amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Janeiro, 2010

ESTRELA POLAR

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

Senhor, onde estavas?

      Confiei na tua promessa de socorrer-me, porque disseste que nunca me deixarias a sós, todavia…
      Provei a soledade na longa marcha; tombei inúmeras vezes, sob a exaustão que me dominava; chorei insuportável pranto, sempre que o desespero se alojou em mim; perdi o rumo na grande noite sem qualquer estrela de esperança; desisti de prosseguir com freqüência, embora indo adiante; experimentei receios superlativos que me enlouqueceram em diversas ocasiões; a carência de amor fez-me dorido e triste; a perseguição ingrata dos que se voltaram contra mim, estiolou-me os sentimentos, assinalando-me com a amargura…

      Chego, por fim, cansado e sofrido…

      Pergunto-te:

      – Por que me abandonaste, Senhor?

      – Jamais te deixei, filho querido.

      Eu sou a força que te conduziu até aqui, auxiliando-te a vencer as dificuldades que te fortaleceram

      o ânimo e vivificaram-te

      o ser em todo o áspero trajeto.

      Não lutei as tuas batalhas, que eram tuas, porém, sustentei-te quando desfaleceste; apontando-

      te rumos, quando

      nas sombras da noite; falando-te sem palavras na solidão; impulsionando-te, quando na queda,

      a levantar-te e a continuar…

      Meu filho, chegaste até mim, porque eu estou em ti através dessa força que te impele na direção

      do Pai.

      Não me vês, mas sentes-me; não me ouves, no entanto, percebes-me; não dialogas comigo,

      não obstante, sou quem

      te guiou até aqui – estrela polar no céu das almas, que indica sempre o norte ditoso da

      perene felicidade.

    Divaldo Pereira Franco

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Vida Passageira

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

  Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é passageira,
  talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades
  que temos de ser e de fazer os outros felizes.
  Muitas flores são colhidas cedo demais.
  Algumas, mesmo ainda em botão.
  Há sementes que nunca brotam e há aquelas flores que vivem a vida
  inteira até que, pétala por pétala, tranqüilas, vividas, se entregam ao vento.
  Mas a gente não sabe adivinhar.
  A gente não sabe por quanto tempo estará enfeitando esse Éden e tampouco
  aquelas flores que foram plantadas ao nosso redor.
  E descuidamos. Cuidamos pouco. De nós, dos outros.
  Nos entristecemos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosos.
  Perdemos dias, às vezes anos.
  Nos calamos quando deveríamos falar;
  falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio.
  Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede
  essa aproximação.
  Não damos um beijo carinhoso “porque não estamos acostumados com isso”
  e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro
  sabe automaticamente o que sentimos.
  E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece e continuamos os mesmos,
  fechados em nós.
  Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente.
  Cobramos. Dos outros. Da vida.
  De nós mesmos. consumimos.
  Costumamos comparar nossas vidas com as daqueles que possuem mais que a gente.
  E se experimentássemos comparar com aqueles que possuem menos?
  Isso faria uma grande diferença.
  E o tempo passa…
  Passamos pela vida, não vivemos.
  Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa.
  Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás.
  E então nos perguntamos: E agora?
  Agora, hoje, ainda é tempo de reconstruir alguma coisa,
  de dar o abraço amigo, de dizer uma palavra carinhosa,
  de agradecer pelo que temos. Nunca se é velho demais
  ou jovem demais para amar, dizer uma palavra gentil ou fazer
  um gesto carinhoso. Não olhe para trás.
  O que passou, passou.
  O que perdemos, perdemos. Olhe para frente!
  Ainda é tempo de apreciar as flores que estão inteiras ao nosso redor.
  Ainda é tempo de voltar-se para Deus e agradecer pela vida,
  que mesmo passageira, ainda está em nós. Pense!…
  Não o perca mais!…

  SEMPRE  QUE  POSSÍVEL

    Onde estejas e por onde passes, sempre que possível,
    deixa algum sinal de paz e luz para aqueles irmãos que estão vindo
    na retaguarda, a fim de que não se percam do rumo certo.

 Emmanuel

Posted in AMIGOS | 2 Comments »

Se …

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

Se …

    Se você precisar de descanso, não descanse muito mais que o necessário,
    porque ferro parado enferruja, água estagnada apodrece…
    E além disso, talvez, mais tarde, falte tempo para terminar a tarefa da existência… .
    E é trágico demais morrer inacabado.

