amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Archive for Julho, 2010

Cheguei atrasada

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      percorri por caminhos desconhecidos

      frios, escuros

      na tentativa endiabrada

      de pintar a cor do vento,

      avistei-o quando já de mim fugia

      o vento.

      Perguntei às pedras,

      perguntei às árvores,

      parei num cais onde já não havia barcos.

      Mesmo assim perguntei ao mar

      de que cor o vento pintar,

      ninguém me respondeu

      não pintei nada

      cheguei atrasada

      O vento fugiu-me

      O vento venceu-me

      Ana Duarte

Anúncios

Posted in poesia | Leave a Comment »

Mas o vento não tem cor

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Mas o que é isso do vento?
      É só ar em movimento,
      que se é suave e ligeiro
      refrescante e prazenteiro,
      nos agrada no sentir…
      Mas se forte e causticante,
      incomoda se escaldante,
      dá vontade de fugir…
      Mas seja ele qual for,
      não vislumbro a sua cor
      nem com os olhos da ilusão.
      Só na tela de um pintor,
      ou de um lírico escritor,
      em sua imaginação…

      António Boavida Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Pintando o vento

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Peguei numa paleta, em pensamento
      Tomei os meus pincéis de colorir
      E as tintas misturei, sempre a sorrir,
      Pedindo à brisa que mudasse em vento.

      A chuva veio dizer-me, num momento,
      Que também tinha gosto em assistir
      À mistura que eu fosse conseguir
      Para expressar, na tela, o movimento.

      E o vento, prosseguindo a sua rota,
      Sorve, na boca, a chuva, gota a gota,
      Sentindo o sopro forte bem molhado.

      Com as tintas aceitando tais rigores,
      Abraçaram-se todas em mil cores
      E, de arco íris, o vento foi pintado.

      António Barroso

Posted in poesia | Leave a Comment »

O vento brando da saudade

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

 O vento brando da saudade
      Sopra em meu coração
      Carregado de cores a marcar-me
      Os momentos de amor e paixão.
      Amor que se foi sem dizer nada
      Que ficou em meu peito enterrado
      Que volta nas longas madrugadas
      A sentar ao meu lado
      No aconchego do meu sofá
      A zombar de minhas lagrimas.
      
      Luiz Gonzaga Bezerra

Posted in poesia | Leave a Comment »

TINGINDO O VENTO

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Quando caminho pela praia,
      e ouço o barulho do mar,
      sinto o  vento me tocar,
      como se algo quisesse falar.
      Sinto a aragem daquele ar,
      frio, calmo, e  às vezes mais fortes,
      que vem  colorir meus momentos ,
      e tingir minha face.
      Cerro meus olhos e
      imagino tingir e descobrir sua cor.
      Relembra o prateado da lua, o doirado do sol,
      mas é só um vento brando.
      que corta a calma, que enche minh’alma,
      meu íntimo e minhas lembranças.
      Traz  segredos que são meus,
      do meu tempo de criança.
      Afasta de mim  tristezas,
      para trazer esperanças.

JOSÉ ERNESTO FERARRESSO

Posted in poesia | Leave a Comment »

PINTANDO O VENTO

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Havia um silêncio prazeroso
      acompanhando meus passos lentos…
      No céu, as núvens desenhavam
      minhas emoções… meus pensamentos…
      Quebrando e encantando o silêncio,
       alguns ruídos, água deslizando
      e o vento que acariciava meu corpo…
      Fechei os olhos para sentir
      a suave brisa que me tocava,
      cálido vento que dentro de mim
      cantava deixando-me em
      completa letargia…
      Enquanto bailava o vento calmo,
      eu o pintava de dourado,
      cor que me aquecia,
       prateado, cor da lua amante,
      lilás, a cor dos meus devaneios
       e de vermelho evidênciando a minha paixão
       pela vida e por um amor que só
       saudade deixou…

   Naidaterra

Posted in poesia | Leave a Comment »

Doce Saudade

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

É doce a saudade que meu ser invade,
Quando lembro de nós dois, daquele dia…
Foi uma explosão de amor, de felicidade…
E a vida vestiu-se de singular fantasia!

Tornando-nos cativos da incontida paixão.
Foram tantos sussurros, tantos abraços…
Um sentimento de euforia e adoração…
Nós dois…  fomos cingidos por fortes laços.

Teus olhos pedintes, atiçavam os meus…
Não havia razão que pudesse dar jeito…
Minha boca sentia fome dos beijos teus.
Era muita adrenalina invadindo meu peito!

Sinto saudade, do nosso mágico começo.
Foi paixão… foi amor, amor verdadeiro!…
Apaixonada… inebriada… permaneço…
Irei te amar… até o instante derradeiro!

És o inicio e o fim, és meu mundo inteiro!
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

UM DESABAFO EM VERSOS

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Abraçam-nos

      Apertam nossas mãos,

      Fingem atingir as raias da compreensão,

      Dançam nos limites de nossas limitações.

      Oferecem a mão.

      Por trás, inventam , sonegam, estendem a perna

      Para um grande escorregão de quem estava

      Desarmado ou disponível.

      Esquecem tudo que já se lhes ofereceu.

      Roubam sem pudor

      E quando vamos procurar nosso próprio naco,

      Respondem que “o gato comeu”,

      E se tentamos retornar a um lugar cedido,

      Dizem: – ”Quem sai ao vento, perde o assento”.

      E logo conosco, que acreditamos

      Na verdade inconteste: “faz a força, a união”.

      Afinal “uma andorinha só, não faz verão!”…

      Afasta com mil estratagemas, quem os auxiliou

      E colocam em nossa boca palavras não ditas,

      Inventadas por eles, malditas…

      E nos entristece ver pessoas queridas

      Caírem na rede que usam para nos derrubar

      -e às vezes, a esses amigos inconsistentes

        Preferem acreditar nas linhas dos novéis

      Que em nossos antigos e fortes carretéis.

      Fazem jogo duplo, são sonsos e traem amigos,

      Porque traição perpassa pela deslealdade

      E os liames da afetividade, da entrega, na amizade,

      Tem a ver com confiança, afiliação, respeito.

      Há os ingênios que se deixam enredar

      Com histórias, artifícios, estratégias:

      Sempre têm ciúme do Outro

      E querem caminhar seus caminhos.

      Esquecem que em uníssono

      São mais ouvidas as vozes,

      Mas se fazem surdos e mudos no conjunto

      Enquanto registram idéias alheias.

      Depois copiam os hinos e poemas, contos e causos,

      Crônicas e opúsculos

      Que e apresentam, assinando a autoria.

      Voam condores e jogam-lhes pedras.

      Voam beija-flores e esses invejosos

      Queimam os jardins para que não possam

      Polinizar nem encantar o mundo.

      Voam borboletas e lhes arrancam as asas

      Para fazer bandejas meramente decorativas.

      Se é preso em jaulas e masmorras de incompreensão

      Um coração poeta vão até lá, prestar pseudo-auxílio,

      Oferecer soluções impossíveis de alcançar.

      São capazes de ofertar empréstimos de préstimos

      E sorrir quais aqueles que nos amam de verdade.

      Viajam e surrupiam as possibilidades dos Outro

      -que muitas vezes sequer as deseja:

      Sob a pele de cordeiros mansos a balir,

      São predadores insensatos, inconsequentes…

      Consola-nos, no entanto, saber que embaralhados

      Nas próprias maldades e mentiras

      Caem quais as pedras frouxas numa avalanche de inconsistências…

      Enquanto nós, resilentes e em paz,

      Seguimos a trilhar as trilhas,

      Embalados nos braços da Verdade

      -dama que sempre reaparece, quando menos se espera…

       Clevane Pessoa

Posted in poesia | Leave a Comment »

Sem lhe ver vou vivendo!

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

            Sem lhe ver vou vivendo e assim tem sido meus dias.
            Mesmo você não me vendo, mesmo você distante,
            tenha certeza que estou  ao seu lado e lhe percebendo em meus sonhos…

            Mesmo você não me tocando,
            nos meus sonhos eu estou a lhe sentir.
            Por onde você andar e estiver passando, nos caminhos mais difíceis e distantes, estarei  seguindo seus passos, em pensamentos…
            Pedindo a Deus que cuide para que não tropece tanto nas pedras que foram colocadas em nosso caminho.

            Sonho com seus olhos azuis e neles eu me vejo refletida.
            Sonho com o encanto dos seus poucos sorrisos, já que ultimamente é o que menos tem feito… mesmo assim eu sonho e sinto!

            No seu corpo está a minha vontade e o meu esperado desejo,
            em sua alma meus sentimentos e sentidos.

            Você é minha  eterna vontade.
            Um sonho bonito, embora complicado…
            que  ainda estou vivendo,
            até transformar-se em realidade, quando Deus permitir…

            E assim, vou continuar a esperar por você,
            falando o que sinto dentro deste coração,
            até que a morte nos separe definitivamente.

Vera Jarude

Posted in poesia | Leave a Comment »

MULHER MARAVILHA-2

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

 I
 Oh! Mulher que é tão querida
 e, dona dos sonhos meus!
 Como razão, de minha vida,
 serei, também, dono dos seus?
 II
 Você é a “maravilha”
 que cruzou a minha estrada
 e, só caiu na armadilha,
 pelo amor, bem preparada
 porque já estaria,
 de há muito, apaixonada
 e porque, também sabia,
 que seria muito amada…
 III
 Também fiquei apaixonado
 e, você sabe que foi porque,
 além de, há muito, ser seu namorado
 pude ver que, em você
 o requinte no vestir,
 o perfume bem dosado e fino
 e, o que sua pele me fez sentir?
 transformaram, este velho, n,um menino…

Salvador Prantera Junior

Posted in poesia | Leave a Comment »

Como dói…

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Como dói…
       a ausência do carinho das flores,
      perfumando os jardins dos dias.

      Como dói…
      ver a indiferença da amante poesia,
      trocando sua musa por outro amor.

      Como dói…
      escutar o choro das lágrimas da saudade,
      congelando o inerte corpo da dor.

      Como dói…
      ouvir os acordes de uma linda canção,
      quebrando o claustro do coração.

      Como dói…
       sentir o aperto dos braços da solidão,
      amordaçando a flácida vida.

      Zena Maciel

Posted in poesia | Leave a Comment »

Partida

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Visão real!
      Imagem nua, e crua.
      Calada, fala,
      retratando no espelho,
      os vazios mais profundos
      registrados na alma.
       Ninguém, além de ti,
      saberia entender a verdade
      do silêncio, estagnado
      diante de teus olhos.
      O segredo, inconsciente,
      descobre os pensamentos, 
      que não se enganam
      vendo o tempo passar
       e a tudo mudar,
      transformando o agora,
      em passado,
      a verdade do dia em coragem
      de partir, sem despedidas,
      sem poder ,ver ,ouvir ou dizer adeus.

 Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

VAMOS VALORIZAR A AMIZADE

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

Devemos dar à Amizade o seu devido valor, sempre considerando que a amizade é um sentimento muito precioso, e que uma vez conquistado, não deve ser perdido, podemos considerar a amizade como uma planta, que precisa sempre ser regada para sobreviver.
Assim é a amizade.  Sempre precisamos estar presentes, porque da mesma maneira que a planta morre sem água, as amizades acabam por findar, sem aquele ato de presença, aquele simples “oi amigo”.  Um sinal de vida sempre é necessário, e não custa muito. Nem que seja apenas para dizer que está vivo e bem.
Recebi uma frase de Alexandre Dumas há algum tempo, que penso ser oportuna agora, nem que seja para saber se a pessoa que me enviou ainda se lembra dela. Vejam que linda e oportuna sua mensagem:
“Faça sua ausência ser forte o suficiente para que alguém sinta a sua falta….
Mas cuide para que essa ausência não se torne longa, ao ponto desse alguém descobrir que pode viver sem você….”
Claro que isto vale não apenas para as amizades, mas para qualquer tipo de relacionamento, e até mesmo para a sempre tumultuada relação chefe/funcionário. Aliás, uma expressão muito interessante que vi muitas vezes afixada em escritórios, é a famosa “nunca falte ao trabalho… podem perceber que vc não faz falta…”  E se a falta não for sentida, poderá ser permanente.
Costuma-se dizer que é nas ausências que as pessoas podem dizer se gostam ou não de alguém.  Sentindo a falta, é sinal positivo. Contudo,  se a ausência for indiferente, é aquele famoso “foi bom enquanto durou… adorei tua ausência…”
Quando não desejamos mais uma companhia, ou quando uma amizade terminou, costuma-se dizer o famoso: “favoreça-me com sua ausência”, pois esse tempo em que você se afastou foi muito agradável.
Nos relacionamentos de amizade, muitas vezes achamos que não é necessário dar aquele toque, aquele telefonema, passar aquele e-mail. Sempre poderemos fazê-lo amanhã. E esse amanhã é sempre postergado.  Acabamos nos esquecendo, e logicamente sendo esquecidos também.
Um dia, descobrimos que as pessoas gostam de ser lembradas, e quando tentamos refazer aquela ligação, descobrimos que fomos esquecidos. Aí então, é que se nota que a plantinha da amizade não foi regada o suficiente, e morreu.  Pode-se tentar a ressuscitação, que por vezes acontece.  Muitas vezes amigos que se afastaram por um motivo ou outro, podem ser reconquistados, quando a separação só se deveu a uma eventual falta de comunicação, não tendo havido mágoa nenhuma.
Portanto, aqui vai uma recomendação. Não esqueçam de seus amigos por muito tempo, pois a amizade, como o esquecimento, passa por estrada de mão dupla. As pessoas têm que se cruzar.  A convivência, seja real ou virtual, deve acontecer.
Muitas vezes, vejo namorados dizerem que “precisam dar um tempo” para saber se realmente se amam. Ora, quando esse “tempo” é preciso, é sinal de que as coisas não estão indo tão bem assim. É certo que por vezes numa separação curta, podemos descobrir onde está o bichinho que eventualmente vinha corroendo a união, e darmos um jeito nele, passando o antivírus do amor.
Porém, se a separação for longa, o que se pode descobrir é que o bichinho já comeu a parte mais importante, que é a necessidade da presença, isso, sem, contar que por vezes as ausências possibilitam novos conhecimentos, e eventuais substituições.
Por mais que uma ausência seja sentida, sempre acabamos por nos habituar com ela, portanto nunca se esqueçam de que a ausência, muitas vezes incomoda menos do que a presença.  E quando as pessoas descobrem que é melhor “semtigo” do que contigo, é sinal de que o encanto foi quebrado,  e nada mais resta para se consertar.
Enquanto nossa presença está presente, tenham sempre presente que o melhor presente que temos é o presente. E com este presente, aqui vai outro: TENHAM UM LINDO DIA.

        Marcial Salaverry

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amigos & Amigos

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

      Amigos são portas e janelas abertas.
      Terra firme, salva vidas em alto mar,
      Estrelas, que eternamente brilham
      Sobre as chuvas  ou em noites de luar.
      Seus amigos são meus amigos,
      Pouco importa onde eles estão
      A nossa casa tem um espaço,
       Onde se troca a verdadeira emoção.
      Em toda parte está escrito:
      Seja bem vindo, Amigo irmão.
      A minha casa é sua casa
      Entre, fique, e ouça, em sintonia,
      Nossa canção,
      Pulsando sempre baixinho,
      Falando alto ao coração,
      Exalando palavras
      Dos verbos incontidos,
        Nas paralelas da inspiração,
      Que, a todo momento ressoam,
      Diferenciando a razão
      das  eternas amizades,
      Que  também brotam do amor,
       Com perfume de saudade

 Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | Leave a Comment »

Impossibilidades

Posted by vidapura2 em Julho 31, 2010

Impossível gargalhar diante da tristeza,
se esta chegou ao coração,
 ou, calar-nos nas horas de discussão,
que arquiteta calada desculpas,
para nutrir a obsessão
Quando a perda começa
sai o primeiro grito,
que nos tira a  razão,
debatendo-se,do outro lado,
descobriremos onde mora a solidão,
vestida de  silêncio,
ouvindo  o amor chorar
enquanto a emoção pergunta:
  por que ?
Ninguém consegue estancar
a dor,de uma paixão
 que a tudo ouve ,
sofrendo a decepção
sem poder dizer te amo,
ou emitir o som
dentro desta escala
que perdeu seu tom

Schyrlei Pinheiro

Posted in poesia | 1 Comment »