina
O universo gravita, graciosamente
Nas nossas maviosas vibrações
Iluminando , perpetuando o Amor
Sob a benção do Criador
Joe’A

Posted in poesia | Leave a Comment »

Rosa Linda

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Recebo a linda rosa,
          alegrando o coração.
          Vejo que é formosa,
          símbolo da perfeição.
          
          Teu carinho se espelha
          num presente perfeito.
          Em muito se assemelha
          ao querer que espreito.
          
          Em sonhos de ocasião,
          abro a porta devagar,
          cedo espaço à ilusão.
          Logo começo a divagar.

          A rosa que tu me deste,
          amorosamente perfumada,
          até pode ser um teste,
          p`ra me ver apaixonada.

Guida Linhares

Posted in poesia | Leave a Comment »

AS ROSAS

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

As rosas que recebi
eram, simplesmente, amor
Em suas pétalas desenhei
os sonhos que você mandou

A estrada que caminhastes,
longa, distância que nos aparta;
Ficou tão curta …e por ela,  quando chegastes,
reconhecí a alegria, reconhecí o amor

Pensei que jamais sentisse
tamanha emoção, em forma de flor
Recebí, trêmula de emoção, e,
revigoradas com as lágrimas de minha alegria
refloreceram e permaneceram com todo o frescor,
como se acabessem de ser colhidas..
Lindas…viçosas…como o renascer de um grande  amor

Maria Luiza Bonini

Posted in poesia | Leave a Comment »

AS ROSAS

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

As rosas que eu te ofertei
não eram apenas flor…
Eram sonhos que sonhei
sonhando com teu amor

Tantas léguas caminhei
mas tu não deste valor
As rosas que eu te ofertei,
não eram apenas flor…

O que pensaste não sei,
talvez sentisses temor,
meu coração t’entreguei;
mas murcharam no andor:
As rosas que eu te ofertei.

Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

A LENTIDÃO DO AMOR

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

O amor é como um caracol
      arrastando-se sobre uma flor
      com seus olhos esticados ao sol
      Um frio na alma, que gera calor

      Caminhando lento e constante
      sem a pressa de logo chegar
      é rocha esculpida, bastante,
      pelo açoite das ondas do mar

      Ganha forma em mil cinzeladas:
      -primeiro tira a camada mais grossa-
      e ao decorrer dessa empreitada,
      paciente, as formas são expostas.

      Mas se a obra é abandonada,
      por impaciência do escultor,
      finda-se o amor, não resta nada,
      senão saudade, angústia e dor.

 Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »

OS BEIJOS QUE NÃO TE DEI

Posted by amizadepoesia em Novembro 30, 2007

Os beijos que não te dei
                  são suplícios de saudade
                  são desejos e vontades
                  dos lábios que não terei

                  Os beijos que não te dei
                  são súplicas ao tempo
                  são desejos e alento
                  do amor que esperei

                  Os beijos que não trocamos,
                  -secura no céu da boca-
                  são uma saudade louca

                  do amor que esperamos
                  -ansiedades e planos-
                  que, à alma, não me poupa

 Jorge Linhaça

Posted in poesia | Leave a Comment »