    Se você for alegre e feliz, não ria alto demais, para que a sua gargalhada
    não vá tornar mais doloroso o gemido de alguém na casa ao lado.

    Se, nas dores, você soluçar, faça-o baixinho, bem no fundo, bem lá dentro,
    para não apagar algum sorriso no semblante de alguém, no andar de cima.

    Se você escorregar na estrada da existência e até mesmo cair mais de uma vez,
    não fique deitado no solo, clamando o destino, porque lhe falta muito caminho
    por andar e, além disso, você só vai atrapalhar a passagem dos outros
    que podem tropeçar no seu corpo caído…
    E se é triste cair, muito mais triste ainda é levarmos alguém na nossa queda.

    Se, algum dia, talvez, você perder a linha e der vazão ao grito, a cólera, a revolta,
    com ganas de quebrar o mundo ao seu redor, não arrebente tudo,
    porque atrás de você, vem muita gente ainda que deseja encontrar
    o mundo inteiro e belo.

    Se você encontrar a semente ou a muda do raro arbusto da FELICIDADE,
    não vá plantá-lo em seu quintal todo cercado, mas sim ao lado de um caminho
    freqüentado para que muitos possam descansar à sua sombra e comer seus
    frutos sem pagar.

    Mas se encontrar apenas o caminho que leva a esta árvore bendita,
    não vá por ele sozinho: fique alerta e de pé, a entrada dele,
    com um braço estendido assim… como uma flecha, dizendo:
    FELICIDADE, AMIGO?… É POR AQUI!
    Não se incomode de ficar por último porque todo o que passar a sua
    frente vai dizer: “Obrigado” e dar-lhe um bom sorriso.

    E quando, enfim, você chegar, depois de todos condecorado,
    iluminado de sorrisos recebidos, verá que os outros estarão
    à sua espera para que você entre primeiro

    
Pe. Hélder Salvador de Lima

Posted in AMIGOS | Leave a Comment »

CONTE SUAS BÊNÇÃOS..

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

                                “Quando nas ondas da vida você se vir jogado;
                                quando estiver sem coragem, pensando que tudo está perdido,
                                conte suas muitas bençãos, nomeando-as uma por uma,
                                e ficará surpreso ao constatar o que o Senhor lhe ofertou.

                                Você já teve muito peso sobre seus ombros?
                                Aquela cruz pesada, chamaram você para carregar?
                                Contando suas muitas bençãos,
                                toda dúvida se esvairá e durante o dia você cantará.

                                Então, em meio aos conflitos, sejam eles grandes ou pequenos,
                                não se desencoraje; Deus está vendo tudo.
                                Conte suas muitas bençãos; os anjos vão ouvir,
                                e ajudarão e apoiarão você até o fim da jornada.”

                                E. O. Excell

Posted in poesia | Leave a Comment »

Só tenho 17 anos

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

O dia em que morri era um dia de ir à escola.
                                Como eu gostaria de ter ido de ônibus!
                                Mas eu estava querendo mais.
                                Eu me lembro como chantageei minha mãe para pegar seu carro:
                                Favor especial eu disse, implorando.
                                Todos os meninos dirigem!
                                Quando eram 2.45 da madrugada, joguei meus livros no armário.
                                Eu estava livre até as 8.40 do dia seguinte!
                                Corri para o estacionamento, excitado com a idéia de dirigir um carro.
                                Ser meu próprio chefe.
                                Livre!

                                Agora não importa como o acidente aconteceu ….
                                Eu estava correndo feito um doido.
                                Correndo riscos estupidamente.
                                Mas eu estava me divertindo e aproveitando minha liberdade.
                                A última coisa de que me lembro é que eu estava ultrapassando
                                o carro de alguém que ia horrivelmente devagar.
                                Escutei um estrondo ensurdecedor e senti um forte solavanco.
                                Vidro e aço voando para todo lado.
                                Meu corpo parecia explodir por dentro.
                                Eu escutei meu próprio grito.

                                De repente eu fiquei imóvel.
                                Um policial estava parado perto de mim.
                                Havia um médico e meu corpo estava mutilado.
                                Eu estava todo coberto de sangue.
                                Cacos de vidro estavam espalhados por toda parte.
                                O estranho é que eu não sentia nada.

                                Não!
                                Não coloquem esse lençol sobre o meu corpo!
                                Eu não posso estar morto.
                                Eu só tenho 17 anos!
                                Eu tenho um encontro hoje à noite.
                                Eu tenho que ficar adulto e ter uma vida maravilhosa.
                                Eu ainda nem vivi …. não posso estar morto!

                                Mais tarde fui colocado numa gaveta.
                                Meus amigos tiveram que me identificar.
                                Por que eles tiveram que me ver desse jeito?
                                Por que minha mãe teve que enfrentar
                                a mais terrível experiência de sua vida?
                                Por que meu pai, de repente, parecia tão velho?
                                Ele disse para o homem de plantão: “Sim, este é meu filho”

                                O funeral foi uma coisa estranha.
                                Todos os parentes e amigos andavam em volta do caixão.
                                Eles passavam, um por um, e olhavam-me tristemente.
                                Alguns dos meninos estavam chorando.
                                Algumas garotas tocaram a minha mão e se afastaram angustiadas.

                                Eu queria que alguém pudesse me acordar e me tirar deste caixão!
                                Meus pais estão tão arrasados!
                                Meus avós tão chocados, que mal conseguem andar!
                                Meus irmãos e irmãs estão com os olhos parados
                                como zumbis e caminham como robôs.
                                Ninguém quer acreditar que isto aconteceu comigo.

                                Por favor, não me enterrem!
                                Eu tenho ainda muito para viver!
                                Eu quero correr e pular outra vez!
                                Eu quero rir e cantar!
                                Por favor, não me coloquem sob a terra.
                                Eu prometo que se eu tiver mais uma única chance,
                                serei o motorista mais cauteloso do mundo.

                                Por favor, Deus, eu só tenho 17 anos! 
                                 Dr. Michael Lee Poling

Posted in AMIGOS, amizade | Leave a Comment »

O amor não pede licença

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Teu amor foi entrando em minha vida,

      sem querer saber o dia e a hora.

      Não pediu licença…

      Invadiu meus pensamentos.

      Tomou conta dos meus sentimentos.

      Se fez dono de mim…

      Você me pegou de jeito…

      Entrou em meu sangue,

      em minha alma… Em meu peito…

      Fez meu coração disparar,

      com um simples gesto…

      com um simples olhar…

      Não pediu licença…

      Sinto que sempre e eternamente serei tua…

      A vida toda esperei por teu amar.

      Me rendo…

      Me entrego…

      Pega o que é teu…

      Não precisa pedir permissão.

      Já é tua a minha vida…

      Já é teu meu coração.

      Sol Lua©

Posted in poesia | Leave a Comment »

FRAGRÂNCIAS SOLTAS AO VENTO

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Fragrâncias soltas ao vento
      embebedam meus sentidos
      de puro prazer que só a mãe
      natureza consegue reproduzir.

      Ébrio pelos olores tamanhos
      caminho em direcção ao mar
      e nele me perscruto atentamente
      no vai e vem das ondas.

      Há um forte cheiro a maresia
      que se desprega da espuma
      que corre como galgos livres
      no peito hirto das águas.

      E as gaivotas descendo das nuvens
      mergulham no mar, como que
      para comemorar esta imensa ode
      à natureza em todo seu esplendor.

      Absorto raso meus olhos na água
      sinais de bom despertar
      e me embeveço de delícias tais
      que a paisagem tem pra me oferecer.

      Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

A GAIVOTA E O TIMONEIRO

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

            Lá onde o horizonte nasce
            de braços abertos para o mar
            uma gaivota inicia seu voar
            para onde lhe leva o vento.

            Rasando vai no azul das ondas
            tentando o peixe adivinhar
            nas águas pardacentas a nadar
            o vislumbre esguio que promete.

            Molhada pelas águas a gaivota
            uma a uma as penas põe-se a alisar
            como um timoneiro de bem navegar
            oleando o motor do barco ensejado.

            Secas as penas alça voo no céu
            enquanto o timoneiro se põe a olhar
            granjeando um bom despertar
            com o qual bem cedo se fez às águas.

            Nisto a nossa gaivota não esmorece
            lés a lés desenhando-se no ar
            e no preparo único para mergulhar
            recolhe as asas coladas ao corpo.

            Gaivota e timoneiro no horizonte
            buscam ao sol o que é de bom buscar
            aquilo porque aquilo foram pescar
            ainda mal nascia o dia lá mais em baixo.

            Bem alimentada a nossa gaivota
            mas cansada de bom esvoaçar
            acerca-se do barco para roubar
            as redes repletas de peixe amiúde.

            Um escarcéu tremendo cerca as redes
            são gaivotas que se vão alimentar
            do mesmo que a nossa soube esmiuçar
            quando do céu se fez ao mar e ao pitéu.

            Com a barcaça cheia regressam ao porto
            os pescadores com olhos de cansar
            quem os seus neles poise o olhar
            e logo ali repartem o seu quinhão.

            Como uma figura emblemática
            a nossa gaivota depois de fasear
            as idas e voltas que a souberam levar
            à comida, alça voo para não mais se ver.
            
            Jorge Humberto

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESTRELA, E O MEU AMOR?

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Quando a estrela pintou, ela que vejo quase sempre,
      pensei comigo: ganhei.
      Ela um amor em cânticos,
      que ouço até na mais longa distância…
      Estrela, onde está o meu amor?
      Você que é suave e também insinuante,
      diz estrela, já esperei tanto…
      A lua sempre mente, diz que ela vem e está chegando,
      e eu não a vejo presente. Tanto tempo por chegar…
      Acho até que passou do momento.
      Dizem que a lua tem ciúme da estrela,
      porque ela tem luz própria e se vê em imensa distância.
      Mas dizem também, que é a estrela quem
      tem ciúme da lua, ela tão pertinho…
      Mas nem sei quem mente,
      o que desejo mesmo é estar com o meu amor.
      Estrela que brilha no mar, e a lua pertinho é quem beija.
      O que é melhor, ser lua ou esteja?
      Melhor mesmo é ser, somente ter não está com nada.
      Enquanto passa a manada, vou buscar o meu amor.
      Valeu lua, bem maneira estrela…
      Vou ficante e fico amor.

      
     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

PRONTO PARA O AMOR?

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Deixe a tristeza de lado, tem jeito sim…
      Nem sempre a coisa vai pra onde queremos,
      mas querer com força e fé, suaviza o caminho,
      e o amor está logo ali, um passo além…

      Deixe-o chegar, é o seu bem que vem vindo.
      Ah… o amor, sem amor o mundo parado,
      nada acontece, até o doce fica amargo,
      Viva o Amor, Viva a Mulher, Viva o Mundo…

      Vá, tem que ir, nade, é pra nadar,
      com fé e amor, adeus os perigos do mar.
      A praia doce recanto, está por chegar.
      A praia, doce lugar para sentir o amor viver.

      E assim, prazer infindo, gozo bem gozado,
      sorriso meigo para o mundo,
      será a glória pra ela e você,
      e uma voz chamando e dizendo:

      Vem amor! Você, meu bem…

        
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESSE SOU EU

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Já caminhei tanto
      Jamais pensei viver tantos caminhos
      Sinto que a linha de chegada está perto
      Muitas coisas em vacilo, mas em outras
      Tenho convicção que vivi tudo que podia

      Vivi a vida que se ofereceu e um pouco mais
      Esquivei-me do fim várias vezes
      Muitas vezes não escolhi os caminhos
      Segui por coincidência

      Por instinto, um farol que indicava
      E até mais do que isso, um empurrão
      Que não sabia vindo de onde
      Eu fiz como podia, segundo aprendi

      Tudo bem ao meu modo
      Muitas vezes não sendo o que eu queria
      Consciência leve,
      Não fiz melhor porque não pude

      Em especial fiz melhor quando amei
      Os momentos de rancor produziram pouco valor
      Minha colheita melhor
      Foi quando plantei o bem

      E mesmo assim poderia
      Ter feito bem melhor
      Mas se soubesse o que sei hoje
      Na época eu fiz o que sabia fazer

      Busquei ver tudo até o detrás dos escombros
      Até em noites escuras de incerteza
      Busquei manter-me calmo
      Planejando um amanhecer de luz e amor

      Esses foram meus melhores momentos
      Se fui afoito em alguns instantes
      Em outros tive cuidado
      Principalmente quando envolvia vida
      Que não era a minha
      Era bom cuidar além de mim, ser protetor

      Fiz sempre assim ao meu modo
      Houve dias de amargura, chorar por dentro
      Na maioria só eu sabia da dor
      A dor da gente nem sempre é notada

      Quando dói mesmo não tem testemunhas
      Às vezes o erro foi porque fui puro
      Outras vezes não esperei o sinal
      Quando eu quis abraçar o mundo com as mãos…

      Mas nada disso já importa
      O que vale é que,
      se não posso alterar o início
      Posso criar um novo começo, agora

     
      Evaldo da Veiga

Posted in poesia | Leave a Comment »

ESPERANÇA!

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Nessa festa de surpresas,
      a gente dança e canta,
      a canção de toda a vida…
      Às vezes brindando alegrias,
      Às vezes sorvendo as ânsias…
      Mas uma só é a bebida
      e ela se chama Esperança!

      Eme Paiva

Posted in poesia | Leave a Comment »

UM AMOR PARA RECORDAR

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

      Era um dia especial!…
      O Sol, solenemente,
      se punha no horizonte,
      derramando sobre a terra
      seus últimos raios de luz,
      colorindo o céu
      de vermelho sangue…

      Eu te olhei, tu me olhaste!…
      E foi naquele instante,
      daquele olhar, que nascia
      um grande amor!…
      Te aproximaste e eu
      te esperei…

      Eu sorri!…Tu sorriste…
      Nossos corpos foram
      sendo invadidos
      por um calor estonteante!…
      Não sabíamos se vinha do sol,
      ou se explodia de dentro do ser…

      Era o primeiro encontro
      e foram assim
      as primeiras apresentações.
      A paixão estava no olhar,
      na forma de andar, no sorriso,
      nas mãos que buscavam se tocarem
      na alma, no coração!…
      O encanto era total…

      Daquele dia em diante,
      foi viver com intensidade!…
      Tantos foram os beijos,
      tantos os abraços,
      que não deixava dúvidas:
      era uma união completa…
      Sem reservas nos entregamos!

      A sede de amor,
      que tínhamos um pelo outro,
      nos transformava em loucos,
      amantes desvairados…
      Donos de um  mundo sem limites
      e mesmo estando
      entre quatro paredes
      era infinito…

      Éramos nós, para nós,
      sem pensar em nada,
      em ninguém!…
      Vivendo um para o outro
       sem o ontem. sem o amanhã,
      só importando o agora!…
      Nós e o nosso amor!…

      Naquela comunhão total,
      experimentávamos o que seria
      uma felicidade completa,
      até que, num outro dia,
      na escuridão da noite de um frio
      que nos gelava a alma,
      te vi partir!…

      Tu choraste, eu chorei!…
      Um último beijo trocado
      foi o que marcou,
      para ser lembrado e,
      por mais que não se deva
      viver de recordações,
      não posso esquecer,
      ainda, estás vivo em mim…

      Aquela que foi
      a mais linda história de amor
      permanecerá no coração,
      alimentando meu ser,
      sendo força para eu continuar…
      Fui louca, mas mais louca
      eu ficaria se apagasse em mim
      as lembranças, pois
       recordar é viver…

CarmenCristal

Posted in poesia | Leave a Comment »

Além da impossibildades

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

Tanto tempo
Ser uma migalha no vento

Todo momento sem âncora
E sem propósito

Nos beirais do amanhecer
A espera da sorte

Se fartando de pedaços
Caminhando pelos barrancos

O que se pensa não se sustenta
Pesa como gelo nos galhos envergados

Palavras não premiam a preguiça
Desnorteiam a opulência e a indolência

Quando a lágrima quer
Não existe lugar para chorar

Quem vive de esperança
Também envelhece e morre

Tanto tempo
Ser uma migalha no vento

Carlos Assis

Posted in poesia | Leave a Comment »

Dentro do meio

Posted by vidapura2 em Janeiro 31, 2010

Dentro do meio
Do salto do rato
Do alto da mesa
Longe do queijo

Não precisa ser o que é
Para você ter de pensar
No que faz
Depois de cair da cama

Dentro do meio
Anda de lado a lado
Ouvindo pingos de água
A martelar as bacias

Meu corpo protesta
A loucura é de deus
Não acredite em futuras recompensas
Tudo são balelas

Todo mundo fala, pouco diz
Escuto a surdez da palavra
Entra por um ouvido
Sai pelo outro

Dentro do meio
Após a eternidade do pecado
Esqueça a fecundidade da mulher
A vida é uma futilidade
 
Carlos Assis

Posted in poesia | 1 Comment »