amizade e poesia

Alguém que faz você rir…Alguém que faz você acreditar em coisas boas…Alguém que convence você …De que existe uma porta destrancada…Só esperando para que você abra. Esta é a Amizade Para Sempre.

Eternos dias de outono…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Agora, caminho entre os bosques de minha vida, com o coração dilacerado, a gritar pelo teu nome, em busca de teu carinho e consolo…

Minhas mãos sentem a falta das tuas, que marcadas pelo tempo, me traziam a segurança, o carinho e o afeto de teus lábios, sempre a gotejarem doces palavras…

Saudades de um tempo em que me sentia amado,

que não temia o novo amanhecer, por poder contar contigo ao meu lado.

Tempos estes, que deixaram marcas em minha alma,

lembranças de nosso amor; de uma união que exalava pureza…

Eras tu a minha deusa, senhora, poetisa, estrela maior!…

De meus dias fazia minutos!… De meu nome fez história ao me conceder teus ensinamentos de honra, de moral e religião… A tua maneira meiga, a me ensinar a primeira oração, teu carinho em minhas noites de enfermidade, teu apoio em minhas quedas,

teus ensinamentos em meus erros…

Ah!… Doce Senhora, porque me deixaste? Porque partiste?…

Deixaste meu coração dilacerado pela dor, dor esta, que nunca cicatriza, tira a inspiração do poeta, me torna órfão, perdido em meio ao universo…

Quando ouço o cantar dos pássaros, quando meus olhos são presenteados com a linda visão do oceano, quando caminho entre as areias alvas, a lágrima roça minha face e te quero aqui!… Olho, grito, corro e me vejo só…

Um dia, a morte, te retirou de mim, naquele dia, retirou o brilho da minha maior estrela!… Quero e acredito, que nossa separação é momentânea, e isto, me dá forças para prosseguir em meio a este mundo, que por vezes, me assusta.

Hoje, queria, como fiz por anos, colher as rosas champanhe, colocar em teus braços, te beijar e ver teu sorriso a contemplar o momento…

Recolho-me a meu cantinho, a espera que o sol, um dia, apresente enfim, o dia de nosso reencontro, e possa ai então, te ver e novamente estar em teus braços

mãezinha amada…

Beijos, Estrela da minha vida…

Paulo Nunes Junior

Anúncios

Posted in AMIGOS | 1 Comment »

NOSTALGIA

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Todo o amor, que me tens dado,
guardo-o no coração, enlevado.
É como o carinho, que a ofertar,
quisesse do afecto um beijo deixar.

Em cofre de marfim está guardado,
que no teu colo sinto-me abraçado.
E no silêncio do que possa parecer,
as rosas do amor, que as viu nascer.

E acaso sou eu, teus olhos a guardar,
confesso. sim. sinto-me apaixonar.
É como se o céu descesse até mim,
e em branca alvura, trouxesse-me a ti.

E por todo o lado Narcisos a corola
expõe; e o mal, se existe. estiola.
Menos o nosso amor, que é eterno,
persistente no querer e muito terno.

Jorge Humberto

Posted in poesia | 1 Comment »

Amor & Pecado…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

É pecado amar?… Tudo é pecado!…
Amar sem lei… amar sem querer….
É proibido ter um coração alado…
Amar loucamente sem perceber…

Não pode o sonho extrapolar a razão,
O sentimento andar na contramão…
Feito um mendigo, um pobre aleijão.
Ah, mas é cego e surdo o meu coração!

É pecado amar? – Exijo uma explicação!
Se é pecado… por que ele acontece então?
Busco e não encontro resposta, nem razão.
Tampouco, vejo motivo para pedir perdão…

Nos amamos muito… é tudo que sei…
Meu beijo é dele e de mais ninguém!
Ele é o amor maior que já encontrei…
Por que trocá-lo por outro alguém?…

Passa o dia… chega a noite e o luar…
Minha boca… só quer a sua boca beijar.
Meu corpo ardente… no seu enroscar…
Que importa se iremos outra vez pecar?

É discutível o pecado… é maior a emoção
Que deságua de nós dois em profusão…
Transmutando-nos num mágico clarão.
Se pecamos, só a Deus pedimos perdão!

Sei… eu sei que seremos perdoados.
Só o ódio… não merece absolvição!…

Mary Trujillo

Posted in poesia | 2 Comments »

Teus Olhos

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Teus olhos me arrastam
Para um turbilhão de desejos …
Enlouquecem ….
Quando fixam minha boca …
Pedindo ardorosos beijos …
A mulher que sou …. pede colo
Carícias sem limite …
Noite sem pressa …
Corpos desafiando
A madrugada que começa …
E a paixão se faz quente ….
E bela …
Pagando do amor …
Toda … a promessa

Marilena Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Tus Ojos

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Tus ojos me arrastran
Por un torbellino de deseos …
Enloquecen …
Cuando miran mi boca …
Pidiendo ardientes besos …
La mujer que soy … pide confort
Caricias sin límites …
Noche sin prisa …
Cuerpos desafiando
La madrugada que comienza …
Y la pasión se torna ardiente ….
Y bella …
Haciendo del amor …
Toda … una promesa

Marilena Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Assim sendo…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Por mais percalços que eu tenha…
E que a inveja maltrate meu coração,
Tudo será passado, grãos de areia…
Levados pelo vento… sem compaixão.

Hoje… minha alma chora a hipocrisia
Que não se acalma em época alguma.
Se… o dito ser humano é pura tirania,
Jamais nascerá poesia da sua pluma…

Quanto mais chicoteados meus sentimentos,
Mais acredito no poder e na Glória de Deus.
“Ele” me purifica das tristezas e abatimentos.
Faz voltar a alegria aos chorosos olhos meus.

Por mais que me assole a maldosa inveja,
Sinto-me pelo amor e pela paz cingida…
Sei que só quem é infeliz atira pedras…
Deixa de viver… acaba com a própria vida.

Sendo assim… vencerei, do mal, a investida.
Passarei garbosa, incólume e desprevenida.
Não carregarei a alma pesada e confrangida.
Pouco me importa… a doçura da voz fingida!

Tenho em mim… plantada a semente do amor,
A demência de ouvir conselhos sobrenaturais,
Ouço pedirem… – Aparta-te, já é hora, por favor,
Que, entre homens, há muitas feras irracionais!…

Assim sendo… parto sem olhar para trás!…
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Ah!… Essa Paixão Demente!

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Mistério, magia, paixão ardente,
Tantos carinhos dementes!
Tanto amor, sangue quente.
Noites de tanta doçura…
Essa voz que diz amo você
Todo momento, todo instante,
Que cativa e alucina…
Me põe tonta com seu ciúme.
Chora, canta seu amor aos meus ouvidos,
Embriaga-me de amor com suas
Mãos… Tremendo de emoção… Seu beijo
Alucinado, desesperado me fascina…
Briga me descontrola,
Vai embora e volta na mesma hora…
Diz voltei minha menina…
Não lhe quero mais.
Por favor, vá embora…
Não! – Fica, abraça-me agora!
Não lhe entendo, nem você me entende…
Mas há um grito alucinado de paixão
No seu, no meu coração, que nos atira
Um nos braços do outro,
Feito crianças, feito bobos…
Abraços… Beijos… Carícias em acordes
Perfeitos como uma canção…
Peço então… Não vá agora…
Entre sorrisos você diz…
Nunca pensei em ir embora!

Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Coração plebeu

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Uma data previamente marcada

Para ascender à realeza?

Não! Por ti, que já és princesa

Musa eleita e amada

Quebrem-se os protocolos

Revoguem-se as formalidades

O que busco é a felicidade

No aconchego do teu colo

No calor do teu olhar

Na luz do teu sorriso…

A ante sala da um paraíso

Com que vivo a sonhar!

À margem de castelos, distante da realeza

Bendigo a sublime missão que me legou o destino

Não importa se num momento de lucidez ou desatino

Confiar a ti, tudo de mim, meu coração plebeu, princesa!

Walter Pereira Pimentel

Posted in poesia | Leave a Comment »

Apenas… mulher

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Sou mulher… apenas uma mulher…

Idealista… guerreira e charmosa…
Sempre pronta para o que der e vier.
Às vezes silêncio… às vezes prosa…

Mulher sensível… porém… orgulhosa
Daquilo que sabe ser capaz de fazer.
Exigente é verdade… porém amistosa.
Aquela que sabe como ser e viver.

Sou mais uma… entre tantas Marias…
Maria das dores, Maria de amores…
Maria felicidade… Maria agonias…
Maria que luta contra os opressores.

Sou Mulher… mulher pensante, ativa.
Mulher garra… Mulher meio anarquista.
Mescla de fada… e feiticeira intuitiva…
Madeira de dar em doido, em machista.

Sou apenas uma mulher… entre tantas…
Teimosa, atrevida, capaz de loucuras mil.
Como muitas mulheres, insanas ou santas.
Que guardam mistérios num olhar pueril.

Sou aquela que todos os desafios suplanta…
Sem negar fogo… sem precisar se esconder,
Sou a mulher que na adversidade se agiganta.
Que diz tudo … e desdiz sem se arrepender…

Não entendeu? – É tão difícel compreender?
Sou a mulher da nova era… – Muito prazer!

Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Solitários Passos

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Caminhante da vida, sigo meu rumo.
Sonhando… entre sorrisos e lágrimas…
Buscando da vida… o exato prumo…
Afinal, é o mister de todas as almas.

Comungo o verbo do silêncio profundo.
Permitindo-me respirar com calma…
Buscando entender o desamor do mundo,
Enfrentando a tortuosa e íngreme estrada.

Fiz da solidão… minha fiel companheira…
Com ela ouço a voz da razão, da sensatez,.
Faço dela minha melhor amiga e conselheira.
Recupero meu equilíbrio e minha lucidez…

Somos todos solitários caminhantes…
Até mesmo acompanhados de tanta gente.
Com idas e vindas, quase sempre errantes,
Levando uma saudade que se fez presente.

Restam muitas avenidas de solitários passos,
Repletos de tristezas e belas recordações…
De amores grandiosos e de muitos fracassos,
Vou caminhando… rememorando emoções…

Passageira da vida… dos descompassos,
Seguirei… em meus solitários passos…
Mary Trujillo

Posted in poesia | 1 Comment »

Não, ainda… Não morri!…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

A música soa suavemente… impregnando o ar…
Meu ser se entrega ao tocante som e se põe a cismar.
Lágrimas incontroláveis nos meus olhos vêm bailar.
São tantas mágoas… tanto vazio e dores para contar.

O ontem ficou no espaço. Sei, jamais irá se apagar…
Procuro a mágica esperança que me fazia sonhar…
Não sou mais aquela menina que vivia a cantar,
Só aflições e decepções… fazem meu peito soluçar…

Essa não sou eu… essa é outra mulher, outra pessoa…
Uma doidivanas… que no espelho se vê refletida…
Que, seus erros e enganos, não aceita nem perdoa,
Porque causaram-lhe muitas lágrimas, muitas feridas!

Quem mandou confiar dessa maneira tola e desprevenida?
Não acreditar que existem feras incoercíveis e famintas?
Que nada vale perder a liberdade, fazer da vida uma desdita.
Um coração não tem vigor algum… numa alma destruída.

Foram-se os anéis… quase foram os meus dedos…
Privei-me da alegria, mergulhada em amargo segredo.
Passando tantas noites insones, frustrações e medos.
Agora chega!… Não quero mais esse tétrico enredo!…

Ainda há tempo de recomeçar de cabeça erguida…
De enterrar todo o passado… de retomar a minha vida!
Abandonar essa fraca do espelho que vejo refletida…
Sair para o mundo.. e sentir-me desta sina absolvida!

Afinal… Sou como o valente carvalho… não morri ainda!…

Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Amo!

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Amo tua voz suave, aliciante!
Amo tua saudade de mim!
Teu cheiro de brisa embriagante,
Teu toque de macio cetim!

Amo a chuva que molha teu corpo,
Amo teus olhos que denotam tristeza,
Teu hálito fresco que sedenta absorvo,
Amo dos teus gestos… a delicadeza!

Amo o dia que nos conhecemos!
Amo tua presença iluminada!
Amo todos os dias que vivemos,
Que seguimos pela mesma estrada!

Amo… Meu amor! Eu te amo!…
Amo hoje e amanhã amarei mais!
Esse amor lindo, grito… Proclamo!…
És o resumo dos meus ideais!…

Amo teu atraente cabelo grisalho…
Amo-te com toda a alma e coração!
Amo tua boca com gosto de orvalho…
Amo-te com loucura e devoção!…

Amo… Amor meu… Vida minha…
Além das aflições e dos vendavais!
Tua presença meu ser eleva, sublima,
Acalma… Proteje dos temporais!…

Te amo anjo meu! Te amo demais!…

Mary Trujillo

Posted in poesia | 2 Comments »

Anjo

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Cansei de ser e não ser

De fingir e de enganar

De admirar e desejar…

Sem jamais conseguir “ter”

Triste mundo virtual!

Onde a realidade

Não passa de fantasia, na verdade

A antítese do que sou, um ser real!

Que ama, que ri, que chora…

Na busca da felicidade perdida

Entrega-se aos ventos da vida

Sai mundo afora

Tomando a direção

E a decisão que sugere o coração cristão:

Através de ti, anjo, sublimar que existo

Que vivo, enfim, que te amo em Cristo!

Walter Pereira Pimentel

Posted in poesia | Leave a Comment »

Essa do Espelho…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Essa do espelho sou eu, sim, sou eu!
Aquela que ainda acredita no amor…
Cujo brilho dos olhos jamais morreu
E na boca, traz do beijo todo o ardor!

Essa sou eu… e a minha própria poesia…
Mistura de muitos eus… em apenas um ser.
Inquieta como o mar… em plena ventania.
Amante da alegria… da vontade de viver!

Essa do espelho sou eu… sim… sou eu!
Mescla de malícia e demasiada inocência…
Chorona de nascença… emoção no apogeu.
Ser humano que busca do afeto a essência.

Essa do espelho sou eu… com certeza!
Sou a que busca um espaço especial…
Almejando dos sentimentos muita clareza.
Para vivenciar um amor quase sobrenatural.

Essa sou eu, sim… uma eterna sonhadora,
Que abomina um romance frio e sem cor…
A dama confusa… carinhosa e protetora…
Que se desequilibrou nos labirintos da dor.

Essa sou eu, sou… e me aceito como sou…
Confusa tantas vezes, outras, pura lucidez.
A que tanto acertou e também muito errou.
A mulher que nasceu e para o amor se fez!

Se amar é bobagem, perdoa minha estupidez!
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »

Quanta Tolice!…

Posted by vidapura2 em Abril 2, 2011

Como pude pensar tanta bobagem?
Enfeitei noites vazias, fui tão bobinha!
Propus ao coração uma louca viagem.
Santa inocência! Que tolice a minha!

Ninguém sente como eu sinto o amor.
Tudo é tão frio, sem sentido, sem razão.
É asneira.. atender do peito… o clamor.
É louco quem vive do que dita o coração!

Construí tantos castelos! Quanta tolice!
Adormeci em tantas nuvens de saudade!
Ornamentando cada manhã de meiguice.
Num tormentoso mar de ambiguidade!

Terei sido tão louca… – Tão demente?
Ao devorar teu corpo… teu beijo ardente?
Fazendo-me só tua… tua simplesmente?…
Ah, se soubesse, o que diria essa gente?

Que sou uma tola? – Que vivo em delírio?
Que durmo e amanheço ouvindo sinos?
Vivendo de utopia… de terrível martírio…
Entregando-me a sonhos vãos e desatinos?

Pois que pensem… que tudo foi tolice!
Amei… porque amar faz parte da vida!
Se vivi de quimeras… de pura doidice…
Pelo amor fui batizada, estou absolvida!

Quantas tolices se faz por amor!
Tantos querem amar, se entregar.
Sentindo medo de sentir, de se expor.
Vendo com tristeza a velhice chegar.

Quanta tolice… é não viver de emoção!
Fui tola… e tola serei… eternamente!…
Ardente… alucinada… cativa da paixão.
Que zombe de mim toda essa gente!

Sou tola, sou louca; sou sim, uma demente!
Só assim… posso viver… plenamente!…
Mary Trujillo

Posted in poesia | Leave a Comment